terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Conheça os prós e os contras das oleaginosas


Juliana Carreiro

Passadas as festas de final de ano, ficam os resquícios dos alimentos que costumam compor os cardápios festivos. É o caso das oleaginosas, como a castanha de caju, a castanha do Pará, conhecida também como castanha do Brasil, as nozes, as amêndoas e as avelãs. A tradição é mais uma herança do inverno do hemisfério norte para o nosso verão. A sua principal safra é no inverno porque são alimentos calóricos, bons para nos aquecer. É mais uma prova de que a natureza é muito sábia.

Elas costumam me acompanhar durante todo o ano, compõem a granola do café da manhã, entram nas receitas de pães, bolos, biscoitos, em saladas e até em molhos, como o pesto. São também uma boa opção para os intervalos das refeições principais, pois ajudam a controlar a nossa fome ou a vontade de comer. É bom mantê-las por perto porque elas têm uma alta concentração de vitaminas e minerais. A castanha do Pará é rica em selênio, um nutriente que fortalece o nosso sistema imunológico. As nozes e a castanha de caju são fontes de zinco, um mineral que, entre outras funções, ajuda a prevenir a anemia. E ambos exercem a função de antioxidante. Já as amêndoas contêm cálcio, magnésio, cobre e vitaminas B1 e E. E estes são só alguns exemplos.

Suas principais qualidades giram em torno dos ômegas, que são conhecidas como “gorduras do bem. O Ômega 3, presente em praticamente todas as oleaginosas, ajuda o nosso organismo a utilizar a gordura como fonte de energia, ajuda a diminuir as taxas do mau colesterol (LDL) e a aumentar as do bom (HDL). O Ômega 6, presente nas nozes, também tem esta função e ainda auxilia no controle dos sintomas pré-menstruais. O Ômega 7, presente na macadâmia, ainda é pouco conhecido, mas pesquisas recentes mostram que ele pode ser antioxidante, ajudar na regeração da pele, aumentar o bom colesterol, prevenir a diabetes tipo 2 e a resistência à insulina, e diminuir os riscos de problemas cardíacos, como enfarte e de acidente vascular cerebral, o AVC. O Ômega 9 presente em castanhas, nozes e amêndoas e auxilia na produção de hormônios sexuais como estrogênio e testosterona e auxilia no transporte e na absorção das vitaminas A, E D e K, entre outras funções. Todos eles ainda colaboram com o fortalecimento do nosso sistema imunológico e da formação e ação do nosso sistema nervoso central e periférico.

As oleaginosas podem ser usadas ainda como matérias-primas para os leites vegetais, excelentes substitutos para o leite de vaca, principalmente em preparações doces. No mercado já encontramos leites de amêndoa e de castanhas. Mas podemos também fazer em casa. Basta fervê-las por cinco minutos, batê-las com outra água no liquidificador e coar a mistura.

Como tudo na vida, elas têm aspectos positivos e negativos, entre os negativos, estão o seu alto potencial alergênico. Por conta dele, devem ser evitadas por pessoas que costumam ter problemas de pele regulares, como dermatites e eczemas. Para controlar este potencial alergênico, o ideal é variar o tipo que será consumido e comer pequenas quantidades por vez. Também é bom evitar que os bebês com menos de 1 ano entrem em contato frequente com elas, para que eles não desenvolvam alergias imediatas ou tardias.

Elas podem ser prejudiciais para quem tem algum tipo frequente de herpes, pois possuem um aminoácido chamado ‘arginina’, que serve de alimento para esse vírus. Por serem muito nutritivas, também podem atrair fungos e por isso devem ser evitadas por aqueles que têm candidíase de repetição ou vermelhidão e escamação na região da virilha, das mãos e dos pés e escamação nos pés, por exemplo, que já indicam a presença de fungos no organismo. Muitas vezes conseguimos até perceber que elas estão um pouco esbranquiçadas, isto indica a presença excessiva deles, neste caso devem ser descartadas. É bom comprá-las sempre frescas, não armazená-las em casa por muito tempo e consumi-las em preparações que passem pelo fogo. Também devem estar fora do cardápio de quem tem transtornos intestinais, como diarreia.

Como têm uma grande concentração de gordura, elas são bastante calóricas, uma porção de 100gm tem cerca de 600 a 800 calorias, por isso não devem ser consumidas em altas quantidades de uma vez só. É muito fácil acabarmos com um pacotinho de 50gm, por exemplo, desses que encontramos no supermercado, mas assim já estaremos ingerindo de 300 a 400 calorias. Isto não é motivo para as evitarmos, basta prestar atenção às quantidades que serão ingeridas por vez. Este é um bom exemplo de alimentos muito calóricos e muito bons para a nossa saúde – por isso nas próximas semanas vou escrever um post mostrando que os alimentos não podem ser resumidos às suas calorias.
Título, Imagem e Texto: Juliana Carreiro, Estadão, 2-1-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-