terça-feira, 30 de maio de 2017

A crise, as ruas e... as ruas!

Cesar Maia
      
1. A principal característica das gigantescas mobilizações nas ruas, em 2013, foi a proibição da presença de símbolos partidários, bandeiras, carros de som e políticos. Alguns políticos que se aventuraram a aparecer discretamente, mesmo que por um tempo mínimo, para tirar fotografia para as suas redes, receberam uma enorme vaia. Era proibido políticos subirem no carro de som e fazerem discurso. Quem tentou, desceu rapidinho debaixo de vaias.
    
2. Em seguida, seminários, palestras e opiniões de analistas, intelectuais e políticos procuraram caracterizar aquelas massas mobilizadas como fascistas de classe média. Naquele momento, sem se darem conta, estavam dividindo as ruas, ou melhor, estavam construindo duas ruas: a rua dos sindicatos e partidos políticos ditos de esquerda e a rua da antipolítica e das redes sociais.
    
3. Dias atrás, após a divulgação e a enorme repercussão das delações dos donos e executivos da JBS, veio como desdobramento a convocação pelos partidos ditos de esquerda e centrais sindicais para um protesto nas principais cidades do país, com as palavras de ordem ‘Diretas Já’ e ‘Fora Temer’.  As mobilizações foram pífias e as duas maiores mal atraíram de cinco a dez mil pessoas.
    
4. Em seguida, foi convocada - outra vez pelos partidos ditos de esquerda e centrais sindicais, CUT na frente - uma manifestação em Brasília para atrair pessoas de todo o Brasil, diretamente ou com aluguel de centenas de ônibus. As palavras de ordem eram as mesmas: ‘Diretas Já’ e ‘Fora Temer’.

5. Deputados e Senadores, ditos de esquerda, tentaram obstruir e fechar as sessões na Câmara de Deputados e no Senado. Não conseguiram. Avaliações sérias e impessoais mostraram que, nas ruas, conseguiram mobilizar trinta e cinco mil pessoas, se tanto.
     
6. E, para piorar, grupos radicais assaltaram ministérios num quebra-quebra que não foi impedido pelos líderes da manifestação e até produziram exaltação e apoio. Naquele momento, o presidente Temer, em edição extra do Diário Oficial, convocou o Exército para impedir a violência e as depredações.
     
7. Com a presença do Exército, o quebra-quebra foi interrompido num passe de mágica. Voltou tudo à normalidade. No outro dia, a mídia abriu seus espaços para análises dos fatos, por juristas, intelectuais e políticos. Formou-se - na mídia - um consenso que a convocação do exército era uma medida de exceção, fazendo coro com os manifestantes e parlamentares exaltados da véspera.
      
8. Os institutos de pesquisa que fizeram aferições, sem fechar pesquisa completa, se surpreenderam ao ver que uma enorme maioria das pessoas aprovou a convocação do Exército. Um dos analistas desses institutos disse que não havia por que se surpreender, pois todas as pesquisas de avaliação das instituições davam sempre o Exército e a Igreja em primeiro lugar. E completou lembrando que as pesquisas sobre o próximo presidente mostram isso claramente.
      
9. Da mesma forma, levantamentos feitos nas redes sociais, nos dias seguintes, apontaram na mesma direção. Ou seja, um enorme apoio à presença do Exército inibindo a violência na manifestação de Brasília. Os polos que têm estimulado manifestações nas ruas através das redes sociais mantiveram-se calados. A razão de fundo era e é não engrossar o caldo de partidos ditos de esquerda e centrais sindicais.
     
10. E parafrasearam nas redes: "Essa não é a nossa rua". E se gabaram: “Eles (partidos ditos de esquerda e centrais sindicais) não têm mais força de mobilização, não colocam nas ruas nem 5% do que colocamos”.
      
11. E, nessa lógica, mantiveram a mobilização nas ruas virtuais, nas redes, esperando o melhor momento para convocar para as ruas reais e mostrar que a voz do Povo já é outra.
      
12. Agora é aguardar e acompanhar.
Título e Texto: Cesar Maia, 30-5-2017   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-