quinta-feira, 23 de dezembro de 2021

Fundação Palmares: mudança de logo vai parar na Justiça

Ação popular movida pelo Psol aponta 'racismo religioso'

A criação de uma nova logomarca para a Fundação Cultural Palmares — responsável pela promoção e preservação de manifestações culturais negras — foi parar na Justiça.

O presidente da fundação, Sérgio Camargo, tem 72 horas para apresentar informações e documentos que justifiquem a criação da nova logomarca do órgão, apresentada em 13 de dezembro.

A decisão é do juiz Victorio Giuzio Neto, da 24ª Vara Cível da Justiça Federal de São Paulo, em resposta a uma ação popular movida pela vereadora Erika Hilton (Psol) com representantes de movimentos negros.

A ação popular argumenta que o novo logotipo promove o racismo religioso expresso por Sérgio Camargo na Fundação Palmares e foi criado com desvio de finalidade e violação à impessoalidade de entidade pública.

À Justiça, Sérgio Camargo deverá apresentar os atos administrativos que deram abertura à publicação do edital do concurso para o novo logotipo.

A publicação é de sexta-feira 17, mas o prazo começa a contar a partir da intimação do presidente da fundação.

Nova logomarca

A nova logomarca conta com elementos da bandeira do Brasil e as cores verde e amarela no nome da fundação.

A anterior fazia referência ao machado do orixá Xangô, cultuado como representação da justiça e da força por religiões de matriz africana.

Título e Texto: Redação, revista Oeste, 23-12-2021, 8h

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-