quinta-feira, 7 de março de 2019

[Para que servem as borboletas?] A aventura da vida…

Valdemar Habitzreuter

A vida por si só é uma aventura, é puro movimento que integra o passado, o presente e o futuro numa duração ininterrupta. Ela nos proporciona acontecimentos mil em sua progressão. Em seu desenrolar presenciamos coisas inusitadas, sempre coisas novas.

Não ficamos estagnados na mesmice da vida. Os dias e anos que se sucedem são irrepetíveis, sempre outros e a nos oferecer novidades. E isso nos faz pensar e indagar: o que vale a pena aproveitar nessa aventura da vida? Talvez, não questionar seu sentido, pois ela não tem pretensões finalistas, mas um simples desenrolar de si mesma.

Querer que ela atenda a algum capricho nosso é querer tirar-lhe a liberdade de seu simples desenrolar e querer imprimir-lhe algum rumo a nosso favor. Ela não se presta a ser submissa, é pura liberdade.

Assim, devo ter em mente: estou aqui para viver e basta sentir isso, comungando de sua liberdade. Para onde ela me leva não importa. Importa avançar com ela e construir um mundo belo ao meu redor.

Pois é... VIVER! Que coisa enigmática! Para uns uma aventura fantástica! Para outros uma aventura angustiante! Fantástica quando se aceita e não se receia o porvir, sabendo levar somente o necessário útil de carga para esta aventura.

Querer acumular muitos penduricalhos de todos os tipos (metafísicos, dependência de crendices supersticiosas, materialidade supérflua) ao longo dessa aventura não nos dá condições de curtir a beleza da aventura. Quanto mais leves de espírito, mais prazerosa a aventura. E o que nos torna leves? Pesar a vida com a balança do pensamento: pensar a vida.

O que é isso, vida? Ao penetrá-la com o pensamento ela nos possui por inteiro e então compreendemos o que é viver, nos dá mais coragem de enfrentar o que der e vier e, concomitantemente, sentimos uma grata satisfação.

O nosso mal é não pensá-la e, quando muito, achar que ela deve se prestar a satisfazer nossos caprichos infindos que resultam numa aventura entediante.

Pensar, pois, é penetrar a vida em seu sentido mais íntimo, destituída dos empecilhos que a torna pesada e angustiante. Pensar a vida nos desintoxica a alma do supérfluo da dependência mundana que impede a bela aventura de viver.

Não é fácil o puro pensar, pois nos obriga mais a ser do que a ter, propiciado pela tecnologia que nos engolfa na materialidade. O filósofo Heidegger afirma: “O que é mais instigante nestes tempos instigantes é que ainda não estamos pensando”... O que quer dizer pensar é algo que se revela quando nós mesmos pensamos… para sermos bem-sucedidos é preciso que nos disponhamos a aprender a pensar.”

Temos vida, e esta será enriquecida se exercitarmos a arte de pensar quando se dará a compreensão de como melhor vivê-la, qual carga necessária a ser levada nessa aventura da vida.
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 7-3-2019

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-