segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Socorro, Desembargadora Salete Maccalóz!

Almir Papalardo
Aonde andas, magnânima jurista Salete Maccalóz? Os aposentados e pensionistas agora totalmente desprotegidos porque oitenta e um senadores e quinhentos e treze deputados mostram-se incompetentes para acabar com a deslealdade e sacanagem imposta aos segurados do INSS, clamam pelo seu retorno urgente nas decisões jurídicas, envolvendo o sistema previdenciário.


Os aposentados saudosos da sua oportuna intervenção no passado, estão desesperados, sucumbindo ante uma política social satânica contra os aposentados do RGPS, aqueles que recebem um pouco acima do SM, os quais são perseguidos, injustiçados e jogados cruelmente na lixeira! Nossas aposentadorias já foram degradadas em mais de 80%!

A senhora nos salvou uma vez no episódio dos 147%, quando o governo federal pretendia nos dar somente 54% de reajuste, enquanto corrigia o SM em 147%. Com seu aguçado sentido de justiça peitou o governo, não permitindo que tal insensatez vingasse, evitando que hoje já estivéssemos recebendo somente UM SM, intenção sórdida dos governos federais de nivelarem todas as aposentadorias do setor privado, ao piso mínimo!

Nunca mais apareceu uma outra Autoridade da sua estirpe, capaz de libertar o aposentado da sanha de governos insensíveis, acomodados e sem criatividade, motivo pelo qual rogamos aos céus que surjam novas oportunidades para termos o nosso destino novamente entregue as suas sábias e justíssimas decisões.

Para relembrar, abaixo segue uma entrevista concedida pela magistrada a revista ISTO É, no ano de 2001, que serve como uma eficiente bússola para nossos ministros do STF.
Título e Texto: Almir Papalardo, 28-12-2015

O LEITOR DECIDE

Entrevista - 03/01/2001
Rápida e rasteira
Para a juíza Salete Maccalóz, os magistrados devem se mexer para que a Justiça não esqueça seu lado social
Liana Melo
Gaúcha de nascimento e carioca por militância, a juíza Salete Maria Maccalóz está há 12 anos na Justiça Federal brigando pelos pobres e oprimidos. Algumas canetadas da juíza tiveram repercussão nacional, como o reajuste de 147% para inativos e pensionistas do INSS, o fechamento da Usina Nuclear de Angra I e o pagamento da URP aos servidores públicos ainda no governo Collor de Mello. Agora, empunha uma nova bandeira. Parafraseando John Kennedy, ela conclama seus colegas de toga: "Cada juiz deve perguntar a si mesmo o que pode fazer na busca de uma Justiça que derradeiramente socorra este País em emergente estado de necessidade social". Professora de Direito do Trabalho da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), Maccalóz está convencida de que a realidade social exige que o Poder Judiciário entre de prontidão em socorro urgente da justiça social. "Afinal, esta é a missão do juiz, nos termos da lei".

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-