quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

[Pernoitar, visitar, comer e beber fora] Le chien qui fume

Turismo do Porto
Quando morei na cidade do Porto, nos anos 1965 a 1967, estudava na Escola Comercial Oliveira Martins. Não na sede da Escola que, se não me falha a memória, ficava na Rua do Sol, mas na seção das Taipas, pois que na sede não havia espaço. (Tenho a impressão de que a Escola fechou em 2007...).

Pois bem, como morava na Rua Alferes Malheiro, subia até à Rua do Almada, descia esta rua... virava numa rua à direita em direção à Rua das Taipas... todos os dias da semana quando ia para a escola. E voltava. Eram duas vezes por dia que eu passava em frente ao restaurante Le Chien Qui Fume. Nunca entrei.
 
V.G.
O restaurante foi fundado em 1943 por um casal francês que acabou saindo de Portugal por receio do antissemitismo. Teve vários donos até 1990, quando foi comprado por António Teixeira que, além de proprietário, é o Chef de Cuisine.

O nome Le chien qui fume foi comigo para a África, andou comigo pelo Brasil, voltou para Portugal... na “primeira” oportunidade, quando tratava de criar um blogue, a tradução em português deu-lhe o nome. Então, já imaginou, generoso leitor?, quando pensei em ir ao Porto a ida a esse restaurante era obrigatória. E fomos.

Chegamos cedo, tipo 19h. Tinha lido que o restaurante costumava lotar, que era recomendável fazer reserva.

Pedro Granadeiro
O atendente foi bastante simpático. No final da refeição, contou-nos que na sua visita ao Rio assistiu, na Avenida Atlântica, a... um tiroteio. Que foi puxado por alguém para o interior de uma farmácia.

V.G. pediu Entrecôte à Paris. Estava dura.
Eu aceitei a sugestão do garçom: Carne Alentejana.

Não sei se foi a idade (e a experiência) que apurou o meu paladar e me tornou, digamos, mais exigente. Muito provavelmente ambos os fatores.

Não voltaremos ao Le Chien Qui Fume. Valeu pelo meu momento de emoção ao recordar um belo tempo.

Anteriores:

6 comentários:

  1. Jim, deve ter sido muito emocionante a sua ida ao restaurante, que te inspirou, tivestes uma belíssima inspiração ao nome de seu blogue. Até porque era um nome em sua mente desde a década de 60, Bacana , sucesso ! Abs, Heitor Volkart.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Volkart.
      Foi sim. Pena que a comida não tivesse a mesma 'emoção'.

      Excluir
  2. Veja só, depois de muito tempo você quis saciar uma curiosidade relacionada com a comida servida neste restaurante de nome incomum, que deu nome a esta revista espetacular. Mesmo que tenha se decepcionado com a comida e com o comentário da violência no Rio (o que não nos surpreende), creio que para alguma coisa valeu sua visita, a de saber que provavelmente nos tempos de escola a comida era ainda pior e você não havia perdido nada, como pressupunha. Certo???

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-