segunda-feira, 16 de maio de 2016

Temer dá uma boa entrevista ao Fantástico, mas com uma falha e um erro

A falha: só com as medidas que ele admite, sabe que não vai reequilibrar o Orçamento. O erro: está cedendo à ideologia de gênero e, assim, pode prejudicar a Cultura só para agradar à patrulha

Reinaldo Azevedo 
O presidente Michel Temer concedeu uma entrevista a Sônia Bridi, que foi ao ar no Fantástico deste domingo. Não se fez nenhuma grande revelação ou anúncio — e considero isso um aspecto positivo.

Temer reiterou alguns compromissos do seu discurso de posse; investiu, mais uma vez, na imaginem do pacificador; insistiu na necessidade de se respeitarem as instituições e voltou a se dizer um fiel cumpridor do “livrinho”: a Constituição. Na democracia, creiam, governantes bons são aqueles que nada dizem de surpreendente. Nesse caso, ponto pra ele.

O presidente reafirmou que não haverá cortes nos programas sociais — é bom lembrar que Dilma já passou o facão em alguns deles no Orçamento de 2016 — e lembrou que existem as chamadas vinculações constitucionais, que obrigam que se reservem percentuais do Orçamento a determinadas áreas. É verdade. A menos que emendas mudem a Constituição. Resta ao governo, nessa perspectiva, cortar os chamados gastos discricionários.

Temer deve saber, no entanto, que não será o bastante para reequilibrar o Orçamento, mesmo com o corte de pelo menos 4 mil cargos comissionados e com a redução do número de ministérios. E aí um novo imposto pode ser necessário. Acontece que o tema ficou restrito a uma pergunta da repórter, que dava de barato que ele não vai existir. Não estou tão certo disso. No capítulo da receita, também não se tocou no tema “privatização” ou num meio de incentivar o investimento privado, ainda que por intermédio de parcerias.

Se é bom um governo que não acena com surpresas, convém, no entanto, que o governante não deixe equações em aberto. Sem imposto, com a manutenção dos gastos sociais, das vinculações constitucionais e sem privatizações, a conta não fecha. E todos sabem que a economia é hoje o principal problema do país.

Ministérios
De uma parte da entrevista, em particular, não gostei: precisamente aquela em que Temer cede à patrulha politicamente correta. Indagado sobre a ausência de mulheres no ministério, lembrou que sua chefe de gabinete é Nara de Deus Leão. Disse ainda que as secretarias de Cultura, Ciência e Tecnologia e Cidadania serão ocupadas por mulheres.

É evidente que considero um erro ceder a esse tipo de abordagem. O governo Dilma é a prova de que a diversidade, entendida desse modo, não quer dizer absolutamente nada. Liderada por uma mulher, em companhia de outras, a gestão da petista é certamente a mais incompetente da história. E a culpa é de Dilma, não das mulheres.

Tomo o exemplo da Cultura. Sem saber ainda quem Temer vai indicar, asseguro que um homem é o mais competente para cuidar dessa área. É evidente que, no ambiente viciado em que se dá esse debate, não declinarei aqui o nome para não dar curso a um bate-boca estúpido.

É o fim da picada que o país eventualmente abra mão da competência e da experiência firmadas de um especialista para ceder aos apelos da ideologia de gênero.

Daqui a pouco alguém vai sugerir que Temer nomeie a/o cartunista Laerte. E atenção! Não é que ele/ela não possa ser ministro/a só porque é trans. Ele/Ela não pode é ser ministro/a por ser trans. Entenderam a ligeira diferença de língua e a brutal diferença política?

Uma pessoa não tem de ser secretária de Cultura tendo como condição necessária ser mulher. A condição necessária é ser a melhor na área. E essa deve ser também a condição suficiente. E, nesse caso, vejam que coisa, o mais competente e experiente é um homem.

Entre ceder às pressões das Mafaldinhas e às necessidades do país, o presidente sabe que só uma escolha é certa.
Título e Texto: Reinaldo Azevedo, VEJA, 16-5-2016


Relacionados:

Um comentário:

  1. Gostei muito da entrevista!
    Bem articulado e falando corretamente.
    Boa!

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-