domingo, 10 de dezembro de 2017

[Para que servem as borboletas?] Que o Natal seja um brinde à saúde!...

Valdemar Habitzreuter

Não resta dúvida que todos prezamos a saúde do corpo, mesmo quando este é assaltado pela doença. O termo saúde tem um amplo significado que até na doença podemos aplicá-lo. Trata-se então de saber o que vem a dizer o estado de saúde que tanto desejamos a nós e aos outros. A um aniversariante, por exemplo, desejamos saúde quando lhe damos os parabéns, mesmo que se encontre doente, e logo em seguida acrescentamos: paz, alegria e felicidade na vida!

Saúde! Eis uma palavra corriqueira em nossas conversas, e muito significativa. Talvez não atentamos para o seu real sentido. De tanto usá-la deixamos escapar sua originalidade como sentido curador. Sim, dizer que desejamos saúde é o mesmo que dizer que queremos a cura, ser curados. Mas curados de que? Bom, aí cada qual deverá fazer seu exame de consciência e verificar de que feridas se curar para desfrutar da saúde plena. Quais as lambanças que comete na vida que o prende ao estado doentio. O estado doentio não se aplica somente ao corpo. O nosso corpo psíquico também pode se encontrar em estado doentio.

Está aí, portanto, outra palavra que se encaixa perfeitamente com o termo saúde: a cura. Também, originariamente, esta palavra tem a ver com o cuidado que devemos ter com as coisas que nos cercam, como as utilizamos na promoção da saúde. As coisas que temos à mão tanto podem nos direcionar para a cura, a saúde, como também prejudicá-la. O álcool etílico, por exemplo, pode servir para desinfetar e limpar, mas se ingerido via oral, certamente, será uma bomba explosiva contra a saúde.

Ao nível psíquico, a procura de alucinógenos, por exemplo, para estar cool e viajar em estado psicodélico, nada mais é do que fugir da realidade nua e crua e não querer enfrentá-la cara a cara. Só pode, pois, ser um estado psíquico doentio.
A saúde psicofísica perpassa, portanto, pela cura ou pelo cuidado constante que devemos ter no manejo e utilização das coisas que nos cercam e que estão aí a nos atrair tanto para o nosso bem-estar como para o mal-estar, isto é, fornecer saúde ou doença.

Se formos procurar a etimologia da palavra saúde chegaremos à palavra santidade. Sim, santidade nada mais é do que estar são, sã, ser santo/a, ser perfeito/a, física e psiquicamente (mens sana in corpore sano). Quando se considera alguém santo, presumo que com isso se diz que ele tem saúde... São Cristóvão era um cara saudável, forte, psíquica e fisicamente, suportou o tremendo peso que um certo MENINO exerceu em seu ombro ao atravessá-lo para o outro lado do rio. São Jorge foi outro soldado à procura da gratificante saúde psicofísica.

Mas, nem sempre a saúde física é o mais importante quando o corpo doente já não dá mais sinais de recuperá-la. Por isso, a saúde psíquica faz a diferença quando a podemos instalar em nosso ser e conservá-la. Ela ameniza e dá mais conforto ao corpo doentio ao perceber que o corpo é secundário para o bom aproveitamento da vida. A alma em júbilo, que compreende a vida de outra maneira, sente uma sã alegria mesmo com o corpo em dificuldade. Neste sentido, temos outros tantos homens/mulheres sãos/sãs ou santos/as espiritualmente...

Portanto, saúde é um termo ambíguo. Cabe a nós discernirmos o caminho a trilhar que nos dá a autêntica saúde que nos enaltece a vida. Sempre ter em mente que a vida tem de ser vivida com alegria. Quando brindamos a vida com chope e vinho, no fundo, brindamos a saúde. Resta saber se aí também incluímos um brinde à verdadeira alegria da vida. A alegria da vida se dá no nível espiritual, o prazer se dá no plano físico, corpóreo. Podemos e devemos conjugá-los em uníssono para desfrutar da vida, mas que a alegria tenha as rédeas nas mãos para que a vida ainda tenha seu esplendor quando os prazeres se põem em debandada...

Carpe Salutem, amigos, e que a alegria esteja presente na comemoração do aniversário do MENINO de peso que nasceu para nos trazer a alegria da vida! Bom Natal a todos!
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 9-12-2017


Colunas anteriores:

2 comentários:

  1. FESTEJO O NATAL EM PROL DAS CRIANÇAS, nada contra os que festejam o santíssimo J.Cristo.
    Eu gostaria de desejar um feliz natal a todas as crianças do mundo, mas sei que nem o santíssimo realizará meus desejos natalinos.
    Essa talvez seja minha única salva guarda do politicamente correto.
    Desejar a todos um feliz natal.
    Dentro dos paradoxos da vida, haverá os que infelizmente não terão um bom natal, por causa inerente de desumanos erros.
    Incompetências, desatinos, latrocínios, assassinatos, doenças e erros comuns do cotidiano de um país em convulsão social se farão presentes.
    Gostaria que houvesse uma trégua de paz no meu Brasil, desejo impossível.
    O natal é nosso dia de ação de graças, reunir a família e festejar a colheita.
    Uma semana depois a Terra completa seu ciclo, voltamos a festejar um renascimento de esperanças, em porventuras reformas.
    Anseios e desejos antigos tornam-se novos devaneios ilusórios.
    Todos se abraçam e acordam na ressaca da realidade do dia seguinte.
    Meus votos de feliz ano novo serão apenas frases politicamente corretas a todos os meus amigos e família.
    É um momento único de ignorância de minha parte.
    Somos tão dependentes dos outros que nossa independência é apenas retórica.
    Nesse final de 2017 tenho um único justificável desejo:
    - QUE SEJAMOS MAIS PRÓXIMOS, do que as reflexões bíblicas.
    Somos cosmopolitas, com as mesmas ilusões e sonhos.
    Agradeçamos à mãe natureza por mais um ciclo de nossa vidas.
    Sem esquecer que a luz no fim do túnel de nossas vidas é alimentada por pilhas.
    FELIZ NATAL A TODAS AS CRIANÇAS E UM ANO NOVO DE REPARAÇÕES PARA TODOS NÓS.

    FUI, até o próximo

    ResponderExcluir
  2. Caro Habitz, desejo a ti e aos teus, igualmente um Feliz Natal e um Novo Ano cheio de Alegrias e Saúde, sim nossa Saúde sempre!
    A todos leitores do Blog, Boas Festas e muita Saúde! Abs,
    Heitor Volkart

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-