sexta-feira, 24 de março de 2017

Parte da direita "pira" de vez e torce para Janot na guerra de declarações lacradoras contra Gilmar

Luciano Ayan


A cada dia que passa, uma direita confusa se esmera em dar shows bizarros no que tange à conscientização política. Fica a clara impressão de que quase ninguém sabe por que está de fato lutando.

Vamos avaliar uma situação grotesca na atual guerra de declarações lacradoras entre Gilmar Mendes e Rodrigo Janot. Uma declaração lacradora é aquela feita para ridicularizar, desmoralizar e/ou desestabilizar de qualquer forma um inimigo.

Pauladas de Gilmar
Depois da Operação Carne Fraca, o ministro do STF, Gilmar Mendes, desceu o relho na PF por esta ter fornecido à imprensa informações de processo sigilosas de forma indevida. Segundo ele, os vazamentos são desmoralizantes: “Quando praticado por funcionário público, vazamento é eufemismo para um crime que os procuradores certamente não desconhecem. A violação do sigilo está no artigo 325 do Código Penal. Mais grave é que a notícia dá conta dessa prática dentro da estrutura da PGR. Isso é constrangedor”.

Ele requereu investigação sobre os vazamentos: “Se determinados documentos estão sob sigilo e se se inicia o vazamento sistêmico, como aqui está noticiado, trata-se de desmoralização desta corte. Não preciso lembrar que se trata de crime, que certamente será cuidado pela Procuradoria, ou não, por se tratar de vício de caráter corporativo.”

Também cobrou que a PGR viesse a público explicar os vazamentos: “Não haverá justiça com procedimentos à margem da lei. As investigações devem ter por objetivo produzir provas, não entreter a opinião pública ou demonstrar autoridade. Quem quiser cavalgar escândalo porque está investido do poder de investigação está abusando do seu poder e isso precisa ser dito em bom tom”.

Avaliando as coisas por um prisma do óbvio, ele disse que a divulgação indevida de conteúdo sigiloso de forma seletiva tem o objetivo de destruir a vida de políticos escolhidos pelos investigadores: “Mas é claro que isso tem um propósito destrutivo, como acabam de fazer com o ministro da Justiça, ao dizer que ele deu um telefonema para uma autoridade envolvida nesses escândalos. É uma forma de chantagem implícita, ou explícita. É uma desmoralização da autoridade pública”.

Como a PGR estava sob questionamento, Gilmar ainda disse: “A mídia não estaria divulgando esses nomes se não tivessem sido fornecidos. Eu não vou acreditar que a mídia teve acesso aos nomes em uma sessão espírita.

Tudo isso é apenas o óbvio. Ele apenas citou a lei. Mesmo assim, suas declarações foram interpretadas como uma “paulada” no STF.

Pauladas de Janot
Em vez de refutar Gilmar, Rodrigo Janot partiu para o ataque ad hominem: “Não vi uma só palavra de quem teve uma disenteria verbal a se pronunciar sobre essa imputação o Palácio do Planalto, Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal. Só posso atribuir tal ideia a mentes ociosas e dadas a devaneios. Mas infelizmente com meios para distorcer fatos e instrumentos legítimos de comunicação institucional — disse o procurador-geral no encerramento de encontro de procuradores regionais eleitorais na Escola Superior do Ministério Público.”

Janot não teve coragem de denunciar o nome de Gilmar, mas suas referências foram feitas para não deixar dúvida quanto ao alvo das críticas.

O PGR prossegue: “Ainda assim, meus amigos, em projeção mental, alguns tentam nivelar a todos a sua decrepitude moral e para isso acusam-nos de condutas que lhes são próprias socorrendo, não raras vezes, da aparente intangibilidade proporcionada pela eventual posição que ocupa na estrutura do Estado”.

Como sempre saindo fora de sua alçada, Janot ainda quis meter o bedelho no sistema eleitoral: “ Nosso sistema político-partidário foi conspurcado e precisa urgentemente de reformas. É necessário abrir espaço para a renovação o quanto antes, pois a política não pode continuar a ser uma custosa atividade de risco propícia para aventureiros sem escrúpulos.”

Ora, se ele quer mudar o sistema político-partidário, por que não se candidata a deputado, senador ou a qualquer outro cargo? Não é da função do Janot definir como deve ser a política. Ele faz parte de um dos poderes (o Judiciário). Logo, não tem moral alguma para dizer como deveria ser um outro poder.

Seja lá como for, é evidente que Janot não refutou Gilmar em absolutamente nada. Mas o uso do termo “disenteria verbal” permitiu que muitas pessoas comemorassem sua resposta como troféu. Pior: as comemorações vinham, algumas vezes, por parte de alguns direitistas.

Confusão na direita
A direita brasileira está tão confusa que tem muito direitista torcendo por Janot nessa guerra de declarações lacradoras contra Gilmar Mendes. Detalhe: Janot está comprometido com o projeto totalitário de poder da extrema-esquerda, foi nomeado por petistas e tem como especialidade ser seletivo nos processos, sempre garantindo que os petistas estejam em menor quantidade nas listinhas. É o fim da picada…

Qual a origem de tal loucura?

A explicação desta vez é bem simples: Janot está criando a imagem pública de ser uma pessoa “do lado da Lava Jato”. Logo, qualquer pessoa que critique algum aspecto técnico desta operação ou de outra operação será definido como “inimigo da Lava Jato” ou “inimigo da PF”. E olhe que no caso estamos falando da Operação Carne Fraca.

Com isso, até mesmo um passador geral de régua – que vive salvando a vida de petistas – consegue se sair bem.

Num momento em que o apoio à Lava Jato deixa de ser um apoio racional – incentivando o que é certo, e criticando o que é errado ou não funciona -, para se tornar culto psicótico, era óbvio que a extrema-esquerda iria aproveitar.

Só isso explica ver gente de direita apoiando Rodrigo Janot. É deprimente…
Título, Imagem e Texto: Luciano Ayan, Ceticismo Político, 24-3-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-