domingo, 17 de dezembro de 2017

Capina (II)

Haroldo P. Barboza

Ilustração: Jarbas

As escolas municipais (e provavelmente as estaduais também) "orientam" que as professoras aprovem seus alunos mesmo que a média anual seja abaixo de UM. Três motivos conduzem para esta prática:

a) os traficantes ameaçam professores que reprovam parentes menores daqueles;
b) o município perde verba federal por cada aluno reprovado;
c) os alunos agora estão agredindo os professores sob o imundo manto da imunidade do “di menor”.

Não fica difícil imaginar como anda a cultura em nossa pátria. Teatros abandonados, cinemas falidos, bibliotecas sendo devoradas por traças e museus com goteiras. Alguns valentes sítios de informática tentam criar um canal de sobrevivência das letras, assim como outras tantas entidades culturais patrocinam heroicamente concursos literários, tendo em vista que não há incentivo de leitura de livros que representam armas perigosas que podem abrir mentes e formar opiniões contrárias ao regime que nos conduz. Todos estes veículos sobrevivem com água no queixo. Qualquer marola mais forte os afoga. Não há nenhuma linha de crédito que os beneficie. Quem se arrisca a patrocinar uma destas entidades chega a receber "gelo" dos demais integrantes da máfia do poder. Em paralelo despejam as palavras estrangeiras em todas as campanhas publicitárias, trazendo-nos mais dificuldades em absorver a linguagem nativa. Dificultam a comunicação entre nós para impedir que as ideias de uma cruzada buscando a verdadeira independência de nossa pátria possam ser costuradas entre os que não foram totalmente anestesiados pelos abutres que apenas desejam nos manter colônia por mais 500 anos.

E para culminar, mantém latente o estado de pânico, desespero e desestímulo entre os componentes que sustentam a estrutura da disseminação do saber entre os alunos. Os salários congelados e ridículos traduzem o menosprezo que os dirigentes possuem pelo povo, mas não esquecem de legislar em causa própria, propondo 15o salário até para quem foi cassado por manipular o painel eletrônico do Senado. Com dois meses de antecedência (antes do início do ano letivo) não sentam para negociar com os professores e assim, criam as condições para que as greves prolongadas aconteçam no meio do processo já combalido. Mas o reajuste legislativo é aprovado em 15 minutos, durante a madrugada.

Tal procedimento se faz necessário para que o processo de manter o povo na obscuridade continue em andamento para garantir mão-de-obra por remuneração baixa. As elites do poder não desejam correr o risco de um despertar cívico em massa, que causará a descoberta por parte da população, do quanto foi espoliada por dezenas de anos através de impostos desumanos sem aplicação honesta. Se ainda tivesse sido pelo bem do país, vá lá. Mas para sustentar mordomias de ratazanas permanentes dos gabinetes que não sabem sequer lavar um copo, é doloroso. 
Título e Texto: Haroldo P. Barboza, Rio de Janeiro

Anterior: 

3 comentários:

  1. é Haroldo. Como professora, sinto na pele o descaso com a nossa classe.
    Ainda nos dias atuais, esses governantes nos deixam sempre à deriva, com salários vergonhosos e desmotivadores. Somente trabalhamos ainda porque a maioria de nós ainda ama a profissão. Até quando, não sei.

    ResponderExcluir
  2. Pois é então.
    A educação no Brasil acabou em 1985 e a constituição cidadã sacramentou seu enterro.
    Estudar, aprender, conhecer e passar de ano, ano a ano é MÉRITO.
    Escola não deve ter IDEOLOGIAS, mas sim FILOSOFIAS.
    INFELIZMENTE, não há méritos em recuperações, no meu tempo eram 10 meses de estudo, 10 provas, 70 pontos passava por média. Hoje há escolas com 3 provas, uma com peso 1, a segunda com peso 2, a terceira com peso 3, e média 5, e os analfabetos funcionais não passam, vão para recuperações e frequentam o próximo ano. O ECA tirou a autoridade de pais e professores.
    Há ainda àqueles que morrem de medo dos alunos.
    Nossas universidades ensinam primeiro diversidades e socialismo, Ninguém explicas aos diletos IMBECIS que CAPITALISMO É UM SISTEMA ECONÔMICO, SOCIALISMO O QUE TODOS GOVERNOS DEVERIAM CUMPRIR, como saúde, educação, segurança pública e ISONOMIA de direitos, sem privilégios para ninguém, e finalmente que COMUNISMO NÃO É UM SISTEMA SOCIAL NEM ECONÔMICO MAS SIM UM PROJETO POLÍTICO.
    Odeio as ideologias, elas emburrecem, tornam as pessoas cegas e fanáticas por ídolos em andores de lama.
    Amo as FILOSOFIAS, elas nos permitem discutir, aprender e inovar tanto no mundo do ensino, quanto profissional.
    Eu sou ATEU e jamais ensinaria ateísmo aos meus alunos, sem que fosse através do debate e da liberdade de cada um ter suas próprias escolhas.
    Os trabalhadores brasileiros ganham péssimos salários, mas uma casta que ganha salários absurdos, com aposentadorias integrais, com 25 anos de serviço e 50 anos de idade. Muitos ainda fazem um PDV de milhares de reais um m~es antes da aposentadoria.
    Conheci um excelente médico nefrologista, professos da faculdade de medicina pediátrica da UFRGS, que doava seu salário de professor para o hospital da criança da Santa Casa. Esse diletante pediatra, DÉCIO MARTINS COSTA, falecido e grande amigo perdido, no espaço temporal, tinha no DILETANTISMO sua grande capacidade social, era um socialista de gabarito. Quando reclamo do BRASIL é SARNEY, COLLOR, ITAMAR, FHC, A MULA DE GARANHUNS A ANTA DA BULGÁRIA E O VAMPIRO ELEITO COM A ANTA. ESSA grande herança deixada pela esquerda.
    fui...

    ResponderExcluir
  3. Fico imaginando como serão nossos futuros médicos, nossos futuros advogados, nossos juízes, os desembargadores de amanhã, as novas enfermeiras, os jornalistas, notadamente os profissionais de imprensa que não sabem escrever, não sabem ler, que não sabem redigir uma matéria, assim como eu. Tenho visto coisas que me deixam de ouvidos esbugalhados. Enfim, caro amigo Haroldo, essa galera que está se formando agora e aqueles universitários que se graduarão nos anos subsequentes, a bem da verdade, não vejo com bons tímpanos. A meu entendimento, teremos uma colméia de burros, uma cáfila de jumentos, uma junta de imbecis, um enxame de bestas, um cardume de cidadãos que não saberá o que fazer, ou como fazer para ganhar a vida. Se estiver vivo, darei bons conselhos. Um deles, que essa nova leva de "anaufabetus", perdão, de futuros profissionais "intelijumentes", entre para a política. Ao fazê-lo, agarre de unhas e dentes num partido. Nenhum presta, mas agarre. Morra por ele. Para ser ladrão, no brazzil, qualquer legenda serve. Basta saber roubar. Procure não ser "onesto" como nosso ilustre presidente Temer, ou Lula, ou Sergio Cabrito, ou Garotinho. Temos gente de bem e de vergonha em demasia no poder. É preciso que uma banda vagabunda, tome as rédeas para botar moral. Afinal, moramos num país que anda pra fren... fren... fren.. frentrás. Aparecido Raimundo de Souza.

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-