sábado, 2 de dezembro de 2017

Por que é que alguns economistas estão preocupados com Portugal?

Helena Garrido

O retrato financeiro do país é a principal explicação para a inquietação de alguns economistas com o nosso futuro. Temos demasiada dívida para algum crescimento económico, mas abaixo do que precisamos

A política é a arte do possível e vivemos um tempo em que o possível está muito condicionado quer pelos anos negros da troika como, e especialmente, pela margem de manobra muito reduzida que o PS tem, por via de o seu Governo ser apoiado por partidos que não acreditam nem no capitalismo nem no projeto europeu. Temos de concordar que face ao espaço muito limitado para governar no regime de regras de mercado, de elevado endividamento e de necessidade de disciplina financeira, o Governo acabou por fazer mais do que aquilo que alguma vez se poderia esperar.

Conseguiu o inédito feito de ter o PCP e o Bloco de Esquerda a apoiarem, ainda que indiretamente e disfarçadamente, as medidas de austeridade que permitiram passar nos exames de Bruxelas – eles próprios também menos exigentes. Mas conseguiu. Com a arte da política de tornar a austeridade menos visível, com impostos indiretos conhecidos como narcotizantes, com as já famosas cativações – a palavra do ano – e com redução do investimento público. Criou assim espaço para os seus parceiros fingirem que não viam o que se estava a fazer.

Imagine-se que Mário Centeno dizia logo no seu primeiro Orçamento que ia conseguir reduzir o défice público aumentando a carga fiscal dos impostos indiretos, reduzindo o investimento público e gastando muito menos do que o orçamentado por via de cativações que não descativaria. Assim, dito à bruta, não teria o voto nem do PCP nem do Bloco de Esquerda. Há como que um acordo tácito do género “se queres que te apoie não digas o que de facto vais fazer”.

Sendo o défice público a variável que esteve, nos últimos anos, na mira da avaliação do sucesso dos governos, o Governo tem a sua coroa de glória: obteve o saldo orçamental mais próximo do equilíbrio da era da democracia. Com o que fez sem dizer nada a ninguém e ainda com a ajuda da recuperação da economia. Como em tudo na vida, não é preciso só trabalho, é necessário ter também sorte.

Aqui chegados, porque estão alguns economistas tão preocupados com o que se passa? Nem todos estão preocupados, é verdade. E a explicação que se pode encontrar para uns estarem mais preocupados do que outros parece estar na importância que dão à dívida e à falta de poupança do país. Os que olham para esses indicadores estão manifestamente mais preocupados. Porque sabem que o crescimento que estamos a ter é insuficiente para garantir a nossa autossuficiência financeira num cenário de crise que leve, de novo, os financiadores a fugirem de quem está mais endividado.

Esta semana ouvimos as preocupações de dois economistas, um o governador do Banco de Portugal de forma mais moderada e outro, Daniel Bessa, numa formulação mais assertiva. Carlos Costa, no XIX Fórum da Indústria Têxtil, afirmou que Portugal não tem um problema de financiamento, mas sim de poupança. E na apresentação que fez defendeu ainda que o país precisa de continuar a reduzir o endividamento, aumentar a poupança e captar investimento direto estrangeiro.

Daniel Bessa também esteve nesse Fórum em Famalicão, onde considerou que o crescimento que temos é “medíocre” por insuficiente. Em Lisboa, numa iniciativa da CGD, classificou como um erro a aposta no consumo privado pela necessidade que temos de poupança para aumentar o investimento sem dependermos do exterior.

A dimensão da nossa dívida, o crescimento nominal baixo e a redução da poupança são os três fatores que justificam estas preocupações. Olhemos para os números.

A dívida do país ascende a mais de 720 mil milhões de euros, mais de metade pertence ao sector privado (56%), de acordo com dados que podem ser confirmados no Banco de Portugal (BP stat, endividamento do sector não financeiro).

Façamos uma pequena conta de algibeira. Se essa dívida de 720 mil milhões de euros tiver um juro médio de 4%, o país, no seu conjunto, está a pagar cerca de 28 mil milhões de euros de juros anuais retirados do rendimento que geramos, qualquer coisa como 15% do PIB de 2016. O crescimento nominal do PIB não gera esse rendimento – em 2016 o aumento do PIB em valor ficou-se pelos 5,5 mil milhões de euros.

O segundo problema é que parte dos juros que pagamos não fica cá. Aquele montante de dívida, que é quase quatro vezes o PIB, é financiado em cerca de 400 mil milhões pelo exterior. Ou seja, por cada cem euros de dívida cerca de 55 são financiados com poupança do exterior. Se a poupança diminuir, como está a acontecer, a dependência do exterior aumentará, tornando o país ainda mais vulnerável a uma tempestade financeira que mais cedo ou mais tarde chegará.

Sim, conseguimos reduzir o défice público. É uma conquista que valeu a Mário Centeno o prestígio que o poderá levar a presidente do Eurogrupo. Mas não estamos a resolver o problema financeiro do país, fundamental para que o crescimento se faça sem depender do exterior e ainda mais virado para o exterior, com ainda mais exportações.

Mas como a política é a arte do possível, enquanto os portugueses continuarem a preferir gastar em vez de poupar e o Governo, este ou outro, não tiver coragem de adoptar medidas que incentivem a poupança, estaremos a percorrer caminhos que nos expõem aos vendavais do exterior.

Título e Texto: Helena Garrido, Observador, 2-12-2017

2 comentários:

  1. Com todos estes percalços, talvez seja mais viável que o Brasil. Alo Helena: em 1955 eu (com 10 anos) morava no Humaitá (RJ) e tive um colega chamado Paulo Garrido. Parente seu?

    ResponderExcluir
  2. Carlos Abreu Amorim5 de dezembro de 2017 10:49

    AINDA OS DEBATES
    É manifestamente indisfarçável o desconforto que a possibilidade de realização de debates televisivos está a causar na candidatura de Rui Rio. Mais ainda: parecem estar a usar todos os artifícios retóricos e logísticos para adiarem e, se possível, fugirem desses momentos de democracia cara a cara como o diabo foge da cruz...
    Ao contrário do que já ouvi, do meu ponto de vista, as razões para tal não se prendem com eventuais temores que o ex-autarca do Porto possua devido aos conhecidos dotes argumentativos de Pedro Santana Lopes - não acredito! Rio é um político experiente e está acostumado a debates.

    Mas que há muito medo dos debates, isso é inegável. Rio tem medo de não conseguir explicar porque não quis avançar para a liderança em 2008 e empurrou para esse mister Ferreira Leite com os resultados que se conhecem. Rio tem medo de ser colocado perante exemplos concretos de oposição interna sistemática e sem quartel que ele mesmo perpetrou contra Passos Coelho, Maria Luis Albuquerque e todo o anterior Governo. Rio tem medo de ser confrontado com algumas ideias extraordinárias que já teve - como mero exemplo, a criação de um novo imposto para Portugal pagar a dívida. Rio tem medo de ser obrigado, em pleno debate, a apresentar duas ou três propostas concretas para o país que o façam sair do exíguo quadrado de ideias em que a sua candidatura o tem amarrado, tão preocupados que estão com possíveis “escorregadelas”. Rio tem medo de ter de justificar os nomes da sua pomposa comissão de honra, que tal como a Sábado a apelidou, parece menos um grupo de apoio a si próprio mas, muito mais, uma reunião de aferroados anti-passistas. Rio tem medo que o grande público perceba realmente quem ele é e o que pensa, preferindo, assim, resguardar-se na redução confortável de um discurso opaco, redundante, financista e sem esperança.
    Quer venham os debates a existir ou não, os militantes já sabem quem os quer e quem deles foge a sete pés . E tirarão, desde já, as suas conclusões.

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-