domingo, 1 de novembro de 2015

Orientação editorial



Aqui mora alguém que encara o jornalismo como um verdadeiro serviço público e encara a missão de informar, investigar, analisar, esclarecer os cidadãos, uma das mais nobres profissões pela importância que a mesma encerra para o desenvolvimento de qualquer sociedade contemporânea.

“1. O jornalista deve relatar os factos com rigor e exactidão e interpretá-los com honestidade. Os factos devem ser comprovados, ouvindo as partes com interesses atendíveis no caso. A distinção entre notícia e opinião deve ficar bem clara aos olhos do público.
Código Deontológico do Jornalista

Dito isto, é convicção do autor deste blogue que a comunicação social portuguesa negligencia, demasiadas vezes, o que deveria ser a sua missão. E acredita que, na origem dessa falha, não está apenas uma questão de falta de profissionalismo ou competência, mas também uma flagrante falta de imparcialidade política e ideológica. Assim, em vez de relatar os factos com imparcialidade, tratando as partes “com interesses atendíveis” - simplificando, "esquerda" vs "direita" - de forma igual, nos media portugueses é visível a adoção de um critério jornalístico parcial, normalmente alinhado “à esquerda”, nos mais variados temas (económicos, políticos, sociais, etc.).

Essa tendência materializa-se na tv, rádio, jornais, quando o jornalista:

- Em vez de informar, prefere doutrinar, privilegiando um determinado ponto de vista sobre outros. Basta uma leitura minimamente atenta a alguns jornais, para verificar que muitos dos conteúdos classificados como notícias são autênticas colunas de opinião.

- Em vez de investigar e esclarecer os cidadãos, limita-se, umas vezes - sem qualquer escrutínio e colocando-se dessa forma ao serviço dos interesses do emissor -, a reproduzir apenas o que lhe chegou da “fonte”. Outras vezes, quando a mensagem é oriunda de outras “fontes” e, por oposição ao exemplo anterior, dedica-lhe um contraditório completamente diferente, ocorrendo por vezes a reprodução de parte da informação veiculada, às vezes de forma distorcida.

Os posts deste blogue deverão andar à volta desta temática.

Nós, os cidadãos, pessoas normais, pretendemos ver melhoradas as nossas condições de vida (individuais e colectivas). As nossas opções e escolhas políticas, nomeadamente, quem nos governa, são feitas de acordo com a informação disponível. Quando essa informação falha, as escolhas dificilmente serão as corretas…

Uma comunicação social que falhe no cumprimento desta missão faz parte do problema e não da solução.

Relacionado: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-