quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Contas externas até Setembro: ainda e bastante positivas...

Tavares Moreira

1. Com a doce turbulência política dos últimos dias – agora suavemente ultrapassada – nem reparamos na divulgação dos dados sobre as contas externas até Setembro, ocorrida na última 6ª Feira, e de que aqui temos por hábito deixar um breve apontamento – atenta a decisiva importância desta informação para se perceber como vai a economia do País.

2. E esses dados são bastante positivos: o saldo conjunto das Balanças Corrente e de Capital subiu quase € 600 milhões em relação ao mês anterior, totalizando agora perto de € 3 mil milhões (€ 2.913,8 milhões), sendo superior em 10,2% ao verificado no período homólogo de 2014.

3. Para esta evolução é fundamental a melhoria do saldo da Balança Corrente, que se situa em € 1.232,8 milhões, mais 62% que o valor verificado no período homólogo de 2014…e, dentro da balança corrente, registam-se melhorias nas rubricas de Bens  –   diminuição do défice em € 240 milhões e Serviços  –   aumento do excedente em € 281 milhões, enquanto o défice dos Rendimentos apresenta um ligeiro agravamento, de € 52,6 milhões.

4. Quanto à Balança de Capital, o excedente, de € 1.681 milhões, é ainda inferior ao apurado no mesmo período de 2014 (€ 1.881,7 milhões), embora esta diferença tenha vindo a estreitar-se nos últimos meses.

5. Com estes dados, torna-se verosímil um saldo conjunto das Balanças Corrente e de Capital superior a 2% do PIB no final do ano, podendo mesmo ultrapassar o verificado em 2014 (€ 3.513,5 milhões), até porque o preço do petróleo continua muito contido, devendo proporcionar um saldo na rubrica de Bens menos negativo do que em 2014.

6. Resta saber por quanto tempo durará esta formidável inversão das contas externas, que se iniciou em 2012/2013, depois de um longuíssimo período de enormes défices desde a segunda metade dos anos 90…

7. … inversão que, como aqui temos repetidamente salientado, foi produto de um trabalho extraordinário de muitas centenas senão mesmo de milhares de empresas portuguesas – privadas na sua esmagadora maioria – bem como dos seus gestores e trabalhadores…

8. … que não pouparam a esforços nem sacrifícios para dar a volta à situação totalmente  insustentável de desequilíbrio e de asfixia financeira a que a economia portuguesa tristemente chegou nos primeiros meses de 2011.

9. Resta-nos deixar os mais ardentes votos para que esses esforços e sacrifícios não tenham sido em vão, agora que se concluiu o ciclo político iniciado precisamente no 2º trimestre de 2011 e se inicia outro, sob o lema do Crescimento “a todo o pano”, supostamente empurrado pela procura interna.

10 Cá estaremos, se possível, para explicar como vai ser.

Título e Texto: Tavares Moreira, 4R – Quarta República, 25-11-2015 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-