terça-feira, 25 de abril de 2017

Abril segundo Otelo

Cristina Miranda

E já lá vão 43 anos a pensarmos que o abril dos cravos fora feito em nome do povo. Todos os anos o país para com celebrações, enaltecendo memórias de militares que invadiram as ruas em nome da liberdade. Até que veio o dia, em que numa entrevista à Lusa em 2011, Otelo, o pai dessas operações, nos revela calmamente que bastam 800 homens para derrubar um governo, mas que um “novo Abril” só acontecerá quando lhes forem ao bolso. Está aqui para quem quiser verEm menos de um minuto caía por terra o mito de que os capitães de Abril planearam resgatar o povo da ditadura. Nem um pouco. Estavam na realidade a lutar pelos seus direitos. Alguém corrigiu isto? Nada. Silêncio absoluto. 

De acordo com as declarações de Otelo Saraiva de Carvalho, o movimento dos capitães iniciou-se por razões corporativistas quando os militares de carreira se viram ultrapassados nas promoções por antigos milicianos, devido a um decreto-lei do então governo, que permitia a entrada imediata desses antigos milicianos para colmatar a falta de capitães na guerra colonial.  Esses milicianos foram rapidamente promovidos a major, ultrapassando os capitães, que já tinham quatro anos de curso. Assim, ao tocar nos interesses da oficialidade, provocou-se uma reação que foi o derrube do regime. 

A verdade é que depois de derrubado o governo, em 25 de Abril de 1974, voltamos a ficar reféns de outra ditadura: a comunista. Quem não se lembra do PREC e suas consequências nefastas para a Nação? Não fora o 25 de novembro de 1975 liderado por Jaime Neves e hoje não estaríamos aqui a escrever no Blasfémias. Teríamos no mínimo um país à semelhança de Cuba, Venezuela, Coreia ou Rússia. Esse é um facto irrefutável. E é a este último golpe que devemos a liberdade que temos hoje. 

No entanto, depois de tamanha luta, que tipo liberdade temos afinal? Sim podemos nos exprimir, podemos nos manifestar, mas de pouco no vale. Estamos “amarrados” e “amordaçados” por um país  que nos leva 41,5% do nosso suor só em impostos sobre o trabalho, não incluindo os impostos sobre consumo como o IVA, e demais taxas e impostos indiretos, como IMI, ISV ou IA, ou IUC que tudo somado são 70% de nosso rendimento que vai à vida sem que possamos fazer nada; um país onde não há limite de endividamento que levam ao aumento da carga fiscal; um país onde as leis são feitas à medida para não deixar escapar os pobres mas permitir salvar os muito ricos; um país que criou uma classe política impune mesmo levando a Nação várias vezes à falência por governação danosa e corrupção; um país que não permite a livre escolha na educação nem na saúde; um país que discrimina trabalhadores nos seus direitos consoante sejam do Estado ou do privado; um país que seleciona nos mídia o que permite ser visto ou ouvido; um país que permite SÓ partidos derrotados nas urnas, no governo.  Esta é a liberdade conquistada.

Ironicamente, precisamente quatro décadas depois de Jaime Neves nos resgatar de uma segunda ditadura, eis que pela mão engenhosa de Costa e sem escrutínio dos portugueses, eles, os HOMENS do PREC, estão de novo a conduzir os nossos destinos. 

Isto é liberdade? 
Título e Texto: Cristina Miranda, Blasfémias, 25-4-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-