domingo, 10 de dezembro de 2017

[Para que servem as borboletas?] Que o Natal seja um brinde à saúde!...

Valdemar Habitzreuter

Não resta dúvida que todos prezamos a saúde do corpo, mesmo quando este é assaltado pela doença. O termo saúde tem um amplo significado que até na doença podemos aplicá-lo. Trata-se então de saber o que vem a dizer o estado de saúde que tanto desejamos a nós e aos outros. A um aniversariante, por exemplo, desejamos saúde quando lhe damos os parabéns, mesmo que se encontre doente, e logo em seguida acrescentamos: paz, alegria e felicidade na vida!

Saúde! Eis uma palavra corriqueira em nossas conversas, e muito significativa. Talvez não atentamos para o seu real sentido. De tanto usá-la deixamos escapar sua originalidade como sentido curador. Sim, dizer que desejamos saúde é o mesmo que dizer que queremos a cura, ser curados. Mas curados de que? Bom, aí cada qual deverá fazer seu exame de consciência e verificar de que feridas se curar para desfrutar da saúde plena. Quais as lambanças que comete na vida que o prende ao estado doentio. O estado doentio não se aplica somente ao corpo. O nosso corpo psíquico também pode se encontrar em estado doentio.

Está aí, portanto, outra palavra que se encaixa perfeitamente com o termo saúde: a cura. Também, originariamente, esta palavra tem a ver com o cuidado que devemos ter com as coisas que nos cercam, como as utilizamos na promoção da saúde. As coisas que temos à mão tanto podem nos direcionar para a cura, a saúde, como também prejudicá-la. O álcool etílico, por exemplo, pode servir para desinfetar e limpar, mas se ingerido via oral, certamente, será uma bomba explosiva contra a saúde.

Ao nível psíquico, a procura de alucinógenos, por exemplo, para estar cool e viajar em estado psicodélico, nada mais é do que fugir da realidade nua e crua e não querer enfrentá-la cara a cara. Só pode, pois, ser um estado psíquico doentio.
A saúde psicofísica perpassa, portanto, pela cura ou pelo cuidado constante que devemos ter no manejo e utilização das coisas que nos cercam e que estão aí a nos atrair tanto para o nosso bem-estar como para o mal-estar, isto é, fornecer saúde ou doença.

Se formos procurar a etimologia da palavra saúde chegaremos à palavra santidade. Sim, santidade nada mais é do que estar são, sã, ser santo/a, ser perfeito/a, física e psiquicamente (mens sana in corpore sano). Quando se considera alguém santo, presumo que com isso se diz que ele tem saúde... São Cristóvão era um cara saudável, forte, psíquica e fisicamente, suportou o tremendo peso que um certo MENINO exerceu em seu ombro ao atravessá-lo para o outro lado do rio. São Jorge foi outro soldado à procura da gratificante saúde psicofísica.

Mas, nem sempre a saúde física é o mais importante quando o corpo doente já não dá mais sinais de recuperá-la. Por isso, a saúde psíquica faz a diferença quando a podemos instalar em nosso ser e conservá-la. Ela ameniza e dá mais conforto ao corpo doentio ao perceber que o corpo é secundário para o bom aproveitamento da vida. A alma em júbilo, que compreende a vida de outra maneira, sente uma sã alegria mesmo com o corpo em dificuldade. Neste sentido, temos outros tantos homens/mulheres sãos/sãs ou santos/as espiritualmente...

Portanto, saúde é um termo ambíguo. Cabe a nós discernirmos o caminho a trilhar que nos dá a autêntica saúde que nos enaltece a vida. Sempre ter em mente que a vida tem de ser vivida com alegria. Quando brindamos a vida com chope e vinho, no fundo, brindamos a saúde. Resta saber se aí também incluímos um brinde à verdadeira alegria da vida. A alegria da vida se dá no nível espiritual, o prazer se dá no plano físico, corpóreo. Podemos e devemos conjugá-los em uníssono para desfrutar da vida, mas que a alegria tenha as rédeas nas mãos para que a vida ainda tenha seu esplendor quando os prazeres se põem em debandada...

Carpe Salutem, amigos, e que a alegria esteja presente na comemoração do aniversário do MENINO de peso que nasceu para nos trazer a alegria da vida! Bom Natal a todos!
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 9-12-2017


Colunas anteriores:

2 comentários:

  1. FESTEJO O NATAL EM PROL DAS CRIANÇAS, nada contra os que festejam o santíssimo J.Cristo.
    Eu gostaria de desejar um feliz natal a todas as crianças do mundo, mas sei que nem o santíssimo realizará meus desejos natalinos.
    Essa talvez seja minha única salva guarda do politicamente correto.
    Desejar a todos um feliz natal.
    Dentro dos paradoxos da vida, haverá os que infelizmente não terão um bom natal, por causa inerente de desumanos erros.
    Incompetências, desatinos, latrocínios, assassinatos, doenças e erros comuns do cotidiano de um país em convulsão social se farão presentes.
    Gostaria que houvesse uma trégua de paz no meu Brasil, desejo impossível.
    O natal é nosso dia de ação de graças, reunir a família e festejar a colheita.
    Uma semana depois a Terra completa seu ciclo, voltamos a festejar um renascimento de esperanças, em porventuras reformas.
    Anseios e desejos antigos tornam-se novos devaneios ilusórios.
    Todos se abraçam e acordam na ressaca da realidade do dia seguinte.
    Meus votos de feliz ano novo serão apenas frases politicamente corretas a todos os meus amigos e família.
    É um momento único de ignorância de minha parte.
    Somos tão dependentes dos outros que nossa independência é apenas retórica.
    Nesse final de 2017 tenho um único justificável desejo:
    - QUE SEJAMOS MAIS PRÓXIMOS, do que as reflexões bíblicas.
    Somos cosmopolitas, com as mesmas ilusões e sonhos.
    Agradeçamos à mãe natureza por mais um ciclo de nossa vidas.
    Sem esquecer que a luz no fim do túnel de nossas vidas é alimentada por pilhas.
    FELIZ NATAL A TODAS AS CRIANÇAS E UM ANO NOVO DE REPARAÇÕES PARA TODOS NÓS.

    FUI, até o próximo

    ResponderExcluir
  2. Caro Habitz, desejo a ti e aos teus, igualmente um Feliz Natal e um Novo Ano cheio de Alegrias e Saúde, sim nossa Saúde sempre!
    A todos leitores do Blog, Boas Festas e muita Saúde! Abs,
    Heitor Volkart

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-