segunda-feira, 1 de outubro de 2018

[Foco no fosso] “Generosa” lei

Haroldo P. Barboza

A imagem da justiça segurando a espada e com os olhos vendados já não comove aos pobres brasileiros. Eles já sabem que se roubarem poucos valores, não terão meios de contratar um time de advogados especializados em descobrir as falhas (propositais) dos textos para salvá-los das penalidades, nem argumentos financeiros para subornar os integrantes do seu processo (desde policiais até juízes). Em suma: sabem que serão condenados de qualquer forma, tenham participado de uma chacina numa lanchonete ou tenham furtado uma lata de leite em pó. Quem coloca 2,5% gramas a menos dentro de cada lata de qualquer produto, roubando milhares de consumidores, está livre, risonho e seguro. Assim como donos de laboratórios que despejam remédios duvidosos no mercado.

Se um esfomeado surrupiar uma bisnaga dura de uma padaria, vai comer o “pão que o diabo amassou”.

De forma oposta, quem subtrai enormes valores dos cofres públicos encobertos por falsas licitações, fazendo circular notas frias majoradas pelos gabinetes dos governantes subornados e carregando as divisas obtidas para os paraísos fiscais, sabe que está isento de qualquer investigação que possa denegrir sua imagem "digna". E mais: que é um sério candidato a receber alguma comenda de alguma câmara pública da cidade onde reside e onde patrocinou a construção de uma creche para os filhos das lavadeiras (depois de ter desviado verbas de centenas de escolas da região).

Portanto, não é de se estranhar que deputado construtor tenha sido absolvido depois de colaborar para a morte de oito pessoas e de trazer tristeza a dezenas de famílias que moravam no luxuoso condomínio Palace II na Barra. Lalau foi condenado a somente oito anos (pasmem) depois de desviar alto orçamento público. Por ser idoso, primário, bem-comportado, estar doente e outras "atenuantes", após uns meses de "férias" teve sua prisão relaxada para gastar seu "suado" dinheiro. Também já não causa surpresa que senadores que enriqueceram em cinco ou dez anos de extenuantes práticas ilegais, possam retornar à vida pública logo após renunciarem (com pose de heróis, vítimas inocentes de um conchavo para eliminá-los), para evitar a expulsão por seus atos imorais para com os que confiaram em suas atuações em prol da sociedade.

O pior de tudo é que os integrantes do povo tendem a recolocá-los no poder. Eles não receberam um mínimo de ensinamento para valorizar sua cidadania e para perceberem os malefícios que estas raposas causam em nossa sociedade. Basta uma campanha eleitoral bem dirigida, exibindo artistas que nos decepcionaram dando largos sorrisos a favor dos facínoras de gravata. Se isto não funcionar, ainda existe a possibilidade de adulteração das urnas eletrônicas não adequadamente testadas por entidades civis. Já treinaram por longo tempo no painel do Senado.

E para os eleitores indecisos, uma série de BBBB com corpos desnudos ajudam a esquecer dos tais candidatos “honestos”.   
Título e Texto: Haroldo Barboza, 1-10-2018



Anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-