sexta-feira, 5 de maio de 2017

Perón, na época, com 75 anos: ensinamentos que servem aos nossos políticos de hoje

Cesar Maia

1. O consagrado escritor argentino Tomás Eloy Martínez, em 1970, com 36 anos, conseguiu que Perón - 75 anos e já com quinze anos de exílio - concedesse em sua casa em Madrid (Puerta de Hierro) uma entrevista gravada. Foram quatro dias de gravações. Baseado nessa entrevista, Eloy Martinez escreveu dezenas e dezenas de artigos e dois livros de grande sucesso: Santa Evita e A Novela de Perón.
           
2. Essas fitas, mantidas em caixas, ficaram guardadas até agora. Nos últimos meses foram transformadas em filme e documentário. Dias atrás, antecipando o lançamento, foram divulgadas cinco partes deste documentário, que vão desde a sua infância até à sua morte. As respostas de Perón a Eloy Martinez são comentadas por politólogos, historiadores, políticos sêniores e até publicitários.
           
3. Deveriam ser vistas e revistas por nossos políticos de hoje, pois contêm experiências acumuladas até a sua maturidade. Seguem trechos que este Ex-Blog selecionou.
           
4. O líder, primeiro, se faz ver, para que o conheçam. Depois se faz obedecer espontânea e naturalmente para passar a ser percebido como infalível. O que conduz deve ser percebido como infalível. Isso tudo é uma arte.

5. Não sou um político: sou um condutor. Carisma é o produto de um processo técnico de condução.
           
6. Condução é unificar as ideias dispersas em direção a um objetivo que conhece o condutor.
           
7. Ao se chegar ao poder se tem dois objetivos: fazer a felicidade do Povo e a grandeza da Nação. Se se excede em um, se sacrifica o outro. Deve-se conseguir um equilíbrio entre os dois.
           
8. A política deve ser pendular entre o sindicalismo que está sempre à direita e a esquerda que está na política.
           
9. A Condução política é sui generis. As pessoas estão acostumadas à gestão da ordem (que de fato é uma gestão militar). Mas em política jamais existe ordem. Há que se preparar e se acostumar a gerir a desordem.
         
10. A política não pode ser um corpo rígido. Tem que ser flexível.
          
11. Fui criado com os animais; adoro os animais. Na política há 10% de idealistas e 90% de opiniões dispersas. Estes 10% são como os cães (tenho quatro) e 90% como os gatos. Os cães são fiéis e acompanham silenciosamente. Os gatos são dispersos. Saem para caçar à noite. Quando são contrariados preferem ficar num canto e até se ocultar. Mas quando se veem cercados, reagem atacando. São felinos.
           
12. Estar longe dos fatos é melhor que se estar perto. De longe se vê a totalidade.
          
13. Comentários finais. Perón sempre teve o controle do movimento peronista. Só perdeu o controle quando voltou do exílio ao governo em 1973.
Erro maior dos peronistas: a Volta de Perón em 1973 não foi para construir um futuro, mas para repetir o passado, dos anos de glória entre 1946 e 1955.
Título e Texto: Cesar Maia, 4-5-2017       

2 comentários:

  1. Cézar Maia, deve ser parente do Rodrigo Maia e do Artur Maia.
    Perón foi ridículo.
    Dizer que sindicatos estão à direita é imbecilidade.
    Todo sindicato tal e qual políticos se locupletam com suado salário dos trabalhadores, e vivem rendendo homenagens ao empresariado.
    Políticos são hematófagos, sindicalistas coliformes fecais, vivem em simbiose.
    Perón como a mula retirante sempre tiveram controle dos seus movimentos.
    Perón como Getúlio fizeram coisas boas, mas nunca se livraram dos corruptos.
    Um suicidou, o outro foi para o inferno, lugar de cornos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cesar Maia, atualmente vereador do município do Rio de Janeiro, é pai do deputado federal, Rodrigo Maia.

      Quanto à frase (que também me causou impressão) julgo estar mal redigida. Não imagino Perón e/ou Cesar Maia considerar os sindicatos de Direita...

      Excluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-