domingo, 14 de maio de 2017

[Enigma policial] A morte de Bambini

Bambini, o velho mestre vidreiro, foi encontrado estendido no chão do seu estúdio, entre duas estantes de objetos de vidro que desenhara e fabricara. Tinha sido brutalmente esfaqueado nas costas. A mulher chamara a polícia, muito nervosa. Assim que chegaram, os inspetores começaram a reunir as provas e não deixaram que mais ninguém entrasse no estúdio onde tinha ocorrido o crime.

- Foi a senhora que descobriu o corpo? – perguntou um dos inspetores.
- Fui sim – respondeu entre lágrimas. – Estava quase a adormecer quando ouvi um estrondo no ateliê do meu marido.
- Que tipo de estrondo?
- Alguma coisa a partir-se. Soube logo que algo de terrível tinha acontecido… O meu marido tem um cuidado enorme com o trabalho, e em trinta anos nunca partiu uma peça.


- E a seguir? Foi ao estúdio ver o que se passava?
- Sim. Desci as escadas e encontrei-o morto no meio dos estilhaços… Dei um grito, mas tentei recuperar do choque e finalmente chamei a polícia. O senhor não desconfia de mim, pois não?
- Estava mais alguém em casa?

- Não.
- O seu marido recebeu alguma visita?
- Não sei… Eu já estava na cama há várias horas.

Meia hora depois chegou o melhor amigo de Bambini. A polícia parou-o à porta de casa. Perguntaram-lhe o que estava ali a fazer.

- Eu falei com Bambini momentos antes da sua morte.
- Veio cá a casa?
- Não, falámos por telefone.
- Ouviu a voz do criminoso?

- Infelizmente não… o Bambini soltou um grito, ouvi o ruído da jarra a partir-se, e a seguir a chamada caiu…
- E por que é que veio a correr?
- O que lhe parece? O meu melhor amigo morreu…

Os inspetores reuniram-se fora da casa para discutir o caso e chegaram à conlusão que tinham de levar ou a mulher ou o amigo de Bambini para a esquadra.

[Quem é que os inspetores levaram para interrogatório?] 

Título e Texto: Joana Pereira da Silva, Maria João Vieira, Renato Rocha

Um comentário:

  1. Solução:
    “Os inspetores levaram o amigo de Bambini para interrogatório. Ao descrever o telefonema, diz que ouviu ‘a jarra a partir-se’.
    De fato, o objeto que se partiu foi a jarra, mas era impossível o amigo conhecer esse pormenor, uma vez que a polícia não deixou que ninguém entrasse no estúdio.
    Para saber que o objeto que se partira era a jarra, o amigo tinha de ter estado presente na altura do crime.”

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-