quinta-feira, 29 de outubro de 2015

A mentira tem perna curta

Rui A.
Durante quatro anos, ouvimos o PS dizer que a austeridade não era uma inevitabilidade e que havia alternativas às políticas do governo PSD/CDS. Agora que o PS começa a ter a convicção de que regressará, em breve, ao poder, a única preocupação que parece ter é a de arranjar bons pretextos para manter aquelas medidas em vigor, apesar dos acordos que está a negociar com a extrema-esquerda para conseguir o seu apoio parlamentar.

Como é evidente, isto dará fatalmente mau resultado. Porque o PS sempre omitiu aos portugueses aquilo que agora será obrigado a assumir: que Portugal não é um país auto-suficiente, isto é, que não produz o necessário para obter receita que pague a despesa do estado, por um lado, e, por outro, que para além do défice primário do estado existe ainda um pesadíssimo passivo para pagar. Assim, quem estiver no governo terá, em primeiro lugar, que satisfazer as expectativas dos nossos credores e financiadores, se quiser que as máquinas de multibanco continuem a dar notas.

Se preferir a solução grega, em meia dúzia de semanas chegará lá, sem ter de fazer muito esforço. Ora, é isto mesmo que o Bloco e o Partido Comunista jamais aceitarão e que transformará esta espúria coligação num casamento fúnebre.

Em poucas palavras, o dilema de um futuro governo do PS pode colocar-se assim: dará o governo preferência às expectativas dos financiadores de Portugal ou às exigências do Partido Comunista e do Bloco? Costa e César que decidam: a responsabilidade do que vier a acontecer será inteiramente deles. 
Título e Texto: Rui A., Blasfémias, 29-10-2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-