sexta-feira, 21 de abril de 2017

[Aparecido rasga o verbo] Pé no chão

Um livro inteiro escrito com o pé

Aparecido Raimundo de Souza

ZENI BERGER, senhoras e senhores, nasceu pronta para a vida. Veio ao mundo para nos ensinar a lição de casa, qual seja, a de convivermos em harmonia perfeita com os percalços que nos são impostos, sem ficar chorando pelos cantos, como pobres e tristes Prometheus. Essa jovem simpática é o retrato de si mesma, sem retoques, sem correções ou aprimoramentos.  Escreveu “Pé no chão”, usando apenas o pé. Em outras palavras, sem o uso de computador, ou sem precisar ajustar uma secretária para ditar suas memórias. Zeni é o que é. O amor criança, a experiência subjetiva mais linda que alguém pode, um dia, sonhar.

Zeni traz dentro de si vários mundos paralelos, onde alguns se encontram e se entrelaçam, outros não. Seus textos são pequenos mimos (leves e soltos) se descortinando como um filme diante de nossos olhos, ora como lembranças imorredouras, ora como caminhos dispersos que se encontram, ou melhor, que se chocarão em algum lugar dentro de nossa imaginação. É o caso, por exemplo, de “Banho”:

“Enquanto o rádio esquentava, ouvia as doze badaladas de um relógio de chave que ficava na parede com dois ponteiros somente”.

Ou...

“Vaca”:

“Chorava, gritava e esperneava muito, porque tinha medo e nojo de ficarem três dias depois, enrolados num surrado cobertor e no quarto escuro com o corpo cheio de merda”.



Os acontecimentos, como um todo se sucedem numa ordem aparentemente arbitrária, mas coerente, com o ritmo da personagem central nos mostrando, na corriques do simples, a abundância púmbia e sem a maquiagem rebuscada das palavras difíceis. É o caso de “Bicicleta”:

“Ela falou que eu iria ficar boa através de um espelho oval com imagem barroca, e que não olhasse para o espelho, e cada caco é uma vela que tinha que ser acesa por ela e não levava muito tempo no quarto escuro”.

Mais adiante, em “Mãezinha” nos deparamos frontalmente com o reflexo bérico e espúrio de uma certeza cruel:

“A minha adolescência só foi de medo e rejeição do que as pessoas ensinavam a mãezinha e ela fazia para eu ficar “normal”. Sobre a sexualidade não se falava. Quando perguntava de onde eu vim, mãezinha respondia com ar de deboche: ‘você veio de um macaco’. Eu nunca acreditei”.

Por essas pequenas tiradas, Zeni é impecável. Descreve à flor da exatidão o universo fidedigno que habita dentro de seu “eu” pontilhado com as nuances profundas e cheias de armadilhas. E o faz numa eloquência febril, devastadora, viajando entre o bucólico do ontem e o realismo pastoril de agora, sem, no entanto, perder a magia pacóvica, tampouco sem destoar da realidade dos fatos que vivenciou há exatos sessenta e dois anos de existência.

Em sendo assim, o estetismo, a sutileza, a tenuidade delicada, enleadas a profundidade de suas palavras, consagram seu livro de estreia como uma encantadora obra prima de proporções gigantescas. E não só isso, nos coloca na imaginação de um porvir risonho, uma esperança inigualável, inquebrantável e indestrutível. Sobretudo, indestrutível.

O livro é sempre o registro de toda uma vida. Para ele transportamos momentos de angustias, de sofrimentos, as grandes emoções pelas quais passamos e vivemos, além das recordações mais queridas que deixaram em nosso âmago, como cristais eternos, fragmentados “pedacinhos de saudade”.

Dessa forma, com as vistas voltadas para o amanhã, vejo o livro “Pé no chão” da menina mulher, da mulher menina Zeni Berger, como um poema ímpar. Um leque de vivências plenas, sadias, de uma vida inteira em busca de um ideal imorredouro, repleto de fantasias não realizadas, outros, evidentemente levados a termo com algumas dificuldades, todavia, sem perder o condão íbico da Fé maior no Deus Altíssimo, que nos vigia, a todos, de lá de cima do infinito.

“Nesse período só me arrependo de ter feito uma maldade com a minha avó materna ‘môta’, que veio morar lá em casa. Arranquei um monte de graveto de lenha da cozinha e ficava embaixo da mesa à espera de quando ela ia lavar a louça, eu espetava seus pés inchados, pensava que assim suas pernas poderiam estourar. Doce môta nunca falou em português comigo. Quando eu queria defecar, usava um pinico, de esmalte branco com umas flores. Ou ia ao mato com minha môta materna que veio morar com a gente até seu falecimento. Ela tirava a minha roupa e se curvava para frente segurava-me entre seu colo pegando uma mão em cada perna dava um tempo, e perguntava em alemão ‘is guinurt?’. Eu respondia ‘ió’, e limpava-me com umas palhas secas de milho”. (in “Môta”). 


Título, Imagens e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, jornalista. De Vila Velha, no Espírito Santo. 20-4-2017

Colunas anteriores:

2 comentários:

  1. Parabéns pelo excelente texto Aparecido,e parabéns a essa maravilhosa escritora Zeni Berger que é um exemplo de superação,de garra e determinação.enquanto muitos reclamam das dificuldades da vida, ou do dia a dia,ela nos mostra que tudo podemos fazer quando temos força de vontade e coragem de ir a luta.Zeni Berger é mais que uma vencedora ela é uma guerreira de Deus.parabéns... Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. OLÁ, QUERIDO AMIGO JORNALISTA E ESCRITOR, APARECIDO RAIMUNDO DE SOUZA, VOCÊ NÃO TEM MEDO DA VERDADE E PODE PRESENTEAR-ME COM O SEU BELÍSSIMO TEXTO NO MEU LIVRO "PÉ NO CHÃO". SOU ETERNAMENTE GRATA POR TUDO...BEIJOSSS Zeni Klug Berger

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-