sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Os artistas milionários que moram em palacetes mostram toda sua perfídia ao defender invasão de propriedades dos outros

mrk

Hoje nada mais simboliza melhor a extrema-esquerda brasileira do que um bando de milionários que não praticam o que seguem. Vivem em palacetes enquanto defendem a invasão de propriedades dos outros, jamais a deles.

Rafael Rosset escreve, a esse respeito:

Você sai para uma viagem um pouco mais longa, de seis meses, e tranca a sua casa.

Ao voltar, encontra seu muro pichado com a frase “miséria não acaba porque dá lucro”.

Ao tentar estacionar o carro, depara-se com um acampamento do MTST na sua garagem. O MST invadiu seu quintal, matou seu cachorro e derrubou sua jabuticabeira. Os agricultores não plantaram nada porque estão esperando as sementes da Embrapa e a assistência técnica do Ministério da Agricultura, enquanto sobrevivem de Bolsa Família há cinco meses, depois de terem devorado tudo o que havia na sua dispensa.

Entrando em casa dá de cara com o Caetano Veloso sentado de cuecas no seu sofá e cantando, sem nunca ter sido petista, o verso “Por que você me esquece e some?”. Ao enxotá-lo de lá você o ouve balbuciando “censura!”, e imediatamente é produzido um manifesto (você não sabe de onde) brandido pela Letícia Sabatella lembrando a ditadura militar (e você fica sem entender nada, porque quando o AI-5 surgiu ela não era nem nascida).

Um inconfundível cheiro de maconha vem do seu quarto, onde Zé Celso está encenando uma peça orgiástica de quinze horas com dezoito atores nus, financiada pela Lei Rouanet.

Atordoado, você corre pra cozinha, apenas para encontrar Eduardo Suplicy cantando um rap (“pou! pou! pou!”) e distribuindo livros sobre o Renda Mínima.

João Pedro Stedile está na sala de jantar dizendo que o seu imóvel é um latifúndio improdutivo e por isso merece ser ocupado, enquanto bebe seu uísque.

Enjoado você se dirige ao banheiro, onde encontra um mendigo maltrapilho e mal cheiroso com uma camiseta do Che Guevara bebendo o seu perfume, mas que na verdade é um estudante (jubilado) de Ciências Sociais da USP, presidente do DCE e filiado à União da Juventude Socialista.

Parabéns, você acaba de entender os conceitos de Função Social da Propriedade, Reforma Agrária, Intervenção Urbana, Políticas Redistributivas e Arte Engajada.


É a isto que se resumiu a extrema-esquerda atual.

Para situações assim, existe o termo “virtue signalling” (encenação de virtude), que é a tentativa de exibir uma virtude que você não possui.

A elite de artistas milionários da Globo jamais doaria suas propriedades para os “sem teto”, mas defende a invasão de propriedades daqueles que não são defendidos por eles. A maior parte de suas vítimas é gente vulnerável. 
Título e Texto: Rafael Rosset e mrk, Ceticismo Político, 2-11-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-