segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Peronismo, petismo e multipopulismos

Todo cuidado é pouco com os enganosos tipos de multipopulistas que se
metamorfoseiam da esquerda para o centro, quando o público desperta da modorra, e
do centro para a esquerda, quando esse mesmo público retorna à modorra.

Os candidatos argentinos Daniel Scioli e Mauricio Macri

1. No primeiro turno das eleições presidenciais na Argentina, em 25 de outubro último, a mudança para a corrente política de centro do candidato peronista argentino, Daniel Scioli, não foi suficiente para aparentar distância da esquerdista presidente Cristina Kirchner.

2. O resultado dessa identificação, indesejada, do próprio candidato governamental, Daniel Scioli, com a tão desprestigiada presidente Kirchner foi que ele obteve apenas 36,86% dos votos, sendo que esperava obter uma maioria absoluta. O candidato de oposição, Mauricio Macri, que se situa como centrista e prometeu mais respeito à iniciativa privada no terreno econômico, recebeu 34,33% dos votos. Essa vitória apertada do candidato peronista no primeiro turno, com pequena margem de 2,53%, abriu uma incógnita sobre quem será o vencedor no segundo turno, que será realizado no dia 22 de novembro.

3. Tal apertada vitória peronista no primeiro turno foi considerada quase unanimemente, por gregos e troianos, como um fiasco de “kirchnerismo” e das esquerdas argentinas. Ao mesmo tempo, no Brasil, o petismo populista, ao qual pertence a presidente Dilma Rousseff e seu mentor, o ex-presidente Lula da Silva, continua afundando na lama da corrupção e do desprestígio.

4. A crise populista na Argentina e no Brasil está, a justo título, causando alívio e elevando o ânimo entre os opositores nessas duas nações. Mas dever-se-ia ter muita cautela para não se deixarem conduzir pelo otimismo fácil que desarma as reações e desmobilizam os antipopulistas.

5. Com efeito, é mais seguro continuar numa atitude de saudável desconfiança, quando se considera que certas personalidades de oposição — tanto na Argentina como no Brasil — também estão contaminadas elas mesmas por variáveis doses de populismo e corrupção.

6. Ademais, embora seja verdade que existe um acentuado declínio peronista-petista, é também realidade que algumas correntes populistas latino-americanas são como certos tipos de ervas daninhas que, por meio de modificações genéticas, criam resistências a pesticidas, e, por essa razão, continuam sobrevivendo…

7. Trata-se de cepas multipopulistas com capacidade de metamorfosearem-se rapidamente, e com suficiente flexibilidade genética para se moverem da esquerda para o centro, quando o público desperta da sonolência modorrenta; e do centro para a esquerda, quando esse mesmo público retorna politicamente ao sono. Todo cuidado é pouco com tais cepas multipopulistas, ao mesmo tempo flexíveis e enganadoras —  peronista na Argentina; petista no Brasil; frentiamplista no Uruguai, etc. Atualmente, elas produzem ervas daninhas na América do Sul. E isso deve ser denunciado com argumentos claros e convincentes. Argumentos que sejam ao mesmo tempo suficientemente simples para alcançar o entendimento de toda população e desmascarar o código genético do multipopulismo sul-americano. Trata-se de um desafio histórico para os movimentos de centro e de direita dessas nações. Um árduo desafio, mas não impossível. Se fosse tarefa fácil, não seria um desafio. 
Tradução do original espanhol por Paulo R. Campos, ABIM, 1-11-2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-