quinta-feira, 27 de abril de 2017

Venezuela. Conselheira da comunidade portuguesa acusa PCP de mentir sobre crise

A conselheira da comunidade portuguesa na Venezuela, Maria de Lurdes Almeida, acusou esta quinta-feira o PCP de “blasfemar e mentir” sobre a crise social e política na Venezuela

Foto: Cristian Hernandez/EPA

Agência Lusa

A conselheira da comunidade portuguesa na Venezuela, Maria de Lurdes Almeida, acusou o PCP de “blasfemar e mentir” sobre a crise social e política na Venezuela, lamentando a ausência de “um voto único de solidariedade” do parlamento português.

“Eu respeito muito as ideologias partidárias [do PCP], mas não concordo que, por defender umas ideologias de partido, se cometa o que se está a cometer de blasfemar, de mentir, dia após dia, sobre o que se está a passar na Venezuela”, afirmou esta quinta-feira a representante dos portugueses na Venezuela no parlamento, à margem de uma audição dos membros do Conselho Permanente do Conselho das Comunidades Portuguesas (CCP) por deputados com assento na comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas.

Nas últimas semanas, o parlamento português aprovou um voto de solidariedade e apoio aos portugueses que vivem na Venezuela, mas o PCP votou contra um ponto por não fazer referência às “ingerências externas” no país, enquanto um voto de condenação proposto pelo CDS sobre o agravamento da “situação de instabilidade e insegurança” na Venezuela teve a oposição dos Verdes e dos comunistas, que foram acusados de “branquear” o regime “ditatorial”.

Já o PCP viu aprovados dois pontos de um voto de “repúdio pelas ações de ingerência e desestabilização” contra a Venezuela, nos quais se reafirma “o direito do povo venezuelano a decidir soberanamente sobre o seu caminho de desenvolvimento livre de quaisquer ingerências e pressões externas e em paz”.
Com a abstenção do PS, os votos contra do PSD, do CDS-PP e de oito deputados socialistas, o segundo ponto aprovado manifesta “apoio e solidariedade à comunidade portuguesa” que, “como o povo venezuelano, é vítima da campanha de ingerência e desestabilização”.

Esta quinta-feira, a conselheira portuguesa na Venezuela criticou declarações do eurodeputado comunista João Ferreira, de que o país “estava melhor do que nunca”.

“Disse-lhe para ir para a Venezuela e viver o que estamos a viver. É muito fácil falar quando se está longe”, lamentou. A representante dos portugueses na Venezuela perguntou: “Se a comunidade está tão bem e o povo está tão bem, então por que é que estão a suceder estes protestos, que duram há três semanas, com pessoas mortas dos dois lados”.


“Que não me digam que na Venezuela diminuiu a pobreza, quando temos cada vez mais pessoas a procurar comida nos sacos do lixo. Que não me digam que aumentou a escolaridade, o que aumentou foi o absentismo, porque as crianças desmaiam nas aulas por falta de uma boa nutrição. Que não me digam que na Venezuela se vive melhor que nunca, quando a insegurança aumentou catastroficamente, e às cinco ou seis da tarde, quando vai ser de noite, todas as pessoas se refugiam nas suas casas”, descreveu, indignada.

Na Venezuela, acrescentou, “quem pensa diferente do regime é perseguido, é detido”.

Maria de Lurdes Almeida sustentou que era “muito importante” que o parlamento português tivesse uma voz única sobre a situação dos portugueses.

“Solidarizar-se com uma comunidade não implica que não tenhas as tuas ideias partidárias. Aqui, no parlamento, todos deveriam ter um só voto de solidariedade para com os problemas que estão a suceder e não se pensar nas ideologias partidárias para estar a blasfemar e a mentir todos os dias”, considerou.

Em declarações aos jornalistas, a deputada comunista Carla Cruz garantiu que o PCP está preocupado com os portugueses na Venezuela. “Temos dito que o Governo português deve acompanhar essa situação, mas também não desligamos que a situação da comunidade portuguesa na Venezuela não é alheia àquilo que são as dificuldades com que o povo venezuelano vive e que resultam claramente dos processos de ingerência e desestabilização que estão em curso na Venezuela”, afirmou a comunista.

Carla Cruz recordou que a iniciativa que apresentou no parlamento “fazia uma referência explícita de manifestação de solidariedade e apoio à comunidade portuguesa que vive na Venezuela”, além de os deputados comunistas terem votado favoravelmente o ponto do voto do PSD que se referia aos portugueses. Desde o início de abril, uma onda de manifestações anti-Governo de Nicolás Maduro tem sido marcada por violentos confrontos com a polícia, que fizeram quase 30 mortos e centenas de feridos. 
Título e Texto: Agência Lusa, Observador, 27-4-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-