sábado, 2 de julho de 2016

Atentado inexplicável

Vitor Cunha
Não se fala do assunto. Ainda não sabemos muito sobre as vítimas, não as conseguimos caracterizar. Vai ser difícil uniformizar para determinar que as 41 vítimas do atentado no aeroporto de Istambul foram vítimas de uma fobia a combater.

Em Orlando foi a homofobia. Não se falava de outra coisa excepto da forma como esta fobia deve ser combatida. Os bares gays discriminam, claro: soubemos imediatamente que nenhum não-gay estava dentro do edifício pela notícia da morte de 50 gays.

Culpa dos não-gays, que não frequentam estabelecimentos destes.

Este atentado na Turquia, originando menos vítimas, é um rodapé. Não foi homofobia. Terá sido aerofobia? Será um caso da mais rara aeroportofobia? Nunca saberemos. Também não é assunto.

Podíamos encontrar algo em comum entre Orlando e Istambul, como uma religião, mas não vale a pena: o primeiro foi homofobia, este é inexplicável. E assim será, pernas rechonchudas em skinny jeans, buraco lisboeta, enquanto quisermos. Felizmente, queremos. Amém.
Título e Texto: Vitor Cunha, Blasfémias, 30-6-2016

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-