quinta-feira, 28 de janeiro de 2021

Germany says AstraZeneca COVID-19 vaccine isn’t for people 65 and older

Lia Eustachewich

Germany’s vaccine commission said AstraZeneca’s COVID-19 vaccine should not be used on people 65 and older due to “insufficient data” on its efficacy.

The Standing Vaccine Commission said the shot, which is being developed with the University of Oxford, should only be used on people aged 18 to 64 “based on available data.”

“There is currently insufficient data to assess the efficacy of the vaccine for persons aged 65 years and older,” the panel of scientific experts said.

The recommendation follows confusion earlier this week over the efficacy of AstraZeneca’s jab in adults over 65.

Two German newspapers, citing government sources, said the shot was found to be as low as 8 percent effective in seniors — which the UK-based company said was “completely incorrect,” German broadcaster Deutsch Welle reported on Tuesday.

“In November, we published data in The Lancet demonstrating that older adults showed strong immune responses to the vaccine, with 100% of older adults generating spike-specific antibodies after the second dose,” AstraZeneca’s spokesperson said.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Homem invade reboque em movimento, agride motorista e provoca acidente na Barra da Tijuca

A polícia informou que o agressor foi preso e que nenhuma pessoa se feriu com gravidade

Altair AlvesParte superior do formulário

Um acidente com um reboque da Prefeitura do Rio, seis carros e uma Kombi provocou gerou enorme confusão no fim da tarde desta quarta-feira (27) na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.

De acordo com a Polícia Militar, o motorista da uma Kombi estacionada irregularmente e que estava sendo rebocada pela prefeitura, soltou o veículo e agrediu o condutor do reboque, que perdeu a direção.

O caminhão acabou atingido seis carros. A Kombi, solta, tombou na pista. O agressor foi preso e levado para a 16ª DP (Barra da Tijuca).

Por conta do acidente, uma faixa da Avenida Lúcio Costa, na altura da Praia da Reserva, teve que ser interditada. Por volta das 18h, reflexos da ocorrência ainda podiam ser observados no local.

A Polícia Civil informou que as investigações estão em andamento pela 16ª DP (Barra). Testemunhas já foram ouvidas e um dos envolvidos, que está hospitalizado, ainda prestará depoimento.

Veja o momento do acidente no vídeo publicado pelo “Informe Legal”:

Entregador de comida persegue assaltante no Flamengo, entrega celular para vítima e recusa recompensa

A atitude do motociclista viralizou nas redes sociais; ato de heroísmo ocorreu na noite do último domingo (24)

Altair Alves

Nem todo herói usa capa, alguns usam uma caixa térmica e fazem entregas pela cidade. Um deles é o motociclista Diego Batista Correira, entregador de comida por aplicativo, que na noite do último domingo (24), perseguiu um assaltante pelas ruas do Flamengo, na Zona Sul do Rio, recuperou o celular e a bolsa da motorista de aplicativo, Ana Paula Demarchi e recusou receber qualquer tipo de recompensa pelo seu gesto de altruísmo.

Foto: Instagram @moto_boyz

O trabalhador, de 27 anos, tem o hábito de fazer entregas na região de Laranjeiras, mas, pouco antes salvar o dia (ou a noite), teve que levar uma encomenda até o bairro do Leme. Quando passava pela Avenida Oswaldo Cruz, uma das principais vias do Flamengo, viu um jovem se aproximando de um carro. Ele conta que a primeira impressão foi de um vendedor de balas, mas quando atentou para o ocorrido, percebeu que se tratava de um assalto.

Naquele momento, pensei que poderia ser minha mãe ali. Eu estava a cinco metros de distância e esperei. Vi que a motorista estava em pânico, com a faca encostada no pescoço. No momento em que o assaltante pegou as coisas e saiu correndo, fui atrás, na contramão. Gritei “ladrão, ladrão”, mas não tinha ninguém para me ajudar. Logo depois, o bandido tropeçou, e acabou largando o telefone e a bolsinha que havia roubado” — contou Diego, que voltou ao local do crime e encontrou a motorista chorando.

[Atualidade em xeque] Galtieri, Maduro et Macron

José Manuel

As similaridades entres estes três personagens são inequívocas nos quesitos violação de direitos humanos, economias ladeiras abaixo e propostas equivocadas.

No quesito resolução desses problemas, também são imbatíveis as suas performances no desvio da atenção do povo para as suas péssimas administrações e erros elementares. 

São três excelentes exemplos em que o Brasil deve se mirar, preparar econômica e militarmente a fim de evitar investidas internacionais, seja no campo econômico ou relações diplomáticas, como as que já ocorrem neste momento.

A Argentina vivia seu pior momento político na década de 80 e para desviar o foco de sua política equivocada decidiu em 1982 derivar para o pior que poderia ter feito. A invasão das Malvinas deu no que deu com muitas mortes de ambos os lados, perdas materiais enormes, queda do próprio governo e uma recessão profunda até hoje.

Maduro segue com maestria essa cartilha da Argentina de profundas violações dos direitos humanos com o povo da Venezuela à beira da miséria, uma invejável inflação com a economia em frangalhos, mesmo tendo o país bolivariano um dos maiores recursos do mundo em petróleo, no seu solo ou mar territorial.

Chegando agora a um ponto de inflexão total por sua profunda incompetência, anuncia a futura tomada pela força de dois terços do território Guianense, já mesmo por enquanto, invadindo seu mar territorial e aprisionando barcos pesqueiros da Guiana.

Muito provavelmente irá terminar como a Argentina, num videoteipe borrado de imagens e resultados. A história não perdoa!

[Foco no fosso] Parente da cloroquina?

Haroldo Barboza

Anteriores:
Cartela quase cheia
“Economizando” vacinas 
Um surto sem susto 
Maria vai mudar de bairro 
O adorno natural 
Papai Noel sem Covid 
Escolha a cor da fantasia 
Quem vai ganhar o desfile? 
A ganância não tem limites 
Pandemia na passarela 

Portugal suspende voos de e para o Brasil

A partir das 00h desta sexta-feira

SIC Notícias

O Governo português anunciou esta quarta-feira a suspensão dos voos de e para o Brasil, a partir das 00h desta sexta-feira.

Foto: Pedro Nunes

Numa nota enviada às redações, o Executivo justifica a decisão com "(...) a evolução da situação epidemiológica a nível mundial, o aumento dos casos de infeção por SARS-CoV-2 em Portugal e a detecção de novas estirpes do vírus."

"Até ao dia 14 de fevereiro, estão suspensos todos os voos, comerciais ou privados, de todas as companhias aéreas, de e para o Brasil. As regras agora estabelecidas são igualmente aplicáveis aos voos de e para o Reino Unido.", pode ler-se no comunicado.

Fora da suspensão, refere o MAI, estão apenas os voos de natureza humanitária para efeito de repatriamento dos cidadãos nacionais e membros das respetivas famílias, bem como de titulares de autorização de residência em Portugal.

Nos voos de caráter humanitário podem também embarcar cidadãos nacionais da União Europeia, nacionais de Estados associados ao Espaço Schengen e respetivas famílias e os nacionais de países terceiros com residência legal num Estado-membro da União Europeia, exclusivamente para efeitos de repatriamento.

Adianta a nota que todos os cidadãos têm de apresentar, no momento da partida, "um comprovativo de realização de teste molecular por RT-PCR para despiste da infeção por SARS-CoV-2 com resultado negativo, realizado nas 72 horas anteriores à hora do embarque".

Médicos chineses admitem que mentiram sobre a covid

Em documentário, profissionais de saúde contaram detalhes do início do surto de coronavírus

Cristyan Costa

Médicos chineses confessaram saber da gravidade da covid-19 quando surgiram os primeiros casos. No entanto, o Partido Comunista os obrigou a mentir sobre o potencial da enfermidade, garante o documentário Surto. O vírus que abalou o mundo, veiculado pela emissora ITV. Entre outros pontos, os profissionais de saúde admitem que já tinham conhecimentos da alta taxa de transmissão do patógeno e das mortes por causa da doença em dezembro de 2019. Porém, foram orientados a omitir do Ocidente essas e outras informações. Só em janeiro é que a China trouxe os dados à Organização Mundial da Saúde. Assista:

Título e Texto: Cristyan Costa, revista Oeste, 27-1-2021, 12h30

Covid-19: mortes batem recorde e Portugal pode ter ajuda internacional

País tem 11.012 óbitos e 653.878 casos da doença

Foto: Adriano Machado/Reuters
Catarina Demony e Miguel Pereira

O governo de Portugal foi estimulado a transferir pacientes de covid-19 para fora do país. As mortes pela doença atingiram uma alta recorde e o sistema de fornecimento de oxigênio de um grande hospital na região de Lisboa falhou em parte por conta do uso excessivo.

As fatalidades por covid-19 nas últimas 24 horas chegaram ao recorde de 291, elevando o total do país para 653.878 casos e 11.012 mortes. O país agora tem a maior média semanal de casos e mortes por milhão de pessoas, de acordo com o ourworldindata.org

O hospital no município de Amadora teve de transferir 48 de seus pacientes para outras unidades de saúde na capital na noite de terça-feira (26), pois a pressão de oxigênio não era suficiente para um grande número de pacientes. 

"Houve a necessidade de diminuir o consumo de oxigênio, então os pacientes foram transferidos", informou o hospital, que quase não tem leitos livres. "Eles nunca estiveram em perigo."

Reportagens mostraram ambulâncias apressadas passando pelos portões principais do hospital para pegar os pacientes, enquanto algumas deixaram o local escoltadas pela polícia.

Pacientes transferidos

Vinte pacientes foram transferidos para o maior hospital de Lisboa, o Santa Maria, que, na terça-feira, instalou dois refrigeradores do lado de fora de seu necrotério com capacidade para 30 corpos, afirmou o porta-voz do hospital.

Entenda por que o governo compra tanto leite condensado e chiclete (+ Rodrigo Constantino)

Letícia Alves

É papel da imprensa não só colher e divulgar dados de relevância pública, mas contextualizá-los. Por isso, o BSM explica o carrinho de compras do governo federal


Uma reportagem do portal Metrópoles publicada no último domingo (24) sobre os gastos dos órgãos federais com comida repercutiu em toda a imprensa e nas redes sociais. Em 2020, o carrinho de compras do governo ultrapassou R$ 1,8 bilhão, um aumento de 20% em relação a 2019.

Dois produtos em especial chamaram a atenção do público: o leite condensado e a goma de mascar. No total, o governo pagou R$ 15,6 milhões para comprar o doce; e outros R$ 2,2 milhões em chiclete.

Apesar de o presidente Jair Bolsonaro já ter demonstrado gostar de comer leite condensado com pão, as compras não têm nada a ver com isso. À primeira vista, elas parecem estranhas, mas existe uma explicação.

Por isso, é papel da imprensa não só colher e divulgar dados de relevância pública, mas também — e principalmente — contextualizá-los. É o que o BSM faz agora.

1. O que justifica o aumento de gastos em relação a 2019?

Em primeiro lugar, é necessário explicar que esses alimentos não são para abastecer apenas a despensa dos Ministérios. Na verdade, as sedes em Brasília não recebem quase nada.

A maior parte vai para os órgãos subordinados, incluindo institutos federais de educação e hospitais ligados a universidades. Os valores também incluem algumas compras feitas por municípios e estados para órgãos federais locais.

É importante destacar que os maiores compradores são o Ministério da Defesa e o Ministério da Educação. O primeiro não parou as atividades com a pandemia, pelo contrário: o número de missões aumentou em algumas localidades. Já o MEC é responsável por uma rede de hospitais universitários, que foram usados em muitos estados para desafogar o SUS.

É justificável, portanto, que a quantidade de alimentos tenha aumentado em meio à crise do coronavírus, já que a demanda de alguns órgãos cresceu.

2. Por que tanto leite condensado?

O doce preferido do presidente não aparece à toa no carrinho de compras. Os maiores compradores da iguaria são o Ministério da Defesa e a Funai, por um motivo comum: em locais distantes e pouco acessíveis, não é viável o transporte de leite fresco, que estraga rapidamente. O leite condensado, então, serve como um substituto ao laticínio porque o açúcar conserva bem o produto mesmo após aberto. 

Oportunidades

Nelson Teixeira

Leve na sua memória, para o resto de sua vida, as coisas boas que surgiram no meio das dificuldades.

Elas serão uma prova de sua capacidade em vencer as provas e lhe darão confiança na presença divina, que nos auxilia em qualquer situação, em qualquer tempo, diante de qualquer obstáculo.

Lembre-se do passado como aprendizado, mas não fique preso lá, pois a sua jornada é direcionada sempre para a frente.

Há muitas oportunidades e perspectivas para quem olha para frente buscando um horizonte de melhores realizações.

Oportunidades sempre são muitas para quem quer vencer.

Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 27-1-2021

[Produtos e Serviços] Empresa Municipal de Estacionamento de Sintra

Já há muito me impressiona a rapidez da resposta ao pagamento, via Multibanco, desta empresa municipal. Explico melhor: hoje, 26 de janeiro, recebo um e-mail com os dados para pagar a avença mensal referente ao mês de fevereiro.


Desço para fazer a transferência via Multibanco (Caixa Eletrônico melhorado, bota melhorado nisso!) e horas depois, repito, horas depois, já recebo o comprovante de pagamento! Parece que tem um funcionário muito atento ao sininho de uma nova transferência bancária.

Enquanto isso, há dias (há três, quatro…? Sem saco de me levantar e confirmar com exatidão) transferi o pagamento do condomínio do edifício onde me escondo na maior parte do ano, ainda não recebi o comprovante desse pagamento!

Anteriores:
[Viagens, Produtos e Serviços] Barbearia Santo António
A IKEA ainda não me entregou as almofadas! E não responde!
Voando do Rio a Lisboa a bordo da caríssima TAP e sua tripulação Schutzstaffel (SS)
[Viagens, Produtos e Serviços] Voando na TAP durante a pandemia do vírus chinês
Voo TAP 073 – LIS/RIO Fuja da Media Markt: não compre lá nada

terça-feira, 26 de janeiro de 2021

'Imprensa' FDP

Joe Biden va nuire aux Etats-Unis - Le Zoom - Guy Millière - TVL

L’essayiste et ex-maître de conférences à Paris VIII, Guy Millière, qui vit aux Etats-Unis depuis plusieurs années, évoque son dernier ouvrage “Après Trump ?”. Lors de cet entretien, il revient sur les quatre ans de mandat de Donald Trump et livre son analyse sur le nouveau président, Joe Biden.

Retrouvez-nous sur :
https://www.tvlibertes.com/
https://www.facebook.com/tvlibertes/
https://twitter.com/tvlofficiel?lang=fr


Chaîne officielle TVLibertés, 26-1-2021

Pamonha

Pamonha é um quitute brasileiro, comum nos estados do Nordeste e ainda em Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, São Paulo e Tocantins. Provavelmente descende da culinária indígena.

Etimologia

O nome "pamonha" vem da palavra tupi pa'muñã, que significa "pegajoso".

No livro O dialeto caipira, de Amadeu Amaral, há referência tanto à pamonha como ao curau.

Popularmente, no Brasil, chama-se de "pamonha" alguém que é preguiçoso, lento ou palerma.

Preparo

A forma de preparo genérica da pamonha, comum a várias receitas, é a seguinte: o milho verde é ralado e, à massa resultante, são misturados leite (ou leite de coco), sal (ou açúcar), manteiga, canela e erva-doce. Esta massa é colocada em tubos feitos com a própria casca do milho (ou com folha de bananeira), atados nas extremidades. As pamonhas são submetidas a cozimento até que sua massa alcance uma consistência firme e macia.

No Centro-Oeste brasileiro, há a pamonha salgada, chamada pamonha de sal, com recheio de carnes ou embutidos como linguiças, e a pamonha de doce, que leva queijo tipo minas como recheio.

No Nordeste brasileiro, a pamonha é preparada com leite de coco. Em outras regiões, pode ser um bolo de milho que depois de pronto é embrulhado em folhas de bananeira, e ao ser servido, é dissolvido em água e açúcar, recebendo o nome de garapa de pamonha.

Pamonhas de Piracicaba

Fonte: Wikipédia

Presidente do Tribunal de Justiça de MS defende volta ao trabalho e critica ‘palhaçada midiática fúnebre’

'Deixemos de viver conduzidos como rebanho para o matadouro', observou o magistrado

Artur Piva

Na última sexta-feira, 22, o novo presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), Carlos Eduardo Contar [foto], defendeu o retorno ao trabalho para pôr fim ao que ele classificou de “palhaçada midiática fúnebre”.

“Voltemos nossas forças ao retorno ao trabalho, deixemos de viver conduzidos como rebanho para o matadouro daqueles que veneram a morte, que propagandeiam o quanto pior, melhor”, observou o magistrado em seu discurso de posse. “Desprezemos pois o irresponsável, o covarde e picareta da ocasião que afirma ‘fiquem em casa’, ‘não procurem socorro médico com sintomas leves’, ‘não sobrecarreguem o sistema de saúde'”.

Título e Texto: Artur Piva, revista Oeste, 25-1-2021, 21h41

Governo é favorável à importação privada de vacinas, diz Bolsonaro

Grupo de empresários quer importar 33 milhões de doses

Andreia Verdélio

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (26) que o governo federal apoia a iniciativa de empresários de importar, por conta própria, vacinas contra a covid-19 para imunizar seus funcionários. A afirmação ocorreu durante participação, por videoconferência, em um seminário sobre investimentos na América Latina, realizado pelo banco Credit Suisse.

Foto: Marcos Corrêa/PR

“O governo federal é favorável a esse grupo de empresários para levar avante sua proposta para trazer vacina para cá, a custo zero, para o governo federal, para imunizar 33 milhões de pessoas. No que puder essa proposta ir à frente, nós estaremos estimulando porque, com 33 milhões de doses de graça, ajudaria e muito a economia e para aqueles que queiram se vacinar o façam para ficar livre do vírus”, disse Bolsonaro.

O presidente explicou que, na semana passada, o governo foi procurado por empresários para que fossem importadas 33 milhões de doses da vacina de Oxford. 

Desse total, metade seria incorporada ao Sistema Único de Saúde (SUS), e disponibilizada à população de acordo com os critérios do Ministério da Saúde, e a outra metade seria utilizada pelas empresas de acordo com critérios próprios. Segundo o presidente, o governo assinou uma carta de intenção favorável à medida.

“Já somos o sexto país que mais vacinou no mundo, brevemente estaremos nos primeiros lugares, para dar mais conforto à população, segurança a todos e de modo que a nossa economia não deixe de funcionar”, disse, destacando que o governo editou medida provisória, no ano passado, destinando R$ 20 bilhões para a compra de vacinas.

Atração de investimentos

Durante seu discurso, Bolsonaro reafirmou o compromisso com o teto de gastos públicos e disse que o governo quer acelerar as privatizações e reformas para incentivar e facilitar o trabalho da iniciativa privada na recuperação da economia, após a crise gerada pela pandemia de covid-19.

Hotéis Rio realiza campanha #PartiuVacina

O objetivo é reforçar a importância da vacinação, para viabilizar, o mais brevemente possível, a normalização das atividades interpessoais

Altair Alves

Com o intuito de reforçar a importância da vacinação, para viabilizar, o mais brevemente possível, a normalização das atividades interpessoais, comerciais, de lazer, eventos, congressos, entre outros, focando especialmente na recuperação do setor de turismo, o Hotéis Rio lançou a campanha #PartiuVacina

Com peças gráficas produzidas para a disseminação da mensagem via redes sociais, whats app, newsletter e informativos institucionais, a campanha busca impactar turistas e colaboradores para sensibilizá-los para esta causa, sempre usando a hashtag #PartiuVacina.

A hotelaria está comprometida na luta contra a Covid-19 e a retomada das atividades turística e econômica em geral no Rio de Janeiro, no Brasil e no mundo. Partiu Vacina!

Título e Texto: Altair Alves, Diário do Rio, 25-2-2021

Grades da Praça Paris são roubadas

Nas redes sociais, muitos usuários confirmaram a denúncia e reforçaram que também tem acontecido roubos a pedestres no local

Larissa Ventura

Segundo denúncias, as grades da Praça Paris, localizada na Glória, têm sido roubadas. De acordo com a informação, durante a noite, qualquer pessoa consegue entrar no local devido à falta de segurança. Nas redes sociais, muitos usuários confirmaram a reclamação e reforçaram que têm acontecido roubos a pedestres no local.

Ao ser questionada sobre o roubo nas grades, a Secretaria Municipal de Urbanismo informou que mandará uma equipe para fazer vistoria no local nos próximos dias e tomar as providências cabíveis.

A Guarda Municipal informou em nota que não houve flagrante e que está atenta para evitar que outros furtos ocorram no local. Segundo a Guarda, a Praça Paris recebe patrulhamento 24 horas de guardas municipais da Unidade de Ordem Pública (UOP) do Catete. Os agentes são responsáveis pela abertura da praça às 6h e pelo fechamento às 22h.

A Praça, que teve as obras finalizadas em 1929, foi construída com objetivo de reproduzir o traçado e a elegância de um jardim parisiense, abrigando em seus espaços um grande número de amendoeiras de grande porte, além de obras de arte e esculturas. Daí o nome, Praça Paris.

Décadas depois, a Praça teve algumas partes destruídas devido às obras do metrô. Em 1992, ela foi restaurada e reinaugurada. Após essa reforma, a Paris do Rio foi cercada por grades para melhor preservação e segurança.

Título e Texto: Larissa Ventura, Diário do Rio, 25-1-2021

[Sem rodeios] Os donos do Poder

Vanderlei dos Santos Rocha


Pois,

O poder nem sempre está com quem está no comando, mas sim na pocilga que apoia.
O PT é e sempre será mula dos corruptos, quando tentou derrubar os chefões da corrupção foi defenestrado.

Depois da constituição de 1988 o PMDB só apoiou corruptos, só ficou lambendo a sopa quente pelas beiradas frias. Derrubou Collor que ajudou a eleger.

Até hoje grandes caciques vivem na mídia, com exemplos indignos como FHC, Sarney e Temer.

Vejam quem foram os presidentes da câmara e do senado?
Ulisses, Temer, Aécio, Chinaglia, Marco Maia, Eduardo Cunha e Rodrigo Maia.

Agora o senado:
Quatro vezes Sarney, duas Renan Calheiros e um monte de bostas.

Eunício: Bolsonaro triunfará como presidente de todos os brasileiros

01/01/2019, 16h05

O presidente do Senado, Eunício Oliveira, destacou a larga experiência de Bolsonaro como parlamentar e afirmou que, "como chefe do Executivo, Bolsonaro pode vir a ser o melhor exemplo de conduta a seguir".

Fonte: Agência Senado

O PT lembra o ECA ou os menores infratores. sempre são presos e não cumprem pena.

As pedras de Setúbal e a democracia

Heitor Buchaul

A imprensa, pretensamente imparcial, julga de maneira ditatorial e sem direito a contraditórios todos os que ousam discordar dela, por exemplo, naquilo que entende por democracia, religião, sociedade…

Sim, aquilo que entende, pois há um conceito fixado pelos construtores da opinião pública sobre alguns pontos, como “democracia”, que não admite discussão. Já que não admitem contradição, são conceitos inquisitoriais e dogmáticos que os tornam por sua vez essencialmente antidemocráticos.

Recentemente, aqui em Setúbal, ficou claro o quanto é perigoso contrariar o conceito ditatorial de “democracia”. Assim como em outros países — notadamente no Brasil, onde o candidato à presidência, o atual Presidente Jair Bolsonaro, fora esfaqueado em plena campanha eleitoral — o deputado e candidato a Presidente de Portugal André Ventura, ao fazer sua campanha nessa cidade, foi alvo de pedradas por parte de um pequeno grupo de opositores [foto], que possivelmente se consideram democratas.

A grande imprensa, sempre atenta e pronta a condenar, como afirmamos há pouco, tudo o que considera distante, por pouco que seja, do conceito dogmático que ela possui de “democracia”, via de regra, coloca uma etiqueta de “extrema-direita” a quem foge do padrão da linguagem “progressista” ou “multicultural”.

Respire primeiro

Nelson Teixeira

Respire. Não leve adiante o aborrecimento que lhe consome.

Se tiver que discutir, tenha sabedoria ao falar e aprenda a ouvir.

Tenha equilíbrio na vida e saiba ser humilde.

Não lance pedras em quem lhe acolheu e não julgue quem sempre lhe beneficiou.

A vida tem dois lados: aqui se faz, aqui se paga.

Esqueça um pouco o orgulho que lhe consome.

Quebre as barreiras que lhe impedem de seguir o que lhe faz bem.

O pior dos defeitos que alguém pode ter é a ingratidão.

Então, não despreze hoje quem lhe estendeu a mão ontem.

Antes de qualquer decisão, respire fundo para ser bem sucedido.

Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 26-1-2021

Enquanto isso, na França de...

[Aparecido rasga o verbo] Invenção de espanto

Aparecido Raimundo de Souza

PENSEM NUM SUJEITO trabalhador e honesto, cumpridor de seus deveres até debaixo d'água. O Alpheu! Este mesmo, escrito assim, desta forma arcaica, Alpheu, com ‘PH’. E ele, por seu turno, fazia questão de deixar pontificado, o ‘PH’. Sem dúvida alguma, este era o cara, apesar de não gostar da melodia do Roberto Carlos, onde o cantor de Cachoeiro de Itapemirim, filho de dona Laura e seu Robertino, dava conta de um indivíduo que exaltava a figura auspiciosa de um craque, o dono do pedaço e da cocada preta, sobretudo, que fazia as honras em todos os sentidos, inclusive e, principalmente, se abrindo feito paraquedas às princesas de todas as idades, o que tornou o bendito fruto amável e benquisto entre as beldades do sexo oposto, Brasil e desvãos além fronteiras.

Mas o nosso Alpheu, com ‘PH’, sem tirar nem por, fora o escolhido. Homem sério, até seu relógio interno seguia as regras do excelente. Sem nenhuma mancha que tornasse seu passado obscuro, servia de chacota e de gozação para os amigos. Na verdade, um espectador inocente, figura ridícula pela maneira por que se deixava, sobretudo, escravizar com as barbáries e investidas dos idiotas que se diziam e se proclamavam ‘seus chegados’: ‘Você é o cara, mano —, afirmava um’. Este ‘cara é você’ —, ajuntava outro. Por conta deste ‘cara sou eu’, o homenzarrão queria morrer. Tirando esta particularidade, Alpheu, com ‘PH’, um santo. Do pau oco, mas santo. Bom pai, ótimo marido e seleto companheiro, principalmente com os colegas de trabalho. O patrão o adorava. Seu trajeto, nos trezentos e sessenta e cinco dias do ano... Apenas um. Com uma variante.

De casa para o trabalho e do trabalho para casa. Nada mudava a sua rota. A vida, para ele, se fazia mais obsessiva que as liquidações das Lojas Renner, anunciando seus auspiciosos e chamativos Brack Fridays. Alpheu, com ‘PH’, como todo ser humano perfeitamente imperfeito, claro, exatamente por ser humano, tinha (apesar dos pesares e da vidinha reta e sem nódoas), cinco defeitos inquestionáveis. Primeiro deles. Gostava de fazer filhos. Por conta desta vida desregrada, no escuro de quatro paredes, enrodilhado com a sua metade gostosa do casamento, a Belinha, e gozando, com ela, os prazeres das fogosidades calientes, trouxera, à luz, em consequência das viradas de olhinhos, nove boquinhas para dar de beber e comer. Nove. Imaginem só! O segundo defeito. Ao sair do trabalho (pegava às cinco da manhã, na padaria do português Manuel Joaquim, parava uma hora para almoçar e, quinze minutos, para engolir o café servido como lanche).

Largava, o batente, às dezessete horas. Todo santo dia, esta rotina enervante. O terceiro defeito. O pior deles. Antes de chegar em casa, vinha a variante acima citada. Alpheu, com ‘PH’, passava, impreterivelmente, pelo boteco do Aristeu da Conceição (duas quadras de onde morava) e, uma vez ali, alagava os bofes, tomando todas as purinhas com seus amigos de copos. Ficava enraivecido, porque, nesta hora, os falsos amigos das garrafadas zoavam da sua vida certinha, cantando ‘Este cara sou eu’, do Roberto Carlos. Alpheu, com ‘PH’, ficava pra morrer. Odiava, com todas as forças, esta canção e, se tivesse poder, pegava seus parceiros e os mandava para verem Papai do céu antes da hora marcada. Um suplício mal parido de que não cogitou, em nenhum momento, a sua postura de cidadão de bem.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Governo Biden solta gás lacrimogêneo em “manifestantes pacíficos” horas após posse

Antifa não seriam "terroristas domésticos" como Republicanos, mas nova administração massacrou manifestantes que exigiam "vingança" diante de sede do Partido Democrata

Leonardo Trielli

Os protestos dos Antifa e Black Lives Matter que tomaram conta de diversas cidades dos EUA no decorrer de 2020 e deixaram um rastro de destruição e sangue – calculam-se prejuízos de mais de US$ 2 bilhões e algo entre 15 e 35 mortes – tiveram apoio quase explícito da chapa presidencial Biden-Harris e foram descritos pela grande mídia como pacíficos.

O então candidato a presidência, Joe Biden, nunca chegou a emitir uma fala contundente contra a violência dos manifestantes e a vice-presidente Kamala Harris, quando ainda candidata, deu seu apoio explícito a uma organização que levantava fundos para pagar a fiança de envolvidos na destruição de algumas das mais importantes cidades da América.

Os queridinhos dos Democratas são, agora, recebidos com balas de pimenta e bombas de gás por agentes federais – tudo sob o comando do presidente Joe Biden.

Associated Press informa que a sede do Partido Democrata foi danificada, uma bandeira americana queimada e manifestantes encheram as ruas de Portland, Oregon, na quarta-feira, após a posse de Biden.

Segundo o Boston Globe, agentes federais camuflados “cobriram as ruas da cidade de Portland, Oregon, de gás lacrimogêneo e balas de borracha enquanto enfrentavam uma multidão que protestava em frente a um edifício do Departamento de Imigração e Alfândega.”

Rio de Janeiro: Morro Dois Irmãos

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Rio de Janeiro: Largo da Carioca

Enquanto isso, na França de Emmanuel Macron ocupadíssimo com a Amazônia, Jair Bolsonaro, as ‘alterações climáticas’…

Borde sua vida

Nelson Teixeira

Vamos bordando as nossas “Vidas” com linhas de Alegrias…

Colorindo os nossos jardins com Paz e Harmonia e regando as nossas Almas com Sabedoria.

Assim procedendo estaremos construindo a sinergia muito agradável para o nosso caminhar.

Tudo que fizermos na vida com alegria, será muitíssimo benéfico para a nossa paz de espírito e satisfação interior.

Quando você se sente bem e em paz, tudo favorece para que venha dar um melhor encaminhamento para sua vida.

Sorria e anime-se sempre, para que possas colher bons frutos no seu jardim do amor, da paz e da harmonia.

Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 25-1-2021

domingo, 24 de janeiro de 2021

[Livros & leituras] A ilusão liberal

Pode parecer temerário para uma editora católica, aqui no Brasil, publicar um livro sobre a doutrina dos Liberais, tantos são os equívocos despertados por este assunto. Não poderíamos, portanto, deixar de tecer algumas explicações preliminares ao apresentar este livro de Louis Veuillot.


Comecemos pelo autor. Ilustre desconhecido para a grande maioria dos brasileiros, Louis Veuillot (1813 – 1883) é um dos grandes nomes da literatura católica do século XIX, na França. Polemista temido por seus adversários, coube a ele dar vida a um jornal católico da época, L´Univers, que estava em plena decadência. Seus artigos vigorosos em favor da liberdade de ensino, tema que sempre apaixonou os franceses, transformaram o jornal em referência do Catolicismo Romano. Numa França oscilando entre o espírito revolucionário liberal e a restauração da Monarquia, o combate católico era o combate pela liberdade, e isso naturalmente reuniu católicos que defendiam a liberdade da Igreja a todos aqueles que defendiam toda e qualquer liberdade. Com o passar do tempo, Veuillot se afastará dos Liberais, combatendo em favor da restauração da Monarquia. Na época do Concílio Primeiro do Vaticano, apoiará de forma vigorosa o dogma da Infalibilidade papal, sendo defendido várias vezes pelo papa Pio IX contra bispos que o criticavam. Quando Pio IX achou por bem apontar certos exageros nas expressões polêmicas do grande escritor, Veuillot aceitou humildemente a paternal admoestação e procurou melhorar o tom dos seus escritos.  

O primeiro cuidado que o leitor deverá tomar ao iniciar o estudo da crítica ao Liberalismo Católico é o de não confundir o Liberalismo, na sua essência, como um todo, com uma das suas partes, que é o Liberalismo econômico. Como na mentalidade atual aplica-se o nome Liberalismo a toda economia em regime de iniciativa privada, poder-se-ia concluir que, ao combater o Liberalismo, estaríamos defendendo um Estado intervencionista, ou mesmo o socialismo, o que seria uma aberração. O pecado do Liberalismo econômico não é o de deixar a liberdade ao empresário, mas o de proclamar essa liberdade soberana e sem limites: liberdade de pensamento, liberdade de expressão, liberdade de ensino, liberdade religiosa, liberdade de consciência. Esse liberal pretende a liberdade total, a emancipação do homem em relação a qualquer forma de regra, de lei e de moral, mesmo se esta moral vem de Deus. 

É preciso insistir: a doutrina católica não condena a liberdade do agir humano, nem a liberdade empresarial ou a liberdade de expressão. O que ela não admite é a pretensão de considerar essas liberdades acima de qualquer regra superior. O relativismo atinge o coração do homem: sua obediência às leis civis será mera obrigação sob pena de sofrer as consequências, descartada toda ligação entre essas leis e a Lei de Deus. Já não existiria, portanto, a verdade. O Liberalismo produz um monstro de duas cabeças aparentemente opostas: monstruosa liberdade e legalismo estúpido. 

[Viagens & Destinos] Caminhos da História – Rua das Flores: "uma artéria notável, histórica e que muito tem a ver com a identidade do Porto"

É em plena Rua das Flores no Porto que Joel Cleto nos diz que "há 500 anos, em 1521, a mando do rei D. Manuel I, tinha início a abertura desta rua" que inicialmente se chamava Rua Santa Catarina das Flores. Esta que é uma "artéria notável, histórica e que muito tem a ver com a identidade do Porto".


Anteriores: 

Porto, outubro de 2020 
Rio de Janeiro – Linha Amarela – dezembro de 2020 
No Porto, pegue o 500, Praça da Liberdade/Matosinhos 
Caminhos da História - A Geira em Terras de Bouro 
A Misericórdia do Porto e o Liberalismo 
[Viagens & Destinos] Estação de São Bento, Porto 
Porto, junho de 2020 
Cabeças de São João 
Jardim do Calém, Porto 
Vila do Conde: "uma das mais antigas, monumentais, históricas e belas cidades do Norte" 
Espinho: Onde as ruas não têm nome - e há vida para além do cassino 
Feira de Espinho

Vacina da Pfizer causaria frustração nos brasileiros, diz ministério da Saúde

Pasta avalia que laboratório exige cláusulas abusivas

O Governo Federal/Ministério da Saúde informa que recebeu, sim, a carta do CEO da Pfizer, assim como reuniu-se várias vezes com os seus representantes. Porém, apesar de todo o poder midiático promovido pelo laboratório, as doses iniciais oferecidas ao Brasil seriam mais uma conquista de marketing, branding e growth para a produtora de vacina, como já vem acontecendo em outros países. Já para o Brasil, causaria frustração em todos os brasileiros, pois teríamos, com poucas doses, que escolher, num país continental com mais de 212 milhões de habitantes, quem seriam os eleitos a receberem a vacina.

Foto: Dado Ruvic/Reuters

Entretanto, não somente a frustração que a empresa Pfizer causaria aos brasileiros, as cláusulas leoninas e abusivas que foram estabelecidas pelo laboratório criam uma barreira de negociação e compra. Como exemplo, citamos cinco trechos das cláusulas do pré-contrato, que já foram amplamente divulgadas pela imprensa:

1) Que o Brasil renuncie à soberania de seus ativos no exterior em benefício da Pfizer como garantia de pagamento, bem como constitua um fundo garantidor com valores depositados em uma conta no exterior;

2) O afastamento da jurisdição e das leis brasileiras com a instituição de convenção de arbitragem sob a égide das leis de Nova York, nos Estados Unidos;

3) Que o primeiro e segundo lotes de vacinas sejam de 500 mil doses e o terceiro de um milhão, totalizando 2 milhões no primeiro trimestre, com possibilidade de atraso na entrega (número considerado insuficiente pelo Brasil);

4) Que havendo atraso na entrega, não haja penalização; e

5) Que seja assinado um termo de responsabilidade por eventuais efeitos colaterais da vacina, isentando a Pfizer de qualquer responsabilidade civil por efeitos colaterais graves decorrentes do uso da vacina, indefinidamente.

Rio terá mais uma semana quente; só deve chover no sábado

Tendência é de céu ensolarado no Rio de Janeiro a semana inteira, com possibilidade de pancadas de chuva no sábado (30) à tarde e à noite

Raphael Fernandes

Assim como neste domingo (24) e ontem, quando os termômetros marcaram cerca de 35°C, a próxima semana será igualmente quente no Rio de Janeiro.

Desta segunda-feira até à próxima sexta-feira a previsão, segundo o site ”Climatempo”, é de céu ensolarado e com pouca presença de nuvens na cidade. As temperaturas devem variar entre 20 e 39 graus.

A tendência é que o tempo só mude no Rio, com possibilidade de pancadas de chuva à tarde e à noite, no próximo sábado (30). Mesmo assim, este referido dia também será quente, com mínima de 30°C e máxima de 37°C.

Título e Texto: Raphael Fernandes, Diário do Rio, 24-1-2021 

A deprimente reação do “jornalista” da Globo quando a vacina de Oxford chegou ao Brasil

Dona Flor e seus dez milhões

[As danações de Carina] O violento silêncio de um novo recomeço

Carina Bratt

Depois que a nossa vida foi completamente destruída, seja por desfazimento de um casamento, pela perda do emprego onde ganhávamos razoavelmente bem, usque pelo falecimento de algum ente querido, ou qualquer outro item que eu não tenha citado neste pequeno rol, como recomeçar? Muitas e muitas vezes nos quedamos diante dos escombros com esta indagação entalada na goela: como recomeçar?

Existe alguma cartilha, ou um truque para se tirar de dentro de uma cartola (como os ilusionistas, nos palcos da vida circense, um buquê de flores, ou uma pombinha branca, ou via igual, da manga da blusa, um pacote de dinheiro, para saldarmos todas as nossas dívidas e começarmos do nada, ou seja, do zero?). A resposta é NÃO.

Na verdade, não colocaram, ao nosso dispor, para consultas rápidas e rasteiras, nenhum dispositivo prático —, um modelo livre de trapaças —, um livreto padrão, correto e sem erros, bonitinho e bem elaborado, bem escrito, explicando, com todos os passos a passos corretos para serem seguidos, à risca, e vencermos as dificuldades e intempéries.

Quando nos pegamos acabadas, literalmente no fundo do poço, estraçalhadas, nada vem em nosso socorro, a não ser os destroços de nós mesmas. Grudados neles, o estupor de um silêncio pesado e denso, que nos fere, que nos machuca, que nos leva às raias da neurastenia. Nestas horas, diante do espelho do nosso destino, contamos somente com a nossa coragem, ou com o que dela sobrou intacta.

"The Cheval-Glass", 1876, de Berthe Morisot

Tentamos nos reerguer, nos levantarmos do tombo dos fracassos e dissabores (sejam eles, quais forem). Enfim, arriscamos, aventuramos, ousamos sair ilesas da vida abrupta, despedaçada, juntando os caquinhos, um por um, aqui e ali, depois e acolá, colando de volta, num trabalho de pacienciosidade (tipo as formiguinhas), até completarmos todo o mosaico dos nossos sonhos destruídos.

A reconstrução é difícil, penosa, cansativa, por vezes temerária. Às vezes levamos anos e anos para nos aprumarmos, até vermos, de novo, diante de nossa estupefação, os horizontes brilharem à frente de nossos percalços e estorvos, incômodos e entojos, irritações e achaques. Cair é fácil. Basta estarmos em pé. Tropeçar, idem. Um simples descuido, um cochilo, um desvario e pimba, damos com tudo no rés do chão. Difícil é levantarmos, notadamente se não tivermos um alicerce, um suporte à altura de nosso tombo. Geralmente (dependendo do baque, as feridas, as contusões e as lesões produzidas por este declínio), arranjamos feridas profundas, mágoas difíceis de serem cicatrizadas.

sábado, 23 de janeiro de 2021

Ó Humberto do PT, vai ser mentiroso assim na casa do c...!

Volta Passos, estás tramado

José Miguel Roque Martins

Olhando para o que se passa, vejo semelhanças com os últimos tempos de Sócrates: a pura impossibilidade de manter o rumo.

Um déficit público, parcialmente compreensível, mas insustentável. Gastos Públicos em alta. Uma economia estropiada. Salários-mínimos incompatíveis com o pleno emprego. Uma conjuntura de recuperação internacional lenta. Um forte abalo na confiança no Estado. Uma indisfarçável incompetência na forma como o Governo reagiu à Covid. 

Será Costa capaz de aguentar as adversidades e dificuldades que aí vêm? Será que, para além de hábil, tem capacidade de sofrimento? Será capaz de implementar reformas impopulares, ao mesmo tempo que impõe nova e indesmentível austeridade? Será capaz de reverter o atual processo de estatização da Economia? Ou teremos, de novo, um ministro das finanças a ligar para Bruxelas e para o FMI?

E o que acontece se Costa não se aguentar? Que nova maioria será possível? Que novo líder, vamos ter?

Quando olho para tudo isto, estou certo de que não serei o único a dizer, volta Passos, estás tramado. Ou então, estamos todos, se não aparecer um Passos qualquer!

Pedro Passos Coelho, ex-PM de Portugal, 2011/2015

Título e Texto: José Miguel Roque Martins, Corta-fitas, 23-1-2021

Relacionados:
O rebanho
Desgoverno: Portugal à deriva
Os “negacionistas”, ou #vaificartudomuitomal
Genocidas?

O rebanho

Fra Diavolo

O que se tem passado nas últimas semanas na generalidade dos órgãos de comunicação portugueses é um espetáculo digno da Guiné Equatorial ou da Venezuela.

O massacre permanente de um dos candidatos presidenciais, denegrido e vexado sob todos os pretextos e a propósito de tudo e de nada, em contraste com uma campanha tendenciosa de simpatias e batons em favor de outros candidatos, é de uma menoridade democrática que entristece – sobretudo porque, escudados na cobardia do coletivo, estes falsos jornalistas não têm a coragem de dizer clara e lealmente que apoiam um contra outro.

Alguns (poucos) fazem-no porque é esse o seu papel. Outros (muitos), porque é moda e parece bem. Outros, ainda, porque de outra forma arriscavam o emprego.

O rebanho segue, acéfalo e idiota, sem sequer perceber que só favorece quem quer prejudicar.

É confrangedor. É miserável. É patético.

Alguém que, de fora e de cima, olhe para o que se passa nos jornais e TVs desta parvalhice demente, só pode sentir pena.

Título e Texto: Fra Diavolo, o Diabo, nº 2299, 22-1-2021

Relacionados:
Desgoverno: Portugal à deriva 

[Para que servem as borboletas?] O dever-ser da ética...

Valdemar Habitzreuter

A vida humana é regida pela ética, ou deveria ser. As leis do Estado são feitas, justamente, para um viver ético. Mas nem todas são justas. Como proceder então para estar sob a égide de uma lei justa e viver eticamente? Filósofos têm suas versões. Sócrates nos remete à maiêutica, ou ao diálogo e daí parir a lei justa, o bem agir ético. Platão estabelece o Bem Supremo que devemos almejar para uma vida justa, pacífica e feliz. Aristóteles é mais específico, coloca a virtude como base do agir ético. Ser virtuoso é não adotar posições extremistas em decisões situacionais quanto ao agir ético. Assim, por exemplo, a virtude da coragem está entre o medo e a covardia. Mas, mesmo assim, não sabemos onde está, ao certo, o meio termo. A coragem está mais para o lado do medo ou da covardia? Sem dúvida, fica mais para o lado do medo do que da covardia, acho. O corajoso pode sentir medo, mas não foge do perigo, enquanto o covarde chispa, se manda e deixa de agir corretamente ...

No entanto, para Aristóteles, o critério último mesmo da eticidade é a reta razão. O que entendemos por reta? Em geometria, é a distância mais curta entre dois pontos. Um pedreiro que estica seu fio de nylon para construir uma parede reta não levanta uma parede encurvada, torta. Mas, e a razão? O que é a reta razão? Pode haver uma razão encurvada? Curvas da razão, essa é boa! Talvez nas curvas da razão possa se derrapar para o mal; na reta não (rsrs). Mas, recorramos a Kant para saber o que ele diz da reta razão, da razão ética. Ele nos dá a dica aludindo à razão prática. Há um tipo de “dever-ser” em todos os povos e culturas e em todos os tempos; não importa a variedade de culturas e costumes dos diferentes povos, manifesta-se aí em todos um “dever-ser” ético. Isso é um fato da razão, diz Kant. Existe um Eu transcendental prático à priori, subjacente à toda humanidade, que se guia por um único grande princípio geral: o Imperativo Categórico, como lei universal, que estabelece o seguinte: “age sempre de tal maneira que a norma da tua ação possa ser elevada ao estatuto de uma lei universal”... Não mentir, por exemplo, é um imperativo que a todos é pertinente, e realizável por todos; tem, pois, o estatuto de lei  universal, passível e possível de observância por todos… em todas as culturas e povos, mentir é antiético; ninguém quer ser ludibriado por mentiras.

Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 23-1-2021

Colunas anteriores:
As ficções embelezam a vida...
A VIDA É DOR, diz o filósofo Schopenhauer. Vocês concordam?
Nossos projetos de vida...
O que podemos assimilar do romantismo filosófico? 
Na quietude da quarentena… o pensar se impõe...

Desgoverno: Portugal à deriva

A mentira, a propaganda e a irracionalidade tomaram conta do espaço público. O que cresce não é a economia, mas a pobreza, a ignorância e a desigualdade sustentadas pela bazuca europeia

Henrique Neto


O Presidente da República, o PS, o Governo, o Primeiro-Ministro e a Ministra da Saúde ficarão na história do País com a responsabilidade da morte anunciada de muitos portugueses. Ao escrever isto tenho a plena consciência da minha própria responsabilidade como cidadão e sei por experiência que corro o risco de me chamarem todos os nomes que têm sido usados para insultar os que não obedecem à cartilha da extrema-esquerda que gere as regras do debate público.

A democracia plena sonhada com o 25 de Abril foi morrendo aos poucos pelas mãos dos partidos políticos. É verdade que podemos falar à vontade, sem sermos presos por uma qualquer polícia política, mas não podemos escolher os nossos representantes no Parlamento e somos forçados, pela Constituição e pela lei, a aceitar um governo gigantesco de ‘boys’ sem as condições mínimas para a organização e a gestão do Estado a favor do interesse público. O nosso poder de cidadãos livres e a nossa participação na vida política foi sendo reduzido ao mínimo. A mentira, a propaganda e a irracionalidade tomaram conta do espaço público. O que cresce não é a economia, mas a pobreza, a ignorância e a desigualdade sustentadas pela bazuca europeia.

Depois da primavera dos enganos chegámos ao inverno da verdade. “Depois da farsa dos coveiros, Hamlet chamou-nos à realidade do pó humano”; depois das ilusões do sucesso português, chocámos de frente com o poder do fanatismo ideológico, do deslumbramento televisivo e da sobrevivência política, custe o que custar. A ordem é a de mudar alguma pouca coisa, para que tudo fique na mesma.

Infelizmente, como era previsível, a realidade da pandemia do Covid-19 chegou a Portugal com estrondo. Os políticos desorientados procuram agora construir a sua própria realidade e os comentadores de serviço justificam o novo ideal português do politicamente correto, enquanto o desastre económico não chega em toda a sua dimensão e selvajaria. Infelizmente chegará, mas para que outros possam tentar remendar o que agora se descose.