domingo, 4 de junho de 2017

[Para que servem as borboletas?] Somos políticos...

Valdemar Habitzreuter

Somos todos políticos, embora possamos ser políticos apartidários - sem preferência por partidos. Ser político está na veia de cada um de nós e é, pois, natural que tomemos parte nas discussões das questões inerentes à nossa cidade (polis, daí a palavra política), à nossa nação e, assim, contribuir no zelo das coisas públicas para que tenhamos uma convivência democrática e apaziguadora. 

O que assistimos nestes últimos meses no país: impeachment de Dilma, a conduta criminosa do presidente Temer no exercício do cargo, empreiteiros e empresários em conchavo com políticos espoliando e dividindo entre si a riqueza nacional, mais a baderna de nossos parlamentares que não sabem o que é representar a vontade popular, tudo isso nos faz com que nos engajemos, de uma forma ou outra, politicamente. Assim, opinamos, nos manifestamos, criticamos, exercendo nossa inevitável razão política; e nada mais louvável e imperioso, nesse sentido, do que a caça aos criminosos corruptos pela Lava-jato que, por ora, representa a fidedigna voz popular.

É evidente e notório, pelos resultados de políticas errôneas e criminosas dos governos Lula/Dilma, que o país sofre de uma das maiores crises, em todos os sentidos (político-econômico-sócio-cultural), nunca antes sentida na sua História e isso faz com que nosso instinto político despertasse revoltoso e se aguçasse para enfrentar e rejeitar, em uníssono, o que uma gangue de assaltantes foi capaz de fazer com o nosso país. É preciso mesmo gritar e exigir um FORA a toda podridão, que avassala nossa sociedade, perpetrada por gente que não quer uma sociedade sadia, mas escravizada por ideologias mórbidas, de interesse somente dos que querem um poder escravizante.

A semana entrante e o mês de junho, que se iniciam, vamos ter verdadeiros embates políticos em que está em jogo a renúncia, impeachment ou afastamento de Temer, via TSE, e mais a condenação ou não de Lula... Estes embates nos afetam e é claro que vamos nos manifestar politicamente na busca da normalidade e do estado de direito... Si vis pacem, para bellum


Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 4-6-2017

Colunas anteriores:

3 comentários:

  1. Caro Habitz, realmente o Brasileiro está se "politizando" mais, classes sociais menos privilegiadas, não só a A e a B estão se interessando pela política.
    Os embates políticos são válidos, mas o que o País precisa é um jurídico mais efetivo, uma Suprema Corte mais ágil, como está os crimes ficarão nas gavetas, ou, pela morosidade e pelos conchavos, por novas corrupções, que atinjam o judiciário, o qual o Brasileiro começa a questionar.
    Vamos esperar, pois ir para as ruas, também não está dando resultado, e é o que o povo precisa fazer, ou melhor, tem a fazer.
    Heitor Volkart

    ResponderExcluir
  2. NUNCA VAMOS SER POLITIZADOS.
    Pequena explanação.
    A lei Áurea foi assinada quando menos de 5% de escravos existiam, e muitos morreram escravos porque não tinham como pagar suas alforrias.
    Dom Pedro II, o maior dos brasileiros, foi deposto por um golpe, e Deodoro da Fonseca derrubado por outro golpe.
    A burguesia brasileira assumiria o poder até 1930.
    Um golpe fez a revolução de 30, 5 mortos e 14 feridos, e no assassinato de João pessoa 1 morto e 20 feridos.
    A tão decantada lei trabalhista de 1943, foi criticada na época pelos setores econômicos, pelo aumento do custo Brasil, onerando as empresas, gerando inflação e corroendo os salários, assim como o aumento de tribunais, juízes e funcionários públicos.
    1945 a burguesia assume de novo.
    Getúlio volta em 1950 e morre, sem parar com a corrupção, Tancredo Neves, a velha raposa assume grande poder político.
    Com essa burguesia JK produz o governo mais corrupto da época.
    A completa destruição da previdência, que havia iniciado com Getúlio fazendo os caixas de pensões assumirem a construção da CSN, da VALE, da PETRONOSSO, hoje Petrobrás e da construção de Brasília.
    A instabilidade econômica levou ao golpe parlamentar de 1964 depois a eleição indireta dos militares para presidentes, culminando com o golpe militar de 1968.
    As pressões burguesas, Ulisses Guimarães, Tancredo Neves, José Sarney, Orestes Quércia, FHC grande comandantes da abertura de 1985.
    Fizeram a constituição aristocrática de 1988, Ulisses provavelmente assassinado e não duvido que também Tancredo o fora.
    A burguesia de esquerda elitista assume o poder até os dias de hoje.
    Golpe parlamentar na anta búlgara, e golpe político em Temer.
    Agora vocês acreditam que não é uma elite organizada?
    Pois, STF, congresso e executivo são dedo, pele e unha.
    As reformas são necessárias, mas a que custo?
    PMDB,PSDB, PT E ALGUNS OUTROS ESTÃO NO COMANDO DESDE 1984.
    ALGUNS HONESTOS DESCOBRIRAM QUE TRABALHAVAM PARA OUTROS ENRIQUECEREM E VIRARAM O COXO.
    O BRASIL É UMA GRANDE PIZZARIA.
    VOTO SE COMPRA, você se trona senador no ACRE com 45000 votos, uma bagatela de 5 ou 10 milhões.
    FUI EM GRANDE ESTILO

    ResponderExcluir
  3. Rochinha, são como estas e outras explanações de redes sociais, jornalistas, filósofos e curiosos como nós, que as pessoas vão se politizando e a população tbm, dizer que somos politizados ainda é muito cedo, mas já podemos dizer que estamos nos politizando. Ok?

    Heitor Rudolfo Volkart

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-