quarta-feira, 2 de maio de 2018

[O cão tabagista conversou com...] Marco Sichi: “Os comissários só deixam de ser vistos como serviçais no momento em que o filho do passageiro se engasga”

Nome completo: Marco Antonio Sichi de Mello
Nome de Guerra: Marco Sichi

Onde nasceu? Em Mogi das Cruzes, Estado de São Paulo, em 5 de agosto de 1962.

Onde estudou? Primário, na Escola Municipal Coronel Almeida; o ginásio e colégio técnico profissionalizante, na Escola Técnica Estadual Presidente Vargas, (curso Técnico em Mecânica/Ferramentaria). Paralelamente a este curso fiz a escola SENAI Nami Jafet, aqui em Mogi (curso de Marcenaria).

Após servir o exército como voluntário (alistado aos 17 anos e ingressado aos 18) no Grupamento de Blindados de Caçapava, de onde saí como Cabo, fui fazer faculdade de Turismo, em Santos - SP, na antiga AELIS, hoje Universidade Santa Cecília. Não concluí o curso, parei no terceiro ano.

Alguns anos depois, já na Varig, iniciei o curso de Direito na Universidade Braz Cubas, concluí, mas nunca exerci.

5 de agosto, leonino (que nem este Editor), hein? Você acredita na Astrologia?
Sim, leonino, não sei qual é o meu ascendente.

Não acredito na astrologia, amo o céu, tenho um encanto profundo pelas estrelas e constelações, temos um bom telescópio em casa e sempre estamos observando os astros e seus fenômenos. Meus filhos sempre se classificaram de forma muito boa em olimpíadas nacionais de astronomia. 

Explico porque não acredito na astrologia: a luz do sol, o astro estelar mais próximo, leva cerca de oito minutos para chegar à terra.

A estrela Betelgeuse na constelação de Orion é a  décima segunda mais brilhante vista da terra e está a seiscentos e quarenta e dois anos luz da terra, ou seja, o que estamos vendo já ocorreu há muito tempo.  Portanto, não acho que algo que ocorreu há tanto tempo assim possa ser base para uma especulação de futuro ou definição de características.


Gostou da sua experiência nas Forças Armadas?
Meu pai sempre nos ensinou os valores mínimos para ser um Homem, então, sim, gostei.
Fui, na infância, ‘Lobinho’ e escoteiro; a honra, o caráter, a disciplina, o amor à pátria, a uniformidade, o trabalho em equipe, os conhecimentos da vida através da natureza sempre me atraíram. O exército foi um complemento importante para estes valores, e onde aprendi muito sobre liderança!


Quando começou a trabalhar (em empresa privada)?
Trabalhei desde muito jovem. Aos treze anos comecei em um armazém ou venda, depois fui office-boy, aprendiz de lapidador de lentes oftálmicas, militar, mecânico de automóvel, recepcionista em hotéis e finalmente na aviação.

Na sua penúltima resposta, você elenca valores que, no meu julgamento, são valores conservadores. Você é, se considera, conservador?
Sou sim um conservador, mas, para que não se faça um mau juízo de mim nestes tempos do "politicamente correto", é preciso uma explicação. O conservadorismo político é um conjunto de ideias que prega a estabilidade das instituições sociais tradicionais, por exemplo: a família, religião, região geográfica, ordenamento jurídico, etc. Engloba também usos e costumes, tradições e convenções éticas e morais pertinentes a uma determinada região ou cultura.

Para mim, ter educação, ter caráter, ser honesto, ter honra e respeito, amar a sua pátria, é uma obrigação humana para que tenhamos um convívio pacífico e harmonioso, independentemente de sua localização geográfica, mesmo que tenhamos opções religiosas, políticas, sociais, raciais, culturais, de gênero, etc... diferentes umas das outras.

O conservador em geral, aplicado à política e à vida cotidiana, busca a estabilidade dos valores e da ordem sem se preocupar com grandes mudanças.

Já o conservador mais moderno, no qual me enquadro, é aquele que prioriza os valores morais e respeita as mudanças, mesmo que eventualmente não lhe sejam palatáveis, pois entende os rumos do progresso e da evolução.

Aqui, acho que o “politicamente correto” está exacerbando suas ideias sem respeitar as dos divergentes.

Então, sou um conservador, que jamais aceita a desordem, o errado, o ilícito, o desrespeitoso e o intolerante.

Não sou avesso às mudanças como trata a letra da palavra conservador, sou avesso à anarquia e bagunça.

E importante entender também que radicalismo e exageros devem ser tratados com cuidado, e que o grande valor está na liberdade e na ordem.

Hoje, minha convicção política é de direita, conservadora, mas aberta. Meu candidato a presidente ainda não apareceu de forma definida, mas, se nada melhor aparecer, será o Bolsonaro!

Falaremos mais sobre Política, nacional e internacional.
Voltando ao seu trabalho, você foi polivalente, well... 😉
Quando surgiu a vontade ou a oportunidade de ingressar na Varig?
Em 1984 eu trabalhava como recepcionista em um hotel de luxo na Alameda Campinas, em São Paulo. Meu trabalho era bem rentável, tinha boa remuneração, pois fazia parte da auditoria noturna. Nunca pensei na aviação como emprego, era glamoroso demais para mim.

Minha irmã, Mônica Sichi, trabalhava no Despacho (de Passageiros) de Congonhas. Um dia, ao chegar do trabalho em casa, ela estava esbaforida e atrasada, e me pediu para levá-la a Congonhas, onde participaria de um processo seletivo. Ainda de terno, montamos na moto e a levei.  Ao chegar, já havia uma fila enorme e muita gente bonita e arrumada, achei bacana. As amigas dela haviam reservado um lugar e ali fiquei com elas batendo papo, até que chegou a vez da Mônica, e eu entrei junto. E já me deram uma ficha para preencher, eu disse que estava sem meus documentos e que não estava ali pela vaga, a atendente disse que não havia problema, preenchi a ficha com o que sabia e entreguei.

“Vá para a entrevista pessoal”, eu fui.

Ela disse “o psicotécnico tem vaga agora, quer fazer?”, eu fiz.

Saí dele, ela disse “o inglês tem avaliação agora, quer fazer?”, eu fiz.

Fui aprovado em tudo no primeiro dia e ainda teria de voltar no outro para entregar os documentos, o que fiz. Eu, na primeira manhã fiz o que a Mônica levou três meses para fazer!

Com o andar da coisa e vendo aquele ambiente, a possibilidade de viajar, a grandeza da Varig, decidi que iria em frente e, se entrasse, ficaria uns dois anos e voltaria para a minha área. Depois disso passei em tudo, comecei o curso e me encantei ainda mais. A minha irmã só ingressou meses depois de mim.

Nunca havia sequer entrado em uma aeronave comercial, só tinha voado uma vez em teco-teco.

Meu primeiro voo foi no Electra II, emocionante!

Enfim, acho que eu fui o único daquela fila de 7.500 candidatos, que nem sabia o que ia fazer, que entrou!

Amei o que fiz até me aposentar!

Quando foi o seu primeiro voo?
Meu primeiro voo de instrução no Electra II foi em 18 de fevereiro de 1985, Comandante Pacheco, copiloto não lembro, Mecânico de Voo, Bento, e a minha instrutora, Mari Euge. Foi no PP-VJW, apresentação às 13h45.


Ponte Aérea?
Sim, quatro pernas de ponte.

Achou glamoroso esse primeiro voo?
Certamente que sim, era muito fácil se encantar com o privilégio de voar. O serviço de bordo da ponte aérea era ímpar, com lanches e bebidas num belo carro composto (sanduíches open face, canapés frios e/ou quentes, conforme o horário do voo), mas o glamour mesmo vinha dos viajantes.

No geral, eram tal como hoje: empresários, gestores, artistas, políticos, pessoas de posses, outras pessoas simples, ilustres desconhecidos, mas, naquela época qualquer um que viajava o fazia bem arrumado. Ainda era um evento, as mulheres usavam as suas joias, e perfumes que tornavam o ambiente uma onda olorosa; os homens, boa parte, em ternos bem cortados de alfaiates conceituados, e os outros sempre elegantes. Os mais humildes, que conquistavam o caríssimo direito de voar, o faziam com pompa, era um evento e iam vestidos e arrumados como se fossem para a missa de domingo. As crianças eram civilizadas.

Hoje, com o acesso mais fácil e igualitário, vemos a mesma fauna, mas parece que o glamour em voar se foi e com ele três coisas: o bem vestir, a educação e o respeito para com os outros, passageiros e tripulantes.

Vemos pessoas viajando de chinelos de dedo ou crocks, péssimo para a segurança do próprio usuário em caso de uma evacuação, mas é uma regra que ninguém mais observa, pois o importante é que a passagem está sendo paga e a pessoa deve ir, mesmo que tenha saído direto da praia para o aeroporto.

Estas são as mudanças do progresso, mas progredir não significa se tornar mal-educado e desrespeitar os tripulantes, não obedecer às regras de convívio social e cagar para as normas de segurança.

Poucos veem hoje os profissionais aeronautas como agentes de segurança, que ali estão para garantir o bem-estar, a integridade física deles, e que podem salvar as suas vidas em várias situações. É uma visão geral, e como usuário voar está bem difícil para quem viveu as boas épocas.

É fato! Somos de uma época privilegiada: herdamos a aviação construída pelos nossos colegas que, por exemplo, voavam para Nova Iorque de Electra, demoravam vinte e duas horas!... ou o voo da amizade para Lisboa...
Bom, mas depois do Electra você foi promovido para qual equipamento?
Depois de ficar por quatro meses na Ponte Aérea, segui o caminho natural, B-737-100, o breguinha, e o B-727, uma das máquinas que mais gostei de voar. Nessa ocasião, o meu instrutor foi o Salomoni, um grande sujeito e um instrutor severo, altamente técnico e qualificado, e que me apresentou a aviação de pernoite, me ensinou tudo, inclusive a compartilhar o quarto. Sim, na RAN ainda pernoitávamos em quarto duplo! 

Eu tive muita sorte com os meus instrutores durante toda a minha carreira, tanto no exército como na Varig, na TAM, no Navio e na aviação de asa rotativa, cada um deles me brindou com conhecimento técnico e pessoal, aprendi demais!


Sempre fui curioso, e a aviação me despertou para coisas que eu gostava como hobby, as transformei em trabalho e dependi de muita gente e de seus conhecimentos para aprender e viver.

Você referiu anteriormente ‘as crianças eram civilizadas’. O que quer dizer?
Trata-se de uma crítica ao moderno, cuja culpa, creio, é da nossa geração. Antigamente, mais ou menos até quando nós éramos pequenos, anos 60 e 70, ainda se usava um tipo de educação familiar, as crianças eram apenas seguidoras das ordens de seus pais, quase não eram estimuladas a ter atitudes ou pensamentos que fossem diversos dos seus patronos ou se desviassem das ordens e doutrinas da casa.

Em geral, eram punidas de forma arbitrária com castigos severos, tanto psicológicos como físicos, a liberdade era vigiada e raramente conquistada, salvo por alguns pais mais modernos. Era óbvio que isso teria de mudar, afinal, estávamos entrando em uma nova era, e nossa geração foi brindada com esta responsabilidade, onde não queríamos mais que nossos filhos recebessem o mesmo tratamento dado por nossos pais.

Ocorre que houve outras revoluções junto com esta, eu pensava “vou dar toda a educação e escolarização possível, vou estimular o pensar e induzir aos erros e acertos com responsabilidade, vou orientar e corrigir as arestas com mais tolerância e carinho”, e assim foi feito, e as nossas crianças começaram a crescer de verdade. Como esta liberação foi mais ou menos geral, alguns pais afrouxaram demais e, principalmente, deixaram de controlar ou estar mais presentes (por conta de trabalho ou preguiça mesmo), com isso este peso educacional deixou o lar e foi transferido para as creches e escola (que são responsáveis pela escolarização e não por educação).

Esses professores, mal remunerados e com salas cheias, mal tinham tempo de escolarizar, imagine educar o filho dos outros! Neste tempo surgem ainda os avanços de comunicação, legislação específica para o menor e adolescente, proteção indireta do Estado, de conhecimento das máquinas e computadores, televisão, internet, celular, enfim, as crianças ficaram independentes de seus pais bem jovens, mas dependentes das mídias e esquecidas pelos pais, que também estavam encantados e distraídos com estes avanços. Com isso, muitas crianças e pais se perderam no mundo real e verdadeiro, foram ficando mais introspectivas, diminuindo os contatos reais e formais por outros tecnológicos, ou seja, a socialização humana foi sendo desvinculada, mas o ganho de conhecimento foi fenomenal, e é ai que está a crítica. Toda esta mudança comportamental e tecnológica aconteceu em menos de vinte anos, e não soubemos como usar todo este progresso em nosso favor, e por conta de nossas restrições na infância, nos esquecemos que os limites são importantes.

Junte pais omissos ou descompromissados com a educação, mudanças drásticas de legislação, liberdade sem a contrapartida de conquista, culpar regras e não honrar os compromissos com a pátria e com as leis, crianças que treinamos para serem contestadoras, acabou em uma certa falta de civilidade. Quando se o perde rumo, respeito e ordem, se perde a civilidade.

Não sou contra o progresso, acho que hoje nossos filhos estão ficando e lidando muito melhor com estas novidades e estão recuperando aquilo que por amor e pressa em mudar erramos a dose do deixar crescer.

Você é pai?
Sim, sou pai, sou pãe, fui casado com a Comissária Eugenia Breviglieri, que faleceu em um acidente de carro dezessete anos atrás. Com ela tive dois filhos, Ítalo, hoje com vinte e cinco anos, formado em Engenharia Mecânica pela UNICAMP, que trabalha em uma empresa multinacional, e Enzo, hoje com dezessete anos (quase dezoito) já morando em Campinas-SP, onde cursa na UNICAMP o primeiro ano de BIOLOGIA/biomedicina.

São ótimos garotos, muito inteligentes e meus grandes professores, pois aprendi mais com eles do que talvez tenha eu ensinado.



Depois dos boeinguinhos vem o DC-10, certo?
Não foi bem assim, no início de 1986 fomos chamados para o curso de B-747, DC-10 e B-707, para atender ao forte crescimento dos voos internacionais da VARIG e a entrada em operação do aeroporto de Guarulhos então CUMBICA, que foi inaugurado oficialmente em 20 de janeiro de 1985, com um Boeing 747-200 da VARIG, procedente de Nova Iorque. Só que as operações reais levariam ainda um bom tempo para iniciar de fato, principalmente nos voos internacionais. Por conta disso fiquei fazendo voos da Nacional e eventualmente deslocamentos de B-707 entre Campinas e Galeão nos voos africanos.

Logo depois vieram voos melhores já na RAI, mas para isso devia me deslocar de extra sem contar horas (deadhead), pois eu não queria a transferência para o RIO. Eu sabia que uma hora ou outra a base SAO iria ter seus voos internacionais  regulares saindo de São Paulo, e precisariam de gente habilitada por lá. Voei então fixo na Rota LAX (Los Angeles), e alguns meses depois se iniciaram as operações para ROMA partindo de SÃO PAULO (eram três frequências semanais), com o famigerado B-747-200, PP-VNW, aeronave com número de produção da Boeing 158, vindo da SAA - South African Airways (ZS-SAM), hoje já sucateado.

Ali fiquei por um bom tempo, pois fazíamos os voos de Roma, os NYC da missa e um NYC de pernoite normal, um par de frequências do Paris, e três frequências do FRA. Ainda cobríamos os voos para Luanda uma vez por semana (DC-10), Santiago bate e volta, Manaus, ora com pernoite ora com bate e volta.

Enquanto estive na RAI voando no RIO fiz todos os voos da malha (exceto TKO-NGO). Meu primeiro voo internacional foi um Lisboa/Porto, com dois dias inativos, foi um espetáculo.

Avançando um pouco na história, havia muitos conflitos junto à Escala por conta de favorecimentos, pois alguns faziam o filé e outros roíam o osso. Em determinado momento, já insustentável, o senhor Sérgio Prates (Diretor do Serviço de Bordo) criou um programa onde os comissários iriam controlar e fiscalizar seus pares e ordenar uma distribuição justa e igualitária. Foi então feita uma eleição direta onde os comissários votavam em candidatos (para as bases ainda separadas RIO e SAO). E em São Paulo eu fui um dos escolhidos para implementar e participar do programa de FISCAL DE ESCALA. Essa escolha foi uma surpresa geral, por ser eu novíssimo na RAI e na aviação.

Tive como colegas nesta empreitada, as brilhantes, combativas e eficientes, comissárias ALOMA e SANCHES. Essa experiência me rendeu o cargo de Gerente da Escala da Base SAO, e depois, quando da separação dos equipamentos, assumi a Assessoria Técnica do DC-10, equipamento que escolhi para ficar, por razões de amor e carreira.

Como passava o tempo nos pernoites? 
Para mim os pernoites bons eram os inativos, quanto mais dias parado na localidade, melhor, sempre gostei de explorar o modo como os locais vivem, onde eles comem. Para isso era preciso tempo para observar muito, o que leva mais tempo, e, óbvio, os pontos de maior interesse.

Sempre que chegava numa cidade pela primeira vez, já estava munido de uma série de informações sobre aquele lugar, então no ou nos primeiros contatos com a região eu explorava essas informações. Por exemplo, vou a Paris e tenho dois dias, vou na Torre Eiffel, Champs-Élysées, Notre-Dame, Sena, Louvre, Père-Lachaise.

Depois, com mais tempo, começo a explorar os secundários, enquanto isso vou observando, para a hora que der iniciar a exploração do viver ali. Um lugar nunca se esgota em exploração, mas ele pode se tornar cansativo. Portanto, os arredores ou viagens para localidades próximas podem ser interessantes (Palácio de Versailles, Castelo Vaux-le-Vicomte, Rouen, Provins, Louvre-Lens, Museu do Ar e Espaço em Le Bourget, etc.), ou se arrojar em distâncias maiores sacrificando um pouco o repouso, e indo até ao Vale do Loire, Collonges-la-Rouge, Lille, Lyon, etc.

Na minha infância não tínhamos dinheiro sobrando para viagens, nem para revistas, mas meu pai sempre  arrumava com um dentista as publicações antigas da National Geographic e da Reader's  Digest, e eu as devorava. Com elas imaginava e afirmava para mim, que iria conhecer os lugares e histórias que mais me marcavam. Eu tinha um monte de velhas edições, uma montanha de sonhos e referências para ver aqueles lugares, muitos deles longínquos, quase sempre esquisitos ou despertados por alguma paixão. Quando entrei na aviação a PORTA SE ABRIU e não tive dúvidas, calcei a botina e ganhei a estrada.

Para você ter uma ideia, em relação à França, eu sempre fui fanático pela obra de Júlio Verne, ou muito interessado na invasão da Normandia, nesta em especial eu queria ver pelo menos uma das cinco praias usadas pelos aliados no desembarque em junho de 1944. Então, logo depois de ver Paris, no meu terceiro pernoite lá, me desloquei para Longues-sur-Mer, próxima de Le Hamel, cujo desembarque lá teve o nome código de Gold Beach.

Memorial das Forças Australianas, Le Hamel, foto: Warren Snowdon
As fortificações alemãs ainda estão lá, as marcas da batalha ainda estão lá, cheguei bem cedo na colina, chovia fino e a bruma mal deixava enxergar mais de um quilômetro à frente, mas o tempo foi mudando, e tal como um sonho se descortina eu vi a mesma foto de uma história das Seleções Reader's Digest.

Em relação a Júlio Verne, li tudo sobre ele, descobri que onde estava enterrado o seu túmulo era singular e que remetia a um mistério, tudo lenda, mas me aguçou muito e fui até Amiens, lugar de seus últimos anos  ver seu túmulo. Fiquei umas duas horas ali, no cemitério de Madeleine.


Com isso, descobri uma coisa interessante: a ARTE TUMULAR, que acabou virando um interesse pessoal, junto com as caminhadas na mata e incursões nas cavernas mundo afora (meus hobbies).

Destas coisas que vi na infância e juventude, e mais outras tantas agregadas que passei a colecionar vivendo experiências novas com colegas do voo ou com pessoas com as quais fui fazendo amizade nos países visitados, faltam algumas que creio me faltará tempo para ver, mas vi quase tudo o que queria.

Além de Paris (e da França) quais outros pernoites que mais gostava?
Uso Paris como exemplo porque a maioria das pessoas gosta e se encanta, mas ela realmente não está nas minhas dez melhores. Em ordem, meus pernoites internacionais preferidos eram:

1) Roma
2) Lisboa e Porto
3) Copenhagen

4) Frankfurt
5) Londres
6) Madrid e Barcelona

7) Cidade do México
8) Amsterdã
9) Tóquio e Nagoya

10) Johanesburgo
11) Barcelona
12) Zurique

13) Berlim
14) Nova Iorque
15) Orlando

16) Hong Kong
17) Santiago do Chile
18) Chicago

19) Lima
20) Toronto e Montreal
21) Bogotá

22) Luanda
23) Paris
24) Montevideo
e vai
25) Buenos Aires

Caramba! Paris está na vigésima terceira posição! Je ne crois pas! Peraí, você divide conosco o que fazia quando pernoitava em Paris, nos revela o seu amor pela França e por um período particularmente duro (para a França e para o mundo) e dá nota quase zero para Paris?! Vai, explica aí, por favor.
Vamos lá tentar justificar o meu ranque tão baixo de Paris.

Como eu disse, gosto muito de ver como as pessoas vivem, como se comportam e como é o seu comportamento em relação às outras pessoas, do local e dos de fora (que acabam interferindo no seu cotidiano).

Eu me qualifico como um ser cosmopolita, mas vivo em uma cidade provinciana, cheia de famílias quatrocentonas arruinadas e que se acham, e outros emergentes que também se acham, e de um monte de gente comum que também querem se achar!

O parisiense, como o portenho, o paulistano, tem em seus cidadãos naturais destas cidades que são cosmopolitas um comportamento provinciano acentuado. Em geral, parecem incomodados com os de fora. Eles sabem que moram em uma cidade cosmopolita e geralmente maravilhosa, sabem que tem um aglomerado de pessoas de todas as origens étnicas e culturais que imigraram pelo motivo que foi, e que em geral são em número maior que os naturais, e sabem que tem muito turista.  E é aí que qualifico Paris como uma cidade de que não gosto, não gosto da arrogância que vi no parisiense. A cidade é linda, com atrativos espetaculares, mas o parisiense parece fazer questão de não receber bem o visitante, simples assim.

Todo lugar e todo cidadão deveria ter respeito e orgulho de receber uma pessoa de fora em sua cidade, pois muitas destas cidades são o que são por conta destes.

Tenho um apreço gigante pelo mundo, pelas suas localidades e rincões, respeito profundamente toda e qualquer opção, mas não gosto de nariz empinado.

Durante quase toda a minha carreira na Aviação, eu torrei minhas diárias e mais algum às vezes. Fiz muamba sim, e feira também, mas a maior parte do meu tempo nos pernoites não foi gasta na cama e sim batendo perna, assim ocupava meus pernoites, tentando conhecer o máximo possível, para um dia poder dizer com propriedade que sou um cidadão do mundo.

Marco, a soberba parisiense se acirrou na segunda guerra mundial... a cidade-luz sendo invadida e ocupada pelos alemães... o parisiense não conseguiu se recuperar dessa humilhação. Há muitos anos, o governo francês, ciente desse atavismo, promoveu uma campanha que procurava sensibilizar o parisiense para receber bem, com simpatia e sorriso, o turista. No meu julgamento, até que deu certo. Mas, isso foi há quarenta anos. Entretanto, Paris foi invadida por norte-africanos... nós testemunhamos essa invasão, quando nos deslocávamos de metrô em Paris, na década de 70.
De lá para cá, só piorou. Não vou a Paris há dezessete anos, mas vejo fotos do que se transformou o inferior do viaduto da linha de metrô, em frente ao Hotel PLM-Saint Jacques..
.
Bom, mas já agora, porque ranqueou tão bem Lisboa e Porto?
Em referência à situação parisiense, sim, conheço a história e é verdade, parece que a "resistência"   continua até hoje.

Em relação aos norte-africanos, desde o final da década de 50 com a independência das colônias, do Marrocos e Tunísia, as outras dezessete colônias se libertaram do jugo colonial até 1977. Talvez um dos problemas seja a forma com que a França lidou com a situação dos ex-colonos (naturais de França ou nascidos em território ocupado, bem como os naturais do território), onde ela, por necessitar de muita mão de obra barata e não especializada   e de soldados, decidiu por manter alguns direitos de nacionalidade para ex-colônias, os franceses ainda os  chamam de "pieds-noirs" (pés  negros).

Em relação a Lisboa e Porto:

Na ocasião de minhas primeiras férias na Varig, eu tinha de ir para a Europa, e tinha já em minha mente um plano traçado de conhecê-la por inteiro. Então acabei por olhar o mapa e começar pelo começo, Portugal era o primeiro pais na linha de aproximação da Europa pelo Brasil, junte-se a isso a facilidade do idioma (uma falsa verdade) e ainda queria nesta primeira viagem ir conhecer pessoalmente uma amiga feita desde os meus quinze anos, através do sistema de Penfriends, o nome dela, PÜA (u com trema)  e era de Mynämäki (os dois "a" com trema) na Finlândia.

Ou eu iria até à cidade dela ou ela iria com o marido até Portugal. Imagina tabular tudo isso sem internet e com dificuldades telefônicas, ah se houvesse internet naquela época, estamos falando de 1986. Para encerrar a história da Püa, nos encontramos na cidade do Porto [foto abaixo], ficamos dois dias ali, eles seguiram para a Espanha e eu por Portugal. Três anos depois, em um pernoite em Copenhagen, fui até à sua casa e já os encontrei com uma filha. Nos falamos até hoje.


Classifico bem Lisboa e Porto pelos encantos. O povo português, talvez por ser um dos maiores exportadores de gente do mundo, e porque, creio, não haver uma casa portuguesa que não tenha algum familiar em algum lugar do mundo, recebe muito bem a todos, e em especial a nós brasileiros. Só isso já seria um atrativo, mas eles têm história, a valorizam e cuidam para que não seja esquecida.

Eles têm tradições, e as valorizam, seu patrimônio arquitetônico é impressionante e repleto de influências por conta das ocupações (visigoda, islâmica, etc.).

A cultura é ímpar, seja nas letras (Dom Diniz, Camões, Eça de Queirós, Saramago, Fernando Pessoa, etc.).

Na música erudita (Frei Antonio), no Fado (Amália Rodrigues, Ana Moura, Carlos do Carmo, etc.).

Ou nas artes:  Vieira Lusitano, Miguel Lupi, Júlio Pomar, Cyrilo Machado, etc. Sem contar uma das mais belas artes quase sempre sem autores conhecidos, a dos azulejos pintados em lápis-lazúli.

A gastronomia espetacular.


E como não falar da incrível capacidade de conhecimento (quando não tinham, iam buscar), dominaram metade do mundo conhecido e desconhecido. É impossível falar de Portugal em poucas linhas. O mesmo para as cidades do Porto e Lisboa, elas têm isso tudo. Você pode ir ao café que Pessoa frequentava ou então simplesmente andar pelas ruas do Chiado e seguir os caminhos de Pessoa até à Igreja Nossa Senhora dos Mártires [foto abaixo], onde ele foi batizado, os sinos que dobravam que ele tanto os cita em suas obras.


Como não ver o nascer do sol no Miradouro das Portas do Sol [foto abaixo] e descer caminhando pela Alfama, passar pelos Pateos do Rossio, do Barbosa ou Estrela de Ouro, tomar uma Ginjinha do senhor Espinheira (não sei se ainda vivo) ali no largo São Domingos.


Porto, a maravilhosa "Portus Cale" (200 a.C.), precisa falar muito de uma cidade com esta idade? Sim, precisa, uma das coisas mais belas de lá é a Livraria Lello [foto abaixo], próxima à Torre dos Clérigos. Ir ao mercado do Bolhão, museus importantíssimos.


A sua geografia é cansativa para caminhar, mas vale cada esforço, pois a sua arquitetura é fabulosa, suas igrejas, o casario, as pontes são tantas e belas (Luiz I, de Gustav Eiffel), a ponte Dona Maria, o cais da Ribeira, a Rotunda da Boavista (Praça Mouzinho de Albuquerque).

Quantos conhecem o café Majestic?

A cidade ainda tem o vinho do Porto (Vila Nova Gaia). Como não falar das caves? E ainda daquela região também sai o vinho verde, fiz um passeio de barco subindo o majestoso rio Douro, até os campos das videiras, e as vinhas que me lembro da luz do sol e da cor do céu.

Alguns anos atrás, ainda trabalhava na TAM, fui a Portugal para conhecer alguns outros lugares e nesta ocasião ficamos hospedados num lugar chamado Palácio do Freixo, MARAVILHOSO.

Bom, falei demais, não, falei foi pouco, cada país tem seus encantos, histórias e estórias, casos e causos, nenhum lugar pode ser assim tão ruim, pode sim estar sendo apenas visto. Nós devemos olhar com os olhos, com o coração e com tesão, só assim poderemos enxergar sem sombras todos os matizes, olhar depende de você abrir sua mente.

ver é simplesmente o óbvio, e isso temos de tirar de nosso espirito, só assim podemos agigantar nosso conhecimento e nossas experiências, tanto com as pessoas, como com os lugares. Olhar tem a ver com sentir, cheiros, sabores, toques e sensações, alegrias e tristezas, conversar com os outros.

Então, lá atrás eu disse que não tínhamos dinheiro para viajar, mas nas poucas ocasiões que o fazíamos, aprendi a olhar. A escola Lisboa e Porto, PORTUGAL, me ajudaram ainda mais a OLHAR o mundo, tanto pela riqueza como pela simplicidade, por isso as qualifico tão bem.

Que extraordinário! Se você emigrar para Portugal, logo, logo terá trabalho: Guia Turístico!
Onde você estava quando a Varig fechou as portas?
Em janeiro ou fevereiro de 2006 a Varig lançou um programa de PDV, eu e um amigo entramos e havia uma data limite para confirmar. Como aqui em casa éramos muitos parentes que lá trabalhavam (Comissária Mônica Sichi, minha irmã, seu marido, Roberto Peixoto, um primo, Valter Sichi, e sua esposa, uma prima na manutenção, e na época eu namorava uma comissária), todos me acharam louco. E meu pai, este sim, extremamente conservador e um otimista natural, ficaram me falando para não o fazer. Então, dois dias antes da confirmação arremeti do PDV. Pois bem, o meu amigo recebeu tudo, eu não! Paralelamente a isso comecei a procurar emprego e apareceu uma proposta, que fui cozinhando, para trabalhar em navio.

Na penúltima semana de julho eu estava de sobreaviso e me acionaram para um voo para Nova Iorque, lá ficamos alguns dias pois nunca chegava uma máquina para voltarmos, a coisa já estava bem feia, foi o pior pernoite da minha vida. Nem quando fomos fazer a retirada dos brasileiros de Luanda foi tão difícil. Foi um medo interminável. Quando a máquina chegou, um Boeing 767 todo arrebentado, cheio de problemas de manutenção,  eram poucos os passageiros que ainda confiavam na empresa, o voo estava com um quarto da sua capacidade, sem carga, ele era todo Classe Econômica, mas havia uns oito ou dez passageiros que tinham pago business e foram acomodados de forma a que ficassem com uma fileira para poder deitar e tentar assim compensar o inconveniente da diferença da tarifa.

Olha, foi um retorno triste, muito triste por conta da decadência física da empresa, mesmo assim todos estavam com o seu melhor humor, seus uniformes impecáveis, e suas esperanças numa recuperação!

Se passaram alguns dias e a AFA (Associação dos Fofoqueiros do Aeroporto) ventilava muita coisa, já existia uma apreensão enorme, cada vez que o telefone ou o interfone tocava era um sobressalto, até que recebi o fatídico telegrama, (eu não estava na privilegiada lista  dos quinhentos e cinquenta ou seiscentos escolhidos para ficar), no dia 2 de agosto (três dias antes do meu aniversário), recebi o presente da dispensa sem receber o que realmente deveríamos!

Passado o choque, entrei em contato com o operador da Costa Cruzeiros, (eu já havia feito os cursos para trabalhar embarcado e todos os exames médicos necessários), e no início de setembro embarquei em um avião da Air France até Paris e de lá até Gênova, onde embarquei num navio chamado Costa Atlântica para um contrato de seis meses sem voltar para casa.
E esta já é outra história cheia de histórias e causos!

E sobre o Rio de Janeiro, não é uma ‘cidade maravilhosa’?
O Rio de Janeiro é lindo! Uma cidade de imensas riquezas naturais, históricas, culturais e muitas outras coisas a serem descobertas!

Não tenho paixão pelo Rio, mas o admiro, não gosto do jeito do carioca levar as coisas, mas os entendo, respeito e também admiro!

Hoje é lamentável ver que a cidade continua maravilhosa, sim, maravilhosa para os traficantes que nunca são pegos, vivem impunemente e conseguem transformar a vida das pessoas honestas e trabalhadoras em um inferno.

O Rio é maravilhoso para os malfeitores eleitos por nós para roubar a educação das crianças, para extirpar a possibilidade de um atendimento médico, e maravilhoso para desonrar os professores, bombeiros, policiais e funcionários públicos não pagando seus salários. Para distribuir benesses e presentes para os prostitutos da corrupção.

O Rio é maravilhoso ao deixar que seja tão fraca a sua governança e tão podre seu reino, que nem a intervenção do Exército ou da Divina Providência poderá curá-la!

Estive no Rio por ocasião dos Jogos Olímpicos para assistir ao jogo de basquete Brasil X Argentina, o qual perdemos com uma elegância que mais pareceu uma vitória!

E aquele Rio sim é o Rio maravilhoso, onde a cidade (apesar de não estar 100% pronta) o carioca mostrou sua força e determinação, onde todos estavam empenhados em tornar o sucesso de seu dia a dia na esperança do melhor futuro, de mostrar como o Rio é lindo e cheio de atrações, e que o povo Carioca é ainda o Melhor do Rio!

Tem saudades da Aviação?
Não e sim! Sim para os tempos da aviação glamorosa, elegante e segura vividas na Varig, tenho saudades dos pernoites e de alguns colegas.

Na TAM em cinco anos vivi alguns bons momentos, mas no geral não gostei de voar lá!  

Da aviação de asa rotativa, os helicópteros, onde me aposentei, sim tenho saudades, foi uma experiência inovadora em termos de aviação e um desafio novo para quem já estava em fim de carreira, foram cinco anos muito especiais.

Então, depois de ser demitido da RG foi trabalhar num navio de cruzeiros...
Sim, logo depois de a Varig nos dispensar, eu tinha uma reserva financeira razoável e suficiente para um bom tempo sem trabalho, mas as contas eram grandes, dois filhos em escola particular, plano de saúde, etc. Eu não podia queimar esta gordura, tinha de arrumar uma maneira de ela ser recuperada parcialmente, então aceitei esta proposta e me aventurei.

Eu havia me candidatado para garçom, mas me ofereceram o Duty Free, meu salário era de US$ 500,00 mais comissão sobre as vendas, (no melhor mês levantei US$ 4.200,00), me saí bem como vendedor de bugigangas e porcarias, souvenirs e bebidas, foi uma experiência das mais enriquecedoras e assustadoras!

Se eu fosse mais novo, ou tivesse o dom de poder voltar no tempo, e pudesse escolher entre tripular aeronaves ou navios, eu escolheria o navio, mesmo trabalhando MUITO  (e olha que a minha era a melhor posição do navio depois dos que trabalham no cassino, por conta das regras de tributação dos portos, enquanto o navio está aportado estes locais têm de ficar fechados, e o duty free por questões de fechamento de caixa não pode ficar aberto além das 23h30), então sempre tínhamos folga nos portos, salvo nos dias de Port Maning (uma parte da tripulação precisa permanecer para atender emergências).
 
Em geral, os armadores contratam jovens entre 18 e 25 anos, eu com meus 45 anos (e não sendo Oficial de carreira) era um dos poucos TIOZÕES da embarcação, e ali descobri que poderia ser um avatar, ser o quê, quem e como quisesse, pois ninguém me conhecia ou sabia quem eu era e pouco se importavam. Todos, mesmo os jovens, estavam ali para se divertir, ganhar uma grana se divertindo, e passear ganhando um pouco mais de experiência para o futuro mercado de trabalho.

Acabei sendo eu mesmo, mas sem correntes, os jovens não acreditavam nas minhas maluquices e brincadeiras com os hóspedes/passageiros.

A vida no navio consiste de altos e baixos, de euforias e melancolias, de saudades e desapegos. Meus piores momentos no navio eram na hora de puxar a cortina do meu catre e ficar aprisionado com meus pensamentos. Minhas lembranças eram imediatamente remetidas aos meus filhos que, mesmos acostumados com minhas partidas para voar, elas sempre tinham chegadas em alguns dias, mas ali seriam meses e meses, e nós sentíamos muito isso, mesmo tendo facilidades de comunicação, foi difícil.

Em meados de novembro aportamos em Gibraltar e fiquei sabendo que o meu contrato seria estendido em um mês, e que eu mudaria de navio, para um gigante, o Costa Fortuna, na época o quinto maior do mundo e que ele viria ao Brasil (temos um pequeno apartamento em Santos e por conta disso conseguiria ver meus filhos antes do NATAL) e assim poderia vê-los algumas vezes a cada aportagem. Saí do navio e liguei o celular para enviar um SMS a meus filhos avisando que iria ligar de um locutório ali perto para falar com eles, e meu telefone tocou, não sei porque atendi, e era o pessoal da TAM me chamando para entrevista, expliquei minha situação e que só estaria disponível para entrevista em fins de março.

A atendente do RH, disse que poderia ser 26 de março de 2007 e que me enviaria um e-mail confirmando, e não nos falamos mais. No dia combinado, três dias depois de chegar em casa, eu e ela estávamos ansiosos por ver se aquele encontro iria acontecer, e tenho a certeza que por conta deste compromisso me contrataram.

Uma das coisas que mais curti no Navio foi ver, olhar, viver e estar em lugares dos quais somente via do alto quando cruzávamos o atlântico e por vezes ouvia os pontos de checagem na cabine de comando pelo rádio. Conheci lugares que jamais conseguiria ir por minha conta como Dakar, Casablanca, Fez e Marrakesh, Gibraltar (britânica), Nouakchott (Mauritânia), as ilhas maravilhosas de Cabo Verde, Tenerife, Las Palmas, Arrecife, Puerto del Rosario, Funchal (Madeira).

Quando mudei para o Fortuna, mudei de base de Gênova para Veneza, e de lá partia num cruzeiro que tinha as seguintes paradas:  Veneza, Split (Croácia), Piréus (Atenas), Heraklion (Creta), Haifa (Israel), Alexandria (Egito), Trípoli (Líbia), Túnis (Tunísia), Valeta (Malta) e retornávamos a Veneza.

Ainda tínhamos outros cruzeiros com paradas diferentes em lugares como Ibiza, Palma de Mallorca, Málaga, ou então as ilhas Gregas e Turquia (que eu já conhecia), passar de navio pelo estreito de Bósforo, sair do navio e correr para ir até à ponte do Bósforo e  ficar no meio dela com um pé na Ásia e outro na Europa,  ou então ir até Kunkoy para nadar no Mar Negro, ah! o mar de Dardanelos, o Egeu, Jônico, Mediterrâneo, o Tirreno, enfim, foram privilégios de um viajante atento que levou muita gente para olhar o mundo.

Enfim, foi uma sucessão de descobertas impressionantes.

Nos navios, principalmente os mais tradicionais, a hierarquia é imperiosa e a disciplina levada muito a sério. Existem três regras de expulsão imediata (com prisão e desembarque na parada seguinte):  roubo (de pertences do passageiro ou colegas); qualquer tipo de agressão física (pode falar o que quiser, mas jamais tocar, inclusive assédio); e uso de drogas (éramos testados com frequência).

Existiam ainda os WARNINGS, cada um tinha direito a cinco, ao alcançá-los era desembarcado. Recebi quatro: usar celular em área de passageiros, mas fui anistiado.

Viver em um Navio é um exercício pleno de aprendizado, tanto pelo confinamento como pelo isolamento/distanciamento.

O navio tinha 327 metros de comprimento e quase 600 câmeras, era um Big Brother, 4.200 passageiros controlados por 1.200 tripulantes. Éramos oriundos de sessenta e quatro nacionalidades. Os idiomas oficiais eram o italiano (por conta da bandeira do armador) e o inglês. Durante qualquer aglomeração nas áreas comuns de lazer ou às refeições, falar com um compatriota em seu próprio idioma era considerado falta grave. Então, mesmo os que não dominavam os idiomas oficiais se esforçavam em falá-los e era muito interessante e divertido ouvir os sotaques.

As refeições eram fartas e de excelente qualidade, tínhamos café da manhã, almoço e jantar em refeitório comum a todos, e ainda frutas, pães, embutidos e queijos, sucos, café e leite em todos os intervalos, e para os que viravam a noite uma bela ceia.

Os uniformes eram lavados a cada dois dias pela lavanderia do navio, dominada pelos chineses. A roupa pessoal era lavada em uma lavanderia com quinze máquinas de lavar e secar e ferro de passar, mas o sabão, amaciante e outros eram oferecidos pelo navio. Poucas vezes usávamos nossas roupas pessoais. Eu, por ser STAFF, tinha liberdade para transitar pelo navio e usar os bares (não restaurante e nem piscina), pagando um quinto do valor cobrado dos hóspedes, mas éramos obrigados a estar com os TAGs de identificação que tinham um chip dedo-duro de entrada/saída nas áreas de tripulação e PAX. Os CREWs não podiam circular pela área de PAX quando não estivessem trabalhando, visitar cabine de passageiro? NÃO. 😊😊

Eu consegui autorização especial dadas pelo Comandante e pelo Cruise Director para jantar no restaurante dos passageiros, para acompanhar um casal de tios que estava fazendo o crossing do Brasil para a Europa.

Que interessante o seu relato!
Pelo que se entende em resposta anterior, você se demite da empresa de navegação para ingressar na TAM, certo?
Não expliquei direito, falha minha, pensei mais rápido do que escrevi!
Quando a moça do RH da TAM me ligou era novembro, eu ainda tinha meses de contrato a cumprir e mais uma extensão de trinta dias, eu disse à moça que não poderia abandonar o emprego que estava, por não gostar de interromper as coisas que inicio e esta tinha prazo e regras, que só estaria disponível no Brasil em meados de março. Pensei comigo “vou abandonar este que está certo por uma entrevista??” Enfim, a moça já devia ter um planejamento e me agendou para março, depois disso não nos falamos mais.

Depois, no dia da primeira entrevista estávamos eu e ela (pois ela fez questão de me entrevistar) querendo saber se ambos honraríamos um compromisso estabelecido meses antes, ela me confidenciou que não acreditava muito que eu estaria lá, e eu não acreditava que o meu nome estava lá. Ambos erramos, mas acertamos em cumprir o agendado e por conta disso creio que foi um diferencial para a minha contratação!

Foi uma das pessoas mais bacanas e comprometidas da TAM que conheci!

Então, você vai trabalhar na TAM, sai dos navios e volta para os aviões, confere?
Sim, ao final do meu contrato no navio em março, começo o curso em abril de 2007 na TAM, turma 89 com 145 alunos!

Começou voando qual equipamento?
Início de carreira e vamos começar pela Nacional, então, me habilitei nos A-310, A-320 e o A-300 para eventuais voos nacionais.

Para a Formatura, a empresa fazia uma bela festa com a entrega dos Brevês, com coquetel e um belo baile e podíamos levar até oito convidados. A empresa estava no auge e não poupou dinheiro para nos receber e apresentar a Empresa. Enquanto eu estava em curso ainda havia mais três turmas com cerca de 150 alunos cada uma, a Academia da TAM estava fervendo de gente.

Meu voo de instrução estava marcado para o dia seguinte com apresentação em Congonhas às 18h45, era o dia 17 de julho de 2007, eu estava descendo a escada da passarela sobre a Avenida quando ouvi um estrondo e um brilho de chamas, vi que uma aeronave tinha se espatifado.  

Foto: Eugenio Goulart/Estadão Conteúdo
Corri, larguei a minha mala na lojinha da GOL e corri ao local do acidente, cheguei cerca de três minutos depois dos bombeiros, já não me permitiram ajudar, nem tinha nada a fazer.

E então fui ao D.O., estava o caos total, gente chorando, pessoas passando mal. A Chefia tinha um posto avançado no D.O., os chefes estavam sem saber o que fazer. Então vi a nossa Gerente de Comissários, fui até ela para oferecer ajuda, pois vinha de um grupo especial muito importante na Varig para atuar em casos de crises e catástrofes, a senhora Cindy abriu os braços e me puxou para a sala.

E ali comecei a dar orientações, com o aeroporto fechado, mandar para casa os que não estavam em condições de voar, cancelar e redirecionar para outros aeroportos os que ainda tinham apresentações. Os que estavam bem e tinham condições de ajudar ficaram ali. Os outros foram para os aeroportos de GRU e VCP. Logo chegou uma colega de turma da Ocean Air, a Fernanda, que também participava do grupo de crise da Ocean e começou a ajudar. Me lembrei da Elaine Sampaio e da Malu que estavam em uma turma depois da minha em curso e as convocamos para a manhã seguinte.

A TAM tinha um grupo de crise que se chamava PEACE (Programa  Especial de Atendimento ao Cliente em Emergências) e tinha mil e oitocentos membros em São Paulo (GRU e CGH), só cinco apareceram. Sei que estas situações são para pessoas preparadas, e assim foi. Dormimos às 3h da manhã e às 6h já estávamos prontos.

Naquela noite organizamos o que deu, consegui esvaziar o D.O. em duas horas, e montamos uma linha de ação para o dia seguinte baseada no plano deles e no que sabíamos do nosso.

Fernanda e eu fomos tirados da instrução, Malu e Elaine também foram tiradas do curso, e outros ex-Varig também se voluntariaram, mas não me lembro do nome de todos. Era a Varig organizando e praticamente à frente da maior crise da TAM.

Ficamos atuando junto com os psicólogos, médicos e outros voluntários para fazer aquilo que sabíamos. No salão presidencial de Congonhas foi montado o atendimento aos parentes das vítimas, éramos responsáveis pela triagem, busca de informações sobre roupa, tatuagens, joias, se tinham imagens da arcada dentária, enfim, pois assim seria a identificação. Imagine a pessoa em desespero pela dor, e nós termos de acalentá-las e ainda sugar o máximo de informação, foi difícil, pois não eram só as vítimas a bordo, mas os de terra e as pessoas das casas vizinhas atingidas.

Passados os dois primeiros dias, coube a mim a incumbência de acompanhar os parentes até ao IML (Instituto Médico-Legal) para identificação visual daqueles que dava pra fazer, e minha outra função era ir com os vizinhos (cerca de vinte e cinco casas), que estavam na área interditada, acompanhá-los até às suas casas, para alimentar os seus pets, buscar roupas e pertences, enfim, foram dez  dias de muito trabalho e pouco sono. Ficávamos ao dispor dos parentes, éramos uns vinte e cinco comissários e, pelo menos, doze eram ex-Varig fazendo este trabalho. Foi um grande orgulho.

Por conta desta atuação, recebi da TAM uma medalha e um boton especial ‘aqueles que fazem coisas além do esperado’. Poucos a tem, também recebi uma carta do presidente da TAM agradecendo tal atuação. 

Não fizemos nada além daquilo que sabíamos fazer, ajudar e dar suporte. Mas foi lindo, dentro daquela desgraça vi coisas que jamais esquecerei.

Findo isso, me deram três dias de folga, e começou a minha instrução num inativo em Macapá. Havia em geral uma grande resistência do pessoal SANGUE PURO ou P.O.  (puro de origem) da TAM em receber os colegas de outras empresas. Comigo foi tudo tranquilo, minha instrutora tinha a idade que eu tinha de voo (23 anos) e foi muito profissional, carinhosa e me ajudou muito a entender o jeito TAM de viver.

Tem a história do B-777, que fomos convidados a fazer o setup da máquina e é uma boa história.

Estou esperando...
Na Academia da TAM, o equivalente ao nosso CTC, já existia um grupo de instrutores que era subordinado aos TAM, mas eram as estrelas e quem carregava o treinamento na academia e iam treinando os P.O., eram eles o  Marcos Torres (ex-VASP), Pavuna, Martorel e Flavio Rodhe (ex-RG) e um cara muito bom da própria TAM, o Luiz Marra, eram eles o pilar do treinamento de comissários e pilotos.

Fiquei um bom tempo na Nacional, e adorei poder ir e rever vários pernoites que há muito tempo não ia, e alguns que nunca havia feito.

A TAM, de forma sigilosa, havia feito uma encomenda de três aeronaves B-777. Em fevereiro de 2008 foram avisados da entrega de duas delas para julho desse mesmo ano. Aí começou a correria, primeiro porque havia na empresa uma certa repugnância em relação à Boeing, (eles já haviam trabalhado com os MD-11 e nesta ocasião buscaram o pessoal da Vasp/Varig que deu um by pass no povo da TAM, pilotos e comissários, criou-se um certo mal-estar.) 

Como eles não tinham experiência nenhuma em Boeing, muito menos em B-777, buscaram dentro de seu quadro os pilotos e comissários que tinham habilitação neste equipamento e selecionaram um grupo de pilotos e comissários (os com mais horas no equipamento) para organizar manuais, o setup de galleys, sequência de serviço de bordo, enfim, tudo da aeronave, mas faríamos isso em consonância com o pessoal TAM.

Chamaram dez pilotos e cinco comissários ex-Varig para participar disso. Os pilotos que me desculpem, mas não vou citar os seus nomes, os comissários foram Roberto Peixoto, Calmon, Eduardo Dimas, eu e um outro rapaz (muito bom) que era do CTC, cujo nome me falha agora.

Nos fizeram uma proposta: faríamos toda a parte técnica e setups, a homologação e ainda daríamos a instrução aos instrutores, chefes de cabine e alguns outros comissários da TAM, mas não receberíamos nem dinheiro nem teríamos o título de instrutores, e que por conta disso ficaríamos voando o B-777 em todos os seus voos (FRA, SCL, REC e MAO) por um ano a partir do início da operação da aeronave. Todos aceitamos e trabalhamos duro, foi muito bom desenvolver e ajustar nossos perfis ao exigido pela TAM. Os manuais técnicos foram sugados dos da Varig, de resto tudo ajustado.

É claro que houve resistências e alguns bate-bocas, principalmente por se sentirem em desvantagem e acharem que poderíamos gerar interferências. Foram meses saindo de escala a toda a hora para as reuniões, e em julho a aeronave chegou.
 
O diretor de Operações na ocasião era o senhor Spoleder, ele nos chamou e disse que se conseguíssemos homologar a ACFT (aircraft, NdE) de primeira, (a TAM, até então, nunca havia conseguido homologar uma aeronave de primeira), pagaria o jantar para todos. Éramos cerca de trinta tripulantes, já estávamos no RIO pois a homologação seria no hangar gigante (ex-Varig) do GIG, e pedimos para ele nos dar a liderança do evento e que seguissem nossas orientações (pilotos e comissários).

Fizemos reuniões e treinamos por dois dias (entre narizes tortos e orgulhos feridos), fomos de madrugada para o Galeão e lá montamos as tripulações. O resultado foi um sucesso, homologamos de primeira sem NENHUMA ressalva. A nossa vitória e dos colegas da TAM foi paga e saiu bem cara.

A aeronave era de última geração, com tudo de primeiríssima linha, tanto para passageiros como para as tripulações, crew rest (zona de descanso com leitos, NdE) para comissários, tudo lindo.

No final de julho iniciamos os voos de adaptação e instrução, e no início de agosto iniciou a operação e instrução geral.

Passados dois meses já havíamos cumprido nossa meta e estávamos à disposição da TAM. Ela cumpriu a promessa, ficamos lotados no B-777. Em julho do ano seguinte, quando saiu a publicação da escala de agosto, todos já estávamos retornando aos nossos lugares em função da senioridade.

Aeroporto de Frankfurt, 23-10-2017, foto: Konstantin Wedelstaedt
Eu voltei para a Nacional, mas como a fila havia andado e meus colegas de turma já eram chefes,  voltei como chefe de cabine, e  de brinde me deram a função de instrutor, as quais exerci até receber a oferta da BHS - Brazilian Helicopter Services,  administrada por uma empresa Canadense, CHC,  líder mundial em transportes em helicópteros (que era a dona, mas pelas normas não podia aparecer)  e aí entrei em um mundo novo de aviação.

O que tinha de novo esse mundo?
A aviação de helicópteros ou de asa rotativa já é diferente de tudo, agora coloque esta aviação no mercado offshore, ou seja, para atender as plataformas e navios de produção e prospecção de petróleo.

No Brasil, no ano de 1968 se iniciou a extração de petróleo em águas abertas, isso aconteceu em Sergipe, a oitenta metros de profundidade, a cerca de dez milhas da costa. Os funcionários que nelas ficam embarcados trocam a cada quinze dias em média. Esta troca era feita por embarcações. Com a descoberta de novos campos marítimos, principalmente na Bacia de Campos, desenvolveram embarcações do tipo catamarã, mas pelas distâncias (50, 60, 120 e hoje até o limite territorial no pré-sal, 200 milhas de distância) encontrava-se um mar turbulento, os trabalhadores levavam muitas horas e desconfortos tremendos pelo marear, fora os acidentes bastante comuns causando muitas perdas de vida. Com isso o helicóptero mostrou-se ser eficiente, relativamente barato, rápido e muito mais seguro.

Uma das primeiras empresas a operar em contrato com a Petrobras foi a VOTEC e usava um Helicóptero da SIKORSKY, o S-61, que levava vinte e seis passageiros. Sua tripulação era um comandante, um copiloto, um mecânico de voo e um comissário.


Estas aeronaves foram sendo trocadas por S-76, Augusta, Bell, de médio e pequeno porte, até que apareceu o Super Puma da Airbus que levava vinte e um passageiros e três tripulantes, incluindo um comissário. Isso só ocorria por a legislação RBH exigir comissários em aeronaves que levem mais de vinte passageiros.

Em 26 de fevereiro de 2008, um Super Puma, após decolar da P-18 com vinte passageiros e três tripulantes, se choca com o mar. Cinco passageiros e o comandante morrem, a Comissária DANIELE (então com três meses de voo) foi a protagonista do acidente, ela foi a responsável pelo salvamento dos passageiros e ajuda aos mesmos até a chegada do resgate na balsa.

Seu feito foi observado pelas pessoas da plataforma e das embarcações de apoio que ficam ao largo das plataformas e saíram em apoio, ela foi a última a abandonar a aeronave, e buscou os passageiros que estavam se perdendo, de forma heroica e destemida. Por conta disso, ela recebeu a mais alta honraria dada a um aeronauta, a Medalha Santos Dumont.

Por causa deste acidente houve um embargo a estas aeronaves. Foram então trazidas novas aeronaves, EC-225 (Eurocopter, anos depois comprada pela Airbus Industry), super modernas e confiáveis, mas elas só transportavam o máximo de dezenove passageiros, aí sem comissário. Por conta do heroico desempenho da Daniele (com quem trabalhei), as empresas Petrobras, Shell, Chevron, etc. optaram por levar um passageiro a menos e manter a importante figura do COMISSÁRIO em uma aeronave tão GRANDE.   

O mundo novo vem daí, é uma atividade de altíssimo custo, financeiro e de vidas, (alguns sites sobre trabalhos perigosos qualificam como uma das vinte profissões mais perigosas), treinamento impecável e severo.

Não existe serviço de bordo (nem em voos de comitiva), o comissário está ali única e exclusivamente para a segurança dos passageiros e da aeronave. Sim, diferente da aviação comercial, o comissário está em contato ininterrupto com a tripulação técnica, que depende de informações que o comissário, (os pilotos não veem a traseira e os lados da máquina) irá passar em relação a objetos próximos à cauda ou laterais da aeronave; tráfego vindo pelas laterais e traseira, quanto ele pode ou não se deslocar lateralmente ou à ré; são os olhos do comando (pois estão em geral sentados de costas para o nariz e têm uma visão privilegiada), além disso, no fone, o comissário está ligado nos mesmos canais de comunicação, ouve e ajuda nas transmissões e recepções, recebe informações da empresa e dos pontos de pouso,  controla e separa os manuais e cartas de navegação, faz o abastecimento e é responsável por ele, cuida e verifica o teor da carga, verifica e qualifica as cargas perigosas.

Quando pousado é ele quem orienta o pessoal de HELIDECK ou aeroporto em relação ao desembarque e embarque dos passageiros, verifica e controla os manifestos, inspeciona a aeronave interna e externamente antes de voar, no pouso e em área remota (inspeção externa).

Checagem de cintos e coletes, anúncios de bordo, abertura/fechamento de portas e porões, tudo é feito pelo comissário.

Enfim, o comissário é um elemento real da tripulação e é respeitado por isso. O mundo novo é que a responsabilidade e quantidade de coisas que são feitas e das quais participamos não se restringem ao serviço de bordo e monitoramento dos passageiros. Tudo o que acontece com a tripulação, com a aeronave e com os passageiros é comum e dividido entre todos, e todos participam.

A carga de trabalho do comissário é intensa entre o pré-embarque e o desembarque, e nos quinze minutos antes do pouso, fora isso a carga é menor. Não é permitido dormir, e não é difícil ficar acordado com tanta responsabilidade.


Acorda-se muito cedo, em geral às 4h30, pois se decola com a primeira luz do sol e só se voa à noite por emergência ou retorno à base. Se almoça e temos uma hora para isso, seja em terra ou nas plataformas e navios.

Se dorme todas as noites em uma cama e em horário decente, não tem fuso horário, não tem madrugadão, não tem passageiro desrespeitando ninguém, não tem nem banheiro para urinar – aí houve várias histórias.

Este mundo novo me encantou muito, era tudo o que eu imaginava de uma aviação responsável (não que a Varig não fosse) mas era diferente.


Faltando dois anos para eu sair, a empresa montou um grupo de pilotos, comissários e mecânicos que atenderiam uma necessidade do offshore (pela incapacidade, ineficiência e demora do SAR federal), (SAR-Search And Rescue = Busca e Salvamento, NdE) de um serviço de SAR civil. Eu fui um dos três comissários escolhidos para iniciar os treinamentos, fizemos uma longa jornada deles, eram duros e muito especiais, lamentavelmente o serviço não vingou e não tive tempo de atuar de forma real neste segmento.

A  aviação comercial é a graça e a beleza, a offshore é a graxa e a força. Passei alguns perrengues sim, fiz voos onde poucos já puseram os pés, voei sobre a Amazônia, sobre Marajó, voei abaixo de 500 pés (1 pé = 0,3048 m, portanto, 500 pés = 152,4 m, NdE) por conta de uma perda de motor.

Pousei em rincões como Oiapoque, Amapazinho, voei até à divisa do mar territorial do Brasil e Suriname, vi a bruxa acenar várias vezes, atendi a todo tipo de emergência médica a bordo (só não fiz um parto a bordo, este é meu lamento de me aposentar sem ter isso no currículo).


Vi gente sofrer pela partida e vi muita gente alegre pelo retorno, vi a migração das baleias de tão perto que quase dava para sentir os respingos de sua baforada. Vi tantos cardumes, arraias gigantes, tubarões baleia. Vi muitos tubarões, que quando nos avistavam dava para ouvir o pensamento deles "oba, hoje teremos comida em lata!".

Enfim, foi um mistério desvendado, um prazer de ser partícipe verdadeiro de um voo sem estar com os comandos da aeronave.

Voamos então dois equipamentos, os EC -225 e o SK-92, um Sikorsk fabuloso, estas máquinas têm até mais tecnologia do que alguns aviões.


A quê ou a quem você atribui o fechamento da RG?
Esta é uma questão que prefiro não discutir muito, já perdi amigos, e pessoas me olham torto quando falo disso.

Evidentemente que foram vários motivos, não foi uma coisa que fechou a Varig, tivemos má administração sim, e creio que se agravou depois da morte do Senhor Hélio, um conselho omisso, passos maiores que a perna. Tivemos de forma contundente conchavos políticos desfavoráveis, tivemos muitos "salvadores" (internos) da Pátria com egos maiores que a Varig.

Nós todos tivemos nossa culpa também, claro, pois tivemos inúmeros sinais da decadência  (não recolhimento  do FGTS para as contas, INSS , mudanças no AERUS, enfim, estes sinais de conduta de quem está indo para o vinagre aconteciam e poucos de nós percebiam ou viam isso. Eu não vi, e os que viram não nos alertaram de forma contundente, só começamos a nos coçar mesmo, quando os salários começaram a ser fatiados, aí a Inês já estava em coma, e todos os "guerreiros da palhaçolândia” abraçamos uma causa sabidamente perdida, todo aquele envolvimento e sentimentalismo foi muito bem usado pelos ratos.

Fomos vítimas de um golpe, nos dados em troca, muito parecido ao aplicado pelo governo e pela própria Varig contra a Panair e a Real, foi a história se repetindo, e isso já sabemos, a história sempre se repete, não necessariamente com os mesmos protagonistas, mas repete, que me neguem Napoleão e Hitler.

Enfim, este assunto até hoje divide os colegas e amigos, divide opiniões e certezas, dúvidas e acertos.

Este monte de gente divergindo hoje me dá asco, pois se querem fazer algo e conquistar alguma migalha (pois não teremos nada além disso)  só se consegue com união  e não com fração. Os EGOS e os “eu Fiz”, “eu fui”, “eu sei” têm de acabar, pois com certeza a falta de união e de coesão nossa foi um dos motivos da perda desta queda de braço.

Outra coisa que muita gente não gosta em mim, é que falei e falo ainda, só ficaram viúvas/os da Varig aqueles que ficaram se lamentando, que ficaram chorando, que ficaram e ainda têm a certeza que a Varig vai voltar e ele/a vão trabalhar lá de novo.

Quem botou na cabeça que aquilo acabou, que nos ferramos, e que se um dia com sorte ou com luta, conseguiremos algo, será bom, e a partir deste pensamento, buscou "o que sei fazer?", quem foi à luta e procurou se reinventar, quem velou o defunto e seguiu a vida com saudade do morto sim, mas viveu a vida, foi pra frente, arrumou emprego, se ajustou e reorganizou  seu plano de vida, que parou de chorar e fez algo por si, que estudou, que investiu, que correu atrás e se recolocou em outras empresas, estes se deram bem, estão bem, e vivem bem com o fim da Varig.

Eu chorei sim, chorei como tantas outras perdas e desilusões de minha vida, mas na semana seguinte eu estava de pé, e pronto para ir à luta.

Não desisti de meus direitos trabalhistas e nem de meu Aerus, mas não vou ficar de luto a vida toda. Se algum deste dinheiro vier vou gastar tudo.

Quais as principais (as mais sentidas) diferenças entre Varig e Tam, na sua percepção?
Interessante esta pergunta, e antes de mais nada explico que são opiniões livres de preconceito e/ou ideias pré-concebidas, nunca fui leviano em comentar algo sobre empresas que trabalhei (não é cuspir no prato), mesmo que possa parecer. Minhas ideias têm fundamento sim.

Fiquei muito feliz em ser recebido na TAM, afinal, estava saindo do Navio e tal como nele entrei (sem férias) já estava em outra empresa e voando, foram transições muito rápidas, óbvio que ouvia os comentários de meus colegas de outras empresas que estavam lá entrando, e quase nunca eram bons, mas eu fui ler o livro para ver.

As diferenças de TAM e VARIG são imensas (pessoas e empresa). A TAM era uma empresa familiar que cresceu muito depressa em um "golpe" de sorte e de perícia de seus administradores. Como empresa familiar os mandos e desmandos quase sempre recaem nas costas das loucuras e razoabilidades de quem detém o comando. Após a morte do Comandante Rolim, a esposa e filhas assumiram este comando com uma "gestão" Marco Antonio Bologna, que tinha uma formação acadêmica muito robusta e currículo bem consistente, tanto que foi contratado pelo Rolim para a vice-presidência em 2001, pois o Rolim já vislumbrava a necessidade de se profissionalizar, (mas ele, e depois a família, nunca soltava as rédeas).

A empresa, a meu ver, DECOLOU por uma necessidade absoluta do mercado, (então órfão da Varig dominante) e de cochilos surpreendentes da GOL.  Cresceu porque alguém tinha de tomar conta do buraco.

Era uma empresa séria? Sim, os profissionais eram muito engajados na filosofia da empresa adotada por Rolim a poder de chicote e caneta, (concorda, fica; discorda, desempregado fica). O estilo levou um tempo a mudar por conta da Maria Claudia que levava a firma no mesmo tom, apesar de ter feito uma opção muito inteligente por um conselho (que ela dominava) e que lhe dava algumas alternativas. A principal diferença que vejo em função desta narrativa se resume em uma palavra, AMOR. Na VARIG o amor pela empresa era natural, e na TAM era por necessidade ou falta de opção. Os PUROS DE ORIGEM (P.O.s), como os que só haviam lá trabalhado, e eram muitos, eram sim, gratos à firma, mas eu os via defendê-la de forma virulenta, não por amor de verdade, mas por ser a Varig (e seus profissionais) vistos como um inimigo, imagem criada e instigada por Rolim.

Quando fomos sendo necessários para o seu crescimento, pois a nossa mão de obra era fundamental para a profissionalização da empresa, para a sua necessidade de crescimento internacional, e éramos necessários para amadurecer o grupo, fomos recebidos sim com muita hostilidade.

Alguns tinham medo, por imaturidade, pois achavam que iríamos para lá, com toda nossa formação, para desbancá-los. Outros acreditavam que iríamos poluir o jeito TAM de voar, ou mesmo que iríamos querer mudar o perfil da empresa (que tinha mesmo de mudar para crescer), mas nenhum de nós que lá foi alocado queria isso. Queríamos, isso sim, tocar nossas vidas, ganhar nosso salário, pagar nossas contas e, sim, quando permitido e oportuno, ajudar a empresa a crescer para não cairmos em outra roubada.

De novo, pergunto, a empresa era séria? Sim, era séria, mas tinha defeitos e falsidades. O meu maior receio caía nas condições de manutenção e a interferência aguda na condução de um voo, o despachante mandava mais no avião que o comandante, a manutenção determinava e dava aeronaves como prontas sem respeitar a decisão do comandante (era preciso bater o pé), nós não estávamos acostumados a isso.

A empresa era séria? Pergunto de novo, era sim, mas quantas empresas aéreas no mundo tiveram dois acidentes no mesmo dia? 

A TAM teve dois acidentes com Foker's 100, em 30 de agosto de 2002, um em Birigui e outro em Campinas. Quantas empresas aéreas tiveram duas catástrofes em um mesmo aeroporto (Congonhas) nas duas cabeceiras?

Quantas empresas colidem com pássaros em um mesmo dia, 28 de janeiro de 2007, em Porto Alegre e Londrina?

Me desculpem por tantos números, mas são registros de 1976 até 2008, apenas como TAM. Registros incertos por conta de problemas de registros e confirmações das épocas anteriores, (sem contar a VOTEC, comprada, e a partir daí  criada   a BRASIL CENTRAL,  subsidiaria da TAM) foram mais de cento e trinta ocorrências de incidentes e acidentes, mais de quatrocentos  mortos, mais de quarenta aeronaves destruídas e vários imóveis arrasados.

Muitos vão dizer que isso é azar ou que eu estou exagerando.

Em vinte e três anos de Varig tive muitas ocorrências, é claro. Em cinco anos na TAM foram três, quase quatro vezes, o número da Varig.


Óbvio que melhorou muito, e espero que esteja sempre melhorando. Empresas são como pessoas, nascem, crescem e morrem.

Durante a vida aprendemos, vivenciamos alegrias e tristezas, sucessos e fracassos e melhoramos, ou morremos mais burros do que nascemos e mais cedo do que podíamos.

E sobre a versão de que José Dirceu era sócio da TAM, é informação válida ou é boato?

A Varig é o caso mais rumoroso de falência da história do país. Antes de fechar as portas, foi alvo de disputas acirradas dentro do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Os envolvidos nunca se entenderam sobre a melhor estratégia para salvar a companhia. Fora da esfera governamental, os dirigentes da Fundação Ruben Berta – pertencente aos funcionários e controladora da empresa – dificultaram o processo ao resistir a operações de salvamento que significassem a perda do controle acionário.  CONSUELO DIEGUEZ

Se é verdade sobre Dirceu ou sua mulher, Evanise [foto abaixo] serem donos de 20% da TAM não sei e não posso afirmar, mas posso, sim, especular, com base nos fatos, que a História VARIG - DIRCEU - TAM - GOVERNO - PT está ligada por mais pontos que a Rosa dos Ventos.


A Varig, já ruim das pernas, todos queriam dar um pitaco e ganhar algo com este caso, e o governo PT não estava de fora, as propostas de solução do Governo (sempre barradas pela turma da Varig) e negativas de empréstimos do BNDES   indicam uma solução  que interessava à TAM, que através de  Mandelli  Martin, então presidente da TAM, (este amigo íntimo de Palocci e de Dirceu): a proposta  consistia em uma fusão VARIG/TAM.

Foram feitos alguns voos de parceria para tentar viabilizar, todos devem lembrar...
O pessoal do Rigoni, da FRB, e da APVAR, a cada proposta da TAM entravam com uma Liminar ou davam um jeito de embaçar o acordo.

Até onde sei, a quadrilha do governo PT (que já não estava muito a fim de um acordo, pois sabiam que se a Varig fechasse o mercado seria dela, TAM, e da GOL, e que sem esforço iriam crescer, e aí Palocci e Dirceu ganhavam) e o próprio Mandelli se encheram.

Uma coisa que me surpreendeu na época foi saber que Dona Noemi, viúva do Rolim, então dona de mais de 70 % da TAM, não gostava da ideia de fundir as duas empresas e brigou feio com o Mandelli (genro do Rolim), o que resultou na sua saída da presidência da TAM.

Quem assume as negociações é o Conselho da TAM, que segue Noemi como cão, e ela embaça tudo.

O PT (o partido tinha um contrato de seus militantes só voarem na empresa), por conta disso, dizem que havia uma dívida do PT com a TAM de mais de vinte e cinco milhões de reais, (que foi perdoada logo depois do fechamento da RG), então a partir disto o Governo saiu do ar, a TAM saiu do ar, pois seria fato a absorção do mercado esburacado por nós, e muito mais barato – só  algumas propinas e esquecimento de dívidas.

Paralelo a isso tudo teve a criação da ANAC, (Agência Nacional de Aviação Civil) (totalmente administrada e comandada pelo PT),  e desde então a TAM passa surpreendentemente a ter multas irrisórias e apenas por atraso de voo. A Varig despenca e se afunda. Existe uma conversa sobre uma visita de Dirceu à presidência da Varig, onde ao fim da reunião Dirceu sai aos berros dizendo que iria arruinar a Varig.

Enfim, tem muita História e muita Estória aí. O fato, no meu entender, é que a fusão seria uma ótima pedida, sairíamos de uma situação de aniquilação para virar uma das maiores empresas do mundo. Seria chato brigar por qual filosofia tocaria a coisa, mas era evidente que seria a Varig, éramos em número muito maior, mais organizados, competentes e estabelecidos internacionalmente, (talvez por isso a Noemi ficou puta e barrou). Para piorar, o pessoal da APVAR e da FRB queriam uma solução diferente e o resultado foi que nós, pequenos peões, tomamos no rabo por conta das birras e interesses dos grandões. 

Enfim, cada um tem uma visão disso. Não sei se consegui me fazer entender.

Curiosa e coincidentemente, eu anotei uma pergunta a lhe fazer, desde quando você citou o CTC: as empresas, de verdade, se preocupavam com a Segurança, DENTRO das aeronaves?
Na empresa onde nos conhecemos, existia um CTC, depois CTO... eu sempre percebia um ‘desnível’ entre Serviço de Bordo e Segurança, ou seja, entre Segurança e Comércio. O que estes ensinavam bem colidia com o que aqueles ensinavam bem. Isto é, cancelar um serviço, por questão de Segurança, era um exercício de segurança pessoal do chefe responsável... Qual é a sua opinião?
Mais uma sinuca de bico... 😉
 
Sim, Jim, você já viu alguma propaganda de empresa aérea no mundo  mostrando uma evacuação de passageiros mesmo com a aeronave  intacta, mas  em meio a fogo, fumaça, mostrando os comissários gritando palavras de ordem para  os passageiros e os conduzindo com eficiência, segurança, tranquilidade  e destreza para   as escorregadeiras-barco, e ainda dizendo "venha voar conosco, em caso de emergência nossa tripulação está super treinada para tirá-lo a salvo"? Eu não me recordo de ver alguma coisa assim.

Faça uma busca no google e verá que para vídeos ou postagens de treinamento de emergência em aeronaves existem quarenta e oito mil referências. Pergunte sobre Serviço de Bordo, devem aparecer algo como mais de cento e trinta e sete mil, três vezes mais.

Porque iniciei assim esta resposta? Simples: SEGURANCA, TREINAMENTO em CATÁSTROFES E EMERGÊNCIA não vende passagem (não de forma ostensiva), claro que é um fator que preocupa os usuários, ninguém vai viajar em uma empresa que sabidamente é problemática. Os passageiros também têm culpa, veja estes números: cerca de 93 % de passageiros frequentes não assistem ao briefing ou leem os cartões de segurança que são orientados a fazer; cerca de 38 % dos passageiros eventuais assistem; e 93 % dos de primeira viagem assistem, o interesse pela própria segurança é tomado como impensável.

Aquele que não se doutrina ou se atenta para os princípios e normas de segurança, sempre vai errar, e na hora não vai fazer nada por si. Quem presta atenção tem mais chances de acertar na hora do desespero, é fundamental treinar para não acontecer estes fatos, e existem inúmeros, todos são reais.

São eles desinteressados em suas vidas? São eles ignorantes? Não foram alertados de forma adequada? Não ouviram os anúncios e os comandos de evacuação? Não, eles são BURROS!! E sabe o que é pior, são MUIIIITOS!

Segurança não vende passagem, nem classe Econômica. Raríssimas vezes se vê propaganda da EY, nem mulher feia, nem comandante barrigudo de cabelo branco, muito menos avião velho e que esteja no chão. As pessoas associam: gente feia é ruim, gordo não é saudável, cabelo branco não é experiência, mas idade avançada; avião no chão é porque não voa ou vive quebrado.

Os marqueteiros são hábeis em identificar as coisas que favorecem a venda de seu negócio, e mais hábeis ainda em evitar coisas que possam desestimular a compra de algum item que esteja associado a algo que não seja bonito, rico, saudável e feliz.

Outra coisa, avião não cai toda hora, mas pode te levar a lugares exóticos, pode levar você para ver a sua família, pode levá-lo ao trabalho, com conforto, com comida boa, com bebidas selecionadas, poltronas modernas e sistemas de entretenimento avançadíssimos. Então por que se preocupar com as qualificações técnicas de sua tripulação se isso não vai acontecer hoje?

Não, não interessa se o piloto é bem treinado, até que a emergência seja declarada.

Os comissários só deixam de ser vistos como serviçais no momento em que o filho do passageiro se engasga, quando acontece um tumulto a bordo, quando o passageiro tem um problema de assento ou de conduta.

Os passageiros, em sequestros, se escondem atrás dos comissários.

Assim sendo, não só a Varig, como praticamente todas as empresas aéreas do mundo, valorizam o glamour do voar, pois é ele quem comanda o negócio, portanto, por melhor que seja o treinamento de segurança ele sempre estará aquém do que se investe em Serviço de Bordo.

A culpa também não e só das empresas. No nosso caso, a ANAC exige uma carga ínfima de treinamento prático e paupérrima de treinamento teórico, junte a isso a preguiça ou cansaço de uma parte de nossos colegas.

Nós, na Varig, tínhamos o privilégio de ter instrutores de altíssima qualidade técnica, o nosso pessoal recebia os melhores treinamentos e estava sempre se atualizando. Existia uma biblioteca espetacular e um sem-número de materiais de pesquisa e desenvolvimento profissional. Sempre foram ótimos mesmo, mas o foco velado das empresas sempre foi o glamour e não adianta falar o contrário.

Quantas vezes por ano a ANAC exige reciclagem de um piloto ou comissário? Quantas horas são gastas com treinamentos técnicos (para os pilotos, eu diria 90% e uns 10 % de perfumaria), já para os comissários tínhamos de ir uma vez por ano para atender à demanda bienal de revalidação, mas nos cursos de perfumaria estávamos neles (e ainda estão) a toda hora: curso de como atender o cliente da Primeira Classe, curso sobre apresentação de serviço da Econômica no voo para Santiago do Chile, e assim vai, e vai longe.

Quantas vezes você, em sua carreira, manipulou e usou, de verdade, um extintor?

Quantas vezes esteve em um treinamento real usando uma escorregadeira-barco na água?

Quantas vezes foi a aulas sobre caviar, sobre vinhos, sobre queijos, ou um ajuste de serviço? Ou a uma palestra de etiqueta para voos para a China?

Me perdoem o que irei dizer, prova teórica para tripulante deveria ser obrigatório acertar tudo, Cem por cento de aproveitamento é o mínimo. Nós, em situação de risco, não temos de ter dúvidas em relação ao procedimento teórico, pois essa dúvida vai te matar (ou matar outros).

Você sabendo cem por cento da teoria, quando uma situação ocorrer, sendo ela um pouco fora do padrão, você terá muito mais segurança em atuar e ter um resultado eficiente.

Quando revalidávamos, muitos colegas reprovavam nas provas – isso era absurdamente comum –, outros tinham notas insuficientes para passar, muitas e muitas vezes eram todos ajudados pelo instrutor a  responder à prova (cola  não  oficial), pois a Escala não suportaria a perda de alguns tripulantes por trinta dias até se fazer a nova prova. A pressão para não reprovar era imensa, você se lembra de alguém ser reprovado?

As empresas pressionaram o DAC, depois a ANAC, e conseguiram (adequar aos seus interesses) as cargas de horas práticas, simuladores de fogo/fumaça/primeiros socorros/uso real de equipamentos, e carga horária de cursos técnicos teóricos, alegando custos e problemas de escala, mas tiravam os tripulantes por dias para um curso de Chefe, Supervisor, ou de duty free, ou BOB, ou novos brindes da Executiva e Econômica.

Isso mostra claramente que as empresas vendiam a imagem de atualizadas e fortes em treinamento técnico, mas estavam mesmo privilegiando o Serviço de Bordo em detrimento da segurança, ela, a segurança nunca foi afastada, mas podia ser mais reforçada.

Pelas suas afirmações neste nosso bate-papo, deduzo que você seja favorável à meritocracia, estou errado?
A meritocracia é e deve ser objeto de uso comum em todos os segmentos, em meu negócio eu a aplico a meus funcionários e tenho ótimos resultados! 

Veja bem, a meritocracia está entranhada desde a família, se seu filho vai mal na escola ele perde privilégios (pequenos castigos, em geral associados à perda do uso de coisas que eles gostam). No meu tempo os castigos eram confinamentos ou sova mesmo, apanhei bastante e não sei quantas mil horas perdi em castigos longos e monótonos, ah e nem por isso tenho rancor de meus pais ou penso em matá-los!

Já se seu filho apresenta um desempenho bom em alguma atividade ou prática e ajuda nos afazeres domésticos ou executa alguma ação voluntária, recebe agrados (mas, para mim, isso é obrigação – hoje se costuma premiar o óbvio).

A liberdade do jovem de sair, ir sozinho a algum lugar, chegar mais tarde, enfim, a liberdade se conquista com ações responsáveis e equilibradas, isso é meritocracia! Para se ter algo tem de se conquistar!

Na aviação, a máxima imbecil de “antiguidade é posto “deveria ser banida, ela não combina com hierarquia, muito menos com competência, e passa bem longe da liderança!

Existem jovens extremamente competentes e antenados, e existem chefes, gestores e executivos antigões, sem capacidade alguma de estar onde estão, mas se mantêm em seus postos por conta da senioridade!

A meritocracia realça os interessados, inovadores, proativos, aqueles que buscam evolução dos valores educacionais, morais e desenvolvimento de aptidões técnicas e teóricas relacionadas à sua área de atuação (seja trabalho, estudo ou familiar)!

O “poder do mérito“ é um agente estimulador para se conquistar a ascensão profissional e social! E acho ele muito justo e não conflitante com a hierarquia. Na vida militar se percebe isso facilmente, jovens tenentes comandam velhos soldados e praças, sem problemas!

Muitos, em geral socialistas, igualitaristas e alguns grupos filosóficos e sociólogos, acreditam que a meritocracia não atua de forma justa, pois aqueles que têm melhores chances na vida (boa formação acadêmica, família abastada, etc.) estarão sempre em vantagem sobre os coitadinhos que não tiveram a mesma sorte!

Obviamente, guardadas as proporções, de que adianta uma criatura ter oportunidades excelentes se não demonstrar desejo, tesão, força de vontade e esforço em conquistá-las?

Também é óbvio que em algum momento ela vai falhar, pois ela fica muito próxima de um dos piores sentimentos humanos que é a ganância, e ela, sim, criará os monstros que irão confundir a busca pelo sucesso com a derrubada dos outros usando artifícios fúteis, falsos e desonestos!

Eu julgo que o pior sentimento humano é a inveja...
Certamente existem vários sentimentos ruins que podem destruir uma pessoa, uma sociedade, um grupo de pessoas, uma empresa, um Estado, a INVEJA é, sem dúvida, o principal deles.

Da inveja se originam outros sentimentos e, pior, atitudes que causam a desgraça. Está sempre associada à cobiça, ciúmes, raiva, ira, inferioridade, tristeza, fraqueza, frustração, falta de caráter, etc... enfim, tem muita coisa ruim junto dela. Eu também não gosto deste sentimento e o mantenho afastado.

Uma palavra aos invejosos: ao ver algo que gostou, admirou, ou quer, e que seja dos outros, trabalhe, se esforce, se empenhe, estude e vá à luta para conquistar.

Querer as coisas ou querer status não é errado, é bom. Então, ao ver algo ou alguém que curte, não tenha inveja, tenha sim coragem para evoluir.

Ah, é o quinto Pecado Capital, para os católicos.

Atualmente, devemos ter ‘inveja’ do Brasil?
É tão natural destruir o que não se pode possuir, negar o que não se compreende, insultar o que se inveja.
Honoré de Balzac

O BRASIL, como Pátria, não merece nenhum desrespeito ou falta de amor, nossa grandiosa e rica nação precisa que o seu povo a ame com mais fervor, com mais honra e com mais respeito.

Tenho inveja sim (se existe a tal inveja branca, ou boa) do seu atual Portugal, da Noruega, da Finlândia, da Suécia, etc.

Do meu BRASIL de hoje tenho pena, tenho medo, tenho dúvidas, mas tenho uma certeza, farei de tudo para melhorá-lo e mudá-lo.

Nosso problema não é a Pátria, mas os párias que vêm se aproveitando dela e, consequentemente, de nós mesmos.

Não tenho dúvidas sobre as nossas culpas pelo lastimável estado de decadência  econômica, social e moral que vivemos. Se as coisas estão assim foi porque em algum momento achamos que a "lei de Gerson " devia ser usada. Afinal, todos a usam, vou corromper um fiscal ou um guarda de trânsito, pois "todos fazem". Vou sonegar imposto, pois "todos fazem". Estou cansado de ser lesado, vou votar em qualquer um, pois são "todos iguais".

"TODOS IGUAIS" o cacete”! Eu tenho caráter, tenho honra, acredito nos meus valores morais e éticos, e me envergonho das poucas vezes que escorreguei nesta mesmice babaca de querer ser como todos balizado pelo limbo, pela escória, pelo lixo.

Nós somos esse Brasil que se nos apresenta hoje, porque nós permitimos que isso crescesse, votando errado, aceitando os erros, desrespeitando os valores e princípios.

Se NÓS não nos rebelarmos contra isso, se NÓS não nos aliarmos e seguirmos as regras e lutarmos para o bem se instalar, muito em breve em nossa bandeira estará escrito “Caos e degradação".

É hora de seguirmos uma frase em latim no brasão paulista “NON DVCOR DVCO “(Não sou conduzido, conduzo).



Vamos reconstruir nossos caminhos, com elegância, bons princípios e, se preciso for, com sangue.

Você vai votar em outubro?
Mas é claro que vou! Não voto por obrigatoriedade, mas sim por acreditar que um voto consciente e válido é importante para se consolidar a democracia e tentarmos reverter a mediocridade e safadeza que hoje encontramos.

Veja bem, vira e mexe me perguntam isso, que tem sido um assunto até mais discutido do que a copa de futebol (acho ótimo), e sempre pontuo algumas coisas. A principal delas e que vejo poucos se preocuparem, pois se preocupam que um pode ser o primeiro negro presidente (Joaquim Barbosa), o outro, um gestor da Riachuelo, (Flávio Rocha), outro, socialista, outra, comunista, outra, ativista. Juro que não me importa nada disso, me importa se o candidato é HONESTO, tem CARÁTER e tenha pulso firme e rabo solto, pois vai precisar.

Agora, se é preto, branco ou amarelo, se é gay, machão, se gosta de comer com a mão, ou se só usa terno, não tô nem aí.

É muito importante que se vote em algum candidato, seja ele qual for. Os votos brancos e nulos não servem para anular eleição nenhuma, eles simplesmente não são computados como válidos, sua ‘validade’ seria apenas como protesto, e neste caso seria muito mais útil se fôssemos às ruas com paus e pedras, surtiria mais efeito.

No começo da nossa conversa eu disse que "se não aparecer um candidato coerente e correto eu votarei no Bolsonaro“. Ainda faltam alguns meses até à eleição e certo mesmo para mim hoje é que:

1) Não voto em ninguém que tenha a mínima SUSPEITA de conluio com algo errado;
2) Não voto em ninguém que esteja buscando a reeleição;
3) Não voto de forma alguma em ESQUERDA (moderada ou extrema) nem que seja o Papa Francisco o candidato;

4) Não voto nos que sejam ex-esportistas, cantores fora de moda e celebridades instantâneas de programas medíocres de televisão;
5) Não voto nos que sejam representantes de minorias de qualquer origem e somente utilizam essa exposição em benefício da obtenção do voto dos incautos;
6) Não voto nos que professem qualquer tipo de preconceito contra maiorias, símbolos, etnias, religiões, etc.;

7) Não voto nos que se apresentem como apadrinhados deste ou daquele nome de maior destaque;
8) Não voto em quem promete vantagens, benefícios e lucros pessoais, em troca do voto;
9) Não voto em representantes de igrejas, seitas, cultos, que abusam dos mansos e dos ingênuos, usando a fé como instrumento de estelionato moral e financeiro;

10) Não voto naqueles que não respeitem a legislação e façam propaganda emporcalhando a cidade.

Me parece que vão sobrar poucos ou talvez nenhum, e aí o bicho pega, pois vou ter de votar no EXTREMO, única forma de eu violar um dos itens acima.

Então, votar em branco ou anular o voto, jamais! É isso?
Sem dúvida alguma, jamais voto branco/nulo. Com isso, ao invés de protestar, você diminui a margem de votos válidos e, portanto, qualquer tartaruga sobe no poste. Neste caso, a omissão do voto elege um demente com poucos votos.

Outra coisa, a urna eletrônica, no meu entender, não é confiável, mas não acredito que consigam manipular os votos endereçados a qualquer candidato, mas os nulos e em branco, sim, podem ser mascarados facilmente.

As pessoas precisam entender que o voto tem de ser útil.
Temos de votar!

Well, já que estamos falando de política: sobre a política internacional, o que tem vontade de nos dizer?
As necessidades de cada nação são muito peculiares e cheias de influências, morais, ideológicas, religiosas, culturais, econômicas, de poder, enfim, uma salada, tal como os instintos e desejos humanos, em geral absolutistas e irredutíveis de que as suas convicções são as corretas e por isso geram conflitos.

Os ESTADOS, no meu entender, seja qual for a sua convicção ideológica ou religiosa, etc., não devem interferir na gestão dos seus povos, devem sim criar um ordenamento jurídico responsável e adequado a uma realidade geral, devem suprir as demandas fundamentais de saúde, educação, segurança, e outras necessidades básicas, como urbanismo, saneamento, etc.
O resto o povo faz, até a economia funciona bem sem a interferência do Estado.

Nenhum Estado deve se meter na maneira como o outro vive. Por isso, temos os conflitos, é a intolerância do Estado e o fanatismo de seu povo que fazem as grandes cagadas.

Donald Trump é um nacionalista ferrenho e suas atitudes demonstram isso. Deixar o Acordo de Paris e o Acordo Transpacífico foram indicadores claros de uma vontade de se isolar do mundo e de se fortalecer. Com este afastamento das questões internacionais ele abre para França, Alemanha, China e outros, uma brecha para que eles passem a influenciar a globalização e o próprio comércio.

Um louco que pode dar certo, suas rusgas com a Coreia do Norte e Palestinos podem em algum momento produzir algo interessante.

Este ano, na América Latina, teremos cinco eleições. Cuba, por exemplo, deixou de ter um Castro à sua frente – aqui sim, uma mudança que pode ser muito importante para a abertura externa e interna.

México, Brasil, Colômbia e Paraguai também terão eleições, seus resultados não devem afetar os rumos do mundo. Em geral, continuaremos a ser um zero à esquerda.

Putin, reeleito em março, continua a sua busca de recuperação interna, que vem tendo sucesso, superando seus dissabores com os embargos e sanções da União Europeia e EUA.

Suas interferências militares e diplomáticas e apoio militar e/ou interferência política e geopolítica têm gerado resultados difíceis, basta ver Ucrânia e Crimeia. Sua luta contra o Estado Islâmico fortaleceu muito a sua influência no Oriente Médio, mas podem divergir muito e as reações do mundo podem gerar mais conflitos se não adequadamente controladas.

Coreias, protagonistas de um barril de pólvora. Há poucos dias deram  mais um passo importante na recuperação do entendimento entre ambas, (reunião de parentes separados pela guerra), me parece que eles vão se entender bem. O problema está no Norte, Kim Jong não é louco (tem feito tudo de forma muito controlada), ele só detesta seu cabelo, o risco permanente existe e seu programa nuclear pode ser o fiel da balança entre paz e guerra.

A China cada vez mais se consolida como nação influente, emergente e vitoriosa,  com um sistema econômico capitalista violento, e mudanças claras na política interna. É através de Xi Jinping que veremos as grandes mudanças no mundo. Ele tem se mostrado um exímio moderador (muito mais ouvido e respeitado que Trump) nas questões mundiais difíceis, e é a voz mais potente nas questões de globalização e comércio exterior.

O Estado Islâmico, este sim, em franca decadência, não deve nem ser muito falado.

A guerra civil na Síria tem de acabar e Bashar al-Assad deve ser morto, mas este conflito pode render muita dor ainda, e a Rússia pode piorar tudo lá.

Iêmen e Arábia Saudita, aliados, e os Houthis apoiados pelo Iran, é um conflito interno que me causa preocupação.

Por falar em Iran, Trump ao deixar a bola do acordo nuclear passar para o Congresso deixa o acordo sem validade e sabe lá como isso será resolvido, filet para o Iran que vai se deitar nos gringos.

O BREXIT e União Europeia.
A União Europeia vai jogar duro com o Reino Unido, principalmente na ideia estapafúrdia de sair do bloco e ainda querer manter as relações e acordos comerciais. Acorda, Alice!, não vai rolar, vocês erraram feio.

A União Europeia terá de resolver os seus problemas internos e partir de forma agressiva nas relações econômicas, atualizando-as neste fraco avanço produtivo e econômico.

A imigração é um problema a ser visto com cuidado, o discurso anti-europeu já está bem avançado, vários parlamentos locais estão sendo ocupados por estes nacionalistas e contras.

Israel e Palestinos, esta merda toda já começou errado  desde Moisés  (a  ideia de libertar o povo judeu  da escravidão egípcia) e vem até hoje passando pela burrada da ONU (em 1948, no pós-guerra, com  o mundo solidarizado e sensibilizado  pelo horror do  Holocausto, uma espécie de compensação)  em arrumar um lugar para os judeus, até então um Povo, e os  transformarem  em uma Nação ou Estado, doando uma parte das terras  de uma  então colônia de  concepção  britânica de maioria árabe  aos judeus para formarem o Estado de Israel (e temos de buscar entender o que é Povo e o que é Estado, e se não souberem esta diferença não tem conversa).

Os árabes foram removidos à força e os judeus colocados ali sem pudor algum ocupando e se apropriando das casas, instalações, plantações e comércio – para mim, uma violência de menor valor que o holocausto, mas vergonhosa da mesma forma.

Ao se fazer isso ali naquela região, e entendo que todos tinham seus motivos religiosos, geopolíticos e históricos para querer ali estar, mas já dava para ver que não ia dar certo pela condição extremista dos dois lados, nunca se deram bem e era fato que assim continuariam e que os conflitos seriam extremados.

Por que não instalaram os judeus na Amazônia ou em outro lugar? Bastava eles cederem a algumas coisas e recriariam sua identidade muito mais fortes, mas a intolerância é a mãe da ignorância e aí temos o resultado.

Apenas como curiosidade, Moisés "foge" com os judeus do Egito e vai em direção à terra prometida (somente a Torá e a Bíblia dizem onde é sem nenhuma referência confiável e verdadeira), na hoje Palestina, conforme as escrituras. Quem decidiu que era lá foi um pedaço de papel escrito por sabe quem, e pela ideia política do Moisés, não existe nenhum registro histórico de tal êxodo. No deserto e montanhas da região do Sinai são pouco mais de 200 km de distância em uma faixa de não mais de 50 km, já se explorou ali todo o terreno e não existe nenhuma comprovação de atividade humana em número tão grande de pessoas (600.00 segundo Bíblia e Torá), alimentar e dar de beber pra esta galera com maná e orvalho, não cola, não rola.

Outra coisa, duzentos quilômetros são percorridos a pé, com muita preguiça, em no máximo DEZ dias, novamente os textos falam em quarenta anos, por conta dos castigos impostos por Deus que estava puto dentro da toga de tanto ouvir os lamentos do seu povo escolhido em ter de andar tanto.

Alguns, que ainda acreditam neste conto, alegam que Moisés se perdeu por conta do GPS estar sem bateria, brincadeira. Alegam que havia a necessidade de purificação do povo judeu,  (judeus  não assimilados, ou seja, os que não se casam com judeus e que não mantêm a sanguinidade,  e que mesmo em outros lugares não assimilam os usos e costumes que sejam não judeus). Eles precisavam ficar isolados em algum lugar e ali esperarem pela morte dos mestiços e ajustarem os casamentos da forma mais pura para manter a nova prole com o sangue judeu PURO, para só então puros irem à Terra prometida (por um sabe quem).

Naquela época, devido a expectativa de vida ser baixa, quarenta anos representavam duas gerações, tempo suficiente de purificação e doutrinação, assim ele consegue usando o nome de Deus fazer uma limpeza sanguínea e étnica.

Se pensarmos nisso com clareza e frieza veremos que foi um ato absurdo de preconceito e intolerância. Como pode algo dar certo começando assim?


Outros historiadores alegam que isto nem tenha ocorrido, e acabam matando até a ideia dos dez mandamentos recebidos por Moises (sozinho) no alto de uma montanha, sem referência geográfica nenhuma (fato estranho mesmo nas escrituras, que mesmo imprecisas davam ideias bem reais das localizações com referências confiáveis).

Ou seja, na minha cabeça, desde muito jovem deixei de ver a Bíblia e outros livros sagrados como livros de HISTÓRIA e de RELIGIOSIDADE, e passei a vê-los como livros de estórias que valorizam a fé e os bons conceitos, e basta. Já li o  o Velho e o Novo TESTAMENTO, o TORÁ e TANAKH, o ALCORÃO, a CODIFICAÇÃO ESPÍRITA, VEDAS, GURU GRANTH SAHIB  etc... Todos eles falam basicamente as mesmas coisas e têm quase as mesmas regras: o AMOR, amar seu Deus e sua fé, amar o próximo, a natureza e as coisas, respeitar e viver bem com tudo e todos, ser gentil e humilde sem se deixar dominar pelo ódio e pelas paixões, ser correto e honesto com você mesmo e com tudo, ou seja, só tem coisa boa, por que em nome da FÉ não as praticam?

Me desculpem aqueles que acreditam de forma cega, eu os respeito profundamente, pois acreditar assim e se praticarem de forma real tudo que veem ali é um imenso ato de amor e entrega, digno dos especiais, admiro aquele que acredita por FÉ, e abomino o que acredita sem pensar.

Você acha que houve eleições, de verdade, em Cuba?
Lá sempre houve eleição, a chamada eleição controlada: é uma espécie de parlamento ou concelho e são mais de seiscentos caras que votam, estes, em sua maioria, uma velharada do regime e alguns novos, inclusive o filho de Raúl Castro.

Então se trata de uma eleição indireta, o ponto bom é que Miguel Diaz, tem 56 anos, muito mais jovem que os babões comunistas, e de ideias mais amenas em relação ao regime, favorável a uma abertura econômica e à iniciativa privada. Óbvio que não será ele a mudar os dogmas do regime, mas ele irá preparar o terreno para que haja um avanço fundamental. 

Qual a sua ocupação atual?
Muitos meses antes de me aposentar e me desligar da aviação, já prevendo que ficaria com meus proventos comprometidos em função da miséria que se paga, e sem AERUS, e também por ainda estar bem e não gostar de ficar parado me preocupei em arrumar uma outra atividade.

Neste ponto a Ana Claudia foi fundamental,  ela plantou a semente de investirmos em algum negócio, começamos a pesquisar, e dentro daquilo que eu sabia fazer decidimos que seria uma marcenaria.  Nessa ocasião começamos a nos preparar  com cursos de empreendedorismo e gestão no SEBRAE e tabular os custos e investimentos iniciais bem como a busca do ponto ideal, findo este processo arrumamos um bom ponto, começamos  a montar os equipamentos e buscar os profissionais adequados ao nosso propósito!

Hoje então sou um empresário do ramo moveleiro, sócio da Ana, nossa empresa é uma EPP-Empresa de Pequeno Porte com alguns incentivos fiscais. A Ana é responsável pela parte financeira e administrativa, e eu da parte operacional, cabe a mim a visita aos clientes, medições, projetos e distribuição dos trabalhos, acompanhamento, controle de qualidade, etc.


Durante a preparação eu fiz várias atualizações na área de marcenaria e alguns cursos em relação a restauração histórica de móveis e marchetaria. Neste segmento que gosto muito, sou eu quem executo todo o trabalho de pesquisa, de busca de materiais, e eu mesmo cuido das peças, ainda treino um de nossos aprendizes nesta arte.

Quando não estou na rua captando clientes ou fazendo compras (raro isso pois quase tudo se negocia pela net e WhatsApp) estou na produção, nenhum projeto sai sem que tenha meu envolvimento direto, não por ser centralizador não, é por gostar do que faço!

Lá temos um grupo de colaboradores assim:
um mestre marceneiro (fixo), um marceneiro meio-oficial (fixo), ajudante (fixo), um pintor laqueador (eventual), e outros marceneiros, ajudantes e montadores eventuais que atuam conforme a produção requer, trabalham por empreitada e os encargos são mínimos!


Você conhecia o cão tabagista?
Eu já havia visto algo em sua página do FB, mas, confesso (com vergonha), não havia entrado e não conhecia a proposta do BLOG.

Quando começamos a falar sobre a entrevista, aí sim, fui pesquisar e gostei demais do que vi.

Você, desde que nos conhecemos lá nos idos de mil novecentos e alguma coisa (época ACVAR), sempre se mostrou uma pessoa culta, antenada e principalmente engajada. Sua respeitável forma de agir e suas colocações são sempre oportunas e extremamente equilibradas.
Seu BLOG não poderia ser diferente, a criatura sempre segue o rumo do criador. Parabéns pela iniciativa.


A pergunta que não foi feita...
Creio que a pergunta que não foi feita é "você é ou está feliz?”.

Como todo mundo, tive meus momentos ruins, de dificuldades, desilusões, desesperos, mas estes eventos são a forja do caráter e da determinação de um ser humano.


As cargas que recebemos são para ser carregadas, nas costas ou em um carrinho, cabe a você ter a inteligência e discernimento para distribui-las e continuar indo para a frente, usando o aprendizado para cada vez mais ser feliz.

Então, a resposta é: sim, fui Feliz e estou Feliz, tive chances e benesses em número muito maior, tive de me reinventar algumas vezes e em todas fiz do melhor jeito e dando o meu melhor, e por isso estou feliz e satisfeito.

Tenho filhos saudáveis (física e emocionalmente), inteligentes e bem encaminhados, uma companheira fenomenal, meus pais e parentes com saúde e bem, tenho uma vida confortável, como não ser feliz?

Uma derradeira mensagem...
Bom, Jim, agradeço muito a oportunidade ímpar que me deste em relembrar algumas passagens de minha vida, de meus valores, nesta correria cotidiana poucas vezes temos tempo para olhar para nós mesmos. Foi um excelente exercício.

Parabéns pela iniciativa de seu BLOG e por sua constante busca em informar, alertar e divertir a todos nós.

Até 2019, estarei aí para lhe dar um abraço forte.

Agradeço aos seus leitores e peço que entendam, as respostas são sinceras, são minhas visões e expectativas do passado e do futuro, ninguém, além de mim, precisa gostar delas, espero não ter ofendido a ninguém, nem convicções alheias.

E depois de   ler as minhas respostas   pense em como você responderia, empenhe-se em buscar no seu coração o valor de cada uma das reflexões que os pensamentos diversos podem construir, e lembre-se sempre que cada pessoa gera uma resposta de forma única, exatamente como somos, únicos, jamais se afaste da singularidade de cada um.

Preciso agradecer imensamente a Ana Claudia, meus filhos, meus pais, meus amigos e colegas, sem os quais jamais teria uma vida!


Muito obrigado, Marco!

Conversas anteriores:

30 comentários:

  1. Excelente entrevista com o Marco . Não recordo de te-lo conhecido , mas certamente foi ( e ainda é) brilhante a carreira na aviação.
    Destacamos algo importante colocado pelo entrevistado:

    " Tivemos de forma contundente conchavos políticos desfavoráveis, tivemos muitos "salvadores" (internos) da Pátria com egos maiores que a Varig.

    Nós todos tivemos nossa culpa também, claro, pois tivemos inúmeros sinais da decadência (não recolhimento do FGTS para as contas, INSS , mudanças no AERUS, enfim, estes sinais de conduta de quem está indo para o vinagre aconteciam e poucos de nós percebiam ou viam isso"...
    Estamos de pleno acordo com tais dizeres , reforçando a ideia de que em uma relação envolvendo duas partes, cada uma contribui com 50 % do(s) resultado(s); e por ser "politicamente incorreto" , achei interessante a sistemática , a maneira de proceder, quanto ao votar .É por aí, o caminho ! Todos nós temos dois lados, o esquerdo e o direito ; na política também há a "situação" e a "oposição", e dependendo do momento temporal que se está atravessando , ambos se alternam de acordo com a conveniência... atualmente , no Brasil, a "esquerda" está mais para "anarquista", baderna e agitação, do que empenhada em fazer o tão aclamado "socialismo" em prol dos que se dizem excluídos .Socializar com dinheiro alheio é moleza ! Não custa reforçar que "vermelho" somente:
    As rosas, o corpo de bombeiros e o fogo da paixão!
    Parabenizamos Marco Sichi pela maneira como conduz seu dia-a-dia e o apreço aos seus.
    Grande abraço!

    Sidnei Oliveira
    Assistido Aerus - RJ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ego maior que a VARIG ? Você explicar melhor como isto funcionou...

      Excluir
    2. Boas Sidnei , obrigado ,
      em relação a sua pergunta , eu disse "que as pessoas que tinham o poder de decisao tinham seus egos ,ou seja suas vaidades , tao grandes, era mais importante dizer que eram os fodoes do que o tamanho real da empresa que era enorme , estas pessoas queriam ser o pais da criança ( das ideias e solucoes ) mas nao queriam ou tinham inteligencia concebe-la , nao tinham paciencia e competencia para gesta-la , nao tinham coragem e humildade para pari-la e se esqueceram que tinham de amamentar e nao mamar !

      Excluir
    3. A pergunta do "Anônimo" não é minha ... outra pessoa o fez, mas esqueceu-se de assinar...

      Entendi perfeitamente as suas colocações e não restou dúvida em nada; por isso destaquei o trecho da sua escrita!
      A VARIG era uma mega empresa, e por último muitos do alto escalão ( do médio também) talvez se julgassem superiores ou mais gostosos do que os demais ( o "EU" era mais forte e preponderante). Enfim, tudo o que sobe um dia desce ( é ou não é ? rsrsrsrs) e a VARIG é hoje uma lembrança daquilo que vivemos.

      Abração.

      Sidnei Oliveira

      Excluir
    4. Uma história de vida!
      Uma história na aviação sendo parte da história da aviação!
      Um amigo que nos enche de alegrias...um pai devotado..um homem como poucos..íntegro..reto...humano..
      Muito orgulho de nossa amizade!
      Saúde e muito sucesso querido! Iracema e Yanis

      Excluir
  2. Bom colega de trabalho, meu caro Marco Sichi! Desejemo-nos sorte e distancia de Elnio e APVAR. quem sabe assim consigamos receber os valores do rateio, porque afinal não fomos agraciados como os poucos que receberam AERUS e rescisão trabalhista integrais. Quem não se lembra dos escolhidos para as 12 horas que beneficiaram os nomes do primeiro escalão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado , nao mantenho grandes esperanças em receber algo , mas apoio toda e qualquer iniciativa .

      Excluir
  3. Seria outra entrevista minha.
    Discordo da extensão mínima dada ao "cosmopolita", eu me considero cidadão do mundo, e não o conceito ínfimo daquele que viaja muito.
    De resto acredito em reencarnação a partir de hoje.
    descubro que não estou só no Brasil.
    Gostei do livro...
    fui...


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado meu caro Vanderlei , todo e qualquer tripulante , de rodomoça a astronauta é cosmopolita , somos em geral descobridores .
      grande abraço

      Excluir
    2. F/E Rocha, pseudônimo rochinha

      Excluir
  4. Parabéns! Mais uma vez, ao Entrevistador e Entrevistado! Excelente! Muito informativa, em experiências vividas, de um Profissional, Aeronauta. Todos nós, que muito viajados fomos , sempre temos muitos fatos e causos a Compartilhar, acho isto muito “bacana”, por parte de quem o faz. Grande generosidade do Entrevistado em dividir tais vivências! Longa, mas muito intensa Entrevista. Muito bom! Um Abraço Fraterno ao Marco, e a todos leitores desta nossa Revista Virtual!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Volkart ,
      Obrigado por sua gentil postagem ,
      grande abraço
      Sichi

      Excluir
  5. Parabéns, Marco.
    Muito elucidativa a tua entrevista.
    Uma aula sobre aviação.

    Idacil

    ResponderExcluir
  6. Excelente reportagem , belo exemplo de vida!
    Parabéns ao entrevistado e ao entrevistador!
    Porém... Discordo da tese de que "Sem dúvida alguma, jamais voto branco/nulo. Com isso, ao invés de protestar, você diminui a margem de votos válidos e, portanto..."
    Esta não se sustenta!
    Pois ao diminuir a margem de votos validos , não necessariamente diminuirá a porcentagem destes, refentes do candidato que tem a simpatia da maioria dos eleitores.
    Exemplificando; o candidato que tiver 40% dos votos validos , permanecerá nesta margem independente dos votos validos.
    E ,permita; se obrigar a votar no menos ruim ,também, é ruim!
    Abraços e novamente meus cumprimentos pela entrevista.
    Paizote

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 100 votos validos se elege com 50% + 1 = 51
      80 votos em branco se elege com com 21
      Desde 2014 os votos NULOS E EM BRANCO NÃO SÃO CONSIDERADOS VOTOS VÁLIDOS.
      A ÚNICA DIFERENÇA FICOU NO QUOCIENTE ELEITORAL.
      Digamos que numa cidade de 1000 votos válidos, e ela possua 10 vagas para vereador.
      Um partido ou coligação precisa de 100 votos válidos para eleger uma vaga.
      Só pode preencher a vaga se pelo menos UM dos candidatos tenha conseguido 100 votos. Se não tiver a vaga é transferida para outro partido ou coligação.
      Com a nova regra para o voto na legenda, mesmo se um partido atingir o quociente eleitoral, só poderá preencher a vaga se um dos candidatos a vereador desse partido tiver conquistado, pelo menos, 10% do quociente.
      Se não houver um candidato com a votação mínima, a Justiça Eleitoral fará um novo cálculo, e as duas vagas serão transferidas para outro partido ou coligação cujos candidatos cumpram o requisito.
      fui...

      Excluir
    2. Acho que errei colocando 21 seriam 11.
      Só comento o fato pois com nulos e brancos nós não diminuímos a porcentagem, mas diminuímos substancialmente o número de votos necessários para atingir o 50% + 1

      Excluir
    3. Paizote Obrigado .
      a singularidade de ideias é que fazem o mundo melhor .
      eu acho que sua ideia sim tem fundamento ( em uma eleição com poucos candidatos e com um muito forte ) , mas em uma eleiçao tão pulverizada e de fauna tao diversa havera diferenca sim no voto valido .

      Excluir
  7. Muito bom!!!!!
    Elaine Miela Gonçalves

    ResponderExcluir
  8. Tive o prazer de voar com o Marco, ele e mt inteligente e bem resolvido. Parabéns pela entrevista.
    Maria Cecilia Schuffner

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Cecilia , bom ver pessoas queridas por aqui. beijo grande

      Excluir
  9. Parabéns para toda a Família!
    Robinson Mattos

    ResponderExcluir
  10. Capital social de unidade da Varig vai a leilão em maio – InfoMoney
    Veja mais em: http://www.infomoney.com.br/negocios/grandes-empresas/noticia/7403529/capital-social-unidade-varig-vai-leilao -maio

    ResponderExcluir
  11. Sem o mínimo pudor, mas com imensa admiração... Sichi você é FODA! Bjo no coração, foi um prazer trabalhar contigo, retentor de tantas experiência. Que seus caminhos sejam para o alto e para frente sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado , mas todos somos foda , fora uma meia duzia de 100

      Excluir
  12. Olha o primo aí!!! E olha que não conheço pessoalmente ainda!!! Parabéns e que Deus abençoe sempre.... beijo da prima Paula do tio Hugo Moraes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigação Paula , em breve está pendência será resolvida , bj

      Excluir
  13. Adorei a entrevista !!admiro seu profissionalismo e seu postura !! Faço parte da tripulação! Grande beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Paula e Lise , saudades de vocês

      Excluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-