sexta-feira, 3 de julho de 2020

Governo destinará R$ 500 milhões para proteger mata nativa da Amazônia

Programa Floresta+ começa com projeto-piloto no Norte do país
  
Agência Brasil

O Ministério do Meio Ambiente criou nesta sexta-feira (3) o Programa Floresta+ para valorizar quem preserva e cuida da floresta nativa do país. O projeto-piloto vai começar destinando R$ 500 milhões para conservação da Amazônia Legal. O programa conta com a participação do setor privado e de recursos de acordos internacionais.

"Esse é o maior programa de pagamento por serviços ambientais no mundo, na atualidade. Os R$ 500 milhões recebidos do Fundo Verde do Clima vão remunerar quem preserva. Vamos pagar pelas boas práticas e reconhecer o mérito de quem cuida adequadamente do meio ambiente", disse o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles [foto], em reunião virtual nesta sexta.
 
Foto: Gilberto Soares/MMA
Podem participar do programa pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, grupo familiar ou comunitário que, de forma direta ou por meio de terceiros, executam atividades de serviços ambientais em áreas mantidas com cobertura de vegetação nativa ou sujeitas à sua recuperação.

A conferência apresentou o programa Floresta+ para representantes do governo federal, dos estados da Amazônia Legal, além de instituições públicas, universidades, fundações, centros de inovação, doadores do Fundo Verde do Clima e de povos indígenas.

Cadastro Nacional
O Brasil conta com 560 milhões de hectares de floresta nativa no território brasileiro e o próximo passo do governo é criar o Cadastro Nacional de Serviços Ambientais e a regulamentar o pagamento por serviços ambientais, previstos no Código Florestal. 

Governador do DF é indiciado pela PF por crime eleitoral

Dinheiro público destinado a duas candidatas “laranjas” do MDB seriam para pagar cabos eleitorais de Ibaneis Rocha
 
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Cristyan Costa

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), foi indiciado ontem pela Polícia Federal (PF) por omitir gastos durante a campanha eleitoral realizada em 2018. De acordo com a PF, o chefe do Executivo lançou duas “candidatas laranjas”. Em síntese, o dinheiro direcionado a elas seria, na verdade, para bancar cabos eleitorais do então candidato ao governo.

Conforme a Justiça, as candidatas Dolores Moreira Costa Ferreira e Kadija de Almeida Guimarães declararam R$ 1,08 milhão em gastos para suas campanhas pelo MDB. Contudo, a Justiça argumenta que grande parte desse dinheiro teria sido para pagamentos de prestadores de serviços de militância de rua para Ibaneis. Os votos das duas não chegam a mil.

Título e Texto: Cristyan Costa, revista Oeste, 3-7-2020, 11h55

Bolsonaro sanciona lei que torna obrigatório o uso de máscara

Medida foi publicada hoje no Diário Oficial da União

Andreia Verdélio

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que torna obrigatório o uso de máscaras de proteção individual em espaços públicos e privados, mas acessíveis ao público, durante a pandemia de covid-19. A Lei nº 14.019/2020 foi publicada hoje (3) no Diário Oficial da União e diz que as máscaras podem ser artesanais ou industriais.

Foto; Marcello Casal Jr/Agência Brasil
A obrigação, entretanto, não se aplica a órgãos e entidades públicos. Esse e outros dispositivos foram vetados pelo presidente, que justificou que a medida criaria obrigação ao Poder Executivo e despesa obrigatória sem a indicação da fonte dos recursos.

Pelo texto publicado no Diário Oficial, a obrigatoriedade do uso da proteção facial engloba vias públicas e transportes públicos coletivos, como ônibus e metrô, bem como em táxis e carros de aplicativos, ônibus, aeronaves ou embarcações de uso coletivo fretados.

De acordo com a nova lei, as concessionárias e empresas de transporte público deverão atuar com o poder público na fiscalização do cumprimento das normas, podendo inclusive vedar a entrada de passageiros sem máscaras nos terminais e meios de transporte. O não uso do equipamento de proteção individual acarretará multa estabelecida pelos estados ou municípios. Atualmente, diversas cidades já têm adotado o uso obrigatório de máscaras, em leis de alcance local.

Os órgãos e entidades públicos, concessionárias de serviços públicos, como transporte, e o setor privado de bens e serviços deverão adotar medidas de higienização em locais de circulação de pessoas e no interior de veículos, disponibilizando produtos saneantes aos usuários, como álcool em gel.

O texto prevê que pessoas com transtorno do espectro autista, com deficiência intelectual, com deficiências sensoriais ou com quaisquer outras deficiências que as impeçam de fazer o uso adequado de máscara de proteção facial estarão dispensadas da obrigação do uso, assim como crianças com menos de 3 anos. Para isso, eles devem portar declaração médica, que poderá ser obtida por meio digital.

Vetos
O presidente Bolsonaro vetou ao todo 17 dispositivos do texto que foi aprovado no Congresso no dia 9 de junho, alegando, entre outras razões, que criariam obrigações a estados e municípios, violando a autonomia dos entes federados, ou despesas obrigatórias ao poder público sem indicar a fonte dos recursos e impacto orçamentário. As razões dos vetos, que também foram publicadas no Diário Oficial da União, serão agora analisadas pelos parlamentares.

Bolsonaro define novo ministro da Educação

O ministro da Educação será Renato Feder, secretário de Educação e Esporte do Paraná. Confirmação foi feita no Twitter da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), vice-líder do governo no Congresso

Rodolfo Costa

Foto: Divulgação/Governo do Paraná
A “bolsa de apostas” para o sucessor do Ministério da Educação continua a todo vapor. Muitos nomes foram ventilados, alguns ainda são estudados, mas o presidente Jair Bolsonaro chegou a uma conclusão. A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), vice-líder do governo no Congresso, afirma que o escolhido é Renato Feder [foto acima], secretário de Educação e Esporte do Paraná.

Pelo Twitter, a deputada foi taxativa ao comentar a escolha do futuro ministro. “Presidente Jair Bolsonaro define nome para o MEC. Renato Feder, secretário de educação do Paraná”, declarou.
Análise
O secretário de Educação do Paraná chegou a ter o nome ventilado antes da escolha do professor Carlos Decotelli. Após suspender a nomeação de Decotelli, Bolsonaro analisou uma dezena de nomes. Um deles foi o do reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Anderson Ribeiro Correia. Até os últimos dois dias, era visto como o mais cotado.

Oeste conversou com interlocutores de Feder, que, contudo, não cravam a informação de Bia Kicis. Antes da escolha de Decotelli, Feder estava em Brasília, mas voltou a concentrar esforços em suas atribuições no Paraná.

Título e Texto: Rodolfo Costa, revista Oeste, 3-7-2020, 11h08

José Serra é denunciado por lavagem de dinheiro

Segundo a denúncia, senador recebeu vários pagamentos da Odebrecht
  
Daniel Mello

O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu denúncia, hoje (3), contra o senador José Serra (PSDB-SP) [foto] por lavagem de dinheiro à época que era governador de São Paulo. A filha do parlamentar, Verônica Allende Serra, também foi denunciada. Estão sendo cumpridos oito mandados de busca e apreensão para aprofundamento das investigações sobre o esquema em endereços em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Segundo a denúncia da força tarefa da Operação Lava Jato, em 2006 e 2007 Serra recebeu vários pagamentos da empreiteira Odebrecht em contas no exterior, em um total de R$ 4,5 milhões. O MPF disse que “supostamente” o dinheiro seria usado para pagamento de despesas das campanhas eleitorais do então governador.

Rodoanel
Em troca do dinheiro, Serra teria permitido que a Odebrecht, junto com outras empresas, operasse um cartel, combinando os preços das obras para a construção do trecho sul do Rodoanel, um anel rodoviário que circunda a região central da Grande São Paulo. “No caso da Odebrecht, essa atuação servia para se atingir a meta de lucro real estabelecida para sua participação nas obras do Rodoanel Sul, pelo superintendente Benedicto Júnior, de 12% sobre o valor do contrato, o qual só foi possível de atingir diante da inexistência de competição no certame licitatório, em razão da formação prévia de um cartel”, afirmam os procuradores na denúncia.

“Em outras palavras, o cartel, que veio a ser efetivamente estabelecido, prestou-se a maximizar os lucros desta empreiteira, do que defluiu não apenas um ganho econômico, como também maior disponibilidade de recursos ilícitos (decorrentes de contratação conquistada em ambiente de ausência de competitividade) para que ela, então, pudesse realizar pagamentos de propina que foram sendo ajustados com os agentes públicos no curso das obras”, enfatiza o texto ao explicitar o funcionamento do esquema.

Delação
A investigação mostra, a partir de documentos obtidos em cooperação com autoridades internacionais, que foram feitos diversos pagamentos usando uma rede de contas offshore (em locais com menor tributação). De acordo com os procuradores, eram feitas várias movimentações financeiras no exterior para dificultar o rastreio dos recursos.

[Aparecido rasga o verbo] Hóspedes inesperados

Aparecido Raimundo de Souza

PELAS JANELAS ENORMES DA MINHA SALA, percebo que a chuva e o vento, lá fora, não parecem querer parar de um momento para outro. Sentado na minha cadeira predileta, de frente para a cidade envolta, lá embaixo por pesadas núvens escurecidas, leio um romance que faz tempo esperava na fila. De repente,  do nada, batidas se fazem presentes na porta.

Não me recordo ter ouvido o Asdúbral avisado que alguém estivesse subindo para meu apartamento. Procuro fingir não haver ninguém em casa. Quem sabe despiste e a criatura desista. Continuo deslindando meu livro. E a chuva, agora mais forte. Geralmente, quando me atenho à viajar numa história, mantenho uma cumpricidade bastante objetiva com o autor.

Uma forma de me enquadrar dentro da narração, viajando na imaginação do escritor. Desta forma, inteirado corpo e alma no conteudo do texto, sinto a sensação perene como se estivesse embarcado numa viagem à parte, não no meu mundo real.

Me entrelaço, então, num espaço ilusório. Vivo, junto com os personagens, todas as emoções intensas escudadas numa espécie de eloquência febril e elevada, tão arrebatada e desvairada, quanto inconsequentemente frenética e incandescente.

A concentração, todavia (contra a minha vontade), se desfoca das páginas e, de novo, novas batidas me chegam aos ouvidos. Penso seja alguém aqui do prédio,  quem sabe  um vizinho de porta. De outro modo, vivalma passaria pelos olhos atentos  do Asdúbral,  o porteiro, a menos que ele avisasse da chegada, fosse lá de quem ousasse dar as caras.

Ainda que eu não tivesse ouvido, por qualquer motivo, a campainha do interfone (lá na cozinha, baseada perto da geladeira), a Areta, minha empregada, com certeza teria atendido e, ato contínuo, se fosse coisa urgente, viria me avisar. Areta procura me poupar desses inconvenientes, despachando os intrusos sem me consultar.

São ordens expressas minhas. Sabe, de antemão, quando estou lendo, ou escrevendo (escrevendo, principalmente), não gosto de ser interrompido ou perturbado. As batidas na porta, entretanto, se fazem mais acentuadas e insistentes. Parece, seja lá quem for, apressado  em me falar.

Acomodado e sem vontade de levantar, me vejo obrigado a fazê-lo correndo até Areta:
- Por favor, minha linda, veja quem está na porta da sala.
Areta concorda com um aceno de cabeça. A jovem prepara o jantar. Pelo cheiro que sobe das panelas, as guloseimas me deixam com água na boca.

Ela desliga duas das quatro bocas do fogão e acorre enxugando as mãos no avental. Volta segundos depois sinalizando não existir ninguém na entrada social:
- O senhor se enganou. Talvez algum barulho em outra unidade... Deve ter lhe dado a impressão de ser aqui.
Concordo com Areta e retorno à leitura.

quinta-feira, 2 de julho de 2020

LIVE do presidente Bolsonaro, 2 de julho de 2020

STF abre licitação de R$ 5 milhões para contratar seguranças

Profissionais também terão de conduzir os veículos oficiais, vão portar revólveres calibre 38 e coletes à prova de bala

Cristyan Costa

No valor de R$ 5.071.988,59, o Supremo Tribunal Federal (STF) abriu na quarta-feira 1° um processo licitatório para garantir a segurança dos ministros. Conforme o documento no portal da Corte, trata-se de contratação de empresa para prestação de serviços continuados de apoio operacional, na área de segurança pessoal privada armada no Distrito Federal.


Além disso, os 32 profissionais da empresa que vencer terão de conduzir veículos oficiais de representação e escolta. As equipes vão se alternar em dois turnos. Contudo, os horários podem mudar, caso assim desejem os 11 juízes do STF.

Entre as atividades estão: realizar vistoria nos veículos, de modo a verificar a existência de objetos perdidos ou “fixados de maneira suspeita”, “manter os automóveis limpos” e tratar os passageiros com educação, de acordo com o texto do edital. Os equipamentos utilizados pelos profissionais de segurança incluem colete à prova de balas, revólveres calibre.38, no início das atividades, e 60 dias depois, pistolas calibre 38.

Em maio deste ano, Oeste publicou uma matéria denunciando a intenção do STF em gastar aproximadamente R$ 10 milhões para reforçar a segurança da Corte. Após a reportagem, o processo licitatório foi revisto e o valor, reconsiderado.

Outros gastos
Conforme noticiou Oeste, apesar de realizar sessões virtuais desde março, o STF mantém os gastos com serviços incluídos no item “veículos”. Os carros de luxo estão estacionados. Contudo, a Corte continua desperdiçando dinheiro público com a frota. Desde o início da pandemia no país, o montante de despesas do tipo ultrapassa R$ 800 mil.

Título e Texto: Crystyan Costa, revista Oeste, 2-7-16h41

Relacionados:
Quem pode e quem não pode falar mal do STF?

Congresso promulga emenda que adia eleições municipais para novembro

Brasileiros vão às urnas em 15 e 29 de novembro deste ano


Karine Melo

Em uma sessão do Congresso Nacional concorrida, com parte de autoridades presentes presencialmente e parte de forma remota, foi promulgada nesta quinta-feira (2) a Emenda Constitucional 107, que adia as eleições municipais de outubro para novembro deste ano.

Aprovada pela Câmara dos Deputados ontem (1º), a mudança determina que os dois turnos eleitorais, inicialmente previstos para os dias 4 e 25 de outubro, serão realizados nos dias 15 e 29 de novembro. A mudança define ainda que caberá ao Congresso decidir sobre o adiamento das eleições por um período ainda maior nas cidades com muitos casos da doença.

A emenda também estabelece novas datas para outras etapas do processo eleitoral de 2020, como registro de candidaturas e início da propaganda eleitoral gratuita. Não haverá, porém, prorrogação dos atuais mandatos. A data da posse dos eleitos permanece inalterada, 1º de janeiro de 2021.

Ao participar presencialmente da sessão o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, exaltou a união de esforços do Legislativo e do Judiciário em torno de uma solução pela segurança do pleito e pela democracia. Barroso destacou que a promulgação da emenda constitucional, por causa da pandemia do novo coronavírus é algo que ninguém desejava que tivesse acontecido e se associou às manifestações de solidariedade às mais de 60 mil famílias de pessoas que perderam a vida em decorrência da covid-19.

O ministro que mesmo antes de assumir a presidência da corte no mês passado, já trabalhava para um entendimento sobre o adiamento das eleições municipais com base em pareceres de especialistas médicos, biólogos e físicos, agradeceu a ajuda desses profissionais. Barroso também elogiou muito os parlamentares que, segundo ele, deliberaram com ênfase no interesse público. Barroso avaliou ainda que a democracia não é regime de consenso, mas de dissenso e lembrou que o Congresso fez sua parte, caberá à Justiça Eleitoral realizar a eleição com segurança em meio a uma pandemia, o que segundo ele, será possível.

[Língua Portuguesa] Fim-de-semana ou fim de semana?



Colunas anteriores:

Delenda Bolsonaro est!

A frase latina em questão "delenda Carthago est" quer dizer "é preciso destruir Cartago" e é atribuída a Catão [foto], o Antigo. Como se sabe, a cidade Cartago enfrentou Roma em três guerras, ao longo dos séculos III e II a.C.


Depois da 2ª Guerra Púnica, sobretudo depois da batalha de Zama, em 202 a.C., Cartago perdeu muito da sua importância e teve que sujeitar-se às duras imposições feitas pelo vencedor, Roma. Mas, em 153 a.C., Catão o Antigo foi embaixador em Cartago e teve oportunidade de observar de perto o renascimento econômico da cidade. Regressado a Roma, diz-se que, no termo de qualquer discurso que proferisse, não importando o assunto tratado, Catão o acabava com as seguintes palavras: "ceterum censeo Carthaginem esse delendam" ou seja, "quanto ao resto, penso que Cartago deve ser destruída".

Daí "delenda Carthago est" ou "delenda Carthago" (com omissão do verbo sum).

Pois bem, dois mil e cento e setenta e sete anos depois, não é o (único) senador que profere obsessivamente essa sentença, agora são muitos os “senadores”. Milhares. Eles estão em toda a parte, espalhados pelo Brasil e também pelo mundo ocidental, o capitalista, bem de vida. Eles não vestem a toga senatorial romana, muitos não vestem toga nenhuma, outros vestem becas de tribunais superiores.

Outros ainda, sem togas nem becas, disfarçados de jornalistas, cientistas, especialistas, comentaristas, alarmistas... têm um objetivo comum: mijar, ou cagar, tanto faz, nos quase cinquenta e oito milhões de cidadãos brasileiros responsáveis pela eleição de Jair Messias Bolsonaro a presidente da República Federativa do Brasil.

Por e para esse objetivo vale tudo, investigam, mandam investigar, insinuam, caluniam, mentem, provocam, discursam, ofendem, insultam, rotulam... e ordenam prender todo aquele que se afirma ao lado do presidente Jair Bolsonaro.

Não esmoreçamos. Mantenhamos viva a interpelação (basta trocar o vocativo Catilina por STF, por Psol, por Maia, por Alcolumbre et cetera):

[Viagens & Destinos] Melgaço e o contrabando. Patrimônio de afetos


Anteriores:

Visão de Anjos

Telmo Azevedo Fernandes

A capa desta semana da revista Visão entra diretamente para os lugares cimeiros das manchetes mais imbecis dos últimos tempos. A primeira página é acompanhada ainda por um editorial pateta da sua diretora, Mafalda Anjos.


Não é Mafalda que é pateta, é o seu texto, como se comprova pelas coisas angélicas que escreve, como esta:

A pandemia, os números mostram-no, teve um efeito notável no clima do planeta: as emissões de carbono reduziram-se com o abrandamento económico e os aviões estacionados em terra, a poluição atmosférica recuou e, em muitas zonas do planeta, a Natureza ganhou terreno face ao Homem.

Não duvido da pureza de intenções da responsável pela publicação, mas com este binômio “capa-editorial” legitima a interpretação de que, no fundo, entende que o Homem é secundário na Natureza ou, dito de outro modo, Homem e Natureza são incompatíveis.

A delirante ideia de que o homem está a mais na natureza é antiga e sobre ela já tratei no Observador há tempos. A facilidade com que se dizem asneiras e se constroem narrativas fantasiosas mesmo com a realidade à frente do nariz é não só algo duradouro, como merecedor de registo pelo grau de alienação que consegue atingir.

Celso de Mello prorroga inquérito que apura se Bolsonaro interferiu na PF

Um dia antes de o Supremo Tribunal Federal entrar em recesso, ministro deu sobrevida de trinta dias à investigação

Cristyan Costa

Um dia antes de entrar de férias, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello [foto] prorrogou ontem, por mais trinta dias, o inquérito sobre a suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal (PF). A suspeita veio à tona depois que Sergio Moro deixou o governo.

Foto: Agência Brasil
Assim sendo, a decisão atendeu a um pedido da PF, que viu a necessidade de novas diligências na apuração. A solicitação foi direcionada ao ministro do STF em maio pela chefe do Serviço de Inquéritos da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado, Christiane Correa Machado.

Título e Texto: Cristyan Costa, revista Oeste, 2-7-2020, 7h

Relacionados:

Alexandre de Moraes prorroga inquérito das fake news

Investigação, que mira principalmente bolsonaristas, terminaria em 15 de julho, mas ministro optou por estender prazo por mais 180 dias

Roberta Ramos

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes [foto] prorrogou o inquérito das fake news por mais 180.
 
Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF
A investigação, que mira principalmente apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, terminaria no dia 15 de julho.

Moraes informou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nesta semana, que aguarda a conclusão de perícias para decidir se compartilha as provas do inquérito com as ações eleitorais que pedem a cassação do mandato de Bolsonaro.

Título e Texto: Roberta Ramos, revista Oeste, 1-7-2020, 20h09

Relacionados:

STF gasta mais de R$ 800 mil com carros durante a pandemia

Supremo continua pagando por itens como combustível, lavagem e transporte por demanda

Anderson Scardoelli

Apesar de realizar sessões virtuais desde março, o Supremo Tribunal Federal (STF) mantém os gastos com serviços incluídos no item “veículos”. Os carros de luxo estão estacionados. Contudo, a Corte continua desperdiçando dinheiro público com a frota.

Foto: CANVA
Desde o início da pandemia no país, o montante de despesas do tipo ultrapassa R$ 800 mil, conforme indicam os dados analisados por Oeste a partir do Portal da Transparência do STF. De março a maio, o Supremo gastou com itens classificados como peças, serviços, combustível, lavagem, rastreamento, condução de veículo e transporte terrestre por demanda.

O último item é a forma como são caracterizados os reembolsos de gastos com táxis e carros de aplicativos como Uber e 99. A soma deu R$ 37.588,19 ao longo dos últimos três meses — valor superado pelas despesas com combustível, R$ 58.396,70. Condução de veículos é o item que mais pesou nas contas: R$ 647.259,42.

Oficialmente, os ministros estão trabalhando de casa, com os julgamentos ocorrendo de modo virtual.

Título e Texto: Anderson Scardoelli, revista Oeste, 1-7-2020, 20h03

Relacionados:

Deputado estadual Márcio Pacheco é denunciado pelo Ministério Público do RJ por esquema de rachadinha

Redação Diário do Rio

Nesta quarta-feira (01/07), o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) denunciou, devido a um esquema de ”rachadinha”, o deputado estadual Márcio Pacheco (PSC) [foto]. Vale lembrar que o teor da acusação é o mesmo o qual o hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) está sendo investigado.

Foto: Julia Passos/Alerj
Primeiro deputado denunciado oficialmente pela prática de ”rachadinha” no RJ, Márcio Pacheco é ex-líder do governo Witzel na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Ele responderá pelo crime de peculato, isto é, apropriação de recursos públicos. Ainda não há, no entanto, um prazo determinado para a Justiça julgar a denúncia.

Segundo a investigação, parlamentares – incluindo Pacheco – praticaram apropriação de dinheiro público ao obrigar funcionários da Alerj a lhes transferir parte de seus respectivos salários.

Por meio de nota oficial, Márcio Pacheco, que diz ainda não ter sido oficialmente notificado acerca da denúncia, se disse ”tranquilo e confiante na Justiça”. O parlamentar também afirmou que compareceu duas vezes ao MPRJ – sendo uma delas, inclusive, de maneira voluntária – e que à disposição do órgão seus sigilos fiscal, bancário e telemático.

Título e Texto: Redação Diário do Rio, 1-7-2020

[Pernoitar, comer e beber fora] O melhor presunto do mundo


Se depender do sanduíche que lá comprei para comer no hotel, tenho que concordar


Fica ao lado do ibis Porto Centro Mercado do Bolhão e veio da vizinha Espanha.



A minha avaliação está no subtítulo. Realmente, comer um sanduíche de presunto sem medo de vir todo o presunto e deixar o pão... Ok, como alguém me disse “há presuntos e presuntos”... certo! Conheci e comi um senhor presunto!


Anteriores:

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Gabriel Mithá Ribeiro em conferência virtual no próximo dia (noite) de 7 de julho


A Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG) convida para a conferência virtual “Um século de escombros: pensar o futuro com os valores morais da direita”, com o Dr. Gabriel Mithá Ribeiro, professor na Universidade Católica Portuguesa e no Instituto de Estudo Políticos de Lisboa, no dia 7 de julho, às 19 horas (horário de Brasília).

🎥 O evento será transmitido ao vivo pelo canal da FUNAG no YouTube e o público poderá enviar perguntas ao conferencista para o e-mail debates@funag.gov.br

Relacionados:

New Balance lança tênis especiais para um verdadeiro dragão

Primeiro modelo dedicado ao FC Porto

Está já disponível o primeiro modelo especial de tênis da New Balance dedicado ao FC Porto. Os New Balance 997H prometem fazer as delícias dos verdadeiros Dragões.

Com predominância da cor azul, como não poderia deixar de ser, o primeiro modelo da New Balance em exclusivo para o FC Porto tem ainda pormenores em “lemon chrome” e branco, tendo o símbolo do clube na palmilha e também na parte exterior da língua, além da inscrição “Nação Porto” por dentro.

Este modelo será usado por todos os jogadores do FC Porto ao longo de toda a temporada 2020/21.

Pode encontrar este modelo especial nas FC Porto Stores e FC Porto Online Store.

Final da Taça de Portugal em Coimbra

A Federação Portuguesa de Futebol anunciou, esta quarta-feira, que a final da Taça de Portugal, que será disputada entre Benfica e FC Porto, terá lugar no Estádio Municipal de Coimbra.


Devido à pandemia, a final da prova rainha do futebol português teve de ser adiada - estava agendada para o final de maio - e foi remarcada para 1 de agosto, sábado, a partir das 20h45.

2 + 2 = X?

Paulo Roberto Campos

Está em voga certa pedagogia moderna, segundo a qual não se deve mais, como antigamente, corrigir — e muito menos reprimir — os erros cometidos pelos alunos, pois “poderia provocar traumas”.


Resultado dessa enganosa pedagogia: alunos de diferentes etapas do ensino fundamental são considerados “analfabetos funcionais”. Eles não entendem o texto que leem, não sabem sequer interpretar uma única frase — entendem palavras soltas, mas não a expressão completa. Não sabem sequer as operações fundamentais de matemática.

Comento isso porque ontem recebi de um amigo carioca um vídeo que, de modo bem didático e cômico, ironiza a situação em que fica o aluno “protegido” por pessoas (às vezes até pelos pais…) que defendem a tese de que não há uma só verdade, mas verdades diferentes (sic!), “verdades alternativas”…, como a de que 2 + 2 são 22 (ou qualquer outro resultado).

E o professor que não aceita o resultado relativista e corrige os erros dos alunos poderá ser acusado de “politicamente incorreto”, extremista, fascista, por querer lhes impor “sua particular visão de mundo”. E sob acusação de “doutrinar e radicalizar os alunos”, o professor “nazista” poderá ser demitido do colégio. 

Esse caso entre professor/aluno é apenas um exemplo. Tal relativismo se estende a todos os campos, como o da moral. Hoje, assim como se ensina que a verdade não é única, leciona-se que não há uma única moral, que se pode ir mudando a moral ao longo dos tempos. Entretanto, não acreditar que a moral é imutável é aceitar que a verdade é mutável, ou seja, mentira. E não passa de um ignorante troglodita aquele que nela crê. Daí a consequência: a perseguição aos “intolerantes” que ensinam logicamente que o resultado de 2 + 2 só pode ser 4.

Augusto Nunes: Depois de prometer perdoar a dívida dos pobres, Ciro Gomes garante que vai tirar R$ 3 trilhões dos ricos

O ex-governador do Ceará propôs pesada taxação das grandes fortunas e afirmou que, em dez anos, o Brasil arrecadaria nada menos do que R$ 3 trilhões, o triplo do que foi previsto com a Reforma da Previdência. Augusto Nunes lembra que, durante a campanha presidencial de 2018, Ciro alegrou milhões de inadimplentes ao prometer zerar os débitos de todos os endividados. O jornalista finaliza: "Para uma sumidade dessas, governar o Brasil é pouco. Se não estiver mentindo, Ciro Gomes merece ser presidente do mundo".

Home