quinta-feira, 6 de julho de 2017

Maior onda de calor foi em junho

No mês passado registrou-se o maior número consecutivo de dias quentes, com temperaturas acima dos 44° C


O dia 17 foi o mais quente

Desde 2001, apenas os anos 2007, 2008, 2011 e 2012 não registraram ondas de calor, segundo dados do IPMA-Instituto Português do Mar e da Atmosfera. Considera-se que ocorre uma onda de calor quando num intervalo de pelo menos seis dias consecutivos as temperaturas máximas são 5° superiores à média no período de referência (1961-1990). O Verão de 2006 foi o que registrou o maior número de ondas de calor – três.

O ano de 2017 já é um dos mais quentes. No período de 1 a 20 de junho, o valor médio da temperatura máxima do ar foi de 31,2° C em Portugal continental, 5,8° superior ao normal. Também neste mês de junho se registrou a onda de calor com maior duração, que ocorreu entre 7 e 24 – 17/18 dias nas regiões do Norte e do Centro e 11/12 dias nas restantes regiões. O recorde anterior da maior onda de calor foi em 2003, entre 29 de julho e 14 de agosto (15/16 dias).

Embora não tenha batido o recorde dos 47,3° C que os termômetros registraram na Amareleja, aldeia do interior alentejano, a 1 de agosto de 2003, o passado dia 17 foi o mais quente, com várias estações meteorológicas a marcarem temperaturas acima dos 43°: Alcácer do Sal (44,9), Alvega (44,5), Mora (44,4), Portel (44,3), Amareleja (43,8), Pegões (43,7) Avis (43,5), Mirandela (43,3) e Santarém e Tomar (31,1).
(…)
Título e Texto: Sábado, nº 688, de 6 a 12 de julho de 2017

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-