domingo, 24 de setembro de 2017

Fuga para a vitória

Rio quer ser líder do PSD e chegar ao governo sem se mexer


João Pereira Coutinho

Falava há tempos com um entusiasta de Rui Rio que me dizia coisas tremendas. Sim, o partido não está bem. Sim, Lisboa e Porto serão dois vexames. Sim, Passos Coelho não entrega as chaves no dia 1 de Outubro. Que fazer?

‘É preciso reunir condições’, segredava-me ele, em tom doutoral. A primeira, pelos vistos, é conseguir que o líder do partido seja eleito pelos ‘notáveis’, não pela soldadesca ignara – uma ideia que começa a correr pelos melhores bestuntos.

A segunda, perfeitamente compreensível, é haver ‘sinais’ do dr. Costa. Dois anos na oposição até ao fim da legislatura é um sacrifício que se aguenta. Mas o dr. Costa devia mostrar-se mais ‘disponível’ para um entendimento pós-eleitoral com o PSD, garantindo ao dr. Rio o lugar de amanuense.

Por outras palavras: Rio quer ser líder do PSD (sem o conquistar) e chegar ao governo (por convite do PS). É o retrato de um vencedor. 
Título e Texto: João Pereira Coutinho, Correio da Manhã, 24-9-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-