segunda-feira, 10 de outubro de 2016

A maior vergonha do nosso tempo

Rui Ramos
O que importa ao humanismo politicamente correcto são os sírios que na Alemanha podem ser alvo de um olhar menos multicultural, não os que em Aleppo são triturados pelas bombas de Putin e de Assad.

O Iraque provou que as intervenções ocidentais podem ser um desastre. A Síria provou que as não-intervenções podem ser um desastre ainda maior. Mais de cinco anos de guerra fizeram, até agora, meio milhão de mortos e milhões e milhões de deslocados, dentro e fora do país, com centenas de milhares de refugiados a entrar clandestinamente na Europa. E não foi preciso George Bush, nem “Neo-Cons”.

Aleppo, sob as bombas, é hoje o filme da imprevidência ocidental. Ao princípio, Barack Obama incitou a revolução síria. Depois, consentiu ao carniceiro de Damasco que pisasse todas as “linhas vermelhas”.

Admitamos que inicialmente houve ingenuidade: depois do Egipto e da Líbia, julgou-se que as tiranias eram coisa fácil de empurrar. Lembram-se? Bastava ligação à internet: as revoluções eram no Facebook. Por fim, percebeu-se que era um pouco mais complicado. Apareceram então os mapas com o xadrez étnico e religioso do país, e as análises dos equilíbrios de poder na região. Aí, toda a gente desistiu. A guerra continuou.

Veio por fim a crise dos refugiados. Diz-se que despertou a consciência ocidental. Não, ao contrário: veio adormecê-la. As centenas de milhares de sírios que chegaram à Alemanha serviram para fazer esquecer os milhões que ainda estão na Síria, cercados e perseguidos pelos vários senhores da morte locais. Deixámos de falar da Síria para passar a falar das nossas sensibilidades, das nossas eleições, das nossas fronteiras.

Assad destrói os hospitais de Aleppo, e nós discutimos o Tratado de Schengen. O que importa ao humanismo politicamente correcto são as dezenas sírios que num bairro alemão podem ser alvo de um olhar menos multicultural, não os milhares que em Aleppo estão a ser triturados pelos aviões de Putin e pela artilharia de Assad. É como se fora das fronteiras do Ocidente, os seres humanos não tivessem direitos.

A Síria é o segundo palco da nova guerra fria. Putin tirou as medidas aos ocidentais quando anexou metade da Ucrânia. Agora, está determinado em oferecer um triunfo ao seu cliente Assad na Síria. O Estado Islâmico cumpriu o seu papel de justificar a ingerência russa. Entretanto, Putin vai-se tornando um grande exemplo, já copiado dentro da própria União Europeia (na Hungria), e festejado por Trump nos EUA. Mas a Rússia de Putin, como já foi notado, tem um PIB do tamanho da Itália, e em declínio. A sua força consiste quase só na tibieza ocidental.

Estava então Obama errado? Sim, do ponto de vista humanitário e diplomático; não, do ponto de vista da política interna. Porque a moldura penal para o crime político por omissão é muito favorável. No caso do Iraque, a decisão de remover Saddam e os desacertos da ocupação militar causaram enorme controvérsia, justificaram marchas, deixaram um rasto infindável de artigos, livros e filmes. Sobre a Síria, não há nada. Bush pagará sempre pela “ invasão do Iraque”; Obama nunca responderá pelos massacres que deixou acontecer na Síria. Para um presidente Americano, a lição é clara: é sempre preferível lavar as mãos.

Estou a dizer que deveríamos fazer outro Iraque? Não, mas o contrário de fazer uma coisa não é não fazer nada. A marcação de “zonas de segurança” na Síria, para acolher a população civil, teria sido possível e poupado muitos sofrimentos. Mas sim, teríamos tido logo passeatas contra a “guerra imperialista”. Marx dizia que os acontecimentos se repetiam: a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa. Mas há acontecimentos que não precisam de se repetir para serem farsa e tragédia ao mesmo tempo. A Síria é um deles. Um dia, há de ser uma vergonha ter sido contemporâneo desta guerra. 
Título e Texto: Rui Ramos, Observador, 7-10-2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-