quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Da arte verdadeira à “rabiscagem”

Gregorio Vivanco Lopes

    
O quadro acima intitula-se Mulher chorando.
Nenhuma mulher gostaria de ter tais feições, a menos que estivesse sendo vítima de alguma possessão diabólica. Que moça ou senhora sentir-se-ia à vontade, olhando-se no espelho e vendo refletida essa figura? Pensaria tratar-se de uma alucinação. Ou então, que um demônio teria desfigurado sua face.

Entretanto, esse é um dos quadros mais celebrados de Pablo Picasso, pintado em 1937, quando tinha 56 anos.

Mas não pense o leitor que esse e numerosos outros quadros medonhos ou inextricáveis foram por ele produzidos por falta de talento. Não! Picasso tinha muito talento.


Sua primeira pintura [foto acima] data de 1895, com a idade de apenas 14 anos, e representa uma Primeira comunhão. Note-se a piedade da menina e o delicado de seu vestido branco, que cai com elegância. O autor soube manifestar esplendidamente a dignidade do pai, cuja distinção varonil lhe confere características de nobreza. O coroinha, de extração social mais popular, esmera-se em manter o altar bem composto. Tudo é belo no quadro, inclusive o lustre e o tapete. Tudo fala de ordem, elevação de sentimentos, piedade autêntica – numa palavra, de catolicidade.


Dois anos depois, em 1897, Picasso pintou esta obra-prima [acima], intitulada Ciência e caridade. A palidez quase cadavérica da enferma denota um organismo profundamente combalido. Seu olhar agradecido, mas quase extinto, dirige-se para a irmã de caridade que lhe oferece algum alimento líquido, enquanto sustenta no braço esquerdo uma criança, provavelmente filha da doente. O médico segura-lhe o pulso e conta os batimentos com ar atento e preocupado. O ambiente é muito modesto, patente no desbotado das paredes, na simplicidade da cama e do cobertor, no vestidinho da criança.

Como foi possível que um pintor, com talento tão precoce, após representar com tanta arte ambientes tão diferentes, descambasse depois para representar figuras monstruosas como a Mulher chorando?

Deixando de lado a trajetória de qualquer pintor em concreto, tocamos aqui num ponto delicado que diz respeito ao segredo da chamada “arte moderna”. Ela parece ter sido alicerçada sobre o ódio à obra da Criação, e por isso a deforma. Tal “arte” não é nem retratista nem procura realçar os aspectos espirituais das realidades terrenas; pelo contrário, parece empenhada em salientar o grotesco, o disforme, o hediondo, quando não o esotérico.

Tal conclusão parece impor-se quando consideramos que, ao lado de numerosos impostores que se limitam a produzir rabiscos como se fossem arte, há artistas verdadeiramente talentosos que inexplicavelmente aderem à “rabiscagem”. 
Título, Imagens e Texto: Gregorio Vivanco Lopes é advogado e colaborador da ABIM, 3-12-2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-