terça-feira, 4 de outubro de 2016

A euforia dos eleitos...

Valdemar Habitzreuter
É fascinante como a política mexe com nossas emoções. O animal politikos tem necessidade de discutir, argumentar e fomentar diretrizes por melhores opções de vivência em sociedade. Dentre os mais ativos há os que se candidatam para serem os representantes da massa passiva e se propõem a dedicar-se ao trabalho que conduza ao bem-estar da polis ou comunidade.

Nada mais elevado em ideal do que estes heróis que despretensiosamente (!) se sacrificam para que os cidadãos passivos tenham une belle vie... extensiva a todos. Não é isso fascinante, que uma multidão de abnegados, Brasil afora, façam juras, com promessas sem conta, de comprometer-se com a construção de uma sociedade próspera e pacífica?

Está aí, pois, a euforia dos candidatos que foram eleitos ontem e os que ainda serão vitoriosos em segundo turno. Eles encontram-se em êxtase por terem sido eleitos e poder trabalhar em prol dos outros como funcionário público e por um mísero (?) salário. Que belo exemplo! Só comparável aos grandes santos místicos que sacrificaram suas vidas para salvar a humanidade da degradação espiritual – Cristo, o maior deles.

Realmente, tudo isso seria fascinante se nossos políticos tivessem a prioridade de honrar os preceitos da verdadeira política: o trabalho honesto para atender os reclames do povo a que representam.

Por ora devemos desconfiar dessa euforia de nossos eleitos, visto o que a tragédia petista nos proporcionou nos últimos anos através de seus políticos corruptos: a quase falência do Estado e uma sociedade dividida em ‘nós e eles’.

Se esta euforia manifestante de nossos eleitos é no intuito de continuar a velha política decadente de se locupletar no poder, o Brasil continuará uma republiqueta de banana e o povo jogado a mercê de sua própria sorte.

Em decorrência dessa política podre que vigeu durante esses últimos anos, o alto índice de abstenções, votos nulos e em branco nestas eleições é sinal perigoso de que o brasileiro não quer mais representatividade alguma, um claro sinal de mais violência e racha em nossa sociedade.

Portanto, que essa euforia de nossos políticos eleitos seja realmente para unificar o país e não deixar o povo a sua própria sorte... 
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 3-10-2016

Um comentário:

  1. Habitz, belo texto, grande percepção, veja a Eleição inédita em São Paulo, de um não Político, que entende muito de Política, eleito em um só turno, esta pode ser uma pequena luz no final do túnel, para um País carente ao extremo de Verdadeiros Políticos, talvez a médio prazo! Quiçá!

    Heitor Volkart

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-