segunda-feira, 27 de junho de 2022

[Meninos, eu vi] A noite de São João no Porto, 56 anos depois

Sim, cinquenta e seis anos depois! Curti as noites de São João no Porto nos anos de 1966 e 1967. Guardei na memória aquelas fantásticas noites.

Graças a Deus, pude voltar no ano da graça de 2022.

Contrariamente ao descrito neste verbete da Wikipédia [Viagens & Destinos] Festa de São João no Porto, não existem mais os alhos-porros, nem os ramos de cidreira, nem os de limonete… somente os martelinhos. (Não tenho a certeza, mas penso que na década de 60 também havia martelinhos com cabo longo, tipo oitenta/noventa centímetros…).

A cidade do Porto vem para a rua, se alegra e alegra o próximo. Um espetáculo popular e tradicional a não perder na cidade do Porto.

La gouvernance par la peur

H16

L’actualité est difficile à suivre en ce moment et la presse, ayant sombré dans un mode de propagande aussi totale que grotesque qui en devient particulièrement visible, n’aide pas à donner une image claire des directions prises par les uns et les autres.


Ainsi du côté du gouvernement, on ne peut que noter l’embarras dans lequel il se trouve de tous les côtés qu’on le prenne.

Sur le plan politique, l’absence de majorité absolue pour la Renuisance du Président ou pour le groupe Ensemble à l’Assemblée provoque des difficultés manifestement pas envisagée par Emmanuel Macron qui ne semble pourtant pas encore prêt à négocier quoi que ce soit.

La défaite électorale de Bourguignon, l’actuel ministricule en charge de la Santé, aurait dû la condamner à démissionner bien vite pour être remplacée par l’un ou l’autre factotum du moment. Il n’en est rien : à la difficulté de cette période intérimaire jusqu’au vote de confiance à la politique générale du gouvernement, prévu le 5 juillet, s’ajoute celle de trouver un successeur pour ce poste de plus en plus sulfureux, ce qui explique sans doute que Bourguignon perdante n’ait pas été déjà flanqué dehors. Il en ressort une impression d’entre-deux dans laquelle toute prise de décision solide semble impossible.

Si l’on écarte une censure pure et simple du gouvernement le 5 juillet, il n’est cependant pas impossible que cette impression perdure même au-delà : entre l’intransigeance puérile du chef de l’État et les jeux de partis qui doivent maintenant sentir l’odeur du sang de la bête blessée, on comprend que les prochains mois ne pourront être placés sur de solides rails et sur une direction parfaitement claire.

Aux députés godillots succède maintenant la navigation à la godille…

Sur le plan économique, la presse continue d’enrober une réalité assez rêche d’une propagande décontractée.

Michel Onfray : "Macron veut détruire la France !"

Michel Onfray, philosophe engagé et fondateur de la revue "Front populaire", est le grand invité de Livrre Noir pour parler de Macron, de l’Arménie, de Marine Le Pen, Mélenchon, mais également de Robespierre ou de la guerre en Ukraine et des relations étrangères.

Livre Noir 26-6-2022

Programa 4 por 4 - Domingo, 26 de junho: entrevista com o Presidente Bolsonaro

Agência Brasil explica direitos do cliente na hora de trocar produto

Código de Defesa do Consumidor estabelece regras para troca

Luciano Nascimento

Receber um presente nem sempre é sinônimo de satisfação garantida. A pessoa que adquirir um produto e ele não servir ou apresentar algum defeito tem o direito de troca. Quem determina as situações em que a substituição é possível é o Código de Defesa do Consumidor. Existem situações em que a troca é obrigatória e, em outras, que depende da loja onde o produto foi comprado.

Foto: Amanda Perobelli/Reuters

No caso, por exemplo, de uma blusa, calça ou tênis que você ganhou, mas não gostou da cor, do tamanho ou simplesmente não serviu, o Código de Defesa do Consumidor diz que o lojista não é obrigado a efetuar a troca. Ela só será obrigatória nos casos em que o produto apresentar defeito.

Nesses casos, fica garantido ao consumidor trocar uma roupa com problemas de confecção ou um brinquedo que saiu quebrado da loja. Entretanto, se o produto já tiver sido adquirido com defeito e o consumidor foi avisado disso no momento da compra, ele não terá direito à troca.

Se o defeito for aparente, a legislação determina o prazo de 30 dias para que o consumidor possa pedir a substituição, caso o produto seja um bem não durável, como alimentos e produtos de beleza. Se for um bem durável, como um eletrodoméstico, um eletroeletrônico, o prazo é de 90 dias.

A solicitação de troca pode ser feita diretamente à loja, ao fabricante ou à assistência técnica. O código diz ainda que se não for possível o conserto do produto no prazo de até 30 dias, o consumidor poderá optar pela troca, a devolução do dinheiro ou o abatimento proporcional do preço.

Obras para implementação do trem Rio-Minas começaram oficialmente

A tendência é que a reforma seja finalizada em dezembro deste ano ou janeiro do ano que vem

Felipe Lucena

Após a aprovação do projeto pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), foram iniciadas nesta semana as obras para que os trilhos do trem Rio-Minas possam receber os veículos e seus passageiros. A tendência é que a reforma seja finalizada em dezembro deste ano ou janeiro do ano que vem.

O Trem Rio-Minas vai percorrer 8 cidades. Serão, aproximadamente, 300 mil pessoas atendidas diretamente pelo projeto e 12 milhões de pessoas na área de influencia do trecho. A capacidade é de 873 turistas por viagem, 20,952 turistas por mês e 251.424 turistas por ano. A iniciativa é da ONG Amigos do Trem.

[Atualidade em xeque] O Aerus, a Aprus e a Ucrânia

José Manuel

Claro que quem ler este título, no mínimo, irá pensar que o cara que escreveu isto chegou à senilidade e começou a trocar as bolas, a viajar numa tal de maionese. Surtou, coitado, de tanto escrever. Nem tanto!

Ainda estou pra lá de normal, apesar do meu motor ser 7.5, mas altamente regulado e flex, ou seja, me adapto ao que vier, e sempre com a regulagem no ponto certo.

Mas, vamos lá tentar explicar o título!

O momento atual com suas tragédias cotidianas, nos mostra similaridades, exatamente onde elas não deveriam existir.

Esta semana ao perguntar a um amigo de muitas jornadas, se ele era sócio da APRUS, recebi como amável resposta, e não poderia ser de outro jeito, visto a nossa amizade, de que ao repassar para seus muitos contatos o passo a passo que lhe enviei, mostrando como era fácil fazer parte da APRUS, ficou sabendo que TODOS os seus contatos do AERUS, não  eram sócios, não  iriam ser e que ele próprio também não era, que preferia esperar  para ver com iriam ficar as coisas.

Bom, claro que ponderei no que poderá suceder a ele de ruim com relação a um acordo na DT, patrocinado pela APRUS caso ele persistir no seu posicionamento, e continuamos amigos.

Logo a seguir, repassei no anonimato, esse pensamento coletivo aos conselheiros da APRUS e seu Presidente, para conhecimento, entender e servir de parâmetro ao pequeno volume de 40% de associados e 60% de não associados, num universo de 10.000 assistidos e beneficiários.

Então, fica claro que são apenas 3.800 ex-funcionários assistidos, que acreditam na APRUS e que estão garantidos num futuro acordo, pois a APRUS apenas representará oficialmente o número vigente de sócios à altura do acontecimento, pois esta será a sua representatividade naquele momento.

Como a APRUS é a única associação diretamente ligada ao AERUS que tem legitimidade para realizar esse acordo de pagamentos vitalícios e, aos que não sabem, o SNA não tem nada a ver com este caso, mas somente com relação à ACP, que apenas trará os atrasados de volta, o que já será algo muito bom, não é muito difícil de perceber que não é uma boa ideia continuar não sendo sócio.

Muito bem, então recebi de um dos Conselheiros, uma resposta fantástica que me remeteu à guerra atual e suas similaridades com todo o nosso processo do fundo de pensão.  Prestem atenção:

domingo, 26 de junho de 2022

O Homem Sem Nome

Para o especialista em segurança pública, no Brasil todas as vidas importam, menos a vida do homem comum. Motta comenta o caso do segurança assassinado por bandidos no assalto ao Village Mall

Roberto Motta

Alguém sabe o nome do funcionário do Village Mall que foi assassinado há pouco por assaltantes?

Foto: Miguel Sá

Sua idade? Quantos filhos tinha? Seus interesses, planos, sonhos?

Ninguém sabe, claro. Ele não foi morto na Amazônia e não era ligado a ONGs.

Era um simples trabalhador. Foi assassinado no Rio.

O mesmo Rio onde as operações policiais nas favelas estão suspensas desde 2020, por ordem judicial.

Por isso, o velório do trabalhador não será exibido no horário nobre da TV.

Nenhum comitê será formado para acompanhar as investigações sobre sua morte. Ninguém vai entoar um canto fúnebre em sua homenagem, em frente à ONU.

No Brasil todas as vidas importam, menos a vida do homem comum.

Esse homem agoniza, sozinho, no estacionamento de um shopping. Agonizam junto com ele a liberdade, a democracia, e a fantasia do “estado democrático de direito“. 

Título e Texto: Roberto Motta, Diário do Rio, 26-6-2022

Relacionados: 
Grande tiroteio no mais luxuoso shopping da Barra da Tijuca deixa dois mortos 
Sabe?

Grande tiroteio no mais luxuoso shopping da Barra da Tijuca deixa dois mortos

Roubo à joalheria Sara Jóias termina em tragédia com morte de um segurança do Village Mall e de um dos criminosos. O tiroteio, com direito a mais de 30 tiros, fechou lojas e apavorou frequentadores do "shopping mais chique do Rio"


Templo do consumo de luxo na Zona Oeste, o Shopping Village Mall, pérola da rede Multiplan de shopping centers, foi alvo de um crime mais que audacioso na tarde de hoje, que terminou em tragédia, com a morte de um vigilante que tentou defender o estabelecimento.

Fontes da Polícia Civil chegaram, inicialmente, a mencionar dois mortos durante a tentativa de assalto à joalheria Sara Jóias, no mall do estabelecimento. Um bandido e um vigilante do próprio Village. Todavia, depois, mudou-se a versão para apenas a morte de uma pessoa, o vigilante. Todavia, como o DIÁRIO teve acesso a imagens do bandido morto pela polícia, na rua, na Barra da Tijuca, divulgamos não só a tragédia do segurança, como também a morte do bandido, e a contagem de dois mortos.

Conforme diversos relatos de testemunhas – diversos depoimentos e filmagens foram divulgados na rede mundial de computadores – o confronto entre os criminosos assaltantes e o vigilante teria ocorrido em torno das 18h10min, após a tentativa de assalto à Sara Jóias, no centro comercial. Esta joalheria é conhecida revendedora de relógios Rolex Cartier, além de peças de alta joalheria, com coleções em metais e pedras preciosas. Policiais da 16ªDP (Barra da Tijuca) e do BOPE foram até o shopping, considerado “super seguro” pela população usuária de seus serviços. “Há um mito de que a Barra da Tijuca e seus shoppings são seguros, mas a verdade é que toda a cidade está infestada de bandidagem“, disse ao DIÁRIO um frequentador do Shopping que disse ter ficado vinte minutos escondido com medo de ser baleado pelos bandidos.

Sabe?

[As danações de Carina] Incondicional

Carina Bratt 

AMEI ESSE AMOR, como quem ama um deus que veio de um paraíso distante, esquecido e escondido dentro de meu coração. Ele se fez em festa. Bateu mais rápido como se surpresado por uma disritmia começada assim, do nada e se expandiu. Foi tão fabuloso e belo, grandioso e intenso o sentimento, que, de repente, me vi encarcerada do seu olhar, enlaçada pela sua fala macia, submissada ainda pelos beijos ardentes da sua boca bem-feita. 

Lembro que seus dentes brancos como a neve mordiscaram meus lábios capturando a minha língua, a ponto de, no segundo seguinte, cobrirem as montanhas da minha imaginação como historinhas de amor saídas dos mais belos contos de fadas. Me vi, por conta, encurralada, penhorada, detida, sem fala, sem voz, sem ar, mercê de sua beleza indescritível. Foi tão intenso e inflamado esse gostar, tão fogoso e incandescente a ‘simpatização’, que deixei de ser a mulher adulta que morava em mim para regredir literalmente aos floridos da longínqua e distanciada adolescência. 

Mais precisamente, retrogradei no albor dos quinze para dezesseis, e lá, topei com uma jovem deslumbrada e fora de propósito; os poros todos do corpo regozijados pelos arroubos magnificentes do primeiro namoradinho. Me vi, mesmo sufoco, cativa, aberta à sedução tendenciada a preencher todos os espaços ociosos existentes dentro de meu ‘eu’ oculto. Coisas preparatórias do amor se abrindo em flor. Quadra risonha —, inesquecível —, e, por mais que o tempo passe, não se apaga. Ah, o ‘Amor!’. O ‘Amor’ é como se atirar de cabeça vazia de pensamentos do alto de um precipício, num voo incerto e obscuro, desafiando as incertezas do desfiladeiro sem saber como será a recepção no fim da curta viagem feita às cegas em direção ao nada. 

O 'Amor' —, ou pior —, o ‘Amar', também não difere muito um do outro. Se assemelham. Andam juntos, de mãos dadas. O 'Amar' é, pois o se soltar sem amarras, se expor sem noção do tempo, sem sopesar os desastres e os desenganos que me levarão para um mundo que nunca conheci.  O 'Amor' é um vírus letal, que atordoa, que deixa nosso agora sem prumo, sem rumo, sem pensar com seriedade nas consequências que estarão à espera na recepção da linha de chegada. Da casa dos meus mais de trinta janeiros, vejo o ‘Amor’ como um barco aportando em uma marina distanciada. Desenho estradas que se bifurcam por emoções pelas quais não recordo ter passado... vivencio situações que nunca antes me sinalizam ter visto de perto. 

[Antigamente] Kiéisto?



Anteriores: 

Televisores 
Casa Tavares e a Presidente Vargas 
Banco Nacional 
Eu tive uma… qual o nome? Ou melhor, quais os nomes? 
[Antigamente] O que é isto?? 
Livros que me ensinaram a ler

E aí, onde é? 😉

[Discos pedidos] Les plus belles chansons Françaises

Bonne musique

Anteriores: 
Gilbert Bécaud 
Frank Alamo 
Juan Diego Flórez 
Saudade não tem idade, tem (2)? 
Saudade não tem idade, tem? 
Mariza 
Algumas poucas lembranças boas do passado da cultura portuguesa 
Três Cidades e um Estado

sábado, 25 de junho de 2022

Ativisme supreme

O Supremo Tribunal Federal rasga a Constituição da qual deveria ser o guardião diariamente, é verdade, mas é um STF muito “fofo”

Rodrigo Constantino

Nosso Supremo Tribunal Federal cada dia dá mais provas de, na atual composição, ter se transformado num partido político, num órgão inquisidor, num Estado policialesco, num grêmio estudantil, qualquer coisa, menos um tribunal de última instância responsável pela proteção da Constituição. São tantos exemplos que até mesmo os veículos de comunicação da velha imprensa, que têm passado pano para o abuso de poder supremo, começam a demonstrar preocupação.

Foto: Nelson Jr/SCO/STF

Primeiro foi o jornal carioca O Globo, que publicou um editorial alertando para os riscos do arbítrio de alguns ministros. O editorial começa atacando Bolsonaro, seu passatempo preferido, mas depois acrescenta que “outro risco” para a democracia está na politização do STF, um risco que “tem passado despercebido”, segundo o jornal. Na verdade, esse risco não tem passado despercebido, e basta lembrar do 7 de setembro, quando milhões foram às ruas pedir justamente respeito à Constituição. Os “bolsonaristas” apontam para esse perigo faz tempo, mas acabam sendo demonizados pelo próprio jornal como “golpistas”.

A mídia militante ajudou a alimentar esse monstro, e agora parece se mostrar preocupada, pois deve ter se dado conta de que pau que bate em Francisco também dá em Chico: ninguém está a salvo do arbítrio supremo! Por isso o editorial passa a elencar alguns casos de abuso de poder e atuação politizada do STF, como se não fossem justamente os pontos criticados desde sempre e com veemência pela direita no país.

O Globo menciona o ativismo legislativo também como um problema, apesar de não enxergar nada errado em si nas decisões. Ora bolas! Os meios importam, e, se a decisão foi tomada de forma indevida pelo Supremo, e não pelo Poder Legislativo, isso está errado em si e é temerário. No caso, o jornal “progressista” aplaude o resultado dessas decisões, e por isso alivia na crítica à forma como elas foram tomadas.

Um projeto para destruir o Brasil

O programa de governo petista é integralmente ruim — uma sucessão de propostas suicidas que vai sendo revista e ampliada conforme se chega mais perto da eleição

J. R. Guzzo

A apenas três meses das eleições para presidente, e no meio de uma tempestade de dúvidas de todos os tipos e formatos, Lula e o PT garantiram uma posição que nenhum instituto de pesquisa poderia lhes dar: têm o pior programa de governo que já se viu em toda a história da República brasileira. Daqui até lá, é claro, há tempo de sobra para piorar — no ritmo em que vão as coisas, por sinal, com o anúncio quase diário de novos desastres nos planos gerais de Lula para o Brasil, o mais provável é que piore mesmo. De qualquer forma, ainda que o candidato da “esquerda”, dos empreiteiros de obras e das classes intelectuais não abra mais a boca até o dia 2 de outubro, aquilo que ele e o seu partido já disseram em público até agora é suficiente para compor, com folga, a maior calamidade anunciada que jamais foi proposta na vida política deste país. Lula, na verdade, não tem um programa de governo para o Brasil. Tem um programa de destruição.

Socar imposto na exportação agrícola é uma operação direta de sabotagem contra o agronegócio brasileiro, que Lula e o PT consideram um inimigo a ser destruído

É tudo integralmente ruim — uma sucessão de propostas suicidas que vai sendo revista e ampliada conforme se chega mais perto da eleição. O projeto mais recente, apresentado por um grupo de deputados do PT, confirma e reforça tudo o que já existe de mais agressivo no pacote de desgraças apresentado até agora: a criação de um imposto de até 30% nas exportações brasileiras de produtos agrícolas. É veneno direto na veia — a repetição exata do que a Argentina vem fazendo na única área produtiva da sua economia, com o resultado miserável que está à vista de todos. Não é um tiro no pé. É um tiro na cabeça. Os países incentivam as suas exportações para ganhar divisas em moeda forte, às vezes até com subsídios; o que ninguém faz, nunca, é desestimular os exportadores. Mas não se trata apenas de uma ideia estúpida, ou de mais um erro grosseiro da equipe de economistas que está em volta de Lula — gente que há 50 anos propõe tudo o que, comprovadamente, não dá certo na política econômica de qualquer país. Socar imposto na exportação agrícola é uma operação direta de sabotagem contra o agronegócio brasileiro, que Lula e o PT consideram um inimigo a ser destruído. Em toda a economia do Brasil, o setor rural é aquele em que o capitalismo deu mais certo — e o “projeto socialista” do ex-presidente está convencido de que acabar com isso é uma tarefa fundamental de governo. O agronegócio brasileiro, com o sucesso espetacular que vem tendo ano após ano, é o exato contrário do Brasil de Lula e do PT. Para eles, o progresso cada vez maior da produção rural não é uma solução. É um problema — mostra que o que dá certo no Brasil é justamente o oposto daquilo tudo que propõem. O produtor é um estorvo. Tem de ser enfiado numa camisa de força.

Ucrânia confisca bens do principal partido de oposição do país

A Plataforma de Oposição — Pela Vida (OPPL) é contrária ao atual governo, liderado pelo presidente Volodymyr Zelensky

Redação Oeste

O Ministério da Justiça da Ucrânia anunciou nesta semana que confiscou os bens da Plataforma de Oposição — Pela Vida (OPPL), o maior partido contrário ao governo, liderado pelo presidente Volodymyr Zelensky. A sigla já havia tido suas operações suspensas em março, depois de ser acusada de ser cúmplice da Rússia.

Na prática, essa medida significa que a principal oposição política de Zelensky foi eliminada. O OPPL é o segundo maior partido do país e sua popularidade ultrapassou à da legenda Servo do Povo, de Zelensky.

O líder do OPPL, Viktor Medvedchuk, diz estar apenas cuidando dos interesses do povo ucraniano e buscando melhores relações com a Rússia. Ele foi colocado em prisão domiciliar no mês passado.

Vasco vence o Operário-PR por 3 x 0 em São Januário lotado

O Vasco da Gama venceu o Operário-PR na noite desta sexta-feira, em São Januário, pelo placar de 3x0, pela Série B do Brasileiro

França Fernandes

O Vasco mostrou mais uma vez a força em São Januário e venceu por 3 a 0 o Operário, nesta sexta-feira, pela 14ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, os cruzmaltinos chegaram a 30 pontos e ficaram apenas um do líder Cruzeiro. Já os paranaenses seguem com 16.

Foto: André Durão

O Vasco viu o Operário ser melhor durante a primeira e o início da segunda etapa. No entanto, os cruzmaltinos melhoraram na parte final e marcaram com Quintero, Nenê e Palacios.

Na próxima rodada, o Vasco viaja para encarar o Novorizontino, na quarta-feira, em Novo Horizonte. Já o Operário recebe a Chapecoense, na segunda-feira, em Ponta Grossa.

O jogo

O Vasco tentou pressionar nos primeiros minutos, mas pouco incomodou o goleiro Simão. Do outro lado, o Operário soube suportar a ofensiva dos cariocas e passou a buscar os avanços, também sem sucesso.

A primeira chance de gol aconteceu aos 18 minutos, pelo Operário. Após cobrança de escanteio, Thales escorou, mas Paulo Sérgio não chegou a tempo de empurrar para a rede. O Vasco melhorou após o susto, mas viu os visitantes quase marcarem com Reniê, em chute de fora da área que parou em Thiago Rodrigues.

Desemprego chega a 9,4% em abril, diz Ipea

Taxa é a menor registrada no país desde outubro de 2015

Mariana Tokarnia

A taxa de desemprego no Brasil chegou a 9,4% em abril deste ano, o menor patamar desde outubro de 2015, de acordo com estudo divulgado nesta sexta-feira (24) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Na comparação com o mesmo mês de 2021, a taxa registrou queda de 4,9 pontos percentuais. Ao todo, o país tinha 11 milhões de desempregados em abril.

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Segundo o Ipea, na outra ponta, a população ocupada em abril chegou a 97,8 milhões de trabalhadores, o maior patamar desde 2012. Em relação ao mesmo período do ano passado, a população ocupada aumentou 10,8% e, na comparação com março último, houve alta de 2,1%. De acordo com o Ipea, a análise dos dados mostra que a expansão da ocupação tem ocorrido de forma generalizada, envolvendo todas as regiões, todos os segmentos etários e educacionais e atingindo todos os setores da economia.

O Ipea ressalta a recuperação nos setores que tiveram quedas mais intensas no auge da pandemia, devido às medidas de afastamento social. No primeiro trimestre deste ano, 6 dos 13 setores pesquisados apresentaram crescimento da ocupação superior a 10%, com destaque para os segmentos de alojamento e alimentação, com aumento de 32,5% na taxa de ocupação; serviços pessoais, com alta de 19,5%; e serviços domésticos, com crescimento de 19,4%.

Vacinação contra a gripe é ampliada a partir deste sábado no país

Campanha continua enquanto durarem os estoques da vacina

A campanha contra a gripe será ampliada a partir deste sábado (25) para a população a partir de 6 meses de idade, em todo o país, enquanto durarem os estoques da vacina. A mobilização busca prevenir complicações decorrentes da doença e diminuir óbitos e pressão sobre o sistema de saúde.
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar. Para receber a vacina da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. O Sistema Único de Saúde (SUS) tem cerca de 38 mil salas de vacinas espalhadas por todo país e o Ministério da Saúde já distribuiu 80 milhões de doses da vacina contra a gripe para estados e Distrito Federal.

Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal.

“Os pressupostos para o sucesso das campanhas de vacinação são absolutamente atendidos no nosso país. Temos vacinas, temos uma capacidade sem precedentes de aplicação, graças aos vacinadores que estão nas salas de vacinação do Brasil. Ano passado, tivemos casos em várias regiões do País por conta da cepa H3N2. A vacina deste ano já protege contra essa cepa e as passadas. Precisamos combater essas doenças”, disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Ele fez um apelo à população à população para que ajude a aumentar os índices de imunização contra a doença no Brasil.