sábado, 18 de fevereiro de 2017

Acabar com a democracia por SMS

Alberto Gonçalves

A franca sabotagem da comissão de inquérito prova que a maioria de esquerda abdicou de vez do verniz “institucional” e assumiu o seu único objetivo: manter o país sob controlo, custe o que custar.

É absurdo pensar-se que o PS tem uma estratégia concertada para lidar com o “caso” da Caixa Geral de Depósitos. Que eu reparasse, o PS e os seus porta-vozes oficiais ou informais vêm exibindo uma riquíssima paleta de estratégias, umas concertadas, outras desconcertantes, todas atiradas para a arena sem especial ordem de preferência, inteligência ou, convenhamos, vergonha na cara. Com o rigor possível, consegui catalogar algumas.

Estratégia A Minha Pátria é a Banca Portuguesa. Exceto quando se encontra à disposição de indivíduos devidamente credenciados pela oligarquia, a CGD é uma instituição sensível que deve ser tratada com consideração e pinças. Perder tempo com irrelevâncias, mesmo que as irrelevâncias incluam, entre habilidades sortidas, as intrujices cometidas pelas mais altas figuras do Estado, é matar a Caixa, é descurar os “enormes desafios que o país enfrenta” (cito um patriota aflito) e é, vendo bem, um ato de traição.

Estratégia O Respeitinho é Lindo. É indecente andar-se a julgar o carácter alheio, principalmente de personalidades que não possuem nenhum. Vilezas assim só se admitem, e até incentivam, quando o julgado pertence à “direita”.

Estratégia Galo de Barcelos. Insistir nestas polémicas escusadas dá uma péssima imagem do lá fora. O que dirá o célebre “estrangeiro”?

Estratégia Amigos Para as Ocasiões. O que passou, passou. Quem importam os SMS trocados? Que interessa quem disse e fez o quê? Não queremos construir um futuro comum? De que vale agora apontar culpas?

Estratégia Ocasiões Para os Amigos. A culpa é obviamente do dr. Domingues, que reclamou intoleráveis privilégios – os drs. Centeno, Costa e Marcelo são inocentes em ambos os sentidos da palavra. Ou a culpa é do dr. Domingues e, em doses assaz pequeninas, do dr. Centeno, que na sua bondade tolerou sem propriamente tolerar os tais privilégios – os drs. Costa e Marcelo não sabiam de nada. Ou a culpa é dos drs. Domingues, Centeno e Marcelo, que afinal cozinharam tudo – o dr. Costa, coitadinho, sofre em recato a incúria dessa gente. Ou, melhor ainda, a culpa é da “direita”, porque as leis da física ditam que as responsabilidades por cada embaraço indígena acabam por cair em cima de Pedro Passos Coelho.

Estratégia O Peso da Tradição. Admitamos que o ministro, o Presidente da República e, por mera hipótese académica, o virtuoso primeiro-ministro mentiram. E depois? Os políticos não costumam mentir? E a “direita”, não mentiu através de (acrescentar nome), em (acrescentar data), ao dizer que (acrescentar alegada patranha de que já ninguém se lembra ou dará ao trabalho de verificar)?

Estratégia Recolher Obrigatório. Este é um caso encerrado.

Estratégia A Vida Continua. Mudemos de assunto e mostremo-nos chocados e constrangidos pelas revelações inoportunas que “o Cavaco” (esgar de desprezo) publicou em livro, para cúmulo escrito pelo próprio (repetir o esgar).

Embora a escolha não seja fácil, confesso que a minha estratégia favorita é a Send in the Clowns, na qual o PS lança os maluquinhos disponíveis para emprestar um toque surreal ao “debate” e adensar o nevoeiro. Um dia, em programa televisivo, o porta-voz do partido garante que “o PR está profundamente implicado nisto”. No dia seguinte, indiferente ao vídeo que o desmente ao comprido, garante ter garantido que “o PR não está implicado em nada”. Pelo meio, o dr. César dos Açores esclarece que o porta-voz do partido nem sempre é o porta-voz do partido. E uma senhora chamada Estrela, que em tempos quase se notabilizou por crer na honradez do eng. Sócrates, junta-se ao circo e adianta em dialeto evocativo do português: “Domingues foi útil p conseguir o apoio de Bruxelas à CGD e p isso era necessário ele acreditar q seu património n iria ao TC. PR colaborou.” Existem cabeças iluminadas. A da dona Estrela não é uma delas.

Perante isto, há boas e más notícias. A boa é que, numa democracia civilizada, tamanho desfile de incompetência, fraude e descaramento terminaria em investigações a sério e, provavelmente, na morte política dos implicados. A má notícia é que estamos em Portugal, reino da impunidade seletiva e das clientelas vorazes. A franca sabotagem da comissão parlamentar de inquérito prova que a maioria de esquerda abdicou de vez do verniz “institucional” e assumiu, por gestos ou omissões brutais, o seu único objetivo: manter o país sob controlo, custe o que custar. Na verdade, não custa muito. Na verdade, custará imenso. Desde o momento em que o dr. Costa derrubou o tal muro e abriu o regime à barbárie leninista que a nossa democracia prometia pouco. Hoje promete menos. Pode-se argumentar que o muro era fraquito e permeável. Mas era um muro.

Notas de rodapé:
Ao contrário dos comentadores que comentaram o livro de Cavaco Silva duas horas após o lançamento, não sou versado em “speed reading” ou candomblé. Fico-me, pois, pelos resumos saídos na imprensa e pela opinião dos prodígios acima. Os primeiros sugerem-me a excessiva importância que o ex-presidente concede ao eng. Sócrates, além da previsível constatação de que este é pouco instruído, pouco confiável, pouco educado e muito deslumbrado consigo mesmo. Já os comentadores, na maioria viúvas do deslumbrado, juram-me que o prof. Cavaco agiu mal: só se admite que um político retirado escreva as memórias se o político em causa for de esquerda e os visados nas memórias não. Assim, trata-se de uma lamentável devassa, um perturbador (ai) ajuste de contas, um exercício de ressentimento, uma demonstração de défice institucional, uma insolência em suma – quase tão grande quanto as cinco vitórias eleitorais de um homem que, garantem as viúvas, ninguém gosta. Sobretudo por comparação, eu não desgosto.
Título e Texto: Alberto Gonçalves, Observador, 18-2-2017

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-