domingo, 31 de dezembro de 2017

Janaína detona hipócritas que fingem defender Direitos Humanos mas abandonam brasileiro preso por Maduro

Luciano Ayan

Há mais de um dia sem notícias do filho, detido na Venezuela, a mãe de Jonatan Moisés Diniz [foto], de 31 anos, vive a angústia do silêncio desde que o governo de Nicolás Maduro acusou o brasileiro de liderar a ONG Time to Change e promover atividades contra o presidente. As informações são da Globo.


Renata Diniz, de 60 anos, ficou todo dia ao lado do telefone à espera de um telefonema que a informasse o paradeiro e a situação legal do filho. Ela ligou cinco vezes para as autoridades brasileiras em busca de atualização do caso, mas foi solicitada a esperar.

“Eu não saio do lado do telefone. Ele tem 31 anos, totalmente independente. Da última vez estava trabalhando em um restaurante. Eu não regulo a vida dele. É um menino trabalhador. A vida toda nunca dependeu de ninguém”, disse.

Ou seja, ele está completamente abandonado pelo governo brasileiro e pelas organizações de Direitos Humanos.

Janaína Paschoal comenta: “Não estou vendo históricos defensores dos direitos humanos abalados com a prisão do brasileiro na Venezuela. Pedir Democracia nas redes sociais virou crime? Os direitos fundamentais só importam em alguns casos? Sei bem como isso funciona: para os dissidentes, o Direito Penal!”.

Título e Texto: Luciano Ayan, Ceticismo Político, 30-12-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-