quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Pesadelo Espanhol: fragmentação, “laboratório social”, bastidores e aventuras

Gonzalo Guimaraens


A Espanha continua politicamente à deriva. A Câmara de Deputados encontra-se de tal modo fragmentada, que há oito meses tenta sem sucesso articular uma maioria para eleger o chefe de governo. Os parlamentares têm fracassado na escolha do primeiro-ministro do país, desde o Partido Popular (PP), de centro-direita, passando pelo PSOE, socialista, até os novos partidos como “Ciudadanos” e “Podemos”.

Um problema delicado consiste em que tal fragmentação política parece estar contagiando os diferentes setores da sociedade e acostumando-os com um governo acéfalo quase permanente. Por sua vez, o Rei da Espanha — que, entre suas atribuições, detém o poder de convocar os líderes políticos para formar o governo — tem fracassado em suas tentativas. É o caso de ressaltar que, perdendo assim a sua razão de ser, o monarca está ficando perigosamente à margem dos acontecimentos.

Vai tomando conta da população um sentimento de irritação, impotência, frustração, cansaço e desinteresse pela coisa pública. Até quando poderá se prolongar essa situação em uma nação da importância da Espanha, para a qual continuam olhando os países latino-americanos?

Estará a Espanha se transformando em uma espécie de “laboratório experimental” para a América Latina? Baseados em teorias sociológicas do caos, alguns dizem que a Espanha estaria passando por um momento de mudança de paradigmas sociais e políticos, e levantam hipóteses no sentido de que esse caos poderá fazer germinar novas formas de governo e de sociedade.

Nesse sentido, o filósofo chileno Fernando Flores, ex-ministro de Allende, entrevistado pelo jornalista Héctor Aguilar Camin, faz uma interessante lista dos “estados de ânimo” suscitados pelas crises profundas: estados de ânimo “conjunturais”, referentes às mudanças sociais; estados de ânimo“fundacionais” de novos tempos políticos ou econômicos; estados de ânimo “crepusculares” de crises e desarticulações de países e regiões inteiras; e, por fim, os estados de ânimo “sazonais”, aludindo às profundas mudanças de paradigmas que dariam lugar a novas “civilizações”.

Na realidade, o receio é de que os operadores sociais neo-revolucionários possam forjar de algum modo tais estados de ânimo a partir dos bastidores, para empurrar Espanha e a América Latina rumo a aventuras políticas, sociais e morais perigosas.
Título e Texto: Gonzalo Guimaraens, ABIM, 27-9-2016 
Notas de “Destaque Internacional”. Documento de trabalho, em 23 de setembro de 2016. Este texto interativo, traduzido do original espanhol por Paulo Roberto Campos, pode ser divulgado livremente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-