quinta-feira, 2 de abril de 2020

A propósito do clima

Joël Richard


Eu queria responder a alguns leitores do Forum dos Leitores, vosso número 4345.

A subida da temperatura do globo terrestre é acompanhada de um aumento do nível de CO2: é uma consequência, não uma causa.

O aquecimento climático é um ciclo conhecido pelos paleontólogos, mas não a priori da maioria dos jornalistas, que é suposto que informem – o que Valeurs Actuelles faz.

O ar é constituído por 78% de azoto (nitrogênio), 21% de oxigénio, 0,93% de argônio e 0,07% de gazes diversos, dos quais 0,03% a 0,04% de CO2, indispensável à vegetação. Era de 1% na era dos dinossauros.

A ligeira variação da taxa de CO2 não destrói em nada a natureza e não tem influência sobre o clima. A tributação é baseada no CO2, acusado de todos os males. Os governos, mal informados ou submissos aos investidores, encontrando este maná, se aproveitaram desta justificativa.

Sim, o clima é caótico, as rajadas de vento a 250 km/h existiram e existirão. O GIEC (Grupo intergovernamental de especialistas sobre a evolução do clima) não utiliza mais o termo perturbação, mas o de evolução (climática): 0,6°C em 150 anos... Em 590 milhões de anos, a temperatura média da terra oscilou entre 12 e 23°C (nós estamos em 15°C)... Este governo (francês) vai destruir o setor de energia nuclear.

Quanto a Greta Thunberg, o apoio midiático que lhe dedicam demonstra uma vontade de criar uma religião apocalíptica.

Não confundam poluição com clima. O clima não se desajusta, simplesmente porque não se ajusta!
Título e Texto: Joël Richard, Vesoul, França, in Valeurs Actuelles, nº 4347, de 19 a 25 de março de 2020
Tradução: JP, 2-4-2020

Presidente Bolsonaro sanciona MP da renda básica emergencial

Nova lei prevê pagamento de R$ 600 a trabalhadores informais
   
Pedro Rafael Vilela

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, na tarde desta quarta-feira (1º), a Medida Provisória (MP) que cria uma renda básica emergencial de R$ 600 aos trabalhadores informais, autônomos e sem renda fixa, durante a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
A informação foi confirmada pelo ministro da Secretaria Geral da Presidência, Jorge Oliveira, em uma postagem no Twitter. A medida teve a votação concluída no Senado na segunda-feira (30) e agora será regulamentada por meio de um decreto.
O líder do governo no Senado Federal, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), informou que o texto sancionado por Bolsonaro contém três vetos, que ainda não foram publicizados pela Presidência da República.

Praga de urubu



Boa pergunta!

Responsabilidade

Nelson Teixeira

Cada pessoa tem a liberdade de agir de acordo com os seus princípios e crenças, porém, as consequências dos seus atos são de sua responsabilidade.

Como disse Jesus, a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória. Se plantou pepinos, pepinos colherá.

Portanto, se alguém lhe agride com palavras ou ações, não mude sua natureza, pois quem pratica o mal, será punido pelas consequências dos próprios atos, não por você.

Se alguém lhe faz algum dano não perca sua essência, confie nas leis da vida e escolha muito bem suas sementes.

A semente correta florescerá um futuro lindo, de amor e paz.
Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 2-4-2020

Covid-19, la longue marche des mensonges chinois

Cyril de Beketch et Virginie Jacoberger-Lavoué

Mensonge sur le commencement de la pandémie en 2019 et gros « bobard » sur le nombre de décès. Retour sur la propagande de Pékin qui s’est propagée en même temps que le coronavirus, avec la complaisance de l’OMS. En dissimulant pendant plusieurs semaines la réalité, la Chine a une forte responsabilité dans la dramatique crise sanitaire mondiale.

Un agent de sécurité chinois, armé d'un pistolet thermique, vérifie la température des clients à l'entrée d'un magasin de Shanghai. Photo © Hector RETAMAL / AFP
La Chine a caché le commencent de l’épidémie dans la ville de Wuhan en décembre 2019. Elle n’a pas dit toute la vérité sur le nombre de décès par Covid-19, comme l’attestent les récentes images des restitutions des urnes funéraires aux familles de cette mégapole de 11 millions d’habitants… le bilan des morts serait ainsi effroyable et pourrait grimper à 40 000 contre 3304 décès selon les statistiques officielles. Ce ne sont pas les seuls mensonges du régime chinois qui a orchestré depuis le début de l’épidémie en Chine, une propagande d’Etat (mensonge sur la contamination, la dangerosité du virus…) pour laquelle l’Organisation mondiale de la santé (OMS) a fait preuve de complaisance.

« Notre préoccupation, c’est le manque de personnel hautement qualifié et la pénurie de matériel, nous avons doublé nos lits de réanimation ces derniers jours mais est-ce que cela suffira face au pic qui n’arrivera que dans plusieurs jours ? Notre urgence c’est de pouvoir suivre… avec enfin la livraison de masques médicaux, de matériel de protection, de ventilateurs… le premier « pont aérien » est arrivé ce dimanche soir à l’aéroport Roissy Charles de Gaulle. Donc si vous voulez mon point de vue, la Chine nous a très certainement baladé avec ses bobards mais ce n’est pas le moment de se fâcher avec notre principal fournisseur de masques, de matériel médical, de médicaments », nous répondait en s’énervant, dimanche 29 mars au soir, un chef de service d’un hôpital parisien, souhaitant témoigner anonymement.

On le comprend : nombre de services en première ligne dans le traitement des cas graves de Covid-19, dont ceux de réanimation, sont ces jours-ci déjà dans une situation alarmante, au seuil de la saturation. Les jours prochains semblent promis à un cataclysme et pour faire face la France a commandé un milliard de masques, principalement fabriqués en Chine qui est aussi la superpuissance des molécules de nos médicaments. Tout ceci n’exclut cependant pas d’ausculter la longue marche des mensonges de Pékin.

Au premier jour du mensonge chinois

Le premier mensonge de la Chine a été d’évoquer un virus dont la contagion n’était pas d’humain à humain mais alimentaire ; façon d’éviter l’affolement de la population. Le virus Covid-19 est apparu en décembre 2019 à Wuhan, chef-lieu de la province de Hubei, son origine probable est dans le marché des animaux sauvages de Huanan mais la thèse est contestée; certains évoquent aussi en Chine un cas en novembre 2019. La mégapole de 11 millions d’habitants est seulement en quarantaine totale depuis le 23 janvier. Et celle-ci est devenue moins restrictive ces jours-ci. L’interdiction de se déplacer sera levée le 8 avril.

quarta-feira, 1 de abril de 2020

A censura contra Jair Bolsonaro


Résister au féminisme

Staline: Dans le froid et la famine (Il ne faut pas oublier!)


Governo anuncia R$ 200 bilhões para socorrer trabalhadores e empresas + Conversa com Trump

Medidas provisórias e auxílio de R$ 600 devem sair até amanhã
   
Andreia Verdélio

O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje (1º) cerca de R$ 200 bilhões em medidas para socorrer trabalhadores e empresas e ajudar estados e municípios no enfrentamento aos efeitos da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Em pronunciamento à imprensa no Palácio do Planalto, Bolsonaro explicou que, de hoje para amanhã, serão editadas três medidas provisórias (MP) e sancionado o projeto que prevê o auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores informais, autônomos e sem renda fixa.

Ao lado do presidente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, explicou que esse auxílio custará R$ 98 bilhões aos cofres públicos e deve beneficiar 54 milhões de brasileiros. “De forma que eles tenham recursos nos próximos três meses para enfrentar a primeira onda de impacto, que é a onda da saúde. Há uma outra onda vindo de desarticulação econômica que nos ameaça”, disse.

O governo federal também vai transferir R$ 16 bilhões para os fundos de participação dos estados e dos municípios. “É para reforçar essa luta no front, onde o vírus está atacando, os sistemas de saúde e segurança”, explicou Guedes.

Manutenção de empregos
De acordo com o ministro, as outras medidas são para ajudar as empresas na manutenção dos empregos. São R$ 51 bilhões para complementação salarial, em caso de redução de salário e de jornada de trabalho de funcionários, e R$ 40 bilhões (R$ 34 bilhões do Tesouro e R$ 6 bilhões dos bancos privados) de crédito para financiamento da folha de pagamento.

“Então a empresa que resolver manter os empregos, nós não só complementamos o salário como damos crédito para o pagamento. A empresa está sem capital de giro e reduziu, por exemplo, em 30% a jornada e o salário, nós pagamos 30% do salário. E ela está sem dinheiro para pagar os outros 70% que se comprometeu a manter, nós damos o crédito”, explicou.

Coronavírus: fabricante de cigarros diz que pode ter vacina em junho

Gigante mundial do ramo afirmou ter avanços significativos em estudo. Poderão ser distribuídos entre um e três milhões de doses por semana

Anúncio foi feito nesta quarta-feira (1º de abril). Foto: EFE/EPA
R7

A fabricante de cigarros BAT (British American Tobacco) anunciou, nesta quarta-feira (1º), um avanço significante no desenvolvimento de uma vacina contra o novo coronavírus a partir de folhas de tabaco.

Segundo a companhia, a vacina está em fase pré-clínica. Se houver sucesso, "com os parceiros corretos e apoio das agências governamentais", escreve a empresa, poderão produzir entre um e três milhões de doses por semana, começando em junho.

De acordo com o comunicado da companhia, as folhas de tabaco oferecem um potencial para o desenvolvimento de vacinas mais seguro e mais rápido que os convencionais.

Entretanto, a vacina ainda não foi testada em humanos nem aprovada por autoridades sanitárias.

Os estudos estão sendo feitos pela KBP (Kentucky BioProcessing), uma filial de biotecnologia da empresa. Uma das maiores no ramo de cigarros no mundo, a BAT detém marcas como Lucky Strike, Dunhill e Kent.
Título e Texto: R7, 1-4-2020, 16h17

Augusto Nunes: "Lula atribui a Bolsonaro todos os problemas do país que ele próprio destruiu"

O jornalista Augusto Nunes comenta a declaração de Lula sobre a pandemia de coronavírus. Segundo o ex-presidente, a população deveria ficar em casa para se proteger do vírus, e o governo deveria liberar dinheiro para os mais necessitados. Senão, essa parcela dos brasileiros seria obrigada a sair às ruas para "ganhar o pão". Lula jurou ter acabado com a fome em 2009, e Dilma diz ter exterminado a miséria extrema em 2014. Ao estimular a rebelião dos famintos, o petista admite que os únicos brasileiros pobres que ficaram milionários no governo de seu partido foram ele próprio, sua família e seus comparsas.


Título, Texto e Vídeo: JR na TV, 31-3-2020, 21h47

Atriz chilena pede desesperadamente ao governo do Chile que a tire de Cuba

A pandemia apanhou em Cuba vários comunistas chilenos. Entre eles está a atriz Carolina Cox, ativíssima na defesa do regime cubano e nas manifestações de contestação ao capitalismo, à democracia parlamentar e a tudo o mais que não seja o castrismo. Ou melhor que não fosse.

Porque agora Carolina Cox está em Cuba a viver em direto e ao vivo as condições de vida que tanto defendeu.

Resultado: pede ao presidente do Chile que por favor a vá buscar. Exige. Suplica… Enfim, explica que é muito difícil viver entre ratos, sem comida nem papel higiénico.
Texto: Helena Matos, Blasfémias, 1-4-2020


[Discos pedidos] MC Ray-Ban canta “Bactéria FDP”

Quando a gente pensa que nada é pior do que o “(…) caneta azul, azul caneta (…)” descobrimos que a internet é mesmo uma eterna fonte de celebridades relâmpago. Parece que estamos no início de outra pandemia: a do Funk da Bactéria (sic). Isso mesmo. O vídeo do homem cantando de óculos Rayban um desbocado funk de protesto contra o novo coronavírus foi descoberto por Antônio Tabet e já ganhou a atenção do jornal O São Gonçalo.



O homem, de camisa amarela, boné e óculos tem como cenário de seu clipe o camelódromo da Uruguaiana, no coração da Saara deserta e abandonada, por conta da quarentena ocasionada pelo novo coronavírus, que, aliás, é o grande vilão da nova canção. O vídeo é hilário: com a voz que não é nem pior nem melhor que a do MC médio, entoa o que Tabet chamou de “We are the world contra a COVID-19″.

Bactéria filha-da-****, micróbio do cara***, empatou a minha fod*, atrasou os trabalho”. É poética (#sqn) assim a letra da música que começa a viralizar e está bombando nas redes sociais. O funk, de autoria do compositor amador, lamenta – à sua maneira – essa época de quarentena e isolamento pela qual todos nós estamos passando.


Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, 31 de março + Análise


Assistindo telejornal

Perdão

Nelson Teixeira

O perdão é o treino da compreensão.

Se procurarmos compreender o familiar sem o vinagre da crítica, identificaremos em seus momentos menos felizes que ele necessita de amparo e consolo.

Cabe a cada um refletir sobre suas ações perante o irmão da caminhada.

O perdão é fator preponderante para livrar o coração da culpa ou do desalento.

Não se permita não compreender e ter compaixão, pois desta forma não estará buscando evoluir e melhorar.

O perdão das ofensas é a chave para a paz de coração e o caminho seguro para a caridade.

Na seara da vida todo aquele que perdoa verdadeiramente consegue reconhecer em si mesmo que também erra e se contradiz, isso não é característica só do outro.

Perdoe e verá o quanto poderá sentir a paz invadindo seu coração e a sua vida.
Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 1-4-2020

Saporra de confinamento é coisa de burguês

Concordo inteiramente! E explico o porquê.

Olha só, hoje, 31 de março de 2020, minha filha e genro, colocaram à minha porta (do apartamento) as compras que fizeram por mim e para mim.

Também fizeram para a avó deles, minha mãe.

E pagaram com o cartão bancário da minha mãe. Portanto, não lhes devo nada, financeiramente, entenda-se.

Então, minha mãe e eu podemos ficar de quarentena por 365 dias!

Agora pergunto, a maioria da população portuguesa (e brasileira) tem tanta bala na agulha?

Ah, minha mãe tem 92 anos! E também é proprietária de alguns pequenos apartamentos, frutos de uma poupança desmedida ao longo da vida (eu, filho, que o diga!) que mantém até hoje! Então, como senhoria, uma senhora a abater.

Mas, voltando, me abstraindo do fato de eu e minha mãe ainda termos família, e o que fazer de uma grande, bota grande nisso!, população brasileira que sequer tem comida para um dia!??

Ok, #ficar em casa é muito lindo, alivia a consciência “burguesa”. Mas nem toda a população pode ficar em casa.

Ou pode?



terça-feira, 31 de março de 2020

Epidemias e pandemias, ontem e hoje

Carlos Sodré Lanna


As palavras que distinguem as várias amplitudes das epidemias são oriundas do grego. Endemia é uma doença contagiosa que atinge grande número de pessoas de uma região. Epidemia tem caráter transitório e atinge uma ou mais localidades. Pandemia é uma epidemia que se propaga em uma área geográfica internacional, afetando parte da população mundial.

Da Antiguidade até os nossos dias, as epidemias e pandemias foram quase tão comuns como as guerras e os conflitos políticos. Os registros mais antigos remontam ao século V a.C., por ocasião da guerra do Peloponeso. São pouco conhecidas várias epidemias, sobretudo de populações colonizadas pelos europeus nas regiões da América e da África.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), de franca orientação esquerdista, é o único órgão credenciado a declarar a existência de uma pandemia. Depois de alguma relutância, esse rótulo já foi aplicado à pandemia do novo Coronavírus, que recebeu o nome de Covid-19.

Essa pandemia vem sobressaltando o mundo inteiro, a ponto de transformar as perspectivas para a vida normal em um “antes e depois”. Muito se tem dito e escrito sobre ela, sobretudo na grande mídia, gerando um sensacionalismo com eco em inúmeros governos. Tudo isso parece obedecer a uma palavra de ordem, e não se pode fugir à impressão de que em algum posto de comando prevalece o desejo de prolongar o seu ciclo.

Para quê? Talvez a fim de testar o grau de preparação da humanidade para aceitar uma nova ordem social. Os primeiros indícios dessa intenção apontam para uma sociedade futura centralizadora, submissa à vigilância onipresente e aos comandos de informática. E já se pode prever também que ela seria diametralmente oposta à civilização cristã. É bom lembrar, a propósito, que a história da humanidade esteve sempre pontuada por doenças infecciosas que espalharam seus tentáculos pelo mundo, e muitas delas alteraram o curso dos acontecimentos.
Indicaremos a seguir algumas outras pandemias, que deixaram impressão duradoura.

1. Praga de Justiniano (541-544)

Um dos sintomas da Praga de Justiniano era a necrose das mãos
Seu nome é uma alusão ao imperador Justiniano I do Império Bizantino, também conhecido como Império Romano do Oriente. Considerada a primeira pandemia da História, ela teve sua origem na Etiópia, de onde se espalhou por todo o império, causando uma das maiores mortandades epidêmicas. Segundo estimativas, 60 milhões de pessoas morreram nesse período. A esse surto de 541 seguiram-se vários outros nos dois séculos seguintes. Assim como a peste bubônica, a de Justiniano também foi causada pela bactéria Yersinia pestis, disseminada por roedores cujas pulgas estavam infectadas com a bactéria. Esses ratos viajavam em navios comerciais ao redor do mundo e faziam circular a infecção, que era transmitida aos seres humanos pela picada de pulgas infectadas. Geneticistas indicam que tal bactéria tem sua origem na China.

Seu nome é uma alusão ao imperador Justiniano I do Império Bizantino, também conhecido como Império Romano do Oriente. Considerada a primeira pandemia da História, ela teve sua origem na Etiópia, de onde se espalhou por todo o império, causando uma das maiores mortandades epidêmicas. Segundo estimativas, 60 milhões de pessoas morreram nesse período. A esse surto de 541 seguiram-se vários outros nos dois séculos seguintes. Assim como a peste bubônica, a de Justiniano também foi causada pela bactéria Yersinia pestis, disseminada por roedores cujas pulgas estavam infectadas com a bactéria. Esses ratos viajavam em navios comerciais ao redor do mundo e faziam circular a infecção, que era transmitida aos seres humanos pela picada de pulgas infectadas. Geneticistas indicam que tal bactéria tem sua origem na China.

Ramon é o novo técnico do Vasco; Antônio Lopes será o coordenador

O Vasco da Gama anunciou na tarde desta segunda que Ramon Menezes será o novo técnico e Antônio Lopes, o coordenador.



Globo Esporte

O Vasco tem novo treinador: Ramon Menezes, antes auxiliar permanente do clube desde 2019, foi efetivado oficialmente. Em três passagens como jogador cruz-maltino, Ramon, de 47 anos, conquistou Carioca, Brasileiro, Libertadores e Rio São-Paulo.

Um dos técnicos mais vitoriosos da história do Vasco, Antônio Lopes está de volta ao clube, mas em nova função. O profissional de 78 anos assume o cargo de coordenador-técnico do futebol cruz-maltino. O jornalista Gilmar Ferreira, do "Extra", noticiou a possibilidade na manhã desta segunda-feira.

- Teve o convite. Conversei com Campello e José Luís. Ainda não assumi - confirmou Lopes em rápido contato com o GloboEsporte.com feito minutos antes de o Vasco anunciá-lo.

Como treinador do clube, Lopes tem três títulos estaduais (1982, 1998 e 2003), um Brasileiro (1997), uma Libertadores (1998) e um Rio-São Paulo (1999).

Como gerente ou diretor de futebol, Lopes comandou Atlhetico-PR, Botafogo e Figueirense.

Confira a nota com a qual o Vasco anunciou os dois retornos:

“Presidente, sinta-se abraçado pela categoria dos caminhoneioros.”


Foco do Brasil, 31-3-2020

Alerta Nacional: Entrevista com o presidente Jair Bolsonaro

[Foco no fosso] Corona no trampolim

Haroldo Barboza

Para uma expressiva parcela de governadores, prefeitos e legisladores incompetentes e/ou desonestos, a crise do vírus veio a calhar para esconder as más decisões e os desvios de verbas.

Nas últimas três semanas de março de 2020, não enxergamos em nenhum tipo de mídia, notas sobre os problemas sociais diários que nos acompanham há décadas. Ilustremos alguns poucos.

1) Nenhum comentário sobre ruas esburacadas – menos de 10% de veículos estão transitando e conseguem se desviar das “crateras” abandonadas sem terem seus veículos danificados.

2) Nenhuma reclamação sobre postes sem lâmpadas – menos de 2% das pessoas estão saindo à noite. No máximo uma visitinha na farmácia da esquina, num trecho onde por sorte, três postes ainda oferecem claridade.

3) Zero de reclamações sobre escolas com deficiência de estruturas, aparelhos, alimentação e limpeza. Não existem alunos usando estas instalações precárias. Portanto não há reclamação.

A Cor do Dinheiro, 31 de março de 2020: 🤔 Como o Bloco de Esquerda goza com os portugueses... 😡

Camilo Lourenço


Antes da ordem do dia: Os erros de comunicação do governo 😨

A cerca sanitária no Porto 🤭

A confiança dos consumidores caiu a pique 👎

Há 800 mil idosos internados; ninguém se lembrou que eram uma prioridade?

😱 O SEF esteve envolvido no homicídio no aeroporto de Lisboa? 😡

Os sócios-gerentes não têm acesso ao regime do lay-off? 

🤔 Como o Bloco de Esquerda goza com os portugueses... 😡

1 - Vem aí um disparo do desemprego. Já a partir de abril... 😡🤭

Qual das duas?

Vida a dois

Nelson Teixeira

A vida a dois é uma grande aventura, tem os seus altos e baixos e algumas atitudes diárias podem colaborar para que o relacionamento vá para frente ou desande de vez. Conviver a dois não é tarefa fácil.

Problemas todos temos, a vida não é um mar de rosas, mas como enfrentamos as dificuldades é que nos fará diferentes.

Não espere do seu companheiro(a) a compreensão, apenas tente compreender, tenha paciência e persevere.

Discussões banais desgastam a relação, procure ouvir mais que falar, por isso temos dois ouvidos e apenas uma boca.

Ouvir mais não significa submissão, mas sim compreensão, porque desta forma temos condições de avaliar as situações difíceis e encontrar uma saída para que nenhum dos dois saia magoado numa discussão.

Lembre-se, o amor deve ser regado com compreensão, paciência, perseverança, tolerância, atenção, carinho, cuidados, compaixão e perdão.
Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 31-3-2020

[Aparecido rasga o verbo] Quarentena

Aparecido Raimundo de Souza

MEU DEUS, A QUE PONTO chegamos. Ficar em casa enfurnado, de quarentena, que loucura! Não sei se aguentarei. Levando em conta a minha idade, sessenta e sete anos, melhor seguir as recomendações e não dar mole. Tomo conhecimento, pelos telejornais, que pessoas, com a minha faixa etária estão batendo as botas. Partindo daqui com passagem só de ida. Os especialistas alegam, pelos anos vividos, que faço parte de um tal grupo de risco.  Apesar de nunca haver participado de grupo, tampouco riscado coisa alguma, e pior, não tendo o que fazer em casa, de extraordinário (afinal, todo santo dia caio fora cedo e só regresso depois das dezoito), tirando isso, o resto nem vale a pena relatar. 

Sinceramente, me ver tolhido entre paredes frias e inexpressivas, parece mais programa de índio que prevenção para não subir mais cedo para ver papai do céu, em face dessa suposta pandemia que, até onde me fizeram acreditar, provocou mais estragos que a bomba atômica em Hiroshima. Pelo sim, pelo não, decidi dar uma estancada básica. Na minha idade, coçar o saco em casa, ou na praça, não faz muita diferença. Talvez seja até mais cômodo coçar em casa. Ao menos, voltarei a assistir filmes pornôs e a reacender as visões bestiais dos tempos de jovem, quando espiava as mocinhas que frequentavam as missas do padre Búlio, aos domingos. Ritinha, minha empregada do lar (comigo há seis décadas) colocou uma máscara engraçada no rosto, e, apesar dela, continua com os molejos em plena forma.

Pois bem. O coronavírus (se depender do papai aqui) não chegará até meus costados. Todas as manhãs (antes de sair para a gandaia), tomava uma ducha no capricho, embaixo do meu Corona (que ironia!), chuveiro amigo que, se não me falha a memória, soma o mesmo tempo de serviços prestados que a Ritinha. Depois desse reconfortante banho caprichado, trocava de roupas e me apresentava na cozinha, para o dejejum. Com a chegada dessa praga chinesa, a rotina mudou. Desde o primeiro momento do enclausuramento, me vi obrigado a virar chave. Ficar no molho sem, todavia, poder abrir portas. Dos males, o melhor. Mais que qualquer coisa, devo aproveitar o que não pode ser mudado. Assim pensando, início de quarentena, pulei cedo, fiz a barba, demorei um pouco mais solvendo os vapores da água quente, saboreando a chuvinha particular.

Terminada com a aparência corporal, tratei de cuidar da barriguinha. No quinto dia da quarentena, praticamente repeti os mesmos procedimentos dos dias anteriores. Percebi, ainda ensaboado, que outros aparelhos mais modernos, talvez não me oferecessem os mesmos milagres que este antigo companheiro Corona me proporciona. Uma ablução fenomenal. Melhor que ele, sem dúvida alguma, a refeição preparada com carinho pela dócil Ritinha. Não fosse pela restrição, não teria chegado a essa conclusão do quanto Ritinha me faz falta. Tomara que ela nunca pense em me deixar para ir trabalhar em outra família. Nono dia de quarentena. Descobri que moro no oitavo.

Isso esmo. No oitavo. O prédio tem doze andares e duas unidades por pavimento. Meu apartamento, em razão disso, fronteia de postigo com um único vizinho. Não sei quem é, mas juro que o desombrearei. Apesar de ancorado aqui, por mais de quinze anos, se não fosse pela encurralação, jamais teria harmonizado esses pequenos detalhes até então insignificantes. Pequenas coisas que nos passavam despercebidas, de pronto, ganharam valor inestimável. O café de Ritinha, como sempre, o máximo. Me esbanjei com o pão quentinho, o queijo fatiado e a mortadela no ponto. Décimo segundo dia de quarentena. Inventei de espiar pelo olho mágico. Jamais aberturara passagem para alguém ter acesso às minhas dependências, deixando tudo por conta de Ritinha. Nessas espiadelas, enquadrei o morador da frente. Aliás, os moradores. Trata-se de um casal. O sujeito é esquisito. Fala em sussurro, e nunca ri.

segunda-feira, 30 de março de 2020

Governo Federal envia 14,2 milhões de máscaras cirúrgicas a estados

Epicentro do coronavírus, São Paulo foi quem mais recebeu equipamentos

Jonas Valente

O Ministério da Saúde divulgou hoje (30) balanço dos equipamentos de proteção individual (EPIs) destinados aos profissionais de saúde enviados aos estados. No total, foram direcionadas 14,2 milhões de máscaras cirúrgicas, recurso fundamental para evitar o contágio de profissionais por pacientes infectados.


Além disso, o Executivo Federal encaminhou 24 milhões de luvas para procedimento não cirúrgico, 742 mil aventais, 290 mil toucas hospitalares, 168 mil frascos de álcool etílico 100 mil sapatilhas e 60 mil óculos de proteção.

São Paulo, epicentro da pandemia no país, recebeu o maior estoque de suprimentos. Ao estado foram enviadas 3,1 milhão de máscara cirúrgicas, 3,5 milhões de luva para procedimentos não cirúrgicos, 164 mil aventais e 63,4 mil toucas hospitalares.

Estados com grande população e alto número de casos, como Rio de Janeiro, Minas Gerais, Ceará, Rio Grande do Sul e Bahia, também receberam parte importante do estoque de EPIs encaminhado até agora. Veja a lista por estado.

O ministério também afirmou que está adquirindo mais 200 milhões de máscaras cirúrgicas, 120 milhões de toucas, 80 milhões de aventais impermeáveis, 40 milhões de aventais, 40 milhões de máscaras N95, 2 milhões de frascos de álcool, 1 milhão de óculos de proteção e 1 milhão de sapatilhas.

A proteção de profissionais de saúde tem sido uma preocupação manifestada pelas entidades representativas dessas categorias. A Organização Mundial de Saúde expressou em entrevista coletiva na semana passada receio de um desabastecimento desses equipamentos e do consequente risco que essa situação pode gerar aos trabalhadores da área.

[Discos pedidos] Larissa Maciel e Edith Piaf


Anteriores:

Padre de Inhaúma emociona levando a Igreja aos fiéis nas ruas

Redação Diário do Rio

O Padre Tarquino circulou pelo bairro todo, levando o santíssimo sacramento aos fiéis.
O bairro de Inhaúma já conheceu épocas de maior segurança. Mas ainda assim, tem uma comunidade católica bastante arraigada, que vive em torno da paróquia local, na Praça 24 de Outubro: São Tiago de Inhaúma. Além da concorrida festa de São Tiago, todo mês de julho, a Igreja Católica da região é muito frequentada tanto pelos idosos quanto pelos jovens.

Há alguns anos assumiu a paróquia o Padre Alexandre Tarquino, em substituição ao Padre José, que conduziu por décadas aquela congregação. E, aos poucos, o novo padre se tornou uma espécie de celebridade do bairro. Bonachão, agradável, de fala mansa, conquistou a todos – e sabe-se bem como é difícil ocupar o lugar de alguém tão querido e longevo como foi o pároco anterior. Com o novo padre, veio um novo gás, e a paróquia se modernizou também, “sob nova administração”, mas sem perder o amor às tradições católicas. Uma nova capela foi inaugurada, e as missas com direito a turíbulos, cantores líricos e procissões de entrada foram reintroduzidas, sem deixar de lado os jovens.

A Igreja de São Tiago de Inhaúma se modernizou sem se distanciar das tradições católicas
Só que agora, em tempos de quarentena, a Igreja está fechada, como todas. Mas o Padre Tarquino não sossegou com isso. Num momento em que a Igreja Católica doou 10 milhões de euros para o combate à COVID-19, e que os padres só conseguem estar com os fiéis fora das igrejas, o padre decidiu ir às ruas.

A religião da CNBB: o anti-bolsonarismo fanático com cheiro de…

FratresInUnum.com

Todos estamos acompanhando com viva apreensão o desenvolvimento da pandemia de coronavírus no Brasil, ao mesmo tempo em que vemos a sua ampla difusão pelo hemisfério norte do planeta. Aqui, embora as condições climáticas e sociológicas sejam mais benéficas, temos vivido dias de pânico, especialmente pela ação de autoridades civis e eclesiásticas que determinaram o isolamento social radical, com o consequente fechamento do comércio, a proibição do culto religioso e outras medidas.

Nos últimos dias, alguns editoriais dos principais jornais brasileiros começaram a recuar no alarde.

Contudo, como não poderia deixar de ser, a CNBB apressou-se em marcar a sua oposição.

O presidente da conferência episcopal brasileira, Dom Walmor Oliveira e Azevedo [foto], em homilia na Solenidade da Anunciação do Senhor, disse:


“Nós repudiamos, criticamos veementemente, autoridades do executivo nacional, quando minimiza (sic!) aquilo que precisa ser realizado com responsabilidade por todos nós. A pandemia do covid-19 e muitas outras pandemias não podem se compor agora mais e mais com outras pandemias de irresponsabilidade, de inconsequências e de falta de sentido humanístico e respeitoso para com a dignidade da pessoa humana. (…) Fique em casa! Esta é a indicação das autoridades competentes, sanitárias e sensatas. Fique em casa!”

Na tarde da quinta-feira (26), o secretário da CNBB emitiu uma nota em que afirmou que, embora tenha havido um decreto do Executivo que considera as atividades religiosas como essenciais, a Igreja vai continuar mantendo “as orientações emanadas pelas autoridades competentes do Ministério da Saúde”, que “indicam o distanciamento social”; portanto, “as igrejas, se os bispos assim o considerarem, podem permanecer abertas, porém, do modo como tem sido feito: orações individuais, transmissões online etc. Não há como entender que os instrumentos legais acima referidos possam obrigar a reabertura das igrejas, muito menos para a prática de qualquer tipo de aglomeração”.

Em outras palavras, a CNBB está dizendo que só voltaria o culto caso fosse obrigada pela força da lei civil!

'It can't be right': Wuhan residents say Chinese government is under-reporting coronavirus deaths

They are paying hush money to grieving families as furnaces cremate bodies around the clock

Photo: Hector Retamal/AFP via Getty Images

Giancarlo Sopo

While China's communist government claims that the coronavirus has killed 3,300 of its citizens, residents of Wuhan, the city where the deadly illness is believed to have begun, say the number is likely much higher.

'It can't be right'
According to a report in Radio Free Asia, residents of Wuhan are highly skeptical of the government's totals based on reports of cremation services have been distributing tens of thousands of urns in recent weeks.

In social media posts that were reviewed by RFA, local residents reported that Wuhan's seven major funeral homes were distributing at least a combined 3,500 urns each day to grieving families. RFA reports the funeral homes are working to complete the cremations before the grave-tending festival Qing Ming on April 5, indicating a 12-day cremation process that began on March 23. This estimate would pin the total number of cremations at 42,000 bodies during this time.

The cremation totals don't add up
Others believe the number of deaths in Wuhan alone may be as high as 46,800, based on the capacity of the city's 84 furnaces with a capacity of 1,560 urns at one cremation per hour.

A Hubei province resident who spoke to RFA on background told the publication that most locals believe at least 40,000 people died in the city from the coronavirus. "Maybe the authorities are gradually releasing the real figures, intentionally or unintentionally, so that people will gradually come to accept the reality," he said.

Another resident noted the number of cremations was unusually high throughout the pandemic and inconsistent with the figures shared by the government.

Forças Armadas ampliam produção de álcool em gel e cloroquina

Laboratórios atuam em parceria com Ministério da Saúde
   
Agência Brasil

O Ministério da Defesa anunciou que os laboratórios químicos das Forças Armadas aumentaram a produção de álcool em gel e de cloroquina. A produção em caráter emergencial acontece de forma conjunta no Laboratório Farmacêutico da Marinha (LFM), no Laboratório Químico Farmacêutico do Exército (LQFEx) e no Laboratório Químico Farmacêutico da Força Aérea (LAQFA), todos localizados no Rio de Janeiro.

“Temos 10 mil bisnagas de álcool gel em embalagens de 85ml em estoque. A ideia é produzir 180 mil bisnagas”, declarou a coronel médica do Exército Carla Clausi, subdiretora de Saúde Operacional do Exército.

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A Aeronáutica também vai ampliar a produção a partir de hoje (30). O Laboratório Químico da Força Aérea produzirá mais de 1.200 litros de álcool em gel. Após essa data, a expectativa, de acordo com o Ministério da Defesa, é aumentar a produção para 8 mil litros desse produto para limpeza das mãos.

“Nós também adquirimos Equipamentos de Proteção Individual (EPI), como macacão, touca e luva, para distribuir aos hospitais da FAB. Vamos enviar esses produtos, de forma emergencial, para uso dos médicos e enfermeiros que estão enfrentando o Coronavírus”, afirmou a tenente-coronel farmacêutica Andreia Brum, diretora interina do LAQFA.

O laboratório da Marinha também faz parte da força-tarefa. “O setor de pesquisa e desenvolvimento iniciou árduo trabalho para formular e adequar a estrutura fabril, a fim de permitir a produção de sanitizantes como o álcool em gel 70%. Na segunda-feira passada (20), foi prontificado o primeiro lote em escala industrial do referido produto”, informou o capitão de Mar e Guerra André Hammen, diretor do LFM.

Cloroquina
Além da produção de álcool em gel, os três laboratórios estão unindo forças para ampliar a produção de cloroquina, medicamento recentemente autorizado pelo Ministério da Saúde para ser utilizado no tratamento de pacientes acometidos por coronavírus em estado grave. O laboratório do Exército é detentor do registro desse medicamento e iniciou a produção na segunda-feira passada (23).

Governo obtém do STF aval para adotar medidas contra o coronavírus

Decisão do ministro Alexandre de Moraes flexibiliza LDO e LRF

Agência Brasil

A Advocacia-Geral da União (AGU) conseguiu autorização do Supremo Tribunal Federal (STF) para que sejam flexibilizadas, durante o período de enfrentamento ao novo coronavírus (covid-19), as exigências previstas na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). "Essas exigências dificultam a implantação de programas de proteção à parcela mais vulnerável da sociedade pelo governo federal", diz a AGU, em nota.

A liminar pedida pela Advocacia-Geral foi concedida nesse domingo (29) pelo ministro Alexandre de Moraes [foto]. “Agora, sem os entraves, podemos ajudar os nossos trabalhadores e empresários nesse momento tão difícil”, afirmou o advogado-geral da União, André Mendonca, em postagem no Twitter.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Na quinta-feira (26), a AGU havia entrado no STF com uma de Ação Direta de Inconstitucionalidade, pedindo a flexibilização das LDO e LRF, excepcionalmente no caso das políticas públicas de combate ao covid-19, para que não fossem exigidas a comprovação de que as medidas estavam de acordo com a compensação orçamentária prevista nas duas leis, uma vez que as normas obrigam a União a indicar de que modo irá custear aumentos de despesas, prevendo que tais projetos sejam acompanhados da previsão do aumento de receitas, diz a AGU, por meio de nota. 

"Na ação, a AGU apontou que estão em análise pelo governo federal as seguintes medidas de proteção à parcela mais vulnerável da sociedade: auxílio emergencial (abono) para os trabalhadores informais; pagamento de parte do seguro-desemprego no caso da suspensão dos contratos de trabalhadores formais; distribuição de alimentos para idosos, entre outras".

Opção safada