domingo, 17 de novembro de 2019

Charada (1 119)

Matilde tem o mesmo número
de irmãos e de irmãs. Cristiana
é irmã de Matilde. Mário, que é irmão delas, só tem um irmão.
Considerando que Matilde
e os seus irmãos e irmãs
são todos filhos do casal Nogueira,
quantos filhos tem
o casal Nogueira?

Charada (1 118)


Quando é que o
pé direito
é maior
do que o
seu dono?

Charada (1 117)

O resultado
da soma de
dois números
consecutivos é 41.
A que números
nos referimos?

sábado, 16 de novembro de 2019

Regressando à nossa revista...

Generoso leitor, Valioso colaborador, Amigo, depois de dois agradáveis dias na cidade do Porto, aqui me têm de regresso! Que me perdoe o Nelson Gonçalves pela citação.


Tem muita matéria ótima na fila!

Tem Vanderlei dos Santos Rocha, o Rochinha, explicando o Brasil para estrangeiros.

Tem o “Assalto final de António Costa”.

Tem a pequena entrevista (na quantidade das perguntas) e grande (na qualidade e fluência das respostas) do Professor Gabriel Mithá Ribeiro (um senhor chamado Gabriel Mithá Ribeiro, conforme destrato de um infeliz que só tem vez e voz na imprensa portuguesa, uma gazela a serviço desta).

Tem Laurent Dandrieu que faz (em francês) a resenha do livro de Guilhem Golfin: a mundialização contra o humano.

Tem também, é claro, as fotos que tirei na cidade do Porto. E as minhas impressões sobre a viagem na CP, o hotel e um restaurante...

Ah, falando em Nelson Gonçalves, ei-lo no Programa do Bolinha, num sábado do século passado:



Muito obrigado por SUA visita!
Abraços e beijos de carinho./-




Les démons de la droite

François d’Orcival

La France est-elle encore un pays de droite où la gauche ne peut gagner que par accident ? Il n'empêche : la droite y est aujourd'hui bien malade…

Il n'est pas exagéré de dire que la droite est, pour la première fois de son histoire, en danger de mort. Cette phrase de Guillaume Tabard, éditorialiste au Figaro, ne suscite-t-elle pas aussitôt une autre question : et la gauche ? Où était cette gauche, ce dimanche 10 novembre dans les avenues de l'est de Paris, quand une partie d'elle-même, CGT, Parti communiste et France insoumise, défilait pour soutenir tant de jeunes musulmanes voilées, d'adolescentes portant des étoiles jaunes en les détournant de leur sens, de manifestants appelant à scander “ Allahu akbar !” sur leurs haut-parleurs ? La gauche n'est-elle pas elle aussi en train de mourir politiquement - découpée, tronçonnée, éparpillée ? Sans doute, mais si la droite sait qu'elle ne tombera pas dans les mêmes travers, il n'empêche qu'elle est bien malade.

« La France est un pays de droite où la gauche ne peut gagner que par accident » , disait François Mitterrand qui ne se trompait guère à ce propos. La France a-t-elle changé depuis ? Dans un livre très fort qu'il vient de publier ( la Malédiction de la droite , Perrin), Guillaume Tabard note que la droite se meurt aujourd'hui parce qu'elle « ne s'aime pas ». Longtemps même, jusqu'à l'arrivée au pouvoir d'Édouard Balladur, sous Mitterrand, puis de Nicolas Sarkozy, « elle se désignait alternativement comme “majorité” ou “opposition” » (selon qu'elle était au pouvoir ou pas). « C'est la gauche qui faisait claquer le mot “droite” comme on montre du doigt un pestiféré. »

La gauche était chez elle dans les arts et la culture, les médias, les associations, l'Éducation nationale et l'Université… La droite était donc ailleurs, sur d'autres théâtres, abonnée à des cycles économiques contraires, condamnée aux reculs, ce qui, enchaîne Guillaume Tabard, « a entaché sa crédibilité, et désespéré ses électeurs ». Elle passait de l'espoir à la déception, de celle-ci à la nostalgie, « triste triptyque » 

Elle avait pourtant retrouvé toute son ardeur à la fin de la présidence de François Hollande, il y a exactement trois ans. Hollande s'était mis hors jeu, en même temps que la gauche. À cinq mois de la présidentielle, la France ne bougeait plus. La droite, au contraire, s'était reconstituée. Les 20 et 27 novembre 2016, elle s'offrait à son électorat et se voyait bientôt au pouvoir. Au premier tour de cette élection primaire, François Fillon recueillait 44 % des voix, et 66 % (contre Alain Juppé) au second. Pendant deux mois, note Tabard, « François Fillon a été président de la République - virtuellement mais incontestablement »« Fillon, notait Alexis Brézet dans le Figaroest plus ferme que Juppé, plus calme que Sarkozy. »

O ridículo de um tal de Polígrafo (o primeiro jornal português de Fact-Checking)

O professor Gabriel Mithá Ribeiro nos alertou para esta “notícia” bombástica.

Muito ridícula! Mas alguém terá dito que era mentira a dedicatória estampada na nona página do livro?

Maria Luís Albuquerque apresentou um livro que é dedicado a Donald Trump e Jair Bolsonaro?

Gustavo Sampaio


O QUE ESTÁ EM CAUSA?
Ontem à noite, no programa "Eixo do Mal" da SIC Notícias, Pedro Marques Lopes revelou que a antiga ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, foi a apresentadora de um livro da autoria de Gabriel Mithá Ribeiro que é dedicado a "Donald Trump, Jair Bolsonaro, Nova Direita Europeia e Povo de Israel". Verdade ou falsidade?

"Há um senhor chamado Gabriel Mithá Ribeiro que escreveu um livro chamado 'Um Século de Escombros'. E este livro é dedicado ao Donald Trump, ao Jair Bolsonaro, à Nova Direita Europeia e ao Povo de Israel. É um livro que, além de ser dedicado a estas pessoas, tem inúmeros elogios a personagens tão dignas como Viktor Orbán e o grande Steve Bannon. (…) O que a mim me surpreendeu… Quem é que foi apresentar este livro? Maria Luís Albuquerque, a ex-ministra das Finanças, aquela pessoa que Cavaco Silva achava que dava uma boa líder do PSD", afirmou Pedro Marques Lopes, na edição que assinalou o 15º aniversário do programa "Eixo do Mal", transmitido na SIC Notícias.


Ora, confirma-se que Maria Luís Albuquerque apresentou um livro que é dedicado a "Donald Trump, Jair Bolsonaro, Nova Direita Europeia e Povo de Israel"?

De facto, no dia 6 de novembro de 2019, a antiga ministra das Finanças e ex-deputada do PSD apresentou o novo livro de Gabriel Mithá Ribeiro, intitulado como "Um Século de Escombros - Pensar o futuro com os valores morais da Direita".

Segundo noticiou a Agência Lusa nesse mesmo dia, "a antiga ministra das Finanças entre 2013 e 2015, apresentou hoje, em Lisboa, o livro 'Um século de Escombros - Pensar o futuro com os valores da Direita", de Gabriel Mithá Ribeiro, onde esteve também o antigo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, o que mereceu um agradecimento especial por parte do autor. Mas sobre a situação que o PSD atravessa, com a disputa da liderança entre Luís Montenegro, Miguel Pinto Luz e o atual presidente do partido, Rui Rio, que sucedeu precisamente a Passos Coelho, nenhum dos antigos governantes quis falar à comunicação social".

Zemmour, toujours Zemmour

Il exacerbe les passions, mais le polémiste a le droit d'exprimer ses opinions, et ses analyses mériteraient un débat de fond plutôt qu'une pluie d'insultes.

Denis Tillinac

Zemmour [photo] à nouveau suscite des controverses où l'esprit de nuance n'est pas convié. Les délires de Dru-mont, les ligues des années trente, les idéologues de Vichy sont convoqués pêle-mêle pour nourrir un procès qui rappelle plutôt ceux de l'Inquisition. Armé à l'écrit d'une plume trempée dans du vitriol et à l'oral d'une ironie glaçante, ce polémiste invétéré n'est ni un héros ni un monstre. Il m'est arrivé jadis de glander un après-midi durant au Palais de justice entant que témoin de moralité. Des associations manifestement politisées l'accusaient de racisme ; c'était un mauvais procès et je ne regrette pas de l'avoir défendu face à des magistrats intoxiqués par l'air du temps.

Il n'est pas devenu plus respirable depuis lors, et l'énorme succès du livre de Zemmour le Suicide français l'a métamorphosé en un prophète pour certains, en un “ facho ” pour les autres, dont la plupart des éditorialistes, des politiques et des intellos. Sa présence dans les studios ou à la télé exacerbe des passions qui tournent illico à la haine, tant chez ses laudateurs que chez ses contempteurs. On ne veut plus le voir, plus l'entendre. Puis on en redemande. RTL le vire et voici qu'il réapparaît sur CNews. La rafale d'indignations n'aura d'autre effet que de le rendre encore plus incontournable, parce qu'à l'aune de beaucoup de Français, surtout les plus humbles, il vise la bonne cible.

Quoi que l'on pense de son diagnostic sur la menace de l'islamisme dans notre pays, elle a été signalée de longue date par une profusion d'élus de banlieue, de sociologues, de politologues, d'éducateurs. La bonne fortune du RN dans les urnes le démontre surabondamment : les attentats terroristes aidant, l'islam fait peur et ses fidèles sont perçus comme les membres d'une cinquième colonne. Des flux migratoires incontrôlés ayant transbahuté des migrants jusque dans nos villes moyennes, le sujet devient obsédant. D'autant que nos gouvernants, toutes chapelles confondues, n'ont eu de cesse de l'occulter, par peur d'une conflagration, par fatalisme, par calcul électoraliste et autres mauvaises raisons. En sorte que Zemmour est devenu le seul lanceur d'alerte ou presque. D'où son succès, servi par son talent de bretteur. Ses critiques de livres attestent une indéniable culture, et souvent un art de débusquer les indigences de la doxa. Bien qu'entaché d'un esprit de système à mon goût excessif, le Suicide français déclinait des analyses plutôt pertinentes. En tout cas, il aurait mérité un débat de fond et non une giclée d'insultes. Entre-temps, Zemmour a changé, en raison peut-être d'une stigmatisation douloureuse à la longue. On déteste forcément ceux qui nous détestent. Son dernier ouvrage reflète une vision de l'histoire de France qui n'est pas la mienne. Surtout les passages concernant l'histoire du XXe siècle.

Evo Morales se deu mal

João Pereira Coutinho

Ao contrário da esmagadora maioria dos meus colegas de comentário, confesso que não sou um especialista em política boliviana. Mas também confesso que sei duas ou três coisas sobre raciocínio básico.

E o meu raciocínio é este: Evo Morales venceu as eleições em circunstâncias suspeitas: uma auditoria da Organização de Estados Americanos encontrou fraude em larga escala na votação eletrônica; o povo não gostou e saiu  para as ruas; o exército, para evitar o caos, indicou ao senhor Morales a porta de saída; o senhor Morales aceitou.


Perante estes factos, que ninguém seriamente contesta, não sei muito bem como é possível falar de “golpe de Estado” na Bolívia, sem referir a roubalheira eleitoral de Evo Morales e seus muchachos.

Mas sei muito bem que tipo de ética move o comentário “independente” que medra por aí: é aquela ética imunda e viscosa que nunca perde uma oportunidade para defender os seus déspotas.
Texto: João Pereira Coutinho, SÁBADO, nº 811, de 11 a 20 de novembro de 2019

Relacionados:

Toffoli nega pedido de Aras e mantém acesso a relatórios sigilosos

Presidente do Supremo pediu informações adicionais a BC

Agência Brasil  

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli [foto}, negou o pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, para revogar a entrega e o acesso de dados financeiros de 600 mil pessoas e empresas coletados pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), atual Unidade de Inteligência Financeira (UIF), nos últimos três anos.


Na decisão, Toffoli refutou o argumento de Aras de que o acesso aos dados seria “desproporcional e invasivo”. Segundo o presidente do Supremo, a própria Receita Federal concedeu acesso à autoridade policial, ao Ministério Público e à Justiça, antes de o Supremo requerer dos dados.

Para rejeitar o argumento de desproporcionalidade, Toffoli lembrou que o processo corre em segredo de Justiça, justamente para proteger informações sensíveis. O presidente do Supremo informou que o STF não realizou o cadastro necessário na UIF, hoje sob responsabilidade do Banco Central (BC), para ter acesso aos relatórios de inteligência.

Além de pedir acesso aos dados, Toffoli determinou que a UIF especifique quais instituições e agentes estão cadastrados para o acesso às informações financeiras sigilosas das 600 mil pessoas e empresas. O ministro também quer saber quantos relatórios foram emitidos por iniciativa da própria da UIF, quantos foram pedidos por instituições e quais agentes pediram os relatórios e em que quantidade.

Os dados devem ser repassados ao Supremo até as 18h de segunda-feira (18). Segundo Toffoli, as informações fornecidas pelo Coaf serão usadas para embasar o julgamento do processo sobre o compartilhamento de informações financeiras sem autorização judicial, marcado para esta quarta-feira (20).

Hoje (15) à tarde, Aras tinha pedido a suspensão do repasse das informações ao STF. O procurador-geral alegou que a intimação de Toffoli pode ameaçar o sistema de inteligência financeira, já que a ação pede documentos sigilosos sem apontar necessidade ou nomes específicos.
Título e Texto: Agência Brasil; Edição: Wellton MáximoAgência Brasil, 15-11-2019, 20h21

Relacionado:

Proclamação da República completou 130 anos


Entenda o nascimento da República no Brasil

TV Brasil

Em 1888, a Lei Áurea aboliu oficialmente a escravidão, mas o Império estava em crise. Por um lado acreditava-se que os antigos escravizadores aderiram aos ideais republicanos para destituir a família real. Mas o cenário era bem mais amplo.

Dom Pedro II estava muito doente e a sucessora seria a princesa Isabel, que era casada com um francês, o conde D'Eu, considerado impopular, figura que também já havia criado conflitos com os militares na ocasião da Guerra do Paraguai.

“A participação do conde D'Eu na Guerra do Paraguai é um dos fatores de impopularidade. Ele era arrogante. Dizem que ele promoveu massacres. Não tinha aptidão para administrar”, conta a historiadora Catia Faria.

Quem também tinha pouco prestígio entre os militares era o visconde de Ouro Preto, chefe do gabinete do Império e conhecido pela intransigência. Ele foi nomeado por Dom Pedro II para fazer as reformas que os republicanos buscavam.


Em 1870, o Brasil saiu vitorioso da Guerra do Paraguai e os militares não tinham recebido do imperador o reconhecimento que esperavam.

O Brasil estava em crise econômica por causa de dívidas motivadas, principalmente, pela guerra. O sistema de governo da Monarquia era considerado atrasado.

Agradeça pelo dom da vida

Nelson Teixeira

Agradeça por tudo e por todos que direta ou indiretamente têm colaborado para seu aprimoramento e progresso evolutivo.

Agradeça sempre pelo dom da Vida e pelas oportunidades diárias de aprender um pouco mais…

Agradeça por todas as situações, fatos e pessoas que cruzarem seu caminho, pois tudo está determinado e é o que você precisa viver no dia de hoje…

Agradeça também por suas limitações, porque graças a elas você tem a possibilidade de praticar o esforço da superação e ser melhor a cada dia…

Só agradeça e prometa a si mesmo, colocar Amor em tudo o que fizer e vivenciar.
Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 16-11-2019

Charada (1 116)


Quando é que
a palavra
CARDEAL
se transforma
num APELIDO?

Charada (1 115)


Uma equipa de pintores
demorou 3 dias a pintar
uma casa. No primeiro dia,
os pintores trabalharam
6 horas e pintaram 45% da
casa. Se, no segundo dia,
eles trabalharam apenas
4 horas, qual a percentagem
que eles pintaram no segundo
e terceiro dias?

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

[Aparecido rasga o verbo] Cama de gato

Aparecido Raimundo de Souza

LIGARAM DA LOJA de artigos para pesca procurando pelo Mário Tamiflu. Atendeu a tia dele, dona Francisca Tamiflu, uma solteirona que não tinha papas na língua, nem aguentava desaforos, quando via que a conversa não lhe agradava.
— Bom dia. Por favor, madame, seu Mário Tamiflu?
— O Mário não mora aqui. É a tia dele que está falando. Em que posso ser útil?
— Qual seu nome, por obséquio?
— Francisca Tamiflu. E o seu?
— Raid. Sou o supervisor de vendas.
— Do que se trata seu Raid?
— Aqui é da Accamem.
— Da água... Água o quê?
— Accamem.

— Tá legal, não importa. O que o senhor deseja com meu sobrinho?
— Comercializamos com toda linha de produtos para pesca, senhora.
— E daí? Onde é que meu sobrinho entra nisso?
— Seu Mário Tamiflu, senhora, esteve ontem com Jeremias, um de meus vendedores e fez uma comprinha generosa aqui na nossa loja...
— E o que ele comprou de tão... Tão generoso?
— Bem, senhora. Praticamente quase tudo para uma boa pescaria. Do barco ao...
— Credo! Não sabia que o Mariozinho gostava de pescarias. Desde pequeno sempre detestou peixes. Só de olhar para o mar enjoava. Mas não importa. Qual o seu problema com ele, seu Raid?

O sujeito do outro lado pigarreou.
— Desculpe senhora. Nenhum. Coisinha boba. É sobre uma vara que ele levou...
— O que tem a vara?
— Ele reclamou que era pequena. Na verdade seu Mário queria levar uma vara maior...
— Vara pequena, vara maior, meu senhor? Que brincadeira sem graça o prezado está fazendo comigo?
A tia começou a desconfiar da conversa. Achava que o sujeito tirava um sarro da sua cara. Quando dona Francisca desconfiava, virava bicho. E dos brabos.
— Desculpe estar incomodando a senhora madame dona Tamiflu. Seu filho...
— Sobrinho...

— Sobrinho, desculpe. Ele queria uma vara, perdão, uma varona dessas bem...
A mulher começou a se enfurecer:
— Escuta aqui, seu engraçadinho. Qual é a sua, afinal? Acaso o meu Mário apareceu ai na sua loja e lhe prendeu no armário junto com seu vendedor Jeremias, pegou essa tal vara e...
O cara do pigarro com essas palavras se desconcertou e se mostrou mais atacado que nunca. Voltou a se ver em sérios apuros com o incômodo e a tossir seguidas vezes. Todavia, insistente como uma mosca varejeira, quando conseguiu prosseguir...
— Desculpe senhora. Como falei seu sobrinho, ontem, fez uma compra...
— Estou careca de saber, seu Raid. O senhor já me passou essa informação. Quero entender direitinho que história é essa de vara pequena e vara maior... Que seu vendedor Jeremias...

Charada (1 114)

Qual a
figura
mitológica
que se esconde nesta
estranha palavra?


PUACOSLEI

Por que será que a “imprensa portuguesa” torce tanto pelo Lula da Silva?

Não terá Portugal suficientes problemas que devam ser apontados e denunciados?

Resposta: 
Não. Enquanto, por exemplo, um tal de Centros de Estudos Sociais, na Universidade de Coimbra – um antro e viveiro de extremistas de esquerda – for considerado aceitável, enquanto os que lhe fazem face/combatem são estigmatizados como extremistas de Direita.

Existem outros muitos exemplos. Pode colaborar, por favor.

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Brasil entrega presidência do Brics e destaca trabalho em inovação

Rússia recebe a presidência do grupo

Andreia Verdélio


Com o fim da 11ª Cúpula do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o Brasil entregou hoje (14) a presidência rotativa do bloco. Na avaliação do presidente Jair Bolsonaro, guiado pelo lema “Crescimento Econômico para um Futuro Inovador”, durante este ano, o Brasil conseguiu dar ênfase à inovação, “essencial para fomentar a produtividade e competitividade de nossas economias, condições necessárias para o desenvolvimento e bem-estar dos nossos povos”.

Segundo o presidente, os países do grupo têm buscado criar os meios práticos para que a cooperação ajude a assegurar às economias a permanente atualização tecnológica, exigida pela economia digital, com destaque para a criação da Rede de Inovação do Brics, do Instituto de Redes Futuras e para a parceria para a Nova Revolução Industrial. “Por meio dessas instâncias, nossos países podem aumentar a pesquisa científica, estimular a produção de bens e serviços inovadores e melhor capacitar os profissionais”, destacou Bolsonaro.

De acordo com o presidente, o Brasil também orientou a reunião de jovens cientistas para a discussão sobre inovação e juventude

Durante seu discurso na sessão plenária da cúpula do Brics, que aconteceu no Palácio do Itamaraty, em Brasília, Bolsonaro ressaltou a importância da cooperação entre os cinco países e fez um balanço dos principais temas tratados durante o ano. “Essas reuniões resultaram em um maior conhecimento recíproco na identificação de oportunidades e de cooperação e demonstram a vitalidade e o potencial da colaboração entre governos e sociedades”, disse.

O presidente brasileiro destacou a adoção de uma perspectiva pragmática no comércio internacional e a assinatura de acordos entre as agências de promoção de comércio e investimentos. Na área da segurança, o Brasil concentrou esforços no combate ao terrorismo e na luta contra corrupção, em seminários, grupos de trabalho e uma reunião sobre recuperação de ativos.

Na saúde, a presidência brasileira do Brics focou a promoção do aleitamento materno e a pesquisa da tuberculose, com o objetivo de tornar mais barato o acesso a medicamentos. Houve avanços e ainda acordos para pesquisa energética, assistência aduaneira e de satélites.

Parceiros

Em 2020, a Rússia assumirá a presidência rotativa do Brics. De acordo com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, estão programados 150 eventos em diferentes níveis no próximo ano e a expectativa é ampliar a cooperação em política externa nas principais áreas de interesse dos países do bloco.

Para Putin, o Brics deveria ser mais prático em assumir ações no âmbito das Nações Unidas, em prol da resolução de questões globais cruciais e na elaboração de padrões e normas internacionais de combate ao terrorismo e ao crime transnacional.

[Viagens & Destinos] Caminhos da História - Francisco de Almada e o cemitério do Prado do Repouso, no Porto






Anteriores:

Camilo Lourenço: “O transporte aéreo não é para meninos...” + “o primeiro-ministro mentiu duas vezes”


Antes da ordem do dia: O buraco na SATA, dos Açores, pago por todos os contribuintes 😳

Afinal o salário mínimo voltou a ser imposto pelo governo... e não negociado 🤔

O governo vai subir o patamar da isenção de IRS: alguém vai pagar por isso 🤭

O “desamor” de Joacine Katar Moreira no Parlamento 😂

João Galamba não tem vergonha: insiste no disparate 😂

1 - António Costa mentiu ontem no Parlamento sobre o aumento de impostos. Mentiu mesmo!!! 😡👎

2 - Deve estar "esquecido" do que disse no Parlamento no dia 30 de outubro deste ano 🤔

3 - O primeiro-ministro mentiu também ao afirmar que não mandou emigrar os professores. Mentiu mesmo!!! Foi em Paris, ao falar dos professores de Português... 😨👎

4 - Moral da história: o primeiro-ministro não tem vergonha. Nenhuma!!! 😡🤮

5 - Você que me vê, tome nota disto: o primeiro-ministro não garantiu que não vai aumentar os impostos indiretos 😡😡

6 - Metade das famílias portuguesas tem dívidas ao banco. E 7% delas não têm acesso ao crédito... porque já não os podem pagar (este ponto fica para amanhã) 😳😱


Texto e Vídeo: Camilo Lourenço, A Cor do Dinheiro, 14-11-2019

A soberania socialista

Alexandre Homem Cristo

Nesta tentativa de silenciamento parlamentar, surgiu uma novidade: desta vez, não foi a vontade do PS a definir as regras do jogo. Parece pouco, mas a sessão legislativa começou com uma vitória.

É-nos ensinado e relembrado sucessivamente que o nosso regime democrático, como em todas as repúblicas liberais, está enquadrado por leis, separação de poderes, tradições, práticas procedimentais e instituições independentes. É inquestionável que assim sucede. Mas há uma regra não-escrita que permanece crucial para compreender como todas as peças deste puzzle se encaixam em harmonia: há um partido que decide quando é que a lei se aplica, quando é que a regra é válida, quando é que a excepção se impõe, quando é que a tradição impera. Esse partido é o PS.

Os últimos dias trouxeram um novo exemplo, à conta da discussão sobre os tempos de intervenção dos novos partidos no parlamento. Ao contrário do que muitos comentadores avaliaram, o cerne da questão nunca esteve nos precedentes parlamentares ou no cumprimento escrupuloso do regimento da Assembleia da República, muito menos em eventuais “incoerências” dos partidos à esquerda – tudo isso seria o importante numa discussão racional e séria, mas há muito que a seriedade se perdeu. A bússola necessária para compreender este debate está em conhecerem-se os interesses circunstanciais do PS.

Em 2015, dava jeito permitir ao deputado-único do PAN discursar no hemiciclo? Então, instaure-se uma excepção ao regimento.

Em 2019, é conveniente silenciar os novos partidos? Nesse caso, cumpra-se rigorosamente o regimento. Sim, nas palavras do deputado socialista Pedro Delgado Alves, “a democracia também é aquela coisa chata das regras e regulamentos”. Pois, é. Mas a maior das chatices é verificar que o cumprimento das regras ou a concessão de excepções varia em função das conveniências socialistas.

Não é a primeira vez, nos últimos anos, que surge uma tão-evidente exibição desta “soberania” de quem entende o regime democrático como extensão da sua vontade. Quando, em 2015, se levantou a possibilidade (até então inédita) de um derrotado em eleições legislativas formar governo, lançou-se o debate: as eleições legislativas serviriam, para além de eleger 230 deputados, para a escolha de um primeiro-ministro? Se o entendimento fosse que “sim”, então a legitimidade de António Costa estaria posta em causa. E, como tal, não faltaram “soberanos” para logo virem esclarecer que tal manifestação de preferência popular era um absurdo. Eventualmente, até será.

Flamengo e Vasco empatam em jogaço de 8 gols no Maracanã

Fla empata com Vasco em jogo histórico, e chance de título é adiada

Num dos melhores e mais eletrizantes jogos do Campeonato Brasileiro de 2019, Flamengo e Vasco empataram em um 4 a 4 histórico. O resultado acabou adiando a possibilidade de título brasileiro para Rubro-Negro já neste domingo (17). Os gols foram de Bruno Henrique (2), Everton Ribeiro e Danilo Barcelos (contra) para o Fla; e de Marrony, Yago Pikachu, Marcos Júnior e Ribamar, aos 47 do segundo tempo, para o Vasco.


Flamengo e Vasco empataram em 4 a 4 em uma grande partida disputada na noite desta quarta (13) no estádio do Maracanã. No jogo (antecipado da 34ª rodada do Campeonato Brasileiro) o atacante Ribamar acabou sendo um dos destaques ao marcar o gol do empate já nos acréscimos da partida.

Com este resultado o Flamengo permanece na liderança da competição, abrindo 11 pontos de vantagem em relação ao vice-líder Palmeiras (que tem um jogo a menos), e alcança uma sequência de 20 partidas de invencibilidade nesta edição do Brasileiro.

O jogo
O time rubro-negro começou a partida em um ritmo frenético. Com isso, com menos de 1 minuto de jogo o líder do Brasileiro abriu o marcador. Logo após a saída de bola, Reinier arranca sozinho até a área do Vasco. O jovem atacante toca para o meio da área, a bola ainda bate em Gabigol, mas ela sobra para Éverton Ribeiro chegar chutando para abrir o marcador com 37 segundos de confronto.

Após a pressão inicial, o Vasco consegue igualar as ações, aproveitando espaços dados pelo Flamengo para criar oportunidades em perigosos contra-ataques.

Foto: Wallace Teixeira/Estadão Conteúdo
E aos 33 minutos o time de São Januário consegue empatar justamente em um lance de contra-ataque, Rossi avança, cruza para a área, onde Raul escora de cabeça para Marrony bater de primeira.

Não demora muito e o Vasco alcança a virada. Aos 35 o lateral Yago Pikachu é derrubado dentro da área pelo zagueiro Rodrigo Caio dentro da área após linda jogada individual. O próprio Pikachu vai para a cobrança e desloca o goleiro Diego Alves para marcar.

Presidentes da Rússia e da China pedem diminuição de protecionismo


Países do Brics querem ampliar integração entre economias emergentes

Wellton Máximo

A diminuição do protecionismo é essencial para enfrentar a desaceleração econômica global, disseram hoje (13) os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da China, Xi Jinping. Em discursos no encerramento do Fórum Empresarial do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, os dois líderes defenderam o aprofundamento do comércio internacional para haver desenvolvimento.

Segundo Putin, os países do Brics podem contribuir para suavizar a desaceleração econômica global, ao estreitarem os laços comerciais e tecnológicos entre si. “Dada essa recessão dupla que temos enfrentado, temos visto o crescimento de atitudes protecionistas, de problemas alfandegários. Os países do Brics têm de se esforçar para não se deixar abater por essas coisas. Temos de manter o nível de vida de nossas populações ou até aumentá-las”, declarou. Ele disse que, desde 2018, o mundo enfrenta um desaquecimento econômico e deve encerrar 2019 com o menor crescimento em dez anos.

Em 2020, a Rússia assumirá a presidência rotativa do Brics. Putin lembrou que o comércio do país com os demais membros do grupo tem aumentado mais de 20% nos últimos cinco anos. O presidente russo destacou as cooperações entre os integrantes do Brics nas áreas farmacêutica, de exploração espacial, aeronáutica e disse que o governo russo está disposto a aumentar o intercâmbio na área de tecnologia da informação, de informática e em energia limpa, principalmente no segmento de gás natural.

O aumento do protecionismo global também foi abordado por Xi Jiping em seu discurso. Segundo ele, a guerra comercial desestimula os investimentos em inovação, o principal instrumento para impulsionar a economia global. China e Estados Unidos, as duas maiores economias do planeta, enfrentam tensões comerciais desde que o governo do presidente Donald Trump decidiu impor tarifas a produtos chineses, com retaliações do país asiático.

“Com a nova rodada de transformações industriais e tecnológicas, os motores de desenvolvimento estão ajudando a aumentar a produtividade, a avançar nas áreas sociais e econômicas. No entanto, o crescente protecionismo e as ameaças no mundo estão ameaçando o comércio internacional e o investimento internacional e também levando a uma desaceleração mundial da economia”, disse o mandatário chinês.

Em seu discurso, Xi Jiping defendeu a ampliação dos investimentos em inovação, economia digital e economia verde (desenvolvimento aliado às preocupações com o meio ambiente) e afirmou que o país está empenhado em abrir o comércio. Ele destacou que o desenvolvimento da China representa uma oportunidade para o mundo inteiro, principalmente para os países do Brics.

Charada (1 113)

Descubra os
diferentes
anagramas
da palavra
CASTELO.

Reformas vão tornar Brasil mais atrativo a negócios, diz Bolsonaro

Chefes de Estado do Brics discursaram em fórum de empresários

Wellton Máximo

Foto: José Paulo Lacerda
As reformas em curso tornarão o ambiente de negócios no Brasil mais atrativo, disse hoje (13) o presidente Jair Bolsonaro. Ele discursou na cerimônia de encerramento do Fórum Empresarial do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, acompanhado dos demais chefes de Estado e de Governo do grupo.

Segundo o presidente, o Brasil iniciou um processo de mudanças que destravou reformas estruturais paradas há décadas. “O Brasil ainda tem um caminho a percorrer. Novas reformas se apresentam para nós para que possamos ter a certeza de que ambiente de negócios no Brasil se torne cada vez mais atrativo. Brasil um dos poucos países com mercados das mais diversas oportunidades para oferecer a todos”, discursou Bolsonaro.

Veja a cerimônia de encerramento do Fórum Empresarial do Brics na TV Brasil:


O presidente também citou a isenção de vistos para turistas e homens de negócios chineses e indianos como fator que vai reforçar os negócios entre os países do Brics. “Nossas medidas de aproximação se mostram realidade a partir do momento que temos aberto isenções de visto para homens que venham fazer turismo e negócios no Brasil”, declarou.

Desde junho, o governo brasileiro deixou de exigir vistos para turistas dos Estados Unidos, do Canadá, da Austrália e do Japão que venham ao Brasil. No fim do mês passado, em viagem à Ásia, Bolsonaro anunciou que pretende estender a isenção para a Índia e a China, com os indianos sendo os primeiros beneficiados.

Bolsonaro citou o potencial econômico do Brasil em diversos setores. “É de conhecimento do mundo todo o nosso potencial que vem do campo, bem como nossas riquezas minerais, um grande potencial turístico e um povo que cada vez mais se demonstra interessado em contribuir e cooperar com Brasil”, declarou.

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Ganharam um hotel magnífico e levaram à falência mais um patrimônio da Varig

Alberto José

Os "zécutivos" tomaram posse de um grandioso e luxuoso hotel parque, com piscinas, restaurantes, animais da fauna amazônica e puseram tudo a perder. É o cúmulo da incompetência não conseguir administrar um empreendimento pronto, em funcionamento, sem concorrente e com imenso potencial turístico!


Título, Texto e Imagem: Alberto José, 13-11-2019

Sondage Ifop : Marine Le Pen bat son propre record de popularité

Julien Michel

Selon le tableau de bord Ifop-Fiducial pour Paris Match et Sud Radio, avec 36% de «bonnes opinions» (+8 points), la présidente du Rassemblement national décroche son meilleur score depuis le début du quinquennat et s’installe à la vingtième place de ce classement.

Jean-Luc Mélenchon, en revanche, stagne (35 %, =).

Marine Le Pen progresse dans toutes les catégories, singulièrement auprès des retraités (42%, +15), des ouvriers (47%, +11), mais aussi des sympathisants insoumis (27%, +15) et des Républicains (44%, +20). Dans un duel testé par l’Ifop, elle est toutefois toujours largement devancée par Emmanuel Macron : 55% en faveur du chef de l’Etat contre 27% pour Marine Le Pen, mais 18 % ne sont pas déterminés.

Marine Le Pen, photo: Thierry Thorel/NurPhoto via Getty Images

À noter : Nicolas Sarkozyi remonte à la quatrième place (47%, +1). L’ancien président de la République talonne Martine Aubry (50%) et Ségolène Royal (49%). L’ex-président rassemble sans difficulté les Républicains (89%, +8), mais séduit aussi sept marcheurs sur dix et un tiers d’électeurs de gauche. En revanche, il chute de 21 points auprès des électeurs lepénistes (44%).

Le très laïcard François Baroin, à la tête de la toute puissante Association des maires de France, s’installe à la cinquième place (47%, =). Il devance désormais assez nettement ses concurrents à droite : Xavier Bertrand (42%, –5) et Valérie Pécresse (38%, –5).
Julien Michel, La Lettre Patriote, 13-11-2019

Bolsonaro se encontra com presidente chinês em Brasília

Andreia Verdélio

O presidente Jair Bolsonaro recebeu, hoje (13), o presidente da República Popular da China, Xi Jinping, no Palácio do Itamaraty, em Brasília. O líder chinês chegou às 11h10 ao prédio onde estão previstas a assinatura de atos e uma declaração conjunta à imprensa.

Foto: Adriano Machado/Reuters
O encontro entre os dois chefes de Estado ocorre menos de um mês depois de o presidente Jair Bolsonaro visitar a China. Na ocasião, foram assinados acordos e memorandos de entendimento em política, ciência e tecnologia e educação, economia e comércio, energia e agricultura. Agora, os dois países querem aprofundar esse intercâmbio, a confiança política e ampliar a cooperação em diversas áreas.

A bilateral entre os dois chefes de Estado acontece no âmbito da 11ª Reunião de Cúpula do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. A programação do evento começa nesta tarde com o encerramento do Fórum Empresarial do Brics. Antes, Bolsonaro também se encontra, no Palácio do Planalto, com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.

À noite, de volta a Itamaraty, o governo brasileiro oferecerá um jantar em homenagem aos líderes do bloco, e amanhã (14), também no Ministério das Relações Exteriores, acontecem as sessões plenárias e o almoço de encerramento da cúpula.

Cúpula
Presidida pelo Brasil, a reunião do Brics tem como lema Crescimento Econômico para um Futuro Inovador. Segundo o Itamaraty, serão discutidos, prioritariamente, temas relacionados à ciência, tecnologia e inovação, economia digital, saúde e combate à corrupção e ao terrorismo. Esta é a segunda vez que Brasília sedia a conferência – a primeira vez foi em 2010. Em 2014, o Brasil também organizou a cúpula, que aconteceu em Fortaleza.
Título e Texto: Andreia Verdélio; Edição: Fernando FragaAgência Brasil, 13-11-2019, 11h27