segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

A Venezuela é mais um exemplo do fracasso do socialismo

João Marques de Almeida

Chávez mostrou como manter formalmente a democracia sem deixar o poder. Basta controlar os recursos econômicos, a justiça e a comunicação social. Eis a atração da Venezuela para as esquerdas radicais.


Agora que o fracasso do socialismo Chavista é ainda mais evidente, o Bloco de Esquerda tenta fugir do que sempre defendeu, tratando Maduro como mais um ditador militar. Maduro é muito mais do que um ditador militar: é um ditador socialista. Aliás as experiências socialistas radicais acabam sempre em ditaduras, e muitas vezes militares. Foi assim na Europa de Leste, da União Soviética à Jugoslávia. É assim na Ásia, nos países com regimes Marxistas, como a China e a Coreia do Norte. E acontece o mesmo na América Latina, de Cuba à Venezuela, passando pela Bolívia.

Durante os últimos vinte anos, nenhum país foi tão fiel ao programa socialista como a Venezuela. O regime nacionalizou os sectores mais importantes da economia, controlou quase inteiramente a comunicação social, partidarizou as forças armadas e subordinou a justiça aos interesses do poder político. Acabou como acabam os regimes socialistas: empobrecimento geral, a maioria da população a viver na miséria, limites à liberdade, uso de violência contra as pessoas, presos políticos, batotas eleitorais e corrupção do regime. O cumprimento das promessas é que nunca aconteceu: enriquecimento, justiça social, liberdade política. Nada de positivo resultou da revolução Chavista.

Mas a Venezuela constitui um caso interessante para as esquerdas radicais na Europa, sobretudo em Espanha e em Portugal. Formalmente, continua a ser uma democracia, com partidos de oposição e com um parlamento a funcionar. Na Europa, as esquerdas sabem que hoje é impossível acabar com a democracia parlamentar. O preço seria a saída da União Europeia e o fim do acesso aos recursos necessários para distribuir pelas clientelas. Nos países sem petróleo, o socialismo precisa dos fundos europeus e do crédito barato do Euro. O regime de Chávez mostrou como é possível manter formalmente a democracia sem nunca abandonar o poder. Basta controlar os recursos econômicos, a justiça e a comunicação social. Eis a atração da Venezuela para as esquerdas radicais na Europa.

Foi esse o sonho de Sócrates para si, para o seu partido e para Portugal. Não conseguiu porque, apesar de tudo, Portugal é diferente da Venezuela. Mas tentou e a sua proximidade ao regime Chavista (e a Chávez pessoalmente) foi muito além do que exige a defesa dos interesses nacionais. Mais do que uma proximidade ideológica, Sócrates partilhava com Chávez a visão sobre o exercício do poder, o controlo da economia e os limites à independência da justiça e da imprensa.

No momento em que a Venezuela mostra a falência do socialismo Chavista, em Portugal a geringonça exibe as tentações de natureza Venezuelana. Assistimos quase todos os dias a propostas de nacionalizações de empresas, ataques à justiça, e críticas à imprensa que discorda do governo. Com muito cinismo, o Bloco distancia-se agora de Nicolás Maduro, mas sonha com um regime Chavista em Portugal. Com a geringonça, António Costa alimentou esses sonhos. 

Pior, a aliança com o Bloco reforça as heranças jacobinas e as tentações Chavistas dos socialistas. Nunca nos podemos esquecer que um antigo PM socialista tratou Chávez como “um dos seus melhores amigos”. Sócrates tinha razão. Lembrem-se disso quando assistirem ao que se passa na Venezuela. O problema não é a Venezuela, é o socialismo.
Título e Texto: João Marques de Almeida, Observador, 3-2-2019

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-