segunda-feira, 24 de abril de 2017

Mulheres, crianças e fantasmas

João Pereira Coutinho

Sou um homem de gostos simples. Os meus colegas de ofício, tudo gente letrada e literata, sonham ganhar o Nobel, ser publicados em 15 línguas, assombrar a Academia e a Feira do Livro de Frankfurt. Eu não. E vou contar um segredo aos leitores. Cheguem perto. Mais perto. Assim está bem: o meu sonho mais profundo, e mais inconfessado, e mais inconfessável, é ser um dia o Prof. Higgins em My Fair Lady. Li há pouco, quase por acaso, que a minha querida Keira Knightley será a nova Eliza Doolittle em produção teatral londrina. Suspiro. Não peço tanto, meu Deus, não peço tanto.

Mas se alguém, aí no Brasil, estiver a pensar numa versão moderna do projeto, por favor, peçam o meu endereço à Folha. Sei dançar, sei cantar. Tenho porte e, com maquilhagem certa, tenho idade. E, se posso sugerir companhia feminina, escolho a atriz Carla Regina, a grande descoberta da minha última década. Adorava educar Carls em palco: transformá-la numa lady depois de sessões contínuas de açoites gramaticais.

O problema, hélas, é que os meus sonhos não são recomendáveis. Vejam bem: a última sobrevivente americana do Titanic, que tinha cinco anos quando o navio afundou, em 1912, acabou de morrer nos Estados Unidos. Lillian Asplund perdeu o pai e três irmãos. Sobreviveu, juntamente com a mãe e o irmão mais novo, que tinha três anos na noite da tragédia. Nenhuma surpresa. Quando o Titanic conheceu as profundezas do Atlântico, 74% das mulheres sobreviveram ao desastre. Os homens, na esmagadora maioria, ficaram no navio e morreram com ele. Falamos de homens de todas as classes. Em 1912, seria intolerável que um ‘cavalheiro’, a aspiração de qualquer homem civilizado, fosse capaz de ocupar o lugar de uma mulher, ou de uma criança, para salvar a sua triste pele. Uma vida de cobardia não valia a pena. Melhor ficar a bordo e beber champanhe até ao fim.

E hoje? Hoje, se o navio afunda, as mulheres afundam com ele. Primeiro, porque são os homens os primeiros a saltar para o bote salva-vidas, consequência inevitável da inevitável efeminação da espécie: conheço homens que fazem depilação, pintam os olhos, usam salto alto. Só não cortam o próprio pênis porque a lima das unhas não permite.

Mas as mulheres também afundavam com o navio porque Simone de Beauvoir [foto à esquerda], a santa padroeira da tribo, escreveu e mandou. Para sermos exatos, em 1949, ano da publicação de O Segundo Sexo, uma interpretação idiossincrática de Nietzsche e Marx que permitiu a Beauvoir formular a tese que arrastou todo o resto. As mulheres não nascem ‘mulheres’, escreveu; as mulheres constroem-se ´mulheres’ – e não, Beauvoir não estava a pensar em Roberta Close ou na cirurgia plástica, que só serve para iludir a pobre ingenuidade dos machos. Beauvoir falava da identidade feminina: uma construção imposta por uma sociedade ‘falocêntrica’ que oprime as donzelas ao atribuir papéis de sujeição sexual e moral. Para Beauvoir, derrubar essa sociedade passava por um igualitarismo radical: pelo regresso à nossa condição de humanos e não, nunca, jamais, pela distinção, natural e até cultural, entre ‘homens’ e ‘mulheres’.
 
31 de maio de 1984
Não pretendo contaminar ninguém com o meu pessimismo de estimação. Mas Beauvoir triunfou. Abrir uma porta ou dar precedência a uma senhora é considerado ofensivo em certos antros, a começar pelos das universidades ocidentais. Eu próprio, confesso, já provei deste caldo: quando, insensatamente, levantava-me da mesa sempre que o elemento feminino se levantava também. Ficava sozinho no campo de batalha, fuzilado pelos olhares em volta. Então regressava à minha condição de macho e, mais do que macho, de criminoso e verme. Sentado. Gelado. Pregado. Mas quem julgava eu que era? O Prof. Higgins em educação sentimental?

Claro que não. Ou claro que sim. Que interessa? É por isso que, ao saber da morte de Lillian Asplund, a criança e a mulher que o cavalheirismo de 1912 salvou da morte certa, eu ergo a minha taça para os fantasmas que ficaram para trás.
Título e Texto: João Pereira Coutinho, Folha de S. Paulo, 10-5-2006, in ‘Avenida Paulista’, Edições Quasi, maio de 2008, páginas 53 e 54

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-