terça-feira, 29 de setembro de 2015

O discurso caduco de Dilma na ONU. Para o Brasil e para o mundo

Reinaldo Azevedo

A presidente Dilma Rousseff levou uma pauta de duas faces para a Assembleia Geral das Nações Unidas, em cuja abertura discursou nesta segunda. Tratou de questões internas, numa fala que ficaria melhor se enunciada no Congresso brasileiro, e de problemas externos. No que nos diz respeito — ou “no que se refere” a nós, como ela própria diria —, apresentou um diagnóstico conhecido e falso. É lamentável porque isso leva à profilaxia errada e a prognósticos que não se cumprem. Na política externa, lá estava o besteirol habitual do petismo, com uma correção de rumo ao menos: desta feita, ela não cobrou negociação com o Estado Islâmico. Vamos por partes.

Ilustração: Aroeira

Dilma disse com todas as letras que o modelo de crescimento adotado pelo Brasil — leia-se: pelo PT — “chegou ao limite”. Por que isso interessa à ONU? Não interessa. Estava falando para dentro, não para fora. Mais uma vez, mistificou sobre as causas. Atribuiu a crise por que passa o país à conjuntura internacional e ainda tentou o caminho da vanglória: durante seis anos, seu governo teria resistido às pressões externas, mas, agora, não deu mais.

Ela resumiu assim o desastre que ela e Guido Mantega produziram no país:
“A lenta recuperação da economia mundial e o fim do superciclo das commodities incidiram negativamente sobre o nosso crescimento. A desvalorização cambial e as pressões recessivas produziram inflação e forte queda da arrecadação, levando a restrições nas contas públicas”.

Dilma finge, para citar um autor que, consta, ela já leu — refiro-me a Karl Marx —, que tudo caiu na árvore dos acontecimentos. O tal superciclo das commodities terminou em meados de 2012. Em vez de tomar as medidas prudenciais, esta senhora enfiou o pé nos gastos públicos e manteve o modelo ancorado no consumo do tempo das commodities gordas. Para lograr tal intento, aplicou anabolizantes na economia como desonerações, isenções, estímulo ao crédito. Os que anteviam que o “modelo” naufragaria foram tratados como inimigos do Brasil.

Insisto: essa bobajada não tem nenhum interesse ao resto do mundo. Ela fala aos nativos. O que ela não explica — nem teria como fazê-lo — é por que não admitiu, então, em outubro que as dificuldades seriam imensas e não pediu ao povo, com sinceridade, um voto de confiança. Em vez disso, preferiu o estelionato eleitoral.

Ela foi adiante nos recados internos. Referindo-se veladamente à possibilidade do impeachment, falou da importância de se respeitarem as instituições — exceção feita a esquerdistas, aliados dela, quem não respeita? — e emendou: “O Brasil vai continuar trilhando o caminho democrático”. Ora, claro que sim! O impedimento, por exemplo, faz parte do elenco de medidas democráticas.

Dilma falou ainda do combate à corrupção, afirmando que os brasileiros não suportam esse mal. E deu conselhos aos juízes: não “ceder a excessos”, julgando “sem paixões político-partidárias”, alertando que “as sanções da lei devem recair sobre todos os que praticam e praticaram atos ilícitos”. Por quê? Não é assim hoje?

Esse discurso, convenham, não buscava o convencimento de dirigentes de outros países. Dilma estava conversando com os deputados que, primeiro, vão decidir se será ou não instalada a comissão especial que pode analisar a denúncia contra ela. Caso isso aconteça, esse mesmo colégio vai arbitrar se ela será ou não afastada do cargo.

Mundo
A presidente, claro!, deu conselhos ao mundo. A dirigente cujo governo estimula, na prática, o tráfico de haitianos para o Acre e, depois, para São Paulo falou dos refugiados. Como se fosse uma adolescente prestes a entrar em algum grupelho de esquerda, afirmou: “Em um mundo onde circulam, livremente, mercadorias, capitais, informações e ideias, é absurdo impedir o livre trânsito de pessoas”.

Não sei se o conselheiro de política externa de Dilma é Marco Aurélio Garcia ou John Lennon. Tenham paciência!

Sim, Dilma atacou, desta feita, o terrorismo do Estado Islâmico, mas não sem culpar os EUA e as potências europeias. Para as ditaduras do Oriente Médio e da África, não sobrou nem uma pancadinha. Atribuiu a crise dos refugiados a “países que tiveram seus estados nacionais desestruturados por ações militares ao arrepio do direito internacional, abrindo espaço para a proliferação do terrorismo”.

Mais uma vez, Israel foi alvo da crítica do governo brasileiro. Discursou a soberana: “Não se pode postergar, por exemplo, a criação de um Estado Palestino, que conviva pacífica e harmonicamente com Israel. Da mesma forma, não é tolerável a expansão de assentamentos nos territórios ocupados”. Certo. A petista silenciou sobre os ataques terroristas praticados por palestinos.

As tolices foram se multiplicando. Referindo-se à América Latina e Caribe e ao avanço das relações diplomáticas entre EUA e Cuba, disparou: “Nossa região – onde imperam a paz e a democracia – se regozija com o estabelecimento de relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos, que põe fim a um contencioso derivado da Guerra Fria. Esperamos que esse processo venha a completar-se com o fim do embargo que pesa sobre Cuba”.

Dilma vê paz e democracia em Cuba.

Dilma vê paz e democracia na Venezuela.

Dilma vê paz e democracia no Equador.

E, claro!, pediu, uma vez mais, a reforma do Conselho de Segurança da ONU. Encerro assim: um governo que chama ditaduras assassinas de “democracias” está preparado para melhorar o mundo?
Título e Texto: Reinaldo Azevedo, VEJA, 29-9-2015

#prontofalei – Discursos fora do lugar

2 comentários:

  1. A APARIÇAO ; DO ; IVAN ADEMAR DE ARRUDA . NAS REDES SOCIAS . QUEM APARECE E PORQUE COMPARECE , E QUEM NAO APARECE E PORQUE NAO COMPARECE . ESTA MENSAGEM E PARA TODOS NOS , SEJA EM TODAS AS NOSSAS AREAS DA NOSSOS VIDAS... AUTOR ; IVAN ADEMAR DE ARRUDA...

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-