quinta-feira, 17 de maio de 2018

Tomates com lama

Haroldo Barboza

Às 15h00 daquela quinta-feira nublada de agosto, o telefone amarelo emitiu suaves sons na Capital da República de Esquesópolis (onde tudo se esquece com certa rapidez). Tadeu largou o jornal na mesa, umedeceu os lábios ressecados, prendeu o fone no ombro direito (o esquerdo estava com bursite), colocou o bloco e a caneta em posição e exclamou a frase padrão:
- Pizzaria Beleza. Em cinco minutos estaremos em sua mesa!

Do outro lado, a voz cavernosa, mas sussurrante rebateu:
- Seria possível enviar quatrocentas e cinquenta pizzas de tamanho família, sabor tomate, aqui para a Câmara dos Defuntados? Vamos efetuar uma breve comemoração aqui na “Casa do Povo” (?) depois de uma extenuante jornada de três dias em prol da Pátria.

- O que vocês fizeram de tão importante?

- Salvamos dois bancos particulares da falência, perdoamos as dívidas dos usineiros da região Norte, aprovamos o aumento de cinco impostos, transferimos o aumento salarial dos servidores para daqui a três anos para manter a inflação baixa, fechamos cinco CPI’s sem prender nenhum colega e negociamos a votação da reeleição do Presidente em troca de um abono mensal para nós.

- Por que não foram pedidas quinhentas e treze pizzas?

- Porque alguns integrantes metidos a honestos votaram contra estas medidas e por isto não merecem ser premiados. São estes elementos que impedem o progresso da Nação!

- Posso enviar e encomenda em vinte minutos?

- Nada contra. A quanto sai cada unidade?

- R$ 17,40. Mas vou fazer um desconto e deixarei cada uma por R$ 17,00.

- Que tal lançar R$ 28,00 na nota e dividirmos a diferença? A União paga.

- Nossa firma não faz acordo deste tipo!

- Só não vou fazer o pedido em outra firma pois sei que não terão condição de nos enviar a mercadoria em tão pouco tempo. Mas no futuro, vou procurar uma que saiba negociar. O pagamento pode ser feito em cheque fantasma para sessenta dias ou títulos precatórios?

- Nada disto. Grana viva.

- Tudo bem. Favor entrar pelo portão da ala Sul, onde não existem jornalistas.

Às 15h30 o furgão ultrapassou o portão indicado e estacionou a menos de cinco metros da porta da cozinha. Quando o motorista e o ajudante estavam carregando os dois primeiros embrulhos contendo as pizzas com marmelada e tomate, foram seguros por oito troncudos rapazes da segurança local, enquanto um sujeito de bigode grisalho de paletó branco, envolto em gaze de múmia gritava eufórico:

- Chamem a imprensa rápido. Digam que prendemos os culpados pelos escândalos que envergonharam o País nos últimos dezanos. Vamos mostrar ao mundo que trabalhamos de maneira séria e com eficácia, colocando os culpados atrás das grades. Creio que desta vez serei promovido a Chefe da Segurança da granja do homi. 
Título e Texto: Haroldo P. Barboza, 3º lugar Concurso Oliveira Caruso 2018, janeiro de 2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-