terça-feira, 24 de maio de 2016

Macroscópio – Não aconteceu (para já) na Áustria. Mas vai acontecer

José Manuel Fernandes


Foram apenas 30 mil votos, mas suficientes para a Europa suspirar de alívio. Alexander Van Der Bellen, um ecologista, acabou por vencer as eleições presidenciais austríacas pela margem mínima, derrotando o nacionalista Norbert Hofer. Há quase 20 anos, o partido de Hofer, o FPO, chegou pela primeira vez ao governo de Viena e, nessa altura, a União Europeia decretou sanções que acabaria por levantar alguns anos depois, sem glória nem proveito. Agora não chegou a acontecer o que se previa depois da confortável vitória de Hofer na primeira volta, mas se hoje o nacionalista tivesse chegado ao poder os seus vizinhos e parceiros europeus nada teriam feito – para além, claro, de algumas declarações de circunstância.

Muito mudou nesta década e meia, pelo que importa tentar perceber os sinais que nos chegam da Áustria, até porque existe a percepção que, se não foi nesta eleição e naquele país que o eleitorado escolhia alguém como Norbert Hofer, isso acabará por acontecer mais tarde ou mais cedo. E de todos os textos que li nestes dias há um que me pareceu ser de destacar em primeiro lugar, até por fugir ao mais óbvio e, ao mesmo tempo, revelar um profundo conhecimento do que está em causa na “mitteleuropa” – sendo que curiosamente foi publicado num jornal americano, o Washington Post. Trata-se de The rise of national socialism: Why Austria’s revolution is not over, de Anne Applebaum, a consagrada comentadora e historiadora, autora de livros como Gulag: Uma história ou A Cortina de Ferro, O Fim da Europa de Leste.

Este texto é especialmente interessante porque nos faz uma descrição inabitual mas muito certeira do FPO e do próprio Norbert Hofer: “Hofer bitterly opposes immigration and uses nostalgic language about “pan-German” culture, views which place him in the “far-right” category of European politics. At the same time, he and his Freedom Party denounce the “neoliberal” economic consensus and deplores the evils of international capitalism – views which place him in the “far-left” category of European politics.” Applebaum chama a esta confusa mistura um novo tipo de “nacional socialismo” que não tem nada a ver com Hitler, antes “combines “nationalism” – a strong belief in the significance or even superiority of one’s own ethnic group or nation-state – with “socialism,” the belief that the state should intervene very heavily in the national economy, and maybe in other realms too.” No texto estabelece paralelos com outros partidos e movimentos em ascensão um pouco por toda a Europa, e alerta para a falta de defesa dos eleitorados que se deixam seduzir pelas suas propostas: “Centralization, nationalization and protectionism all seem like new ideas to people who don’t remember them. Few remember the poverty they created, or the corruption. Even fewer remember what happened the last time powerful national ideologies were combined with state control of the economy.” 


É por isso que não só não podemos confinar este fenómeno à Áustria, como não podemos pensar que esta derrota afastou as principais ameaças. É por isso também interessante ler a análise de Jean Sevillia no francês Le Figaro, até por que ajuda a integrar o que se passa na Áustria no quadro mais geral da Europa: Autriche: le laboratoire de l'Europe d'après. De novo trata-se de um artigo que sublinha o carácter populista da candidatura de Hoffer – e para isso recua até à forma como esse grande senhor da política europeia que foi Otto de Habsbourg definiu o seu antecessor Jörg Haider, para ele simplesmente não passava de «un démagogue populiste» – mas onde se chama também a atenção para a degenerescência do sistema político austríaco, isto é, para a erosão eleitoral dos dois partidos do centro, que governaram em coligação durante quase 40 anos dos 70 que levamos de pós-guerra: “Une domination confortée par le système de la Proporz et de la Sozialpartnerschaft qui a permis à ces deux partis, pendant soixante-dix ans, de se répartir tous les postes de la vie publique. Or ce système-là, contesté à gauche par les écologistes et à droite par le FPÖ, les Autrichiens n'en veulent plus. D'autant qu'avec le temps, le SPÖ ayant répudié le marxisme de ses fondateurs et l'ÖVP ayant renoncé à toute référence chrétienne, les deux partis ont fini par communier dans un même modèle social-libéral et européiste. Un consensus qui a atteint ses limites dès lors que, depuis quinze-vingt ans, les marges de la vie politique autrichienne, à chaque scrutin, gagnaient du terrain - sauf à Vienne, grâce au clientélisme très rodé de la mairie socialiste.”

Esta ideia de que estamos a assistir a uma fatal erosão do centro é uma das linhas de análise de João Carlos Espada, aqui no Observador, em Em defesa de um elitismo aberto e antiquado: gentlemanship. Ele nota, por exemplo, depois de referir um Macroscópio onde se tinha referido a ideia de “o centro está a ceder”, que é isso mesmo que está a acontecer: “Está a ceder na Áustria; como cedeu na Grécia, para a extrema-esquerda do Syriza; como está a ceder na Hungria, para a extrema-direita; provavelmente na Polónia, no mesmo sentido; e — mais dramaticamente — nos EUA, para a extrema-direita com Trump e para a extrema-esquerda com Sanders. O centro está a ceder também em Espanha, onde o “Podemos”, financiado pelos terceiro-mundistas da Venezuela, ameaça ultrapassar os clássicos socialistas democráticos nas próximas eleições de 26 de Junho. E, em Portugal, receio já ter dito o que tinha a dizer sobre a aliança contra-natura entre os socialistas democráticos — fundadores da nossa democracia — e a extrema-esquerda que tentou sempre inviabilizá-la.”

Parece ser uma mistura de muitas coisas diferentes, mas se pensarmos que na Grécia o Syriza se aliou com um partido da direita nacionalista ou que, anti-europeísmo à parte, há muitos elementos do mesmo tipo de discurso proteccionista numa candidatura como a de Trump, então a nossa obrigação é olharmos também para dentro de casa, já que, sem existir entre nós um partido de extrema-direita (também não enfrentamos o tema da imigração), nem por isso há quem faça um discurso com muitos pontos em comum. Paulo Rangel chama para isso mesmo a atenção, no Público, em Bruxelas é uma bruxa: o populismo em Portugal. É um texto onde analisa as posições anti-europeias do PCP – um partido que “nunca escondeu o seu proteccionismo nacionalista e a profunda discordância da integração europeia” –, o europeísmo “alternativo do Bloco – que “rejeita tudo o que a União Europeia significa enquanto espaço de valores comuns à civilização ocidental e pretende instaurar uma nova ordem europeia pautada pelo seu socialismo estatal” – até ao que se está a passar no próprio PS: conforme se for vendo que as políticas não funcionam “maior será a tentação de lançar o pregão populista de que a responsabilidade é de Bruxelas”, num tipo de populismo que “já não é de convicção, nem um populismo de ocasião. O caso é bem mais sério: é um populismo hipócrita”.

No mesmo jornal podemos encontrar também uma análise de Teresa de Sousa – Até ao próximo susto – onde também se explicam as razões do que se passou na Áustria, mas concluindo com um apelo a que se olhe para o “sinal vermelho” que mostra “os riscos que as democracias europeias estão a correr, ao ignorarem as consequências políticas da forma como estão a gerir as múltiplas crises que a Europa atravessa”. No Diário de Notícias, em De raspão, Viriato Soromenho Marques também quer que se responda “às razões de queixa do eleitorado”. Face a UE que aparece “cada vez mais associada a uma imagem negativa de risco e insegurança”, faz um diagnóstico do que entende tem de mudar: “A desproporção entre as competências crescentes das instituições europeias e a exiguidade dos seus meios e instrumentos traduz-se na estagnação económica, que atinge já até os países do Centro, bem como na generalização de um sentimento psicológico de ameaça, ligado à chegada desordenada e impreparada de dezenas de milhares de refugiados.”

Já Henrique Raposo, no Expresso Diário (sem link) prefere, em Áustria, de novo, olhar para a forma como aquele país não assumiu as suas culpas na II Guerra Mundial e no Holocausto. Para ele, “O pecado do antissemitismo só foi expiado pelos alemães. Os outros não quiseram entrar no confessionário. Não por acaso, Berlim tem sido o único farol de decência nesta Europa. Até quando? Neste século, muita água já passou debaixo da ponte, muitas profecias negras já foram feitas, mas agora, sim, sinto que há mesmo razões para termos medo. Para compreenderem o meu receio, só têm de ler outro austríaco, Stefan Zweig, sobretudo “O Mundo de Ontem”, o livro mais poderoso da civilização que se perdeu em 1914. Civilização, essa, que era estranhamente parecida à nossa. E a tempestade que a destruiu era estranhamente parecida aos ventos que agora se levantam.”

Para terminar, apenas mais algumas referências com outros pontos de vista:
·   Far-right surge in Austria signals end of centrist politics-as-usual, de Simon Tisdall, no Guardian: “Adverse economic conditions and the implosion of the political centre that appear to have encouraged far-right parties are also nurturing other forms of societal division, leading to polarisation. In Spain, Catalonia’s desire to divorce itself from Castile steadily intensifies as the mainstream parties struggle to keep government on track after an inconclusive national election. A similar phenomenon is to be found in Scotland”.

·         Austria: otro aviso para Europa, de Paul Schmidt, no El Pais: “Este año, Austria espera abrir sus puertas a alrededor de 37,500 personas. Una gran parte de la sociedad austriaca ha hecho y hace todo lo posible para acoger a los refugiados y ayudar. Pero las agresiones violentas perpetradas en Colonia (Alemania) en Nochevieja y otros incidentes ocurridos en Austria no pasaron desapercibidos. Los retos de la integración de los recién llegados, las dudas sobre el sistema de Schengen y la falta de solidaridad entre los países europeos también han sembrado miedos e inseguridad entre muchos.”

·       Austria’s race to the right is a lesson to mainstream parties, de Heather Grabbe no Financial Times: “The logic taking hold across Europe is that we must turn inwards and build higher fences, physical and virtual, to ward off external threats. Following the migrant crisis and terrorist attacks in Paris and Brussels, the centre ground of European politics has moved to the right. By making migration policy a security issue, mainstream parties are reinforcing the idea that populations are vulnerable to foreign intruders.”

·       Austria’s Illiberal Choice, o editorial do Wall Street Journal: “Although the center-right and center-left rallied their supporters behind Mr. Van der Bellen, the Greens are hardly less extreme than the FPÖ, even if they’re more polite. (…) No wonder this lesser-of-two-evils election was close, with Mr. Van der Bellen winning only 50.3% of the vote. Austria’s lousy choice is one that will increasingly face Europeans unless mainstream parties can promote growth and learn to become more responsive to voter concerns about immigration and integration.”

E por aqui termino por hoje, certo de haverá próximos capítulos. Possam as previsões mais sombrias não se materializar. Mas por hoje é tudo. Tenham bom descanso, reencontramo-nos amanhã. 
Título, Imagem e Texto: José Manuel Fernandes, 24-5-2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-