domingo, 8 de outubro de 2017

Cidade Linda só no nome

Números são eloquentes e não deixam dúvida sobre o mau começo do governo Doria na zeladoria
        
O Estado de S. Paulo

As primeiras avaliações sobre o desempenho do governo João Doria na área dos serviços de zeladoria – tais como manutenção de ruas e calçadas e limpeza pública – são desanimadoras, como mostra reportagem do Estado. Como a zeladoria foi apresentada pelo prefeito na campanha eleitoral como um dos destaques de seu programa, este é um mau sinal para o início de um governo que elegeu como suas marcas justamente a eficiência da gestão e a modernização da administração da capital.

Dos dados solicitados sobre as 13 ações desenvolvidas nos serviços de zeladoria, com base na Lei de Acesso à Informação, a Prefeitura forneceu os referentes a nove. Em oito destes, houve queda no desempenho entre janeiro e agosto, em comparação com igual período de 2016. Ou seja, a piora foi praticamente geral na área eleita como uma das meninas dos olhos do prefeito. Só a poda de árvores teve uma melhora de 1,06% (passando de 65.492 árvores podadas naquele período de 2016 para 66.190 neste ano), um índice tão pequeno que se pode dizer que o serviço continua praticamente tão ruim como antes.

Os números são eloquentes e não deixam dúvida sobre o mau começo do governo Doria nessa área. Na extensão de guias e sarjetas (em metros lineares), houve redução de 55,78%; na extensão de galerias inspecionadas e reformadas (também em metros lineares), de 38,59%; na área de calçadas (em metros quadrados), de 36,01%; na limpeza de bocas de lobo e bueiros (em quantidade), de 24,87%; na limpeza de pichações (em quantidade), de 24,5%; na troca de lixeiras (em quantidade), de 6,7%; na varrição (toneladas de resíduos), de 6,01%; e na limpeza de monumentos (em quantidade), de 4,77%.

Os mutirões do programa Cidade Linda e o Mutirão Mário Covas, de reparo de calçadas, não produziram até agora, portanto, nada do que foi prometido. Mais grave: a situação ficou pior do que antes. Por enquanto, a Cidade Linda de linda só tem o nome. A presença do prefeito João Doria, paramentado de gari, nos primeiros dias de seu governo, ajudando na limpeza de ruas e avenidas, para dar exemplo e mostrar empenho em cuidar da cidade, não produziu nenhum efeito positivo.

Nada mais foi, como se constata passado mais de um semestre de seu mandato, do que uma hábil jogada de marketing. Mas essas jogadas – como sabem ou deveriam saber os que as fazem e os que as recomendam –, quando não são seguidas de ações concretas, destinadas a tornar realidade o que prometem, só produzem frustrações. A população pode se impressionar num primeiro momento, mas não demora para distinguir muito bem ação efetiva de fogo de artifício.

Nem o paramento de gari nem a insistência de Doria em combater as pichações são capazes de esconder ruas sujas, calçadas quebradas, bueiros entupidos e paredes e muros em pior estado do que antes.

Entre os serviços sobre os quais a Prefeitura não forneceu os dados solicitados estão os de manutenção de iluminação pública e praças, de reparo de sinalização de trânsito, além de retirada de faixas e cartazes irregulares. Mas qualquer paulistano minimamente atento sabe que a situação deles não é diferente da dos outros. Basta lembrar o estado lastimável em que se encontram os semáforos da cidade – enguiçando com irritante frequência –, quase 10 meses depois do início do governo Doria. Não admira que, já em maio, o canal 156, de reclamações sobre serviços da Prefeitura, tenha registrado o pior índice desde janeiro de 2016: só 25% das 61,7 mil novas queixas foram atendidas, e o índice vem caindo mês a mês, segundo dados oficiais.

O prefeito deve uma explicação aos paulistanos. Mas ela certamente não é fácil para ele, porque deveria começar pela sua pouca presença à frente da administração da cidade. Doria hoje, como é notório, cuida muito mais de política – logo ele, que se elegeu apresentando-se como “gestor” – do que de administração, de olho numa possível candidatura à Presidência em 2018. Se conseguir, o que fará com sua fama de mau prefeito? 
Título, Imagem e Texto: Editorial, O Estado de S. Paulo, 8-10-2017

Um comentário:

  1. Tenho essa sensação: o poder (ou a vaidade) subiu à cabeça de Dória.
    Escrevi anteriormente que julgava que a estratégia dele fosse a de fazer um excelente governo da cidade de São Paulo - até dezembro de 2020.
    E nas eleições a presidente em 2022 a vitória lhe sorriria de orelha a orelha...

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-