quinta-feira, 8 de dezembro de 2022

Quando o ódio veste jornalismo

Cristina Miranda

Havia tanto para investigar. Desde a escandalosa gestão de uma suposta “pandemia” (que já sabemos, por outros verdadeiros e corajosos jornalistas, que não o foi) à corrupção e fraudes estratosféricas que vão desde o governo às autarquias, em todos os sectores do Estado, um fartote de casos que nunca mais acabam e que deveriam estar expostos. Mas não. Nasceu o jornalismo ideológico do mainstream que não trabalha para informar, mas sim, para a formatação e angariação de militantes. Da esquerda, claro. É o marxismo cultural no seu auge, caso esteja distraído.

Uns artistas, autodenominados de “jornalistas” – mas que na realidade são ativistas de esquerda – resolveram “investigar” as nossas forças de segurança. Como? Infiltrando-se nos grupos PRIVADOS do WhatsApp e Facebook. Isto é o mesmo que eu, para investigar os membros do Governo, infiltrar-me na família dos mesmos e entrar na privacidade das suas casas para ouvir conversas privadas e as denunciar em… PÚBLICO. Isto é jornalismo? Não, não é. Todos nós, em privado, dizemos coisas que nunca na vida intencionamos sequer concretizar. São desabafos, são sentimentos, são conversas que sabemos serem apenas entre amigos logo não nos imiscuímos de as ter por que estamos “entre os nossos”.

É ou não verdade que entre as quatro paredes das nossas casas dizemos muitas coisas porque estamos à vontade para as exprimir? E quantos de nós seriam presos por essas afirmações? Quando eu exponho em público o que ouço em privado, eu não estou a informar. Estou a invadir a privacidade de quem confiou em mim.

Só por aqui – mas há mais – se vê que a reportagem da SIC (mais uma) não é jornalismo, é ativismo.

Continue lendo AQUI.

Novo AI-5


Alexandre Garcia

A proposta de emenda à Constituição do senador Renan Calheiros legaliza o “inquérito do fim do mundo”, derroga a cláusula pétrea da livre manifestação do pensamento, cassa direitos civis e políticos e transforma o Supremo em tribunal para crimes políticos e de opinião. Ganhou o apoio de 33 senadores e o presidente do Senado enaltece a iniciativa. O relator será o senador Davi Alcolumbre. Apresentada como uma lei geral contra a intolerância política, a proposta contém intolerância à crítica, às liberdades, ao direito de protestar por parte do cidadão, que é origem do poder, a quem os políticos, as autoridades, as instituições de Estado devem servir e escutar. Em suma, a proposta é uma abolição final da democracia, tão ferida nesses últimos anos quanto a própria Constituição.

A proposta confere ao Supremo, que deveria ser um tribunal constitucional, a atribuição de julgar “infrações contra o Estado Democrático de Direito”. Parece ironia, pois o Supremo criou um inquérito sem Ministério Público, em que julga pessoas sem foro privilegiado, e em que é vítima, delegado, promotor e juiz ao mesmo tempo – o que é exatamente o abandono do devido processo legal, caraterística do Estado de Direito. Pelo projeto, é crime xingar políticos e autoridades, como se já não existissem no Código Penal punições para a injúria, a calúnia e a difamação. Outra ironia é que tanto o autor da proposta quanto 15 de seus apoiadores são investigados ou processados por crimes contra os pagadores de impostos.

Revisão da Vida Toda: não caia em golpes!

INSS não entra em contato com segurados para oferecer serviços ou benefícios

O STF julgou o Recurso Extraordinário (RE) nº 1.276.977, que trata da Revisão da Vida Toda. Porém, o acórdão referente à decisão do Tribunal ainda não foi publicado. O INSS aguardará a publicação deste acórdão para só então definir os próximos passos a serem adotados.

O INSS informa ainda que não entra em contato com seus segurados por telefone ou outros canais para oferecer serviços ou benefícios e tampouco revisões de valores.

Seguem dicas de segurança para o segurado ou segurada que receber qualquer contato sobre o assunto Revisão da Vida Toda, seja via telefone, e-mail, ou redes sociais: 

- não passe seus dados pessoais, como CPF, telefone, endereço ou número do benefício;

- não envie foto de documentos ou fotos pessoais;

- nunca compartilhe sua senha de acesso ao gov.br;

- não realize depósitos, pagamentos ou transferências. Os serviços prestados pelo INSS são todos gratuitos;

- caso suspeite de golpe, bloqueie o contato e faça um boletim de ocorrência. 

Capitania do Porto afirma que há mais de 60 navios abandonados na Baía de Guanabara

Órgão diz que a Secretaria Estadual de Ambiente está ciente sobre a situação e ainda assim não removeu as embarcações

Estéfane de Magalhães

Capitania do Porto, orgão de autoridade marítima, afirma que há mais de 60 navios abandonados na Baía de Guanabara. O órgão ainda diz que a Secretaria Estadual de Ambiente sabe desta informação e mesmo assim não removeu as embarcações do mar fluminense.

A Capitania acrescenta que o próprio Governo do Rio solicitou, via ofício ao órgão, a responsabilidade para realizar a remoção.

Um estudo realizado pela Universidade Federal Fluminense (UFF) mostrou também que entre 2018 e 2021, apenas 17 cascos abandonados foram retirados da Baía de Guanabara.

Os navios sem utilidade podem gerar problemas aos mares e população do Rio. Há um mês, o graneleiro São Luiz, que estava ancorado na Baía de Guanabara desde 2016, foi levado pelo vento e se chocou violentamente contra a estrutura da ponte Rio x Niterói. O acidente fechou a via por horas.

Título e Texto: Estéfane de Magalhães, Diário do Rio, 8-12-2022

Relacionados: 
Marinha abrirá inquérito para saber as causas da colisão do navio São Luiz contra a Ponte Rio-Niterói 
Navio à deriva bate e Ponte Rio-Niterói é fechada nos 2 sentidos

Grupo Chinês vai ocupar megaloja do antigo edifício da Caixa Econômica, no Centro

O enorme espaço no imponente edifício vai ser ocupado pelo magazine popular Casas da Mamãe, com várias lojas em São Paulo e no interior paulista

Quintino Gomes Freire

Uma das jóias da coroa do chamado Centro Financeiro do Rio de Janeiro é o antigo edifício-sede da Caixa Econômica Federal, o Ed. Almirante Barroso, localizado bem na esquina da rua do mesmo nome – que vira República do Chile mais adiante – com a Avenida Rio Branco. Apelidado de ‘Barrosão’, ele é arranha-céu de 22 andares, projetado pelos renomados arquitetos Paulo C. Mourão e J.A. Tiedemann e Ney F. Gonçalves e foi inaugurado há 53. É famoso pelo portentoso e imenso mural de 250 m² do artista Bandeira de Mello e, e também pela sua frente tomada de mendigos e pedintes há cerca de 6 anos. O edifício inteiro foi vendido, anos atrás, pela CEF ao FAMB11B, um fundo imobiliário gerido pelo BTG Pactual, e está com seus mais de 50.000m2 vazios desde que o banco público se mudou de lá.

Sua loja, com mais de 3.700 metros quadrados, é uma das maiores de todo o Centro, perdendo apenas para a Leader (antiga Casa Sloper) na Uruguaiana e para as Americanas da rua do Passeio (antiga Mesbla). Após muitos anos tentando realizar alguma locação no prédio, os mais de 2800 cotistas do fundo finalmente podem comemorar. A portentosa loja construída com os melhores materiais que existiam na época finalmente terá um inquilino: o magazine Casas da Mamãe, que pertence a um grupo de chineses e é bastante conhecido no interior paulista. A locação do imenso espaço foi fechada em novembro pelo prazo de pelo menos 10 anos, renováveis.

[Daqui e Dali] Quem pertence à classe média?

Humberto Pinho da Silva

Numa tarde de verão escaldante estava num Centro Comercial da Baixa, com o amigo Júlio, quando, de repente, ouço alarido de vozes acaloradas que versavam sobre preços e salários.


Em suma, diziam: quem recebe salário mínimo, mal pode sobreviver.

Então, o Júlio vira para mim, seus belos olhos castanhos, e dispara: “Olha lá, tu sabes-me definir o que seja classe média?”

Gaguejei, tossi e disse: “Boa pergunta. Certa vez, responsável afirmou que quem ganhava mil e trezentos, podia-se considerar rico...”

Então o Júlio de sorrisinho maroto, obrigou-me a racionar: “Sabes, porventura, quanto é preciso alguém obter mensalmente para se dizer que pertence à dita classe?”

Não lhe soube responder, nem quantia mínima nem máxima.

E o Júlio de sorrisinho bailando nos pálidos lábios discorreu: “Pensa bem, família formada por casal e filho. O marido usufrui mil e quatrocentos, mensais. A mulher é dona de casa. Pertence, na tua opinião, à classe média?”

“Acho que sim”, respondi a medo, receando a astuciosa pergunta.

Mas o Júlio deleitado pela conversa, prosseguiu: “Pensa agora noutra família, formada por casal e um filho. Ambos recebem salário mínimo. São da classe média?”

“Onde queres chegar com esta arenga?”, inqueri.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2022

O choro de Bolsonaro - Paulo Figueiredo + Alexandre Garcia


Relacionados: 

Moraes manda bloquear redes sociais de Bia Kicis 
Simples assim 
Neymar e o ódio que nasce do amor 
Tic tac interminável: o silêncio enigmático de Bolsonaro 
Renan Calheiros: o impoluto democrata 
Deputado do PT quer proibir ‘uso político’ da bandeira do Brasil 
Twitter beneficiou a esquerda nas eleições brasileiras, suspeita Musk 
Em aeroporto, indígenas protestam contra Lula: ‘A guerra começou’ 
Faltou combinar com o povo 
Nas trincheiras e nas ruas 
A religião do ódio 

Aos gritos, influenciador vascaíno pede a Cristiano Ronaldo para acertar com o Vasco

Na arquibancada durante Portugal x Suíça, o vascaíno e influenciador Allan pediu para Cristiano Ronaldo acertar com o Vasco da Gama

França Fernandes

A seleção portuguesa atropelou a Suíça nesta terça-feira nas oitavas de final da Copa do Mundo e venceu o adversário por 6 a 1, no Estádio Lusail. Durante o confronto, o influenciador Allan, mais conhecido como “O Estagiário”, fez um pedido inusitado para o atacante Cristiano Ronaldo.

Foto: Bernadett Szabo

Aos gritos na arquibancada, o vascaíno pediu para que o astro de Portugal assinasse com o Vasco da Gama. O eleito melhor jogador do mundo em cinco oportunidades está atualmente sem clube após ser dispensado do Manchester United. Os rumores apontam o craque próximo de acerto com o Al-Nasr, clube do Emirados Árabes.

– Cristiano! Vem pro Vasco! Porr# de Al-Nasr cara, na Arábia. Vem pro gigante, de braços abertos. É união Brasil e Portugal! – gritou o influenciador no estádio.

Agências do INSS seguem funcionando normalmente

Atendimento ao público e pagamento de benefícios estão garantidos

O Ministério do Trabalho e Previdência e o INSS esclarecem que as restrições orçamentárias impostas neste fim de ano não ocasionarão interrupção dos serviços do INSS aos segurados. E que não haverá fechamento das unidades. O atendimento ao público está mantido.

Reforçamos também que todos os pagamentos dos benefícios operacionalizados pelo INSS, como aposentadorias, pensões, benefícios por incapacidade, além dos assistenciais (como o BPC), entre outros, estão assegurados.

Acompanhe as redes sociais do INSS e fique por dentro de todas as nossas novidades:

Youtube - INSS - YouTube

Facebook - Instituto Nacional do Seguro Social -INSS | Brasília DF (facebook.com)

Instagram - Instituto Nacional do Seguro Social - INSS (@inss_oficial_gov) 

Twitter - INSS Oficial (@INSS_oficial) / Twitter

[Língua Portuguesa] Eternas dúvidas de concordância


Sérgio Nogueira

1ª) Houve OU houveram erros?
Se “houveram erros” é porque HOUVE mais erros do que se imaginava.
O verbo HAVER, no sentido de “existir ou acontecer”, é impessoal (sem sujeito), por isso deve ser usado somente no singular: “Há muitas pessoas na reunião”; “Havia mais convidados que o esperado”; “Haverá muitos candidatos no próximo concurso”; “Ainda haveria alguns problemas para serem resolvidos”; “HOUVE erros”...

2ª) Nos nossos planos não estão OU não está o atacante?
A regra básica de concordância verbal manda o verbo concordar com o sujeito. No caso, quem não está nos nossos planos é o atacante. Isso significa que o sujeito (o atacante) está no singular. A concordância correta, portanto, deve ser feita no singular: “Nos nossos planos não ESTÁ o atacante”.
Esse tipo de erro acontece com muita freqüência quando o sujeito está invertido (depois do verbo): “ACONTECERAM (e não “aconteceu”) dois acidentes nesta esquina”; “SURGIRAM (e não “surgiu”), após muitas discussões, duas propostas para resolver o problema”; “SEGUEM ANEXAS (e não “segue anexo”) as notas fiscais”; “ESTÃO FALTANDO (e não “está faltando”) cinco minutos para acabar o jogo”.

3ª) O grande segredo é OU são as jogadas ensaiadas?
O verbo SER pode concordar com o sujeito ou com o predicativo. Assim sendo, as duas possibilidades são corretas e aceitáveis. Há, porém, uma visível preferência pelo plural: “O maior problema do Rio de Janeiro SÃO as chuvas”; “A prioridade do governo SÃO os pobres”; “A última esperança do Vasco SÃO os dois atacantes”; “O grande segredo SÃO as jogadas ensaiadas”.

4ª) O ataque de hoje é OU são...?
É o mesmo caso anterior. Entre o singular e o plural, a concordância preferencial para o verbo SER é no plural: “O ataque de hoje SÃO Leandro Amaral, Dodô e Washington”.

5ª) Não é OU sou eu que vou dizer isso?
A locução enfática “é que”, a princípio, é invariável: “Eu é que disse isso”; “Nós é que resolvemos o caso”; “Eles é que escolheram a data da reunião”.
Quando o verbo SER é colocado antes do pronome pessoal, é correto e aceitável que concorde com o pronome: “FUI eu que disse isso”; “FOMOS nós que resolvemos o caso”; “FORAM eles que escolheram a data da reunião”; “SÃO eles que vão assinar o contrato”; “Não SOU eu que vou dizer isso”.

terça-feira, 6 de dezembro de 2022

TUCKER CARLSON: This isn't how our system is supposed to work

Tucker Carlson explores whether Twitter has interfered in elections in US and abroad

La collusion de l’État, des médias et de BigTech a un nom. Serait-ce fasciste ?

Du point de vue des réseaux sociaux, la semaine écoulée fut riche d’enseignements…

h16

Si l’on regarde la presse de grand chemin, la semaine écoulée fut parcourue des mêmes atermoiements énergétiques que d’habitude, des sempiternelles pleurnicheries politiques et sociales que la France connaît depuis trop longtemps et qui l’engluent dans un surplace maintenant problématique. En revanche, du point de vue des réseaux sociaux, la même semaine fut au contraire riche d’enseignements…

Si l’on suit un peu l’actualité balayée par un Twitter décidément très différent de ce qu’il fut il y a encore un mois, difficile de voir un lien avec les niaiseries assommantes et les sujets volontairement distractifs que la presse de grand chemin continue de traiter. L’écart entre le réseau social de Musk et la presse étatique subventionnée est très troublant.

Comment ne pas voir la gourmandise presque obscène avec laquelle cette presse grand public s’est jetée sur les discours délirants d’une starlette hollywoodienne dont les saillies antisémites laissent perplexe et l’absence totale, résolue et franchement inquiétante de tout traitement des révélations contenues dans les e-mails du Dr Fauci ?

Pour rappel, Anthony Fauci est le directeur de l’Institut national des allergies et maladies infectieuses aux États-Unis et fut le responsable de la réponse gouvernementale américaine à la récente pandémie, de février 2020 jusqu’à décembre 2022, mois où il prend (commodément) sa retraite. Or, le Fauci en question accumule ce qui ressemble à des mensonges sur sa façon de gérer la crise en question, les protocoles en place et surtout l’origine du virus. Les e-mails qui viennent d’être publiés montrent maintenant sans l’ombre d’un doute que le virus sort bien du laboratoire de Wuhan et qu’il est le résultat de manipulations génétiques (gains de fonction) en partie financées par l’institut de Fauci lui-même. 

Dans ce cadre, les déclarations lunaires de Kanye West tombent à pic. Elles agitent la sphère politique, jettent de l’huile sur le feu de tensions raciales toujours présentes aux Étas-Unis et font rapidement oublier le désastre de l’administration de la Santé au sujet du coronavirus. Bonus additionnel : plus personne ne semble vouloir parler de l’affaire Balenciaga, éventée sur Twitter encore, qui révélait pourtant l’appétit étrange de la marque pour la pédophilie, maintenant présenté comme une malencontreuse erreur de casting photographique. Et même si, d’habitude, absolument rien dans ce genre de photos publicitaires haut de gamme n’est laissé au hasard, même si l’accord final pour la publication des clichés n’est jamais le fruit d’une personne unique, tout le monde dans la presse de grand chemin semble vouloir croire à des choix infortunés.

Jacaré penetra invade piquenique no Bosque da Barra

Toalhas foram forradas no gramado, bebidas e quitutes deliciosos foram arrumados geometricamente nas mesas improvisadas

Patricia Lima

Dezembro, último mês de ano. Momento de encerrar ciclos e abrir a mente para novas perspectivas diante de um novo ano que se aproxima.

Para fechar o ano, com chave de ouro, grupos de amigos, familiares ou colegas de trabalho, organizam celebrações para demonstrarem a sua gratidão pela convivência, sabores e dissabores vividos juntos.

Neste final de semana, um grupo de pessoas decidiu fazer um piquenique no agradável e bucólico Bosque da Barra, na Zona Oeste da cidade.

Toalhas foram forradas no gramado, bebidas e quitutes deliciosos foram arrumados geometricamente nas mesas improvisadas. Diversão, risos e sabores sendo compartilhados fraternalmente entre os presentes.

Sem que percebessem, no entanto, alguém os espreitava de forma sorrateira. Poucos notaram, mas a fome havia sido despertada dentro do plácido lago, próximo à apetitosa comilança.

De repente, algumas pessoas começam a gritar em desespero. Eis que surge um jacaré, que teve o seu interesse despertado pelo reboliço dos presentes e pela comida que, para o seu paladar, parecia um manjar dos deuses.

Já reparou? Brasil é um Miniportugal

Rogério Azevedo

O Brasil, como já tão eloquentemente mostrara neste Campeonato do Mundo, está bem e recomenda-se. As cores são o habitual verde e amarelo, mas, sejamos justos, com uma pitadinha de vermelho bem português.

Danilo, foto: AFP

Nada menos de cinco jogadores do onze inicial da seleção orientada por Tite passaram por Portugal: Éder Militão (FC Porto), Thiago Silva (FC Porto B), Danilo (FC Porto), Casemiro (FC Porto) e Raphinha (V. Guimarães e Sporting). E no banco de suplentes aparecem mais quatro que jogaram em Portugal: Ederson (Rio Ave, Benfica B e Benfica), Fabinho (Rio Ave), Alex Sandro (FC Porto) e Alex Telles (FC Porto), este lesionado e fora do Mundial).

Nove em 26 dá 35 por cento. Nada mau, Portugal, nada mau...

Título e Texto: Rogério Azevedo, enviado-especial ao Catar, A Bola, 6-12-2022, 10h52

[Aparecido rasga o verbo] Micos que os grandes mestres pagaram

Aparecido Raimundo de Souza

Algumas mancadas que marcaram época

1 – OS COCHILOS, em literatura, às vezes são muito curiosos. É crença geral que somente os escritores novatos cometem desacertos. Porém, a verdade é que os renomados mestres os fazem também e, alguns, até de arrepiar os fios de cabelos dos olhos. Émili Zola, escritor francês nascido em 2 de abril de 1840 e falecido em 1902, em seu livro “Lourdes” lançado em 1894, encontramos a seguinte passagem: “Vamo-nos — disse Peter, procurando seu guarda-chuva para secar suas lágrimas”. 

2 – O também francês Gaston Lerroux (aliás, o pai do Fantasma da Ópera) em seu conto “Dramas íntimos” teve, não um simples toscanejar, mas, por certo, um pesadelo horrível, quando escreveu: “A tripulação do navio tragado pelas ondas constava de vinte e cinco homens que deixaram centenas de viúvas condenadas à miséria”. 

3 – Alphonse Daudet em seu conto “Sapho” de (1884), descreve um cavalheiro que “passeava no jardim de mãos cruzadas nas costas, lendo um jornal”. 

4 – Balzac, em “Beatriz” a coisa rola mais ou menos assim: “Começo a ver mal, exclamou a pobre cega”. 

5 – Até o nosso ilustre Assis Chateaubriand praticou um erro, ou uma gafe pior que qualquer destas já citadas. Em o “Duque de Montbazon”, na voz de um personagem, o Tibério, lemos o seguinte trecho: “Pobre Maria. Cada vez que percebe o ruído de um cavalo que se aproxima, acredita que seja eu”. 

6 – Ora, se os renomados tropeçaram na língua, por que, um simples e humilde escrevinhador de crônicas cotidianas (sem pretensões de chegar ao estrelado) não pode dizer: “lá vinha eu montado a cavalo num burro”?   

7 – Despedida do astro
Maurice Chevalier despedindo-se aos oitenta anos, das plateias, assim se expressou:
“Quando eu era jovem, bebia demais, vivia e amava demais. Creio ter, porém conseguido conservar dentro de mim um pouco de fogo juvenil. Hoje muito mais do que ontem, canto por amor, não por dinheiro. Em um certo sentido, não faço mais um trabalho: professo uma religião”.

Hospital Miguel Couto realiza campanha de doação de sangue, nesta sexta-feira

Os interessados em doar sangue devem apresentar documento oficial de identidade com foto; pesar mais de 50 kg; e ter entre 16 e 69 anos

Patricia Lima

Hospital Municipal Miguel Couto, no Leblon, na Zona Sul da cidade, realizará uma campanha de doação de sangue, na próxima sexta-feira (9), das 9h às 15h.

A ação tem como objetivo equilibrar os estoques do banco de sangue do Hemorio. A instituição é fornecedora de hemoderivados para mais de 200 unidades hospitalares da rede pública do Rio de Janeiro, especialmente para as emergências.

De acordo com o Hemorio, a doação de sangue é um processo seguro.  Vinte e quatro horas depois da doação, o organismo da pessoa dá início à recomposição de algumas substâncias que foram retiradas. O doador só poderá fazer outra doação após oito semanas para homens e doze para mulheres. Depois deste período, o sangue já estará com todos os seus componentes reconstituídos. Cada bolsa de sangue coletada pode beneficiar quatro pessoas.

Os interessados em doar sangue devem apresentar documento oficial de identidade com foto; pesar mais de 50 kg; e ter entre 16 e 69 anos (menores de 18 só podem doar sangue com autorização do responsável). Para fazer uma doação de sangue não é necessário estar em jejum.  

[Livros & Leituras] Em terra de cegos, quem tem um olho é príncipe

Maria Afonso Peixoto


Título: O príncipe 

Autor: Nicolau Maquiavel

Editora (Edição): Ideias de Ler (outubro de 2022)

Cotação: 16/20

Recensão:

Será mau o lobo, e bom o cordeiro? A moral judaico-cristã dir-nos-ia que sim, mas Nicolau Maquiavel certamente discordaria. Há mais de cinco séculos, o filósofo, diplomata e político nascido em Florença escreveu O príncipe, agora um clássico que dispensa apresentações, agora reeditado pela Ideias de Ler. Considerada uma das mais importantes e pioneiras obras da filosofia moderna e da ciência política, O príncipe é, em suma, um manual de instruções para líderes políticos sobre como atingir e manter o poder.

Sendo largamente inspirado no implacável duque César Bórgia, filho ilegítimo do Papa Alexandre VI, este tratado político proscreveu todas as normas morais vigentes na época, o que originou o sobejamente conhecido, e pejorativo, termo "maquiavélico" – que se tornou um sinónimo de matreiro, diabólico, velhaco.

No entanto, citando um provérbio português, quem diz a verdade não merece castigo; e há uma certa injustiça em acusar Maquiavel de "maquiavelismo". Aquilo que o filósofo italiano fez não foi mais do que uma descrição nua e crua das dinâmicas de poder que a sua posição lhe permitiu observar de perto. Assim, a moral só ficou de fora de O príncipe, porque também fica, amiúde, nas relações humanas e sobretudo naquelas que envolvem poder e domínio. Além disso, convenhamos, a obra não pretende ser romântica, mas realista. Por isso, é uma análise despudorada da condição humana que choca as mentes puritanas, por desafiar a moral católica como pretenso barómetro dos hábitos e bons costumes.

Também é importante entender-se o contexto histórico da época em que Maquiavel escreveu a obra, designadamente a instabilidade e a fragmentação política e governativa que assolava a península italiana renascentista, e que a tornava palco de constantes e disruptivas lutas pelo poder.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2022

Union européenne : la prochaine défaite face à Poutine - JT du lundi 5 novembre 2022

A la Une ce soir : l’interdiction du pétrole russe en vigueur pour l’Union européenne. La décision de la Commission ressemble en tout point à un effet d’annonce qui coûtera encore des plumes à nos pays.

Egalement dans cette édition, un retour sur le premier anniversaire de Reconquête, le mouvement d’Eric Zemmour. Dimanche, cadres, militants et adhérents étaient réunis au Palais des Congrès à Paris.

Et puis nous reviendrons sur le premier tour de la primaire des Républicains.

Moraes manda bloquear redes sociais de Bia Kicis

Parlamentar denunciou determinação no Twitter

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou bloquear todas as redes sociais da deputada federal Bia Kicis (PL-DF) [foto]. A informação foi divulgada nesta segunda-feira, 5, no perfil do Twitter da própria parlamentar.

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

“Acabo de ser informada que Moraes mandou bloquear todas as minhas redes sociais”, escreveu Bia. “Sem contraditório, sem nada. Certamente por eu tanto denunciar a tirania hoje reinante no Brasil. Aonde vamos parar?”

Segundo Bia, a censura contra um deputado, além de ser grave e inconstitucional, é uma “interferência na atividade de Parlamento, o que é um atentado à democracia e à separação dos Poderes”.

Perfis de Bia saem do ar

Até a atualização desta reportagem, o perfil oficial da parlamentar no Twitter saiu do ar. “A conta foi retida no Brasil em resposta a uma demanda legal”, informou a rede social. 

Perfis de Zambelli são censurados

Guedes é sondado para integrar governo de Tarcísio

Equipe considera 'de peso’ o nome do ministro da Economia

Cristyan Costa e Rute Moraes

A equipe do governador eleito de São Paulo (SP), Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP), está sondando o ministro da Economia, Paulo Guedes [foto], para fazer parte da nova gestão paulista.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em entrevista ao portal G1, Guilherme Afif Domingos, coordenador da equipe de transição de Freitas, disse que “Guedes não pode ficar de fora”. A Revista Oeste confirmou a intenção da equipe do governador eleito.

Segundo Domingos, o cargo de “conselheiro” está à disposição do ministro, para Guedes não “ficar amarrado na burocracia”.

Equipe de transição de Freitas

No fim de novembro, o governador eleito anunciou sua equipe de transição. Freitas estabeleceu uma “supersecretaria” que inclui Infraestrutura, Meio Ambiente, Logística e Transportes. A pasta ficará sob a gestão da procuradora federal Natalia Resende, que já trabalhou no Ministério da Infraestrutura.

Além de Natalia, outro nome importante anunciado por Freitas foi o do deputado federal Guilherme Derrite (PL-SP), ex-comandante das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar. Derrite vai comandar a Secretaria de Segurança Pública do Estado.

Alguns dos principais nomes que estão na lista são: