sábado, 11 de maio de 2019

[Coluna do Almir] Uma incógnita chamada Previdência

Almir Papalardo

A Previdência Social foi criada para dar assistência plena ao trabalhador. Tanto para aqueles que estão em atividade no mercado, quanto para aqueles que já estão inativos, os aposentados.

       
Cabe ao Poder Legislativo a principal função de protegê-los, como a todos os cidadãos nascidos em solo pátrio, ficando atentos os 513 deputados e os 81 senadores, além dos Poderes Executivo, Jurídico e também as Forças Armadas para garantirem ao povo a segurança, a paz, a ordem, o progresso, enfim, a prosperidade e o bem-estar social.

Preservar a soberania brasileira é o desejo dos nossos Poderes Públicos e de todos os cidadãos que compõem a nossa paciente população. Entretanto, até hoje, não se compreende como o Congresso foi capaz de cochilar ao ponto de permitir que fosse arquitetado um grande golpe contra os velhos e indefesos aposentados, aqueles que recebiam e por enquanto ainda recebem, mais de 01 salários mínimo. Estes, representando um terço dos previdenciários cadastrados no RGPS, único e infeliz segmento que não tem na realidade atualizações monetárias nos seus proventos, recebendo, em 18 anos, somente e muito mal, a reposição da inflação ocorrida, enquanto os outros dois terços de segurados do mesmo Regime, recebiam também a mesma correção do salário mínimo! Por que aumentos com percentuais diferentes?

Jogam assim areia nos olhos do trabalhador alegando que a Previdência não suportaria cumprir essa obrigação e além do mais, o aposentado não tem perdas concretas, pois lhe é restituído anualmente o mesmo percentual da inflação. Mas escondem do indefeso aposentado que ele não recebendo o mesmo índice de correção do salário mínimo como seus pares do mesmo regime, a sua aposentadoria é defasada em número de pisos, porque a cesta básica é atualizada conforme a correção efetuada na moeda circulante.

Se ele comprava, digamos, quatro cestas básicas, o seu provento não sendo atualizado na mesma proporção do mínimo, comprará agora somente três cestas básicas. E a cada nova correção salarial, comprará cada vez menos cestas, é óbvio. É assim que este aposentado sem que a maioria da população perceba, já tem na sua aposentadoria um surrupio camuflado acima de 80%.

O golpe indecoroso consistiu-se em deturpar o “Artigo 2º - Inciso V – irredutibilidade do valor dos benefícios a preservar-lhes o poder aquisitivo” –, da lei 8213/91, preceitos estes que já tinham sido determinados na Constituição Federal de 1988 e ratificado no Estatuto do Idoso através do Artigo 29.

Conseguiram passar uma borracha por cima daqueles artigos, desvinculando o aumento dos aposentados do reajuste do salário mínimo em 1998. Assim puderam fazer dentro de uma disfarçada legalidade, prejudicar o aposentado, criando no mínimo uma imoralidade, fazendo justamente o contrário do que determinava a Constituição e o Estatuto do Idoso (!?).

Cortaram em 18 anos mais da metade do valor que o aposentado deveria estar hoje recebendo, propenso, indubitavelmente, a ter sua aposentadoria reduzida para apenas 01 salários mínimo, derrubando, impiedosamente, tudo o que o trabalhador honestamente conquistou no seu período ativo.

Com certeza foi decretado através de votação, numa infeliz sessão plenária, onde os congressistas aprovaram um estapafúrdio como esse! Muito bem remunerados para prestarem serviços ao Brasil, contemplados com infindáveis privilégios, falharam na missão, porque pensaram somente no presente, esquecendo-se de visualizar o futuro, onde uma insensatez dessa só poderia trazer sérias consequências, como já vem ocorrendo através de uma grande polêmica causada pelos gritos indignados cada vez maiores dos aposentados assustados, que se veem esmagados por uma gigantesca bola de neve descendo ladeira abaixo!

É por isso que não conseguem com tranquilidade e firmeza esquematizar a "Reforma da Previdência, porque o principal cancro que desabona e injustiça o Sistema Previdenciário não é sequer mencionado nas propostas efetuadas.

Não pode um mal feito, tornar-se eterno! Terá que ter um fim! Habilitem-se oh insensatos. Consertem o que de errado a maioria dos congressistas fizeram! Querem fazer uma reforma na Previdência? Aí está a grande e a única oportunidade de correção! Talvez muitos parlamentares que participaram daquela vergonhosa sessão não mais prestem serviços ao país.

Outros, entretanto, devem continuar a prestar serviços e, oxalá, já tenham percebido a tremenda asneira que fizeram ao aprovar monstruosa deslealdade contra os aposentados, se tratando somente de pessoas idosas que deveriam estar gozando uma merecida aposentadoria. Em vez de paz e segurança sofrem com a má vontade de políticos, do preconceito, da discriminação e de um futuro incerto e aterrorizante!

A estes que ainda permanecem trabalhando pelo bem-estar do cidadão brasileiro, recebam um forte “puxão de orelhas” por aquele serviço imprudentemente mal prestado, ficando agora intimados pelo trabalhador brasileiro a acabarem com tamanha maldade que tanto prejuízo financeiro e moral vem causando aos aposentados que se atreveram a conquistar através de contribuições maiores para o INSS uma aposentadoria acima do salário mínimo.
Título e Texto: Almir Papalardo, 10-11-2019

Anteriores:
[Coluna do Almir] Uma despretensiosa sugestão para Jorge Kajuru

Um comentário:

  1. Depois que a constituição, Collor, Itamar FHC e a mula de 9 dedos FODERAM os aposentados, para cada aposentadoria do RGPS de 1 salário mínimo você precisa de 8 trabalhadores na ativa com salário mínimo.
    Se colocarmos os gastos com o SUS, FAT e FAD além da contribuição dos patrões precisaríamos de 16 trabalhadores.
    Lembrando que as despesas com funcionários do INSS e da infraestrutura são pagas com p dinheiro recolhido, nossa previdência custa 24 trabalhadores para cada aposentado.
    Acho que a melhor medida seria a previdência privada bipartite, obrigatória individual para cada trabalhador.
    O governo entraria com a parte faltante individual, para cumprir o cálculo atuarial.
    Com investimentos mensais são a partir de R$ 35 – neste caso, a pessoa se aposenta aos 65 anos com uma renda de R$ 1000, investindo na aposentadoria privada por 40 anos). Se possível guardar R$ 170 todo mês na poupança (com rendimento médio estimado de 0,5% ao mês), por 40 anos, e se aposentar com R$ 2,2 mil.
    Meu cálculo é aproximado.
    Veja que 7,5% de INSS em 1000, reais recolhe 75,00.
    Brasileiro não gosta de economizar.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-