domingo, 17 de julho de 2016

Oliveira de Azeméis: terra de Ferreira de Castro e de José Manuel

3 comentários:

  1. Puxa será que eu mereço esta homenagem ?
    Mais uma vez obrigado Jim, minha mãe e a Irene adoraram e eu fiquei comovido.
    Um abraço a você e à sua família que moram no 5º país do mundo mais seguro para viver.
    José Manuel

    ResponderExcluir
  2. José Manuel pergunta acima se merece esta homenagem. Se merece? Meu Deus, com certeza a bela cidade de Oliveira de Azeméis deve se orgulhar de ter um filho de tamanha envergadura. José Manuel foi e continua sendo um dos principais guerreiros na luta desigual e covarde do Aerus contra os petistas do pior governo de nossa história. Sua participação foi super importante através de e-mails para as pessoas envolvidas, nas manifestações e sobretudo pelo indizível sacrifício de fazer greves de fome. Isso chamou a atenção das autoridades, culminando com a passagem do então ministro Joaquim Barbosa pelo aeroporto no momento exato de uma dessas greves de fome. Dias depois o ministro, que tanto nos prejudicou, tomou uma atitude a nosso favor depois de meses de inércia. José Manuel foi um dos mais importantes artífices de nossa vitória. Sou e serei eternamente grato a ele, assim como tenho certeza que milhares de aposentados do Aerus terão esse guerreiro guardado em em seus corações para sempre. Obrigado, grande José Manuel, guerreiro de Azeméis !

    Rubens de Freitas

    ResponderExcluir
  3. José Maria Ferreira de Castro (Ossela, Oliveira de Azeméis, 24 de Maio de 1898 — Porto, 29 de Junho de 1974) foi um escritor português. Tem uma biblioteca e uma escola secundária com o seu nome em Oliveira de Azeméis.

    Aos doze anos de idade emigrou para o Brasil, onde viria a publicar o seu primeiro romance Criminoso por ambição, em 1916.

    Durante quatro anos viveu no seringal Paraíso, em plena selva amazónica, junto à margem do rio Madeira. Depois de partir do seringal Paraíso, viveu em precárias condições, tendo de recorrer a trabalhos como, colar cartazes, embarcadiço em navios do Amazonas etc.

    Mais tarde, em Portugal, foi redactor do jornal O Século, director do jornal O Diabo e colaborador das revistas O domingo ilustrado (1925-1927) e Ilustração (iniciada em 1926). Ao serviço do jornal de Pereira da Rosa, assinou crónicas vibrantes, como o dia em que se deixou prender no Limoeiro para testemunhar a vida dos reclusos nas cadeias portuguesas ou a sua entrevista exclusiva em Dublin com Eamon de Valera, líder do Sinn Fein em 1930.

    Emigrante, homem do jornalismo, mas sobretudo ficcionista, é hoje em dia, ainda, um dos autores com maior obra traduzida em todo o mundo, podendo-se incluir a sua obra na categoria de literatura universal moderna, precursora do neo-realismo, de escrita caracteristicamente identificada com a intervenção social e ideológica.

    A exemplo da sua ainda grande actualidade pode referir-se a recente adaptação ao cinema, com muito sucesso, da obra A Selva.

    Foi este livro, publicado pela primeira vez em 1930, que li lá pelos meus 14 anos (1964)… portanto, trinta e quatro anos depois da sua primeira edição… há cinquenta e dois anos!

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-