domingo, 17 de dezembro de 2017

[Varig/Aerus] Alexandre Freyesleben vs Tito Walker


Tito Walker, ex-comandante na Varig, escreveu uma carta aberta a Alexandre Freyesleben, também ex-comandante na Varig, acusando este de “jamais ter trabalhado a favor e em prol do coletivo” e outras.

Em sua resposta, Alexandre Freyesleben reputa as intervenções de Walker de “aqueles discursos inflamáveis, mas de conteúdo que mais parecia uma gelatina!

Leia abaixo as cartas de Walker e de Freyesleben.

Klute, O Passado Condena (filme de 1971)


Alexandre Freyesleben,

Alguns colegas que têm confiança em minha boa-fé, pediram-me para participar de seu grupo “Credores Varig” porque tinham dúvida de várias afirmações peremptórias suas. Acham-nas, talvez, não-coincidentes à realidade do caso VARIG que pensam ter vivido. Fui solicitado para ou corroborar as suas narrativas ou, caso contrário ― em debate argumentativo ― esclarecermos os fatos e procurarmos um consenso. Aferindo, elucidando "fatos", não ideologias, mas ideias. A busca de um encontro para o bem comum.

Verifiquei, todavia, que você tergiversa, altera o âmbito daquilo que se pretende definir argumentativamente. Provavelmente, se esqueceu de que foi você que optou por se afastar da APVAR e virar as costas para seus colegas. E isto, já em 2002, logo após a demissão em massa dos bravos colegas que trouxeram às claras o problema de Administração da FRB, problema que vem levar (e levou, com imensa ajuda do governo) a "Nossa VARIG" ao ocaso.

Em seu grupo, você também alega que teria tentado ajudar o Movimento histórico dos pilotos, comissários e mecânicos de voo, através de seu cargo na administração (francamente, ‘mádministração’). Ora, sabemos todos que nada está mais distante da realidade! Engana aí, mas não a você mesmo, ou a nós, pois foi você que fez essa opção moral para a sua vida. Continuou a trabalhar com e para uma Chefia de Pilotos que recém havia demitido sumariamente seus colegas pilotos da “resistência” de forma vil e ilegal. Foi com aquela Chefia que você se alinhou. Se você se esqueceu disto, nós não.

Você jamais trabalhou a favor e em prol do coletivo levando em conta “o Outro”. Tal característica sua é o que mais importa quando você se apresenta candidato a representante do Comitê de Credores. Esta é tarefa para altruístas. Para muitos de nós, que sofremos na pele a demissão da truculenta FRB, alguns por longo tempo, outros em várias vezes, ver como candidato um que fez parte daquela Chefia de Pilotos por opção interesseira, é um acinte e um perigo. Seria a completa e muito injusta inversão de valores nesta história. E mais, por eivada de interesses não-coletivos, um grave risco para a necessidade de isenta fiscalização do processo.

Cá para nós, isto muito se assemelha àquela sua perversidade na CPI, ao declarar que o colega de sua fixação pessoal jamais ganhou alguma coisa na vida. Ledo e desarrazoado engano! Não se vive ou se aufere "sucesso” apenas de ações jurídicas com o fito de ganhar dinheiro. Nem para se obter uma posição próxima “ao poder". Se assim fosse, pessoas como Gandhi e o Papa Francisco seriam perdedores e outros, como a turma da Odebrecht, seriam vencedores.

Como muito oportunamente lhe advertiu o Deputado Paulo Ramos, antes um Oficial da Polícia Militar que conhece isto bem, “os que lutam muito pelo certo e pelo reto nem sempre têm uma vida fácil”. Aliás, em regra, não a têm. O detalhe é que ‘confiança’ somente se ganha, ou não, pelo que fazemos ou deixamos de fazer pelos demais. Eis aí a confiança verdadeira. Esta aí é a diferença entre ser legal ou legítimo. Entre estar direito ou Justo. Entre perder aproveitador ou ser vitorioso solidário.

Portanto, passados mais de quinze anos do seu afastamento da APVAR, vemos você novamente em rumo inverso, logo você que pediu votos para se eleger diretor sindical. Todavia, nenhum movimento de apoio do SNA se vê atualmente à causa dos trabalhadores da Varig. Nem sequer uma única matéria, reunião ou assembleia proposta por você.

Não se esqueça de que enquanto você se desligava da Apvar, ela, junto a suas duas coirmãs, Acvar e Amvvar, lograram unidas reunir milhares de trabalhadores da Varig em torno de um projeto comum, por meio de um trabalho técnico. Projeto este discursivo e aberto ao debate nas centenas de reuniões realizadas Brasil afora, ao longo de 4 árduos anos. Projeto esse que só não obteve êxito, em razão dos poucos inimigos que encontramos em nossa casa, no sindicalismo desalinhado da categoria, no judiciário apequenado e na própria presidência da República. Nenhum desses hesitou em lançar mão de seu poder, como foi e vem sendo constatado na CPI da ALERJ.

Apesar disto, até hoje, os trabalhadores vimos na busca do que é nosso de Direito. Graças a, aí sim, a uns poucos, mas verdadeiros heróis que, apesar de todas as adversidades, mentiras e difamações, ainda hoje conseguem manter nossa chama acesa.

Agora, com o passo-a-passo no segundo tempo da CPI da VARIG, fica-nos cada vez mais claro a quem interessava ― e aos que ainda interessa ― as negociações para “doar” o patrimônio que restou de nossa propriedade, tudo o que nos legou Ruben Berta.

Vários foram os grupos do poder, cada qual com sua promessa sofismática: a Administração da empresa de outrora, da qual você fez parte ao lado do Piloto-Chefe, o Sindicato de ‘amigos da corte’ que votou pela doação dos ativos da Varig ao chinês, e os condutores da IRrecuperação judicial. Nenhuma dessas promessas se verificou.

Ficamos foi a ver navios! Propaganda enganosa de falsetes interesseiros para iludir. Só que paga por todos os brasileiros, não apenas por nós. Isso sim, motivo certo para accountability e, neste caso em tela, a justa e necessária liability.

Os trabalhadores devem estar atentos ao presente, com vistas ao nosso futuro, mas sem se esquecer do passado. É importante a reunião dos trabalhadores da Varig em torno de um objetivo comum, conforme a lei, conforme o pactuado. Com honestidade e sinceridade de propósitos, que sirvam a todos, e não aos interesses particulares de alguns.

Já sofremos muito até aqui. Não permitamos que a história se repita, pois, ao fim e ao cabo, somos nós a pagar o pato.
Mas, novamente, sem a sua ‘preciosa’ ajuda para entregar nosso patrimônio à vala empresarial.

Tito Walker, dezembro de 2017
"O Direito não se interpreta em tiras." (Eros Roberto Grau)


O Flautista de Hamelin (Conto de 1284)


Como é engraçado, a turma do Elnio se reveza. Não têm argumentos jurídicos e partem para as demagogias populistas e agressões.

Prezado Tito Walker, você sabe que eu até nutria uma certa simpatia por ti. Tivemos boas conversas após a sua saída da Varig, quando você me relatou que estava dando aula de segurança de voo numa Faculdade no Triângulo Mineiro e depois quando conseguiu entrar na ANAC. Nas vezes que conversamos, você sempre me elogiou pela minha postura coerente durante aquele período. Então, de duas, uma, ou você está me confundindo com outra pessoa ou às favas com a verdade, é o vale tudo!

Olha, fiquei extremamente chateado, quando você relatou que o Aerus tinha se apropriado do seu dinheiro! Como pode? Fiquei abismado! É, isso me deu mais gás para lutar por todos os créditos trabalhistas!
Feito esta colocação, vamos a sua versão dos fatos!

Primeiro, eu quero te dizer que eu não consigo criar uma falsa verdade para ter razão! Isso nunca! Nem alterar a ordem dos fatos! Sabe, numa Assembleia do SNA em relação ao dissídio do ano passado, ao votarem sobre a greve, eu me recusei a votar a favor ou contra. Sabe por quê? Porque eu estava de folga no dia da greve! É justo eu votar e colocar os colegas no risco, quando eu estaria tranquilamente em casa? Eu penso que não e assim sempre agi!

É muito perigoso quando a gente acusa o outro de tergiversar ou dizer que não corresponde com a verdade dos fatos! Sabe por quê? Porque mais pessoas participaram e cada um viveu e sabe o que aconteceu! Hoje, muitos me cumprimentam e dizem que eu estava com a razão!

Eu acho que dizer que fui eu quem virou as costas é muito simples! De repente, pode reduzir a frustração ou fazer bem para a consciência: culpar alguém por não se realizar o sonho impossível e prometido! Promessa da alquimia!

Como você mesmo explanou, vamos aos fatos! Apesar de ter feito campanhas junto com alguns da sua Chapa, quando eu vi o candidato de vocês, eu decidi que apoiaria o outro candidato! Veio logo à minha mente aquela ideia fixa de fazer uma ação industrial sem dinheiro! Isso mesmo, sem dinheiro! Apesar da Associação de Pilotos da United ter recomendado que não o fizesse! Como eu, na época, fazia parte de Operações, eu não fiz parte da Chapa do Cezar Lacerda! Não tinha tempo e tinha filhos recém-nascidos! Mas avisei a muitos do que se avizinhava!

Mas, mesmo apoiando ostensivamente a Chapa contrária à sua, eu não deixei de assinar um pedido do Elnio Borges para ter uma AGE no SNA. Você assinou? Só não dei autorização para entrar na Justiça, usando o meu nome! E fizeram isso!

Quem levantou o problema da FRB, não foi a Gestão que você se refere. Foi bem antes, foi ainda na época da gestão do Fochesato, quando a APVAR contratou uma auditoria externa, que culminou com a saída do Senhor Rubel Thomas. E sabe quem forneceu os dados para a APVAR? Senhor Yutaka! Engraçado, né? Os problemas detectados na FRB naquela época, perduraram depois! Os atores mudaram, mas o enredo continuou o mesmo! Agora, só não sei por que houve um recuo depois de constatado tudo? Ou será que melhorou muito depois com o Cury e com o Bottini?

Precisamos esclarecer que a Varig era o nosso patrão, quem pagava nossos salários. Curadores e Presidentes vinham e iam, mas a Varig se mantinha! A Varig era maior que todos eles e todos nós! Ela precisava continuar voando e mantendo as inúmeras famílias que dependiam dela, inclusive o Aerus! E nisso, eu fiz parte de um time que manteve a Varig voando, fazíamos projetos de economia, passávamos em Auditorias internas e externas, ICAO, FAA, DAC e STAR ALLIANCE. E em todo movimento, há a preocupação em manter a unidade produtiva em ação! Quem não entende isso, só pensa no seu umbigo e no seu projeto de poder! Quem vive de ovos não pode matar a galinha nem criar tumulto no galinheiro! Qualquer semelhança com o que ocorreu?

Então, continuando, de repente, eu sou surpreendido com uma notícia, que a APVAR decidiu que eu deveria entregar o meu cargo!

Que bonito! Um cargo que fiz por merecer sozinho e por ter estudado, quando muitos aproveitavam a vida. Por acaso, alguém foi perguntar a minha opinião? Não! Só decidiram, pois fazia parte de uma ação industrial! Primeiro, a cabeça dos que estavam em Operações! Que bonito e hipócrita! Como primeiro ato, por que não decidiram fazer uma greve e no dia que os Diretores da APVAR iriam voar? Mas não! Primeiro o pessoal que estava em Operações! Não sei se você se lembra quem foi na Assembleia na OAB/RJ e se opôs a tudo isso? Eu! Peguei o microfone, perguntei sobre o investidor, perguntei sobre se tinha dinheiro para uma ação industrial e sobre quem assumiria os nossos cargos e, por fim, fui aplaudido! Nenhuma resposta dada e com microfone cortado! Quando perguntado pelo Elnio se eu entregaria o cargo, fui claro em dizer que não como resposta! Então, não me acuse que tenha virado as costas, pois fui bem claro e não havia qualquer demissão naquele momento!

Nunca me opus ao que vocês diziam e sim ao modus operandi e à falta de coerência!! Por que não fizeram greve logo depois daquele episódio do Hotel Glória?

Enquanto, vocês fomentavam as demissões como combustível para o movimento, eu salvava os pilotos delas. E vocês ainda não têm coragem de assumir isso até hoje! A raiva (que têm) de mim vem dessa época, e não por não ter entregue o meu cargo! Vocês foram claros comigo, quando disseram que eu estava fazendo um desserviço ao movimento e eu respondi que, então, eu continuaria fazendo!

Então, pela minha postura, fui expulso da APVAR! Em 2003, quando saímos da Gerência FLT STD foi nomeado no lugar, o Presidente da minha Junta de expulsão! Quanta coerência!

Quando Bottini entrou, quem assumiu cargos em Operações? Pessoas ligadas ao movimento! Quanta coerência!!! E o Bottini foi melhor do que aqueles que vocês combatiam antes? A FRB mudou? Ótima Administração, né? Mas vocês aceitaram cargos, né? Grandes Guerreiros!!! Ele e mais outros Diretores levaram as rescisões todas e nós? Ideologia, me dá uma para viver!

Então, quem virou as costas para os amigos, foi quem prometeu ter um investidor; foi quem disse que poderia fazer o movimento que cuidaria da pessoa e de sua família; foi quem deu um cheque sem fundo no leilão!

Não nasci rico, não tenho herança e também não ganho anistia à custa de uma greve feita pelos outros! Deveriam ter sido responsáveis!

Por isso, ser responsável não é uma virtude e sim uma obrigação! Fale sempre a verdade, pare de usar discurso populista! Isso é conduta moral!

Desculpe-me, mas desde a primeira vez que o vi discursando, eu tive a certeza que nada de útil se tirava dele! Eram aqueles discursos inflamáveis, mas de conteúdo que mais parecia uma gelatina! Veja agora, chega ao absurdo de comparar o Elnio ao Papa e a Gandhi! Quanto altruísmo e vontade de ajudar!!!!! Será que projeto de poder mudou de nome? Na verdade, ele é invicto sim! Perdeu todas para o grupo e vai perder mais essa! Mas para ele, aí é outra história! Aliás, se perder essa, individualmente ele ganha e você ganha também!
É o verdadeiro jogo de cena!

O Deputado Paulo Ramos não me advertiu em nenhum momento! Até me cumprimentou no final e disse que ia me ligar! Desculpe-me, mas esperava mais do Elnio na CPI, foi patético! Ele só tremia! Assim como está sendo a sua argumentação! Por favor, mais conteúdo!

O seu desconhecimento dos fatos chega a ser cômico. Essa estória de eu ter pedido votos foi ímpar! Chega tarde e quer sentar na janelinha! Eu fui a quarta opção de candidatura para o SNA, depois de dois anteriores não poderem (Cardozão e Miriam Loureiro) e o Fábio Cruz recusar! Não queria, mas vimos que alguém tinha que combater o Fochesato no SNA. Eu não fiz campanha alguma, o grupo da Varig quem fez campanha para mim, inclusive o Fábio Cruz! Então, vá se informar, antes de afirmar algo que desconhece! Discurso de gelatina!

Quanto à confiança, ao justo, ao certo, ao legal! Pare de discurso populista! Seja responsável! Por isso o título: “o Flautista de Hamelin” não poderia ser mais apropriado! Mas agora se estou no caminho inverso que vocês pregam, agora eu tenho mais certeza que estou no caminho certo!

Quando você fala que o SNA não teve uma Assembleia, uma reunião e nada a favor do grupo! Só demonstra como desconhece tudo! Se hoje os aposentados recebem do Aerus é graça ao SNA ou não? Se hoje há um canal com o Administrador Judicial é graças ao SNA! Pergunte ao grupo, onde nos reunimos? Como os advogados do SNA estão ajudando nas dúvidas do grupo e na questão do Comitê de Credores?...

Aliás, nem vou perder o meu tempo te escrevendo, há um Diretor da APVAR ou ex-Diretor que hoje é Diretor do SNA, pergunte a ele, antes de falar bobagens!

Só te ajudando, os maiores bens e que servirão para pagar os trabalhadores e o Aerus não vem de bens da FRB e sim de ativos judiciais da Varig! Vá se informar! Conteúdo de gelatina!

Na verdade, quem não precisa da sua ajuda é o grupo! Você já fez mal demais! O candidato de vocês já até pulou fora!
Veja, você não trouxe qualquer fato novo, só tumulto e agressão! Sei que daqui a pouco aparecerá outro para falar as mesmas sandices!

Por fim, quero que você grave bem o que vou te dizer e tentarei te transmitir de uma forma educada, já que você não foi comigo! Até porque o seu discurso parece que muda de acordo com as conveniências! Você me encontra e me diz uma coisa, agora diz outra!

Mas vamos lá: eu não vejo em ti qualquer capacidade moral ou ética para me dar qualquer tipo de lição de moral, guarde o seu discurso para aqueles que se hipnotizam com a sua flauta. E conte comigo sempre para estragar os seus planos podres de poder! Eu quero o meu dinheiro todo, trabalhista e previdenciário, mas sempre seguindo a lei! Chega de Flautista!
Alexandre Freyesleben, dezembro de 2017

Relacionados:

35 comentários:

  1. se tivesse que escolher escolheria o espírito que anda, Johnny Walker...

    ResponderExcluir
  2. Eles ainda estão por ai?
    Ainda não desistiram ?
    E falam em sindicatos e associações que se perderam no caminho.
    Incrível!

    Paizote

    ResponderExcluir
  3. Um deve ter mais razão que o outro...
    cd

    ResponderExcluir
  4. Que tristeza! A que ponto se chegou! Vale a pena?

    ResponderExcluir
  5. Bertolt Brecht; Sempre atual!
    " Pobre do povo que precisa de herois"
    "A confiança pode exaurir-se caso seja muito exigida."
    "Tenho muito o que fazer. Preparo o meu próximo erro."
    "Pergunta sempre a cada idéia: a quem serves?"
    "Que tempos são estes, em que temos que defender o óbvio?"



    Paizote

    ResponderExcluir
  6. Continuo achando que é uma "estória" sem mocinhos,só bandidos.

    ResponderExcluir
  7. Bom dia VARIGUIANOS,
    Bom dia Alexandre.

    Eu gostaria de agradecer a vc a resposta ao TW, inclusive excluindo do Grupo de Credores.

    Desde a época que eu o conheci nas reuniões e Assembleias na Apvar e SNA, ele sempre esteve alinhado com o EB o Cirtoli e demais ex-Colegas que boicotavam o status quo, através de discursos ofensivos de viés pessoal para quebrar a credibilidade, tentando impor pela verve inflamada ideias mirabolantes. Era a Turma do Contra.

    As iniciativas de análise dos balanços da Varig e do conglomerado de 22 empresas controladas pela Fundação Rúben Berta, foi a Apvar nos idos de 1990 na gestão do Fochesato, C. Lacerda, Miguel Dau, Zorato e Alexandre Abs.

    A ideia central do Projeto Milenium era preparar os Pilotos pra estudar, conhecer, analisar os fundamentos da gestão da Fundação e da Varig, pra planejar propostas factíveis de melhoria da performance Empresarial.

    Os objetivos das propostas, que foram apresentadas paulatinamente, seguiam a nos princípios do Projeto Milenium.

    As propostas de Camara Setorial pra discutir a formação de preços das passagens e das cargas aéreas gerou estudos e conhecimento pra que todos os envolvidos na indústria da aviação comercial, q contribuissem na redução do preço final das tarifas aéreas. Assim esses membros estiveram na Fundação no Colégio Deliberante na Varig, no SNA, no SNEA, no DAC ( Diretorias de Planejamento de Tarifas de Rotas etc ), na Infraero, nas empresas de Combustível, nas Seguradoras na Câmara Federal e no Senado, promovendo nessas direções a participação dos Pilotos Funcionários, imbuídos da nova função extra carreira de meros espectadores, mas assumindo valores de fiscalização e proposição de uma integração positiva dos participantes da indústria aeronautica.

    Entendíamos que deveríamos superar paradigmas na indicação e participação da Fundação Rúben Berta, nas escolhas de Presidentes, Diretores, Gerentes e Membros do Colégio Deliberante, sugerindo opções viáveis pra incrementar o ambiente nas áreas de atuação dos Funcionários, elevando o nível da cultura organizacional.

    A onda da conscientização dos Pilotos, agregando os Comissários e Fe's e demais Funcionários, foi tomando corpo pela explanação consistente desta tomada de decisão, de Participar da Administração, de forma clara e objetiva, inclusive indicando Pilotos Comissários e Fe's e demais Funcionários pra compor os postos estratégicos na Fundação e na Varig. Mesmo que tivesse de se submeter ao pensamento de muitos Pilotos, que diziam que a Apvar estava sendo cooptada pela Administração, não deveria participar da gestão e não comprar ações da empresa pra ter direito a voz na Assembleia de Acionistas. Essa era a Turma do Contra que não apresentavam soluções, mas tentavam impor a discórdia e a maledicência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A contratação da SHE Consultoria de Aviação Comercial dos EUA foi outra decisão importante da Apvar, pra que em várias Assembleias com participação de 600 Pilotos, número variável, descobrissem as verdades retratadas nos balanços das perdas cumulativas da Varig e de todo o conglomerado. Era nossa Hora da Verdade, procurar soluções pra estancar prejuízos, como ex.: a cada voo decolado lotado de Pax's, necessitava de 1/3 a mais pra ser pago o voo.

      O conceito importado de Break Even começou a fazer parte da gestão financeira do voo. A Carga era comercializada somente pelo Peso, daí o Miguel Dau sugeriu e foi aceito o conceito internacional do Volume, que foi logo adotado pela Varig. Isto rendeu a nós e a ele a indicação pra Diretor de Cargas, assumida posição logo que aprovada consulta a Apvar.

      As surpresas nos desafiavam a cada dia, reunião no Aerus para criar o Plano 2, porque isso, a explicação veio pelo viés de assegurar garantias a Conta exclusiva de cada Participante, dando impressão de evolução dos Benefícios. Na verdade, a Empresa patrocinadora deixava de contribuir para o novo Plano 2, removendo um encargo considerável de aporte de capital, pois já não tinha disponibilidade de caixa pra esse tipo investimento social, focando na vertente Operacional Financeiro. Neste cenário, Vc tinha a opção, então fez a escolha que melhor vislumbrou, permanecer no Plano 1 ou mudar pro Plano 2.

      Alguém denunciou que a empresa já estava se tornando inviável, inclusive com a criação de Novas Rotas sendo a maioria deficitárias, como Rio/Joa/Bgk/Hgk aonde se perdia Um Milhão Dólares ao mês. É claro que isso foi denunciado no Colégio Deliberante, com queda de Rubel Thomas e a eleição do Fernando Pinto com a Apvar por trás dessa ousada manobra, pois ele é primo do A Abs. Como foi possível, isso se deveu a sequência de conversas e reuniões na Fundação, mediante análise de Executivos no Mercado, sendo verificado e comprovada a Performance dele, daí foi aceito pela Fundação R Berta.

      A nova postura Empresarial trouxe agilidade, modernidade, interatividade e credibilidade necessárias pra alavancar a retomada da empresa. Óbvio que enfrentou os Grandes Caciques da Fundação que o colocaram lá, mas pra ser Pau Mandado e não pra afrontar as diretrizes do Colégio Deliberante.

      A conquista dos Funcionários foi inevitável, transferindo a nossa Esperança ao novo Presidente, que trouxe o conceito de EBITDA no Programa de Participação no Lucro e junto com a Apvar criou o Centro de Controle Operacional, com modificações nas Rotas, disponibilidade de Aviões, Escalas de Voo com parâmetros digitais e mapas de acompanhamento de utilização homem/hora de voo, na manutenção de aeronaves, controle de Combustível etc.
      A mais visível modernidade foi o novo design da marca Varig e as cores vivas, com acentuado progresso conceitual da tradição da empresa.

      Excluir
    2. Os representantes dos Funcionários no Aerus foram o Cirtoli e o Apólo nesta época, indicados pela direção Sindical, infelizmente despreparados pra analisar as mudanças que estavam ocorrendo, inclusive os empréstimos realizados a Varig. Alguém denunciou essas movimentações financeiras?!

      A verdade crua e duradoura se extendeu de 1990 a 2006, quando a empresa demitiu todos os Funcionários, encerrando as atividades. Neste tempo todo, vivíamos em busca de Investidores, mas com o cuidado de mostrar sempre o lado bom da empresa. O bloqueio de Tarifas advindo de 1975 a 1982, famosa Defasagem Tarifaria e a extinção de 1% da Tarifa Aérea destinada ao Aerus, decretadas pelo Governo, através de Portaria Ministerial, foram as medidas mais danosas às Planilhas de Custos da Varig e do AERUS. Houve movimento dos trabalhadores?! Houve Greve pela nova Regulamentação?! Em 85 e depois 88 para melhorar nossa condição de trabalho e nossa remuneração.

      Os estudos sobre a Indústria da Aviação Comercial, implementado pela Apvar, trouxe uma visão realista sobre a necessidade da participação dos Funcionários nas discussões, de escolhas, dos melhores gestores na variadas áreas, promovendo a elevação da qualidade Empresarial. Isso foi feito nestes anos, inclusive inscrevendo Pilotos e demais Funcionarios em Fóruns Económicos e Cursos de Negociação pra capacitar e interagir com o corpo funcional e influenciar a nova Anac.

      Essas mudanças trouxeram problemas com membros do Colégio Deliberante, da Diretoria e de entidades Sindicais, pois não estavam acostumados com essas novas linhas de atuação, inclusive com nível de discussão atualizado. Graças aos esforços de todos que compreenderam essa tomada de posicionamento, pudemos provocar uma reviravolta importante na Fundação e na Varig, aquela altura foi aceito um executivo de fora do apadrinhamento notório que havia.

      Vocês descobriram no final, que a empresa agonizava daí concedemos num esforço incrível, trabalhar sem receber, na Esperança de um Milagre, este estava fadado a não se realizar pelo cenário macabro, que conhecemos melhor hoje sobre o meio político. Como muitos podem dizer Viúvo da Varig, gosto disso, faço parte dos bons que vivenciaram a empresa na sua plenitude.

      Agradeço a consideração do Alexandre, do Douglas e demais ex-colegas, que com esforços realizamos mudanças Históricas e que Todos usufruíram, enquanto foi possível. Agora vamos em frente à Assembleia de Credores e eleger o A Freysleben como Representante no Comitê de Credores. Obrigado.
      Abs
      (Texto atribuído ao Cmte. Cezar Lacerda)

      Excluir
  8. A VARIG MESMO MORTA AINDA DIVIDE SEUS EXFUNCIONÁRIOS EM CASTAS.

    Agora, em meu ponto de vista, os que se aposentaram pelo AERUS, contribuíram, e a companhia através de suas diretivas, não repassava a contribuição ao instituto.
    Nesse paradigma penso ser dívida trabalhista, tal e qual as rescisórias, e fico pasmo que certas inteligências memoráveis, antigas, continuem tacanhas e dividindo os trabalhadores.
    Aposentado que recebeu rescisórias, não devemos nada.
    Cirtoli e eu tivemos rusgas por causa de uma intempestiva atitude minha que queria uma auditoria na AMVVAR.
    Tito Walker sempre teve uma imagem íntegra, assim como Cirtoli para minha pessoa.
    Mesmo não sendo sócio da AMVVAR, pedi para sair, creio mais que provado que a AMVVAR sobreviveu às intempéries, mais delongas que ACVAR, APVAR e GEFUVAR. Até a tal Fundação dos funcionários que garantia muitos direitos aos aposentados não os cumpriu.
    Nós aposentados do AERUS somos seus parias.
    Os filhos deserdados da herança da defasagem tarifária brigam por seus quinhões.
    Tem gente que continua a manter seus títulos.
    São duques, condes e marqueses que sempre olharam as castas mais baixas como seus escravos.
    EU sou duque, você meu mecânico de voo, meu comissário, meu faxineiro da Sata.
    Alguns sofrem da síndrome de Estocolmo, e acreditam que seus sequestradores de tributos são seus salvadores.
    Nossos algozes estão nesta CPI de merda.
    Continuamos procurando representantes, quando nossa maior representação seria a união.
    A revolução FARROUPILHA foi formada para que os poderosos parassem de roubar o RIO GRANDE DO SUL.
    Façamos a nossa, já estamos na terra prometida, apenas cumpra-se.
    FUI...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rochinha,
      Julgo que a RG nada tem a ver com a "desunião".
      A livre expressão ou o direito de opinião não desune. O que desune é quando o direito de opinião tem uma só via, se é que me entende.
      Já escrevi e repito: tenho uma violenta sensação que se durante os últimos anos da existência da RG, pudéssemos, a "maioria silenciosa", ler opiniões diferentes ou contrárias à 'opinião vigente', provavelmente estivéssemos, a "maioria silenciosa", mais e melhor informados! E não precisaríamos esperar pela história para entender o passado.
      Um abraço!

      Excluir
    2. Por exemplo, quem são as "inteligências memoráveis, antigas, que continuam tacanhas e dividindo os trabalhadores."?

      Excluir
    3. Vejo, que simplesmente colocaste, outra via no que escrevi, talvez por falta de eloquência minha, ou escrito errado.
      Não culpo a VARIG.
      Culpo os duques, condes e marqueses.
      Siga meu raciocínio.
      Porque 3 associações quando podíamos ter uma que atendesse a todos interesses, não a determinados grupos.
      Quantas vezes tentaram fundar um sindicato só de pilotos?
      Quantos cargos oferecidos a incompetentes.
      Éramos cordeiros nas mãos da alcateia.
      Citaria vários exemplos:
      - Os baseamentos eram de dois anos alguns ficaram mais de 10.
      - Na greve de 1988, forma trabalhar para ganhar base Porto Alegre.
      - Fui emprestado para Lisboa com diária corrida, hotel e pedi 1000 escudos por semana descontado do meu salário para diversão e ganhei. Quando me pedira para fazer uma oferta para ficar pedi 25000 escudos, foram por 15000.
      - Fui emprestado para Sampa, querima me por no hotel em frente ao aeroporto, pedi Jandaia no centro.
      Sempre fomos desunidos.
      fui

      Excluir
  9. Era uma vez um tonto, que pregou durante dez anos união e parcerias na busca de soluções.
    Ele acreditava-e acredita ainda- que só assim chegaríamos a um acordo.
    Pobre e ingênuo diabo!
    Não sabe que as divergências são muito mais profundas , e os egos jamais renunciarão.
    Vejo pessoas com mais de setenta anos ,que ainda não apreenderão nada de vida.
    Estamos as portas da morte e brigamos paqra ver quem é mais bonito, ou inteligente ou tem mais razão.
    Mesmo quando estas brigas prorrogam o recebimento de nossos direitos.
    Achamos que o outro deve se calar! Quando todos sabem que o melhor é escutar e discutir,
    Repito aqui uma frase dita há quase 11 anos; "ainda haverão muito choro e ranger de dentes até que aprendamos".
    Infelizmente!
    Abraços de feliz Natal à todos!
    Paizote

    ResponderExcluir
  10. http://portal.imprensanacional.gov.br/web/guest/consulta?p_p_id=101&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&_101_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_returnToFullPageURL=http%3A%2F%2Fportal.imprensanacional.gov.br%2Fweb%2Fguest%2Fconsulta%3Fp_auth%3DdbiedBb7%26p_p_id%3D3%26p_p_lifecycle%3D1%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_state_rcv%3D1&_101_assetEntryId=1283276&_101_type=content&_101_groupId=68942&_101_urlTitle=portaria-n-1-181-de-20-de-dezembro-de-2017&_101_redirect=http%3A%2F%2Fportal.imprensanacional.gov.br%2Fweb%2Fguest%2Fconsulta%3Fp_p_id%3D3%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dmaximized%26p_p_mode%3Dview%26_3_entryClassName%3D%26_3_modifiedselection%3D1%26_3_keywords%3DAERUS%26_3_documentsSearchContainerPrimaryKeys%3D15_PORTLET_1275024%252C15_PORTLET_1275037%252C15_PORTLET_1275050%252C15_PORTLET_1275076%252C15_PORTLET_1275468%252C15_PORTLET_1275481%252C15_PORTLET_1275494%252C15_PORTLET_1275507%252C15_PORTLET_1275520%252C15_PORTLET_1275533%252C15_PORTLET_1275546%252C15_PORTLET_1275559%252C15_PORTLET_1275351%252C15_PORTLET_1275364%252C15_PORTLET_1275377%252C15_PORTLET_1275390%252C15_PORTLET_1275403%252C15_PORTLET_1275416%252C15_PORTLET_1275429%252C15_PORTLET_1275442%26_3_modifieddayFrom%3D21%26_3_ddm_21040_artCategory_pt_BR_sortable%3D%26_3_format%3D%26_3_modifiedfrom%3D22%252F12%252F2017%26_3_formDate%3D1513974203947%26_3_modified%3D%255B20171222000000%2BTO%2B20171222235959%255D%26_3_modifieddayTo%3D22%26_3_modifiedto%3D22%252F12%252F2017%26_3_groupId%3D0%26_3_ddm_21040_pubName_pt_BR_sortable%3Ddo2%26_3_ddm_21040_artType_pt_BR_sortable%3D%26_3_modifiedyearTo%3D2017%26_3_ddm_21040_artSection_pt_BR_sortable%3D%26_3_modifiedyearFrom%3D2017%26_3_modifiedmonthFrom%3D11%26_3_cur%3D1%26_3_struts_action%3D%252Fsearch%252Fsearch%26_3_modifiedmonthTo%3D11&inheritRedirect=true


    Publicado em: 22/12/2017 | Edição: 245 | Seção: 2 | Página: 48

    Órgão: Gabinete

    PORTARIA Nº 1.181, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2017
    O DIRETOR-SUPERINTENDENTE SUBSTITUTO DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR - PREVIC, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV do art. 27 do Anexo I do Decreto n 8.992, de 20 fevereiro de 2017, resolve:

    Art. 1º Dispensar WALTER DE CARVALHO PARENTE da função de liquidante do Instituto AERUS de Seguridade Social, nomeado conforme Portaria nº 218, de 11 de maio de 2016, publicada no Diário Oficial da União nº 90, seção 2, página 86, de 12 de maio de 2016.

    Art. 2º Nomear LUIS GUSTAVO DA CUNHA BARBOSA para exercer a função de liquidante do Instituto AERUS de Seguridade Social.

    Art. 3º Fixar para o liquidante, às expensas da entidade, a remuneração mensal equivalente à prevista no inciso V do artigo 2º da Instrução SPC nº 16, de 23 de março de 2007, com as alterações introduzidas pela Instrução SPC nº 29, de 19 de março de 2009, e pela Instrução Previc nº 2, de 20 de julho de 2011.

    Art. 4º As despesas com alimentação e deslocamento estabelecidas nos incisos II e III do art. 3º da Instrução SPC nº 16 de 2007, com as alterações introduzidas pela Instrução SPC nº 29, de 2009, e pela Instrução Previc nº 2, de 2011, ficam por conta da entidade.

    Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

    FÁBIO HENRIQUE DE SOUSA COELHO



    PAIZOTE

    ResponderExcluir
  11. https://www.gazetaonline.com.br/noticias/economia/2017/12/interventor-do-postalis-atrapalha-operacao-para-flagrar-propina-1014110668.html

    Paizote

    ResponderExcluir
  12. http://blogs.correiobraziliense.com.br/vicente/justica-suspende-intervencao-no-postalis/paizote


    Paizote

    ResponderExcluir
  13. ESTRATÉGIAS E DIÁLOGOS. CRÉDITOS TRABALHISTAS E AERUS.

    Prezadíssimos ex-colegas VARIG , interessante lembrar que sou credora VARIG e AERUS (com crédito bem mais alto) e por acaso advogada sem qualquer legitimidade ou representação para expor pareceres sobre ações em trâmite, uma vez que existem escritórios responsáveis contratados.
    Venho, portanto, expor minha opinião e sugestão como credora e árduo interesse em uma solução rápida e igualitária para todos nós.
    Entendo que qualquer manifestação ou análises em redes sociais é inconcebível para soluções e discussões quando é importante, principalmente por tratar-se de nossos Créditos trabalhistas e AERUS.
    Os meus valores morais, ainda são do “olho no olho” apoiando uma reunião com todos os interessados presentes.
    Importante que sempre disponibilizei essa idéia ao Fábio Cruz e Ângela Arend. Pessoas que tenho muita consideração e respeito..
    Como é do conhecimento de todos participo desse movimento desde o inicio, acompanhando todos os detalhes e posso falar com toda certeza que a Lei de Falências é muito complexa, inclusive, sem mérito algum, sou procurada por advogados para explicar como funciona a Lei no caso Varig, bem como, possíveis habilitações de créditos trabalhistas na Vara Empresarial, imagino o quanto é difícil os leigos entenderem.
    Bem, por que exponho isso ou apoio o Alexandre desde o inicio?
    O Alexandre vem atuando em prol do grupo de modo brilhante e transparente ,como advogado, até o momento em prol do grupo e de modo objetivo e claro na formação do Comitê de Credores, conforme preceitua a LF.
    Vale ressaltar na defesa dos pleitos do grupo, pensando no coletivo, e não no individual.
    Tudo a disposição na Vara Empresarial.
    Existe um grupo muito grande que entende do mesmo modo.
    A criação do grupo de advogados surgiu dentro de um interesse comum (todos credores Trabalhistas e AERUS) para tentar ajudar dentro de um limite (todos advogados mas sem qualquer poder de atuação dentro do processo) e a partir de uma análise legal, as opções existentes para o recebimento de nossos créditos trabalhistas.
    Nesta seara, o raciocínio foi o seguinte: Não recebemos nada. O que fazer?
    Vamos analisar na forma da LEI o que pode ser feito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Registra-se que jamais existiu a possibilidade de somente alguns credores receberem seus créditos .Todos recebem ou ninguém recebe!
      Por que a formação de um grupo de advogados?
      O grupo não seria onerado por isso, evitaríamos a contratação de um escritório para assessoria e poderíamos dentro das prerrogativas legais, entender tudo o que vinha ocorrendo e ocorreu nesses anos através de trocas de ideias e experiências, mesmo com todos trabalhando e tendo suas atividades profissionais paralelas.
      Interessante lembrar que as dúvidas de alguns colegas sobre “a existência de interesses por trás de tudo isso“ ou “Estão ganhando dinheiro de modo escuso” ou um grupo que “diz amém ao Alexandre” são afirmações ofensivas e improcedentes que não devem prosperar, caso contrário , eu seria a primeira a abandonar a nossa luta.
      Registra-se que até o momento não foram trazidas provas sobre qualquer alegação.
      Importante esclarecer, a minha consideração e agradecimento a todos os colegas que de algum modo tentam reverter essa situação absurdamente injusta, seja através de passeatas, vigílias, manifestações, CPI e formação do Comitê de credores. Não apoio nada que seja com atitudes emocionais, ofensivas, sem estratégias ou pessoais. Jamais apoiarei!
      Vale lembrar que atitudes pessoais, partindo de qualquer grupo que possua divergências de ideias, não agregará ou trará êxito ao recebimento de nossos créditos!
      Todos devem ceder. Cada um deve ceder um pouco.

      Não podemos confundir desavenças pessoais com destruição a qualquer tentativa que possa ser priorizada sobre o interesse do grupo. Entendo e defendo que devemos conversar como adultos e pessoalmente. Sempre o grupo como prioridade.Desculpem mas não tenho interesse algum em “lavagem de roupa suja”.
      Aposto em estratégias resultados! Não acredito em “intuições”.

      O que fazer com o passado? Devemos ter somente um sentimento: respeito!
      Nada mais acrescentará para seguirmos em frente e atingirmos um resultado prático e objetivo em nossa atual situação. Somente nossa vontade de uma solução, rápida. O relógio do tempo não vai parar por nossa causa.
      Simples assim!
      Neste sentido, precisamos de estratégias em conjunto, práticas e objetivas sem perda de tempo. Um aprendendo com o outro.
      Devemos aprender com erros e acertos, SNA,TGV,APVAR,ACVAR,APRUS,líderes sindicais, Sr. Elnio Borges , sem exceção, devemos aprender com o passado e experiências deles.
      Aqueles que não conseguem esquecer : guardem no coração sempre com respeito.
      Não vale a pena incitar mais desavenças.
      Depois que conseguirmos nossos créditos, cada um decide o que for melhor para si mas longe do grupo.
      As divergências de idéias, sempre ocorrerão mas precisamos administrar de modo a separar o lado pessoal. Não interessa a ninguém.

      Excluir
    2. Vale ressaltar quantas pessoas maravilhosas, inteligentes e capazes existem nos grupos para ajudar: Fabio Cruz, Patelli, Miriam Loureiro, Cardozo, Angela, Miriam Felix, Angelica, Marcelo Lins, Pimenta, Claudio Nunes, Luiz Motta, Alexandre, Ada, Sergio Teixeira, Selesia, Marcelo Rocha, João Motta,Walkmim, Orlando, Armando, Roberto Carvalho, Tatiana, dentre outros dispostos e incansáveis lutadores que atuam no backstage!
      Vamos “abaixar as armas”, vamos sentar em uma mesa de negociação e trocarmos idéias, amadurecermos estratégias. Sempre de modo pacífico !
      Não estamos em uma situação para descartarmos ou fazer opções! Devemos esgotar todas as opções possíveis.
      Precisamos com humildade entender o que vem sendo feito em todas as frentes e o que estamos perdendo com as desavenças.
      Não temos nada e continuaremos na mesma situação se não agirmos em conjunto , explorando todas as possibilidades..
      Muitas confusões desnecessárias estão surgindo, por falta de diálogo e esclarecimentos, o que pode causar um stress desnecessário ao grupo, já muito sofrido. Podemos evitar? Claro que sim !
      Um acordo (recebendo todos os nossos créditos trabalhistas e AERUS) sempre será bem vindo , caso sejam observadas algumas cláusulas legais precisas e objetivas para proteger nossos direitos e beneficiar a todos.
      Infelizmente ou felizmente, a lei existe para todas as situações: Falências, acordos( procedimento a ser seguido pela Lei), passeatas, CPI e Comitê de Credores.
      Convido mais uma vez, os que estão à frente dos movimentos para sentarmos e conversamos sobre a situação atual e desenvolvermos ideias sem emoção, mas com soluções práticas.
      Todos são importantes e imprescindíveis nesse momento. Pensem a respeito. Estarei sempre à disposição para ajudar. Obrigada.
      Delphina Ferreira da Silva
      https://www.facebook.com/delphina.advogada

      Excluir
  14. Estranho ???
    "Entendo que qualquer manifestação ou análises em redes sociais é inconcebível para soluções e discussões quando é importante..."

    Paizote

    ResponderExcluir
  15. Ainda mais estranho ???
    "Todos recebem ou ninguém recebe!"

    Paizote

    ResponderExcluir
  16. Eu não abro mão do acordado ser o legislado. Quando a VARIG cedeu a ação tarifária ao AERUS perante os credores, que foi acordado é lei.
    Podem espernear à vontade, Primeiro o acordado do qual não abro mão, se sobrar para a gestão da vara de falências, ok.
    Não adianta dizer que há colaboradores mais inteligentes e capazes quando o assunto é monetário, sempre haverão alguns com propósitos escusos e eles são conhecidos.
    fui

    ResponderExcluir
  17. Como sempre muito MiMiMi e nada de grana.

    ResponderExcluir
  18. Olhando tudo até 2018, dá para entender como Lula, Dilma, Roberto Teixeira e o SNA fizeram o que fizeram e como quiseram. Margareth Peppe

    ResponderExcluir
  19. E aí Tito e Freys : Cadê o dinheiro ????

    ResponderExcluir
  20. Em junho de 2008, a ex-diretora da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e atual pré-candidata à presidência,[29] Denise Abreu, afirmou em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, que a Casa Civil favoreceu a venda da VarigLog e da Varig ao fundo norte-americano Matlin Patterson e aos três sócios brasileiros.[30]

    Abreu, que deixou o cargo em agosto de 2007, sob acusações feitas durante a CPI do Apagão Aéreo, relatou que a ministra Dilma Rousseff e a secretária-executiva da Casa Civil, Erenice Guerra, a pressionaram a tomar decisões favoráveis à venda da VarigLog e da Varig. Segundo ela, Dilma a desestimulou a pedir documentos que comprovassem a capacidade financeira dos três sócios (Marco Antônio Audi, Luís Eduardo Gallo e Marcos Haftel) para comprar a empresa, já que a lei proíbe estrangeiros de possuir mais de 20% do capital das companhias aéreas.[31]

    Dilma negou as acusações e Denise Abreu não apresentou nenhum documento ou prova que sustentasse suas acusações

    ResponderExcluir

  21. Dados do processo

    No Tribunal de Justiça de São Paulo, os funcionários da VASP-AEROS já estão em posse do dinheiro referente de suas indenizações. Mas aqui é "SÂO PAULO", né benzinho?

    Processo:
    0070715-88.2005.8.26.0100 (000.05.070715-9)

    Classe:
    Falência de Empresários, Sociedades Empresáriais, Microempresas e Empresas de Pequeno Porte


    Área: Cível

    ResponderExcluir
  22. Sugiro que ambos se inspirem e aprendam com a Vara de Falências do Estado de São Paulo. Nunca será tarde para aprender, quiçá pararem com o kiprocó.

    ResponderExcluir
  23. Prezados Credores.
    - Aos Credores trabalhistas,
    Informamos que, na última terça-feira (20.03), foi realizada a sessão de julgamento pela Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça dos Embargos de Declaração no Recurso Especial - RESP nº1.655.717, interpostos e opostos por APVAR Associação de Pilotos da Varig e Elnio Borges Medeiros, com fito de reverter a decisão que, acertadamente, decretou a falência as empresas S/A Viação Aérea Rio Grandense,Rio Sul Linhas Aéreas S/A e Nordeste Linhas Aéreas S/A.Certifico que a egrégia TERCEIRA TURMA, ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão: A Terceira Turma, por unanimidade, rejeitou os embargos de declaração, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Marco Aurélio Bellizze(Presidente), Moura Ribeiro, Nancy Andrighi e Paulo de Tarso Sanseverino votaram com o Sr. Ministro Relator.Sendo assim, caso não haja mais nenhum outro recurso de caráter meramente procrastinatório, o processo de falência (nº0260447-16.2010.8.19.0001) estará muito próximo de transitar em julgado, conferindo a segurança jurídica, até então mitigada pela existência de recurso pendente de julgamento, e, possibilitando assim a realização de novos rateios, além de uma condição mais atrativa para alienação de ativos.Desta forma, tão logo seja consolidado o Transito em Julgado da Falência, serão direcionados esforços para a realização de um novo rateio, até o final do ano.
    Link para o STJ - Terceira Turma

    ResponderExcluir
  24. Elnio, Tito e Lavorato chapa do SNA em 1992. Estariam estes atrasando o andamento do processo de falência em troca de que? Muito estranho tudo isto !

    ResponderExcluir
  25. Anistiado político recebe indenização recorde de R$ 2,54 mi

    A maior indenização concedida até agora a um anistiado político no Brasil chega a R$ 2,54 milhões, além de uma pensão mensal de R$ 12,3 mil. O beneficiário é José Caetano Lavorato Alves, um sindicalista cassado em 1988, ex-piloto da Varig, que já recebe desde 1994 uma outra pensão de R$ 6,6 mil pelo INSS. No total, vai receber R$ 18.936,31 por mês. Petista, Lavorato é ligado à Secretaria do Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade da prefeitura de São Paulo. Coordena o "Programa Central de Crédito São Paulo Confia" e dirige a Associação Brasileira de Gestores e Operadores de Microcrédito (Abcred). O ex-piloto, presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas de 1980 a 1995, não chegou a perder os seus direitos políticos. Foi demitido da Varig com base num decreto do período militar que autorizava a demissão de sindicalistas dos setores considerados essenciais, como os trabalhadores da área de energia elétrica, petróleo ou viação aérea, que entrassem em greve. "Como muitos dirigentes, fui demitido, não voei mais e mudei de profissão", disse. Sem conseguir emprego, decidiu pedir a aposentadoria com base na Lei da Anistia. Lavorato atribui a decisão da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça à interpretação correta da legislação. "A nova lei prevê que o anistiado deve receber como se estivesse na ativa", argumenta o ex-sindicalista. "É responsabilidade da comissão a forma como interpreta a lei", sustenta.
    Agencia Estado, 19 Novembro 2004 | 20h53

    ResponderExcluir
  26. ‘O presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve, ontem, reunião com três pilotos para ouvir um relato técnico sobre a pista de Congonhas. Lula pediu ao ex-presidente do Sindicato dos Aeronautas, José Caetano Lavorato Alves, de quem é amigo,...continua...

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-