domingo, 6 de janeiro de 2019

No Princípio... Bang! : Cosmologia e Teologia: Uma Introdução ao Argumento Cosmológico Kalām

Amigos, resolvi publicar em Kindle o resultado da minha monografia em Teologia escrita em 2013. É uma apresentação ao Argumento Cosmológico kalām segundo William L. Craig. Não traz novidade para quem já conhece a sua obra, mas creio que fiz um bom trabalho, principalmente na apresentação da interessante história da cosmologia do Big Bang ao longo do século XX.

O livro está disponível por ínfimos R$8,90 (ao menos por enquanto) e para adquirir não precisa do dispositivo Kindle. Você pode ler no app do celular ou mesmo no computador.

Divulguem, por favor!

Obrigado.
Vitor Grando, 6-1-2019


“Este pequeno livro pretende trazer ao público brasileiro algo do que se tem discutido no campo da filosofia analítica da religião. Será analisado o ressurgimento do teísmo filosófico nas discussões acadêmicas da filosofia analítica que tem ocorrido desde o final da década de 1960. Como fruto desse ressurgimento do teísmo na filosofia analítica, ocorre também o retorno da teologia natural e seus tradicionais argumentos para a existência de Deus. Desses, será analisado o principal argumento para a existência de Deus da teologia natural contemporânea, subdisciplina da filosofia da religião, o argumento cosmológico kalām, cujas origens remontam ao teólogo alexandrino do século VI João Filopono, mas recebeu sua presente forma na escolástica árabe medieval.

No século XX, o argumento cosmológico kalām recebeu uma importante confirmação empírica com a cosmologia do Big Bang. Desde a publicação, por William L. Craig, da obra The Kalām Cosmological Argument, em 1979, fruto de sua tese de doutorado sob orientação de John Hick, o argumento é o mais debatido por filósofos analíticos da religião. Nesta análise, serão avaliadas raízes históricas do argumento, as evidências que sustentam suas premissas, em especial a cosmologia do Big Bang e sua pretensa conclusão.

Antes disso, iniciamos com a discussão do pensamento do grande teólogo Karl Barth e suas incisivas críticas contra a Teologia Natural de modo a preparar o terreno e cortar os entraves intelectuais contra a Teologia Natural que a partir de Barth e outros tomaram conta dos seminários teológicos no Brasil. Passaremos daí a um breve histórico das origens do argumento e, em especial, seus desenvolvimentos na escolástica islâmica, o kalām de onde o argumento tem o seu nome.

Espero, com isso, que o leitor aprecie o trabalho e se motive também a entrar nesse terreno e colocar a sua mente a serviço do Reino de Deus.”
Vitor Grando

6 comentários:

  1. Acho que vou me interessar pela leitura!

    Embora saiba de antemão que tudo o que já foi dito ou escrito sobre o assunto , são apenas teorias e hipóteses sem comprovação, que se baseiam na fé ou na falta desta.

    Assunto que acredito ,que apesar da respeitada cultura do Vitor Grando, ficará no campo das teorias e da imaginação ,pois não há como ser comprovado.

    E só pode ser entendido, até hoje , no campo da ficção!

    Mas ,talvez seja interessante!

    Paizote

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Paizote,

      Espero que aprecia a pequena obra e estou à disposição para discutir o conteúdo.

      Um abraço,

      Excluir
  2. Essa ponderação é desafiada por filósofos muito relevantes.
    Em qual causa, causou Deus?
    O que causou a causa que não pode no início princípio ter uma causa?
    Porque desacreditar EPICURO, para crer num pensamento sunita?
    Al-Gazali foi teólogo muçulmano, altamente misógino, classificava as mulheres em 10 grupos de animais.
    Pergunta-se:
    Há alguma causa em todo o universo que seja onipotente, onisciente e onipresente?
    Não mostrar prova não saber sobre que está se falando?
    Finalizando não quero contestar as crenças e a fé, pois, consciência e mente são coisas completamente diferentes.
    A crença e a fé não são INATAS, são produzidas pelos sentidos e meio ambiente.

    BANG...

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-