quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

[Macroscópio] O Canal da Mancha está muito mais largo. Ou como não podiam ser mais diferentes os relatos sobre o Brexit

José Manuel Fernandes


Ler a imprensa britânica e a imprensa europeia nos últimos dois dias é muito instrutivo. Porque a forma como interpretaram o discurso de Theresa May é quase diametralmente oposto, mostrando como é diferente o estado de espírito no Reino Unido e no resto da União Europeia relativamente às consequências do Brexit e à negociação que em breve se iniciará. Na terça-feira, como o Observador noticiou, Theresa May clarificou que não quer “meia-saída”, mas garantiu que Brexit será “suave”.

A análise da edição europeia do Político – o jornal online que é provavelmente o órgão de informação com uma redação mais numerosa e mais qualificada dedicada à cobertura dos assuntos europeus – explicou, em Theresa May’s blurred Brexit lines, como a líder britânica, tendo apresentado uma agenda ambiciosa de corte com a União Europeia, tratou ao mesmo tempo de limitar os danos, tornando os ângulos menos agudos: “Britain will leave the single market, the jurisdiction of the European Court of Justice, much of the customs union and dramatically cut is financial contributions to the EU budget. That sounded like a hard Brexit to most people in Westminster. Brexiteers in Parliament were certainly cock-a-hoop. But look more closely and May’s hard lines begin to blur.

Ao mesmo tempo que definia os seus “12 objectivos”, Theresa May procurava mostrar à Europa que também possui os seus trunfos na negociação que se vai seguir. Isso mesmo notou o New York Times em 4 Quotes From Theresa May’s Speech and What They Mean ao analisar a seguinte passagem do seu discurso: “I must be clear. Britain wants to remain a good friend and neighbor to Europe. Yet, I know there are some voices calling for a punitive deal that punishes Britain and discourages other countries from taking the same path. That would be an act of calamitous self-harm for the countries of Europe.” Para o diário de Nova Iorque, esta passagem significa que “Mrs. May emphasized Britain’s friendship with Europe and said that the nation did not seek to unravel the union. But those comments were quickly followed by the threat that punitive measures against Britain could easily backfire. Case in point: This week, Philip Hammond, the chancellor of the Exchequer, suggested that Britain could transform itself into a corporate tax haven if the European Union failed to strike a trade agreement with the country.”

No Reino Unido a reacção da imprensa foi globalmente positiva, mesmo de órgãos de informação, como o Financial Times, empenhadamente europeístas. Esta “bíblia” dos mercados financeiros e dos eurocratas escreveu mesmo, em editorial, sobre o que classificou como Theresa May’s bold vision of Britain after Brexit. Depois de sublinhar que “A refreshingly optimistic tone leaves many details to be decided”, o editorialista do FT defendia a posição negovial do Reino Unido, escrevendo que “Assuming the UK strikes a free-trade deal with the EU, the prize could be greater free trade with the rest of the world. The UK remains the sixth-largest economy in the world. It has performed better than most advanced economies since the global financial crisis, even after the Brexit shock last summer. Mrs May has cards to play.”

O menos europeísta Wall Street Journal também escreveu em editorial que estamos perante Theresa May’s Honest Brexit, explicando que “The British have been consumed since they voted to leave the European Union last year with whether Brexit should be “hard” or “soft.” Theresa May all but ended that debate Tuesday by saying Brexit means a clean and honest break from the EU, and the Prime Minister is smart to do so.”

Regressando à imprensa de referência britânica, o Daily Telegraph defendeu, também em editorial, que Theresa May's Brexit plan is bold and ambitious – and it deserves to succeed. Numa nota relativamente longa, dava-se especial destaque ao que se consideravam ser os pontos mais fortes da posição negocial britânica: “The doubters underestimate the strength of Britain’s hand. She was right to observe that trade makes everyone richer, so a sensible EU will seek the deal that allows the greatest possible trade between the EU and Britain. Yet Britain is more than a first-rank economy and trading partner. We are a first-rank military power and a world leader in intelligence. Those capabilities are of crucial importance to the EU, and its eastern members in particular, in a world where Donald Trump regrettably calls the Nato alliance into question.”

Também o The Times, em Deal Her In, afinava por idêntico diapasão, escrevendo em editorial que “Theresa May’s 12-step plan for Brexit is an honest attempt to bring what clarity she can to a complex process. Brussels would be wise to respond in kind”. Isto porque, na mesa das negociações, “Britain has three main sources of leverage: its value as a regional partner in defence and security; its threat, as a valuable market for European exports, to leave the negotiating table if talks do not go well; and its money.”

Ou seja, do lado de cá da Mancha não se deve subvalorizar os trunfos de Londres, uma ideia que Matthew d’Ancona também explorou no The Guardian, em This address had a Thatcheresque sting in its tail. Em concreto: “This was the prime minister as Don Corleone, warning the assembled diplomats of the continent that they were about to be made an offer they couldn’t refuse.


Termino esta rápida passagem pelo que se escreveu na imprensa londrina com uma referência ao texto de James Forsyth na Spectator, Theresa May has taken control – this is a Brexit plan the EU can't stop. A ideia deste analista é que “She can’t unilaterally guarantee a good deal for Britain, but her approach is careful and sensible”. Mais: ao longo dos últimos meses a liderança britânica tem aprendido muito com os seus contactos bilaterais, sendo que “Perhaps the most useful thing that the May government has learned in the last six month is what other EU countries fear. Since the referendum, parliaments all over Europe have been setting up committees to cover the negotiations. On their visits to London, the assurance they have most frequently sought from British ministers and officials has been that this country won’t turn itself into Singapore West, slashing taxes and regulation to attract business.”

O contraste destes textos com os que li na imprensa de Paris, Berlim ou Madrid não podia ser maior. O Le Monde, por exemplo, fez um editorial bastante ácido, onde procurou demonstrar que os ingleses é que têm tudo a perder: Un Brexit dur… pour les Anglais. Em concreto, “Une fois l’article 50 activé, en mars, son pays pourra être bouté hors de l’UE dans un délai de deux ans. Ce saut dans le vide serait une catastrophe pour le Royaume-Uni, qui aurait le même statut que n’importe quel pays de l’OMC. Theresa May le sait, son pays a perdu la main.”

O tom do editorial do El Pais, Un ‘Brexit’ extremista, não era muito diferente, nele se considerando também que “May salta al vacío y apuesta por una salida completa de la Unión Europea”. Nele defendia-se que algumas das supostas ameaças britânicas, como fazer do Reino Unido uma mega-Singapura da Europa, não são realistas – ¿Imagina Reino Unido que el futuro de un Estado más social, como pretende el nuevo conservadurismo, podrá sostenerse convirtiéndose en un completo paraíso fiscal? Ni siquiera Suiza lo ha logrado. – e criticava-se May pelo tom do seu discurso: “Tampoco tiene sentido amenazar a los europeos con los que tendrá que negociar durante los próximos dos años.”

Finalmente, escrevendo na alemã Spiegel, Christoph Scheuermann também se mostrava muito desagradado. Em I Want, I Want, I Want defendeu que “The disadvantage of May's speech is that she has now convinced the rest of Europe beyond a shadow of a doubt that the British government isn't just nasty, but is also prepared to take the gloves off.” Por isso, concluía mais adiante, “Britain finds itself in a weak position. Furthermore, the EU has little interest in showing too much leniency with Britain and thereby risking that other countries might be tempted to follow the UK out the door.”

Esta tem sido muito a posição das lideranças europeias, sobretudo das que ficaram profundamente desagradadas com a escolha dos eleitores britânicos e ainda sonham com uma reversão do processo. Terão sucesso nesta sua estratégia? Quem tem a mão negocial mais forte? Os britânicos, como defende Theresa May e a imprensa de Londres, ou Bruxelas, como escrevem os editorialistas deste lado da Mancha? A seu tempo iremos percebendo, sendo para já certo que os meses que decorreram desde o Brexit não confirmaram as previsões catastrofistas daqueles que se lhe opunham, pois a economia britânica até está a crescer mais e a libra aguentou-se bem.

Talvez por isso mesmo, como se deduz de uma sondagem divulgada no Politico, a opinião pública britânica pareça apoiar a linha definida por May, mesmo podendo estar relativamente céptica sobre a possibilidade de conseguir um bom acordo em Bruxelas. Isso mesmo se escreve em Brits back Theresa May’s Brexit plan but think EU will kill deal: poll – “Of those surveyed by polling company YouGov Tuesday evening and Wednesday, 55 percent said May’s Brexit priorities, which she outlined in a landmark speech Tuesday, would lead to a positive deal with the EU. Just over 60 percent said the version of Brexit she described would respect the referendum result.”

Seja lá como for este importante discurso, a que não quis deixar de dedicar o Macroscópio de hoje, talvez não seja o mais importante desta semana. Ou o mais aguardado, para o bom ou para o mal. É que amanhã, sexta-feira, é o dia da tomada de posse como Presidente dos Estados Unidos de Donald Trump, e do seu discurso inaugural, algo que deverá mobilizar a atenção das próximas edições desta newsletter. Até lá, e como aperitivo, deixo-vos uma leitura deliciosa, um texto da New Yorker de 12 de Janeiro de 2009, um texto escrito nas vésperas do primeiro discurso inaugural de Barack Obama. Em The Speech, Jill Lepore interrogava-se se, até então, os discursos inaugurais estavam a ser cada vez piores, num texto onde se recuava até à posse do primeiro Presidente, George Washington, e se recordava a imbatível retórica de Lincoln.


Tirem um bocadinho ao vosso descanso desta noite e não percam este texto. É um conselho que, por hoje, é também o meu voto de despedida. Até amanhã.
Título, Imagens e Texto: José Manuel Fernandes, 19-1-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-