sexta-feira, 2 de novembro de 2018

[Coisas da América] Ministérios

Declaração da Independência dos EUA, 1776, quadro de John Trumbull, 1817–1818

Pedro Frederico Caldas

Sob este título passarei a esclarecer variados aspectos da vida americana na economia, geografia, política, cultura, costumes, história, enfim, o modo de vida americano (american way of life) etc.

Tudo que considere oportuno e do interesse dos brasileiros passarei a tratar aqui em pequenos textos, pílulas, tudo ao correr da pena, ou ao bater da tecla.

Tenho-me dedicado, com muito afinco, a estudar a América e estou fascinado com essa tarefa que me impus. Assim, de vez em quando tratarei de um tema, principalmente quando a matéria pode ser cotejada com algo similar no Brasil. Feito esse esclarecimento, vamos ao tema de hoje.

MINISTÉRIOS: O presidente não tem ministros, tem secretários. As secretarias do governo americano equivalem aos ministérios do governo brasileiro. São quinze secretários. O mais importante de todos, pela importância dos EUA no mundo é o secretário de estado, equivalente ao ministro das relações exteriores no Brasil.

A maior economia do mundo não tem ministério do planejamento. Quem planeja economia e estado interventor sempre dá errado.

Não há também o equivalente a um ministério do meio ambiente. O vice-presidente tem um papel ativo, está sempre enfronhado nos problemas do governo. O Brasil, em contraste, chegou a ter cerca de quarenta ministérios. Haja dinheiro para jogar fora. Por hoje, basta.

Se alguém tiver alguma sugestão para um tema a ser abordado é só sugerir. Se tiver condições, farei uma exposição sucinta do tema sugerido.

Um abraço do
Pedro Frederico Caldas, Aventura, EUA, 2-11-2018

3 comentários:

  1. Já que foi solicitado sugestões, faço uma !
    A maioria dos brasileiros que vivem nOS eua , cometem o pecado de achar que tudo o que é americano é melhor!
    Este é um sintoma que faz parte da sindrome do "cucarachas".
    O Brasil tem milhares de coisas melhores do que muitos países, inclusives do que o EUA, então minha sugestão seria analisar o que melhor temos , valorizando o Brasil para os gringos, e não submetendo -se aos americanos aumentando sua empáfia.
    Ou como digo à minha filha casada com americano e lecionando em Washington , se o Brasil era tão ruim que não deu para ser feliz aqui, só fale no ou do Brasil no exterior se for para elogiar e louvar este país !
    Tem que estar aqui , engolindo os sapos, para critica-los!
    Abs

    Paizote

    ResponderExcluir
  2. Eu não gosto muito de eruditismo, mas por vezes faz-se necessário.
    Também acho que devemos copiar o "stablishment" que dá certo.
    Também devemos rever nossos conceito de estilo de vida.
    Por exemplo, eu vivo numa prisão, cerca de 25000 volts, muros altos, grades nas portas e janelas. Só não tive grana para construir o "labirinto" que é uma cela eletrônica onde o carro entra, e só abre a entrada para a casa depois de fechado, e o portão de entrada na casa só abre pelo celular ou alguém dentro de casa. Que mundo vivemos?
    Sou prisioneiro de mim mesmo.
    Sou a favor do voto distrital tal e como nos USA, deputados por habitantes.
    Aqui estados com 500 mil habitantes tem 7 deputados 1/50000
    São Paulo com 4o milhões tem 70 1/580000 habitantes.
    Isso não dá representatividade proporcional.
    É muito pior que o sistema "gerrymandering" americano.
    Agências de controle são mais baratas e mais produtivas.
    Exemplo é o FAA que é uma agência privada no Brasil a ANAC só fode o contribuinte.
    Cansei e fui...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super adoro teus comentários. Furacão Vanderlei Rocha!

      Excluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-