sexta-feira, 2 de novembro de 2018

[Coisas da América] Ministérios

Declaração da Independência dos EUA, 1776, quadro de John Trumbull, 1817–1818

Pedro Frederico Caldas

Sob este título passarei a esclarecer variados aspectos da vida americana na economia, geografia, política, cultura, costumes, história, enfim, o modo de vida americano (american way of life) etc.

Tudo que considere oportuno e do interesse dos brasileiros passarei a tratar aqui em pequenos textos, pílulas, tudo ao correr da pena, ou ao bater da tecla.

Tenho-me dedicado, com muito afinco, a estudar a América e estou fascinado com essa tarefa que me impus. Assim, de vez em quando tratarei de um tema, principalmente quando a matéria pode ser cotejada com algo similar no Brasil. Feito esse esclarecimento, vamos ao tema de hoje.

MINISTÉRIOS: O presidente não tem ministros, tem secretários. As secretarias do governo americano equivalem aos ministérios do governo brasileiro. São quinze secretários. O mais importante de todos, pela importância dos EUA no mundo é o secretário de estado, equivalente ao ministro das relações exteriores no Brasil.

A maior economia do mundo não tem ministério do planejamento. Quem planeja economia e estado interventor sempre dá errado.

Não há também o equivalente a um ministério do meio ambiente. O vice-presidente tem um papel ativo, está sempre enfronhado nos problemas do governo. O Brasil, em contraste, chegou a ter cerca de quarenta ministérios. Haja dinheiro para jogar fora. Por hoje, basta.

Se alguém tiver alguma sugestão para um tema a ser abordado é só sugerir. Se tiver condições, farei uma exposição sucinta do tema sugerido.

Um abraço do
Pedro Frederico Caldas, Aventura, EUA, 2-11-2018

3 comentários:

  1. Já que foi solicitado sugestões, faço uma !
    A maioria dos brasileiros que vivem nOS eua , cometem o pecado de achar que tudo o que é americano é melhor!
    Este é um sintoma que faz parte da sindrome do "cucarachas".
    O Brasil tem milhares de coisas melhores do que muitos países, inclusives do que o EUA, então minha sugestão seria analisar o que melhor temos , valorizando o Brasil para os gringos, e não submetendo -se aos americanos aumentando sua empáfia.
    Ou como digo à minha filha casada com americano e lecionando em Washington , se o Brasil era tão ruim que não deu para ser feliz aqui, só fale no ou do Brasil no exterior se for para elogiar e louvar este país !
    Tem que estar aqui , engolindo os sapos, para critica-los!
    Abs

    Paizote

    ResponderExcluir
  2. Eu não gosto muito de eruditismo, mas por vezes faz-se necessário.
    Também acho que devemos copiar o "stablishment" que dá certo.
    Também devemos rever nossos conceito de estilo de vida.
    Por exemplo, eu vivo numa prisão, cerca de 25000 volts, muros altos, grades nas portas e janelas. Só não tive grana para construir o "labirinto" que é uma cela eletrônica onde o carro entra, e só abre a entrada para a casa depois de fechado, e o portão de entrada na casa só abre pelo celular ou alguém dentro de casa. Que mundo vivemos?
    Sou prisioneiro de mim mesmo.
    Sou a favor do voto distrital tal e como nos USA, deputados por habitantes.
    Aqui estados com 500 mil habitantes tem 7 deputados 1/50000
    São Paulo com 4o milhões tem 70 1/580000 habitantes.
    Isso não dá representatividade proporcional.
    É muito pior que o sistema "gerrymandering" americano.
    Agências de controle são mais baratas e mais produtivas.
    Exemplo é o FAA que é uma agência privada no Brasil a ANAC só fode o contribuinte.
    Cansei e fui...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super adoro teus comentários. Furacão Vanderlei Rocha!

      Excluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-